Marie-Monique Robin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Marie-Monique Robin em 2009.

Marie-Monique Robin (Poitou-Charentes, 1960) é uma premiada jornalista francesa.

Recebeu o prêmio Albert Londres em 1995, por Voleurs d'yeux, um trabalho sobre o roubo de órgãos. É autora de um livro e um documentário intitulados Escadrons de la mort, l'école française (Os Esquadrões da morte: A escola francesa), sobre as ligações entre os serviços secretos francês, argentino e chileno.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

  • "Escadrons de la mort, l'école française". Documentário (2003). Título em português: Os Esquadrões da morte: A escola francesa). O filme trata da transferência das técnicas de tortura usadas pelo serviço secreto francês, para as organizações de repressão política da América Latina.[2]

Controversia[editar | editar código-fonte]

Sua afirmações sobre roubo de órgãos no documentário Voleurs d'yeux levaram uma grupo de mécicos franceses a examinar os olhos de Jeison, suposta vítima do crime. A embaixada colombiana levou Jeison (então com 12 anos de idade) num vôo para Paris em agosto de 1995, a fim de ter seus olhos examinados por dois renomados especialistas franceses em doenças infecciosas e oftalmologia. Um pediatra avaliou os prontuários do menino.

O relatório dos médicos franceses apontou que os globos oculares, apesar de atrofiados, ainda estavam lá, assim como partes da córnea.

Pode-se acrescentar que, com suas 28.000 mortes violentas por ano, a Colômbia não tem escassez de doadores de qualquer tipo. De acordo com a lei colombiana, todos são doadores em potencial a menos que a família faça objeção.

Devido ao resultado do exame médico, o júri do Albert Londres suspendeu o prêmio de Robin e prometeu reanalisar o seu documentário.[3]

Referências

Referência Bibliográficas[editar | editar código-fonte]

Renard, G., M. Gentilini, A. Fischer, Rapport d’examen de i’enfant Wenis Yeison Crus Vargas. Paris, 10 August 1995.

Para as reações de Robin e de outras partes envolvidas ver:

Gillot, Nathalie, ‘Polémique sur l’enfant aveugle.’ France-Soir, 12 August 1995;

Nau, Jean-Yves, ‘Un reportage sur les greffes de cornées en Colombie suscite un polemique.’ Le Monde, 17 Aug. 1996;

Proenza, Anne, ‘Un document violemment critiqué a Bogota.’ Le Monde 17 Aug. 1995;

Bantman, Beatrice, ‘Jeison, aveugle mais pas victime.’ Liberation, 18 Sept. 1995;

Fritisch, Laurence,‘C’était une maladie,’ France-Soir, 19 Sept. 1995;

Nau, Jean-Yves, ‘Un rapport medical contredit un reportage sur un traffic d’organes en Colombie.‘ Le Monde, 19 Sept. 1995.


Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) jornalista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.