Marin Mersenne

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Marin Mersenne
Matemática
Nacionalidade França Francês
Residência  França
Nascimento 8 de Setembro de 1588
Local Oizé
Morte 1 de Setembro de 1648 (59 anos)
Local Paris
Atividade
Campo(s) Matemática
Tese 1611
Orientado(s) Blaise Pascal, Gilles Personne de Roberval, Frans van Schooten[1]

Marin Mersenne (Oizé, 8 de Setembro de 1588Paris, 1 de Setembro de 1648) foi um matemático, teórico musical, padre mínimo, teólogo e filósofo francês. Ficou conhecido sobretudo pelo seu estudo dos chamados primos de Mersenne. O asteróide 8191 Mersenne foi baptizado em sua honra.

Vida[editar | editar código-fonte]

Marin Mersenne nasceu de uma família rural, pouco se sabendo sobre a sua infância. De 1604 a 1609 estuda em Paris com os jesuítas e nos dois anos seguintes estuda teologia na Sorbonne. Em 1611 entra para a Ordem dos Mínimos, dedicando-se por isso exclusivamente à oração e ao estudo. A atitude da Igreja Católica face ao trabalho de Galileu fez Mersenne interessar-se pela ciência, começando a estabelecer contactos com os mais importantes cientistas da época. Em Julho de 1648 adoeceu, tendo falecido em Setembro do mesmo ano. O seu grande interesse pela estudo científico levou-o a determinar, no seu testamento, que o seu corpo fosse usado para investigação.

Divulgação científica[editar | editar código-fonte]

Numa altura em que não existiam revistas científicas, o papel de Marin Mersenne era fulcral na divulgação das novas descobertas que se faziam por toda a Europa. Mersenne era o centro da divulgação científica, correspondendo-se com os maiores cientistas seus contemporâneos, como Descartes, Galileu, Fermat, Pascal e Torricelli. Mersenne organizava também encontros entre estes cientistas e viajava com frequência pela Europa para se encontrar com alguns deles. Este círculo alargado de cientistas europeus é por vezes designado por Academia de Mersenne, uma precursora da Académie des Sciences, fundada poucos anos após o falecimento de Mersenne.

Números primos[editar | editar código-fonte]

Na matemática, o grande contributo de Mersenne foi na teoria dos números. Mersenne tentou encontrar, sem sucesso, uma fórmula que descrevesse todos os números primos. Numa das cartas que trocou com Fermat, este comunicou a Mersenne que considerava que todos os números numa certa classe (os números 2^{2^p}+1, hoje conhecidos como números de Fermat) eram primos. Esta carta fez Mersenne estudar os números 2^p-1, com p primo, e em 1644 publicou o trabalho Cogita physico-mathematica, onde afirma que estes números eram primos para p=2,3,5,7,13,17,19,31,67,127 e 257. Apenas com o aparecimento do computador se conseguiu mostrar que Mersenne estava quase, mas não totalmente, correcto.

Outros estudos[editar | editar código-fonte]

Mersenne estudou música na sua obra L'harmonie universelle, onde desenvolve a teoria da ressonância natural. Estuda também combinações e permutações com o objectivo de contabilizar sequências de notas musicais. Estudou ainda a ciclóide, o barómetro, a balança e a lei da queda dos graves.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Quæstiones celeberrimæ in Genesim, 1623
  • L'impiété des déistes et des plus subtils libertins découverte et réfutée par raisons de théologie et de philosophie, 1624
  • La vérité des sciences contre les sceptiques et les pyrrhoniens, 1625
  • Euclidis elementorum libri, Apollonii Pergæ conica, Sereni de sectione coni, etc., 1626
  • Questions theólogiques, physiques, morales et mathématiques, 1634
  • Questions inouïes, ou récréations des savants, 1634
  • Les mécaniques de Galilée, 1634
  • Harmonie universelle, contenant la théorie et la pratique de la musique, 1636
  • Nouvelles découvertes de Galilée, 1639
  • Cogitata physico-mathematica, 1644
  • Universæ geometriæ mixtæque mathematicæ synopsis, 1644

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]