Maria do Carmo Gerônimo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Maria do Carmo Gerônimo
Nascimento 5 de março de 1871
Carmo de Minas, MG
Morte 14 de junho de 2000 (129 anos)
Itajubá, MG
Nacionalidade brasileira
Progenitores Mãe: Sabrina do Carmo Gerônimo
Pai: Luiz José Monteiro de Noronha

Maria do Carmo Gerônimo (Carmo de Minas, 5 de março de 1871Itajubá, 14 de junho de 2000) foi uma ex-escrava brasileira que teria sido uma das pessoas mais velhas do mundo que se tem registro.[1] Por falta de registro de nascimento e qualquer outro documento civil que comprovasse seu ano de nascimento, não pôde ser incluída no livro Guinness dos recordes.[2].

Segundo documento da Paróquia Nossa Senhora do Carmo, de Campanha (no sul de Minas Gerais), Maria do Carmo nasceu no dia 5 de março de 1871 e foi batizada 16 dias depois.

Maria do Carmo, nascida em Carmo de Minas, foi escrava até a idade de 17 anos, quando da abolição da escravatura no Brasil. Trabalhou 60 anos como empregada doméstica na família do historiador José Armelim Bernardo Guimarães em Minas Gerais e faleceu após um longo período de problemas de saúde.[2][3] Maria do Carmo, era filha de Sabrina, escrava de Luiz José Monteiro de Noronha.[4]

Em 1995 foi agraciada com a medalha do centenário de Zumbi dos Palmares e viajou com o então prefeito, César Maia, ao Rio de Janeiro com o objetivo de realizar o sonho de conhecer o mar. Nesta data, Maria do Carmo teria 124 anos.[3]

No dia 5 de outubro de 1997, esteve presente na missa presidida pelo Papa João Paulo II no Rio de Janeiro.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Câmara dos Deputados do Brasil. «Biografia de Maria do Carmo Gerônimo». Consultado em 23 de Junho de 2009 
  2. a b BBC (16 de junho de 2000). «Survivor of slavery dies in Brazil» 
  3. a b IstoÉ. «Maria do Carmo Jerônimo - A ex-escrava, considerada a mulher mais velha do mundo, morreu aos 129 anos». Consultado em 12 de abril de 2009 
  4. «Folha Online - Cotidiano - Morre em MG, aos 129, a mulher mais velha do Brasil - 14/06/2000». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 4 de julho de 2017