Marianne Beth

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Marianne Beth
Nascimento 6 de março de 1890
Viena
Morte 19 de agosto de 1984 (94 anos)
Nova Iorque
Cidadania Estados Unidos, Áustria
Alma mater
Ocupação jurista, professora universitária, socióloga

Marianne Beth (Viena, 6 de março de 1889Nova Iorque, 19 de agosto de 1984) foi uma advogada, jurista e feminista austríaca.[1] Em 1921, Beth tornou-se a primeira mulher da Áustria a concluir um doutoramento em Direito.[2][3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Beth nasceu em uma família burguesa de Viena, sendo filha de Marianne Weisl. Seu pai era um advogado. Em 1906, casou-se com o teólogo Karl Beth, de Berlim, e converteu-se do judaísmo para o protestantismo.[4]

Em 1908, Beth queria ela mesma estudar Direito, mas na época isso não era permitido para mulheres de Viena. Então optou por estudar o Orientalismo, concluindo um doutorado sobre Línguas orientais.[5] Em 1919, as regras foram alteradas, permitido que se matriculasse para estudar Direito. Em 1921, tornou-se a primeira mulher a concluir um doutorado em Direito em seu país. A partir de 1928, foi ativa na prática da advocacia.[5]

Beth escreveu frequentemente sobre questões envolvendo as mulheres e foi autora de um manual jurídico denominado "O direito da mulher", de 1931. Também foi co-fundadora da Organização das Mulheres Austríacas.[4]

Quando a Alemanha Nazista anexou a Áustria em 1938 (Anschluss), seu nome foi removido do registo de advogados e Beth e seu marido emigraram para os Estados Unidos.[5] De 1939 a 1942, lecionou sociologia na Reed College, em Portland, Oregon.[6]

Referências

  1. «Dr. jur. et phil. Marianne Beth». Sophie. Consultado em 24 de outubro de 2016 
  2. «Marianne Beth». Brooklyn Museum. Consultado em 10 de março de 2018 
  3. Nathalia Zaccaro (30 de maio de 2017). «AS GAROTAS QUE FIZERAM HISTÓRIA, MAS NINGUÉM SABE». Uol. Consultado em 10 de março de 2018 
  4. a b Knowledgebase Adult Education
  5. a b c Albisetti, James C., "Portia Ante Portas: Women and the Legal Profession in Europe, ca. 1870-1925," Journal of Social History, Vol. 33, No. 4 (Summer, 2000), pp. 825-857
  6. Belzen, Jacob A., "A Political End to a Pioneering Career: Marianne Beth and the Psychology of Religion," Religions 2011, 2, pp.247-263.

Nota[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]