Mariano de la Mata

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Beato Mariano de la Mata Aparício
Nascimento 31 de dezembro de 1905 em La Puebla de Valdavia, Espanha
Morte 5 de abril de 1983 (77 anos) em São Paulo, Brasil
Veneração por Igreja Católica
Beatificação 5 de novembro de 2006, São Paulo por Bento XVI
Festa litúrgica 5 de novembro
Gloriole.svg Portal dos Santos

Beato Mariano de la Mata Aparício, mais conhecido como Padre Mariano (La Puebla de Valdavia, 31 de dezembro de 1905São Paulo 5 de abril de 1983), foi um religioso hispano-brasileiro reconhecido pela Igreja Católica como beato.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido na Espanha, Padre Mariano veio ainda jovem para o Brasil, em 1931, um ano após sua ordenação. Aportou em Taquaritinga, a 350 km da capital paulista, e começou a trabalhar como vigário da paróquia e capelão do colégio das "Irmãs Agostinianas Missionárias". Foi designado depois para São José do Rio Preto e, finalmente, transferido para São Paulo. Em São Paulo morreu, em 1983, vítima de câncer no abdômen. Mantinha rotina rígida e disciplinada, e amava crianças e pobres.[1]

Padre Mariano também foi diretor espiritual das “Oficinas de Santa Rita de Cássia”, equipes de senhoras que confeccionam, costuram e distribuem enxovais e roupas para os recém-nascidos carentes.[2]

O Milagre[editar | editar código-fonte]

O milagre aprovado pela Congregação para as Causas dos Santos e pelo Papa Bento XVI para a beatificação de Padre Mariano ocorreu com João Paulo Lopes da Silva Polotto, em 1996. O milagre aconteceu na cidade de Barra Bonita:[desambiguação necessária] o menino João Paulo Lopes da Silva Polotto, então com cinco anos, sofreu um acidente quando soltou-se de sua mãe e atravessou a rua; foi atingido por um caminhão e sofreu fratura do crânio. Foi internado com parada respiratória e hemorragia cerebral, em estado muito grave. Padres e alunos do Colégio Agostiniano São José, de São José do Rio Preto, onde Padre Mariano viveu, pediram a ele em oração para que intercedesse junto a Deus e, dez dias depois, o menino era visto nas ruas da cidade caminhando e brincando, sem qualquer sequela do acidente.Os médicos não puderam explicar a imensa recuperação. [3]

Beatificação[editar | editar código-fonte]

Em 31 de maio de 1997 teve início o processo de pedido de beatificação junto ao Vaticano, conduzido pelo então cardeal Dom Paulo Evaristo Arns.[4]

Padre Mariano foi beatificado em 5 de novembro de 2006. A missa de sua beatificação foi realizada na Catedral da Sé na cidade de São Paulo. Em virtude disso, o "Dia do Beato Mariano" - sua memória litúrgica no Brasil - é comemorado todo dia 5 de novembro.

Cerca de 8 mil pessoas participaram da celebração de sua beatificação, incluindo membros da família que recebeu o milagre que deu causa ao processo de beatificação junto ao Vaticano.

No Brasil, além do reconhecimento do padre Mariano e do padre João Batista Reus, o padre José de Anchieta, o Padre João Schiavo, Frei Galvão e Madre Paulina já foram beatificados.[5]

Altar e oração[editar | editar código-fonte]

O altar em honra ao Beato Mariano encontra-se na Paróquia Santo Agostinho, na estação Vergueiro do metrô, em São Paulo - SP, ao lado do Colégio Santo Agostinho. Sob tal altar da igreja estão guardados os seus restos mortais. Lá também está sua relíquia.

Clicando no site do Colégio Santo Agostinho, abaixo relacionado, você encontra uma oração: a Novena ao Beato Padre Mariano. [6]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]