Maria de Champanhe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com sua mãe, Maria Capeto, conhecida pelo mesmo nome.
Maria de Champanhe
Imperatriz-consorte do Império Latino
Reinado 1204
Consorte Balduíno I de Constantinopla
Antecessor(a) Maria de Champanhe
Sucessor(a) Inês de Monferrato
Dinastia Casa de Champanhe (nasc.)
Casa de Hainaut (matr.)
Nascimento c. 1174
Morte 9 de agosto de 1204 (30 anos)
  Acre
Filho(s) Joana de Flandres
Margarida II de Flandres
Pai Henrique I de Champanhe
Mãe Maria Capeto

Maria de Champanhe (c.  11749 de agosto de 1204) foi uma imperatriz-consorte do Império Latino, esposa do imperador Balduíno I de Constantinopla. Era a filha de Henrique I de Champanhe e Maria Capeto. Os seus avós maternos eram Luís VII de França e Leonor da Aquitânia. Os seus irmãos foram Henrique II de Champanhe, rei de Jerusalém, e Teobaldo III de Champanhe. A sua irmã Escolástica de Champanhe casou com Guilherme V de Mâcon. Ambas as irmãs são referidas pelo nome na crónica de Alberico de Trois-Fontaines.

Casamento[editar | editar código-fonte]

De acordo com a crónica de Gilberto de Mons, Maria ficou noiva de "Teobaldo", filho do conde de Flandres e Hainaut, em 1179. Presume-se que Gilberto se enganou a registar o nome de Balduíno. O seu noivo era Balduíno VI, filho de Balduíno V de Hainaut e Margarida I da Flandres.

Maria e Balduíno casaram-se em 6 de janeiro de 1186. Tiveram apenas duas filhas:

Imperatriz consorte[editar | editar código-fonte]

Em 14 de abril de 1202, Balduíno deixou a Flandres para se juntar à Quarta Cruzada. Esta cruzada foi desviada para Constantinopla, capital do Império Bizantino, tendo os cruzados capturado e saqueado a cidade. Eles decidiram então criar um Império Latino no lugar do grego que havia tombado. Em 9 de maio de 1204, Balduíno foi proclamado o seu primeiro imperador, com Maria como imperatriz consorte.

Maria havia decidido ela própria deixar a Flandres para se juntar ao seu marido mas decidiu visitar Outremer primeiro. De acordo com Godofredo de Villehardouin, ela não pode juntar-se a ele mais cedo durante a cruzada dado estar grávida aquando da sua partida. Após o nascimento da criança, Margarida, e de ter recuperado do parto, ela partiu ao seu encontro.[1] Ela partiu do porto de Marselha e desembarcou em Acre. Aí ela recebeu tributo de Boemundo IV de Antioquia.[2] Em Acre ela recebeu a notícia da queda de Constantinopla e da proclamação de Balduíno como o novo imperador. Maria queria partir para Constantinopla ao seu encontro, mas adoeceu e morreu na Terra Santa.[1]

A notícia da sua morte chegou a Constantinopla através de cruzados provenientes da Síria. Balduíno alegadamente ficou desgostoso com a morte da sua mulher. Villehardouin registou que Maria "era uma mulher graciosa e virtuosa e muito honrada".[1]

Referências

  1. a b c Godofredo de Villehardouin; Frank T. Marzials (trad.). «Memoirs or Chronicle of The Fourth Crusade and The Conquest of Constantinople» (em inglês). Consultado em 10 de abril de 2013. 
  2. RUNCIMAN, Steven (1954). A History of the Crusades. The Kingdom of Acre and the Later Crusades (em inglês). 3. Cambridge: Cambridge University Press 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Maria de Champanhe
Nascimento: 1174 Morte: 1204
Títulos reais
Novo título Imperatriz-consorte do Império Latino
1204
Sucedido por:
Inês de Monferrato