Mariana Villar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mariana Villar
Nome completo Lucinda Costa Alves Figueira
Nascimento 14 de março de 1927
São Brás de Alportel
Nacionalidade Portugal Portuguesa
Morte 29 de abril de 1998 (71 anos)
Lisboa
Ocupação Atriz
Cônjuge Luiz Francisco Rebello
IMDb: (inglês)

Lucinda Costa Alves Figueira (São Brás de Alportel, 14 de março de 1927 - Lisboa, 29 de abril de 1998), mais conhecida pelo pseudónimo Mariana Villar, foi uma actriz (de teatro, televisão e cinema) portuguesa, esposa de Luiz Francisco Rebello.

A sua estreia no cinema verificou-se em 1952, interpretando a protagonista do filme "Duas Causas", ao lado de Alves da Cunha. Seguiram-se os filmes "A Rosa de Alfama" e "Quando o Mar Galgou a Terra" de Henrique Campos.

A partir de 1954 fez parte de várias companhias teatrais, entre as quais o Teatro d'Arte de Lisboa, o Grupo de Acção Teatral e a Casa da Comédia. Participou em peças como "Yerma" de Garcia Lorca, "Dez Convites para a Morte" de Agatha Christie, "Joana d'Arc" de Jean Anouilh, "O Amor dos 4 Coronéis" de Peter Ustinov, "A Casa dos Vivos" de Graham Greene, "Os Fantasmas" de Eduardo de Filippo, "O Sedutor" de Diego Fabbri e "O Processo" de Kafka. Também participou em muitas noites de teatro da RTP.

Participou no filme "A Estrangeira" (1983) de João Mário Grilo e na telenovela "Chuva na Areia" da RTP.

Em 1990 participou no teledrama "Todo o Amor é Amor de Perdição" de Herlander Peyroteo.

Faleceu em Abril de 1998.

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

No teatro[editar | editar código-fonte]

No cinema[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]