Mariupol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Mariupol

Мариу́поль (Russo)
Маріу́поль (Ucraniano)

  Cidade  
Da esquerda para direita: Antiga torre de água, Teatro Acadêmico Regional de Drama de Mariupol (destruido em 2022) e panorama da cidade histórica.
Da esquerda para direita: Antiga torre de água, Teatro Acadêmico Regional de Drama de Mariupol (destruido em 2022) e panorama da cidade histórica.
Símbolos
Bandeira de Mariupol
Bandeira
Brasão de armas de Mariupol
Brasão de armas
Localização
Mariupol pos.png
Coordenadas 47° 07' 50" N 37° 33' 50" E
País  Ucrânia
Oblast Donetsk
História
Fundação 1778
Nomeado por Virgem Maria
Administração
Prefeito Vadym Boychenko
Características geográficas
Área total 244 km²
População total (2021) 431,859 [1] hab.
Altitude 67 m
Fuso horário EET (UTC+2)
Horário de verão EEST (UTC+3)
Código postal 87500–87590
Código de área +380 622, 623
Outras informações
Placa veículo AH

Mariupol ou Mariópolis[2] (em ucraniano: Маріу́поль/Марію́піль, transl. Mariúpol/Mariúpil; em grego: Μαριούπολη, transl.: Marioúpoli) é uma cidade localizada no sul da Ucrânia, no Óblast de Donetsk. Chegou a ter mais de 500 mil habitantes em 2007, mas em 2013 o número era de menos de 460 mil pessoas. De acordo com o censo de 2021, a cidade tinha uma população estimada de 431.859, mas ainda assim era a décima cidade mais populosa da Ucrânia e a segunda maior do Oblast de Donetsk.[1]

Foi fundada pelos cossacos no século XVIII. É um importante porto do Mar de Azov. Designou-se Jdanov entre 1948 e 1989, em homenagem a Andrei Jdanov. Na Segunda Guerra Mundial a cidade esteve ocupada pelos alemães entre 1941 e 1943 e ficou praticamente destruída, sendo depois reconstruída no típico estilo soviético. Um importante centro industrial com um grande porto (o segundo maior da Ucrânia, atrás apenas de Odessa), Mariupol sempre teve um papel significativo na economia ucraniana.

A cidade foi constantemente bombardeada, cercada e invadida, passando a ser um cenário de guerra durante a invasão da Ucrânia pela Rússia em 2022. O Cerco de Mariupol levou à destruição de mais de 90% dos prédios da cidade de acordo com as autoridades ucranianas.[3] Atualmente controlada ilegalmente pela Rússia [1], estima-se que a população da cidade seja menor do que 100 mil habitantes[4] e toda sua infraestrutura encontra-se comprometida.[5]

História[editar | editar código-fonte]

Origem[editar | editar código-fonte]

A origem da cidade vem do século XVI, onde foi construído o forte cossaco de Domakha. Em 1768, os tártaros da Crimeia conquistaram o forte. Em 1775 o território foi anexado pelo Império Russo e recebeu o nome de Pavlovsk.[6] Em 1779 a cidade foi renomeada Mariupol, em homenagem a Maria Fyodorovna.[7]

Porto Russo[editar | editar código-fonte]

No século XIX a cidade estava se desenvolvendo como um importante porto comercial. Em 1897 os russos formavam a maioria da população, em 63%. Atingiu sua população máxima em 1987, com 529 mil habitantes. Depois da independência da Ucrânia, a população ucraniana começou a aumentar a favor da russa.[6]

Guerra em Donbas[editar | editar código-fonte]

No começo da Guerra Civil no Leste da Ucrânia, em março de 2014, tanto o governo central em Kiev quanto os separatistas da República Popular de Donetsk (PRD) tentaram exercer controle sobre a região. Com apoio militar russo, os rebeldes separatistas assumiram o comando de Mariupol e colocaram a cidade como o centro administrativo do Oblast de Donetsk.[8] O governo ucraniano, contudo, começou uma grande ofensiva terrestre e em meados de junho de 2014 Mariupol já estava novamente sob controle das tropas da Ucrânia.[9]

A cidade continuou em paz até o final de agosto do mesmo ano quando as Forças Armadas da Rússia tomaram a cidade de Novoazovsk localizado a 45 quilômetros a leste de Mariupol, perto da fronteira russo-ucraniana.[10] A captura foi seguida de uma grande ofensiva pelas forças separatistas em setembro, que chegou a 16 quilômetros de Mariupol, antes que uma contraofensiva noturna afastasse os separatistas da cidade.[11] No mesmo mês, um cessar-fogo do Protocolo de Minsk foi assinado, que encerrou as hostilidades próximos a cidade por um tempo, apesar de pequenos combates esporádicos nos arredores da cidade.[11]

Em 24 de Janeiro de 2015, a cidade foi alvo de um bombardeio indiscriminado que resultou na morte de 30 pessoas e 128 feridos.[12] Os ataques foram realizados por foguetes partidos de lançadores múltiplo de foguetes BM-21 Grad[12] que partiram do território ocupado pela República Popular de Donetsk.[13]

Temendo que o bombardeio fosse o prelúdio para uma terceira ofensiva contra a cidade, as Forças Armadas da Ucrânia lançaram uma ofensiva surpresa em Fevereiro de 2015 com a intenção de capturar a vila de Shyrokyne, localizada a 23 quilômetros de Mariupol, de onde os foguetes foram disparados.[14] A batalha de Shyrokyne tornou-se um impasse, com as forças ucranianas e da RPD lutaram pelo controle de Shyrokyne e aldeias vizinhas até que os separatistas se retiraram em julho.[15]

Incidente da Ponte da Crimeia em 2018[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Incidente do estreito de Querche

Após a abertura da Ponte da Crimeia em maio de 2018, os navios de carga com destino a Mariupol foram submetidos a inspeções pelas autoridades russas, resultando em atrasos de até uma semana. Reduzindo a tráfego portuária na cidade em até 25%.[16] Em 25 de novembro de 2018, três navios da Marinha da Ucrânia que tentaram cruzar o estreito do Mar Negro em direção ao Mar de Azove pelo Estreito de Querche foram apreendidos pelo serviço de segurança russo FSB (que também serve como guarda costeira da Rússia). Isso mesmo após ter autorizado a passagem de outros três navios militares ucranianos setembro do mesmo ano.[17] A ucrânia declarou lei marcial e uma guerra quase eclodiu entre os dois países.[18]

Mariupol destruída pelo bombardeio russo.

Invasão pela Rússia em 2022[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Batalha de Mariupol

Em 25 de fevereiro de 2022, a cidade foi cercada por tropas da Rússia e da República Popular de Donetsk no contexto da invasão russa da Ucrânia, com o controle da total da região sendo conquistado pelos russos em 17 de maio de 2022.[19][20] A cidade foi quase que completamente destruída após uma brutal campanha de bombardeio e intenso combate urbano.[21][22]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Etnia[editar | editar código-fonte]

Ucranianos compõem cerca de 48,7% da população, seguidos por russos, em 44,4%. Gregos compõem cerca de 4,3%, mas este número está diminuindo. Os judeus foram uma presença histórica na cidade, mas hoje são apenas 0,2% da população.[6]

Línguas[editar | editar código-fonte]

A população de Mariupol, ao contrário do que acontece nas zonas ocidentais da Ucrânia, é maioritariamente de língua russa. Uma pesquisa de 2020 indicou que apenas 0,9% dos habitantes falavam um ucraniano típico em casa regularmente. O russo seria a língua preferida de 81,9%, seguida por 9,6% tendo uma preferência equânime entre russo e ucraniano e 7,3% falando surjique (dialeto híbrido entre ucraniano e russo).[23] Como remanescente da colonização grega do Mar Negro entre os séculos VII e VI a.C., permanece um remanescente de falantes de um dialeto grego único, o grego mariupolitano, assim como do urum, uma túrquica de substrato grego.[24][25]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localização[editar | editar código-fonte]

A cidade fica na costa do Mar de Azove na planície do Mar Negro, na foz dos rios Kalmius e Kalchik. Fica em cima do solo Chernozem, com uma grande quantidade de água no subsolo.[7]

Clima[editar | editar código-fonte]

Mariupol tem um clima continental húmido (Dfa), de acordo com a classificação Köppen-Geiger.[26]

Dados Climáticos[27][28]
Mês Jan Feb Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Máximo registado (ºC) 10,0 15,0 19,6 30,0 33,9 37,0 37,8 38,0 34,4 27,1 18,0 14,1 38,0
Média Máxima (ºC) 0,0 0,7 6,1 13,6 20,5 25,5 28,3 27,9 21,6 14,1 6,3 1,5 13,8
Média Diária (ºC) −2,4 −2,0 2,8 9,8 16,5 21,2 23,8 23,3 17,3 10,6 3,7 −0,9 10,3
Média Mínima (ºC) −4,6 −4,5 0,1 6,3 12,4 16,7 18,9 18,3 13,1 7,2 1,2 −3,0 6,8
Mínimo Registrado (ºC) −27,2 −25,0 −20,0 −7,3 0,0 5,6 8,9 5,0 −1,1 −8,0 −17,0 −24,5 −27,2
Precipitação Média (mm) 54 41 48 41 44 48 31 34 38 40 48 54 525
Humidade (%) 83 81 77 71 65 60 58 57 64 72 81 82 71
Dias de Chuva (d) 8 6 7 6 6 6 4 3 4 5 6 7 6

Governo[editar | editar código-fonte]

Atualmente administrada pela República Popular de Donetsk, cujo líder Denis Pushilin em 6 de abril de 2022 apontou Konstantin Ivashchenko como o novo prefeito.[29]

É dividido em quatro distritos, chamados raions:[30]

  • Distrito do Kalmius (Kalmiuskyy Raion), antes chamado de Ilichevskyy Raion, nomeado após Vladimir Ilyich Lenin.
  • Distrito da Margem Esquerda (Livoberezhnyy Raion), antes chamado de Ordzhonikidzevskyy Raion, nomeado após Sergo Ordzhonikidze.
  • Distrito do Litoral (Primorskyy Raion)
  • Distrito Central (Tsentralnyy Raion), antes chamado de Zhovtnevy Raion (Distrito de Outubro), nomeado após a Revolução de Outubro.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Чисельність наявного населення України (População Atual da Ucrânia)» (PDF) (em ucraniano). Instituto de Estatísca da Ucrânia. Consultado em 10 de abril de 2022 
  2. Solopov, A. I. (2008). Начала латинской стилистики. Moscou: [s.n.] p. 510 
  3. Patel-Carstairs, Sunita (18 de março de 2022). «Ukraine war: Videos show apocalyptic destruction in Mariupol as Russia says it is 'tightening its encirclement'». Sky News (em inglês). Sky New. Consultado em 20 de março de 2022 
  4. Sullivan, Becky (31 de março de 2022). «Ukrainians navigate a perilous route to safety out of besieged Mariupol». NPR, American University Radio (em inglês). WAMU 88.5. Consultado em 2 de junho de 2022 
  5. «Aid workers describe 'apocalyptic' scenes in Mariupol, a Ukrainian city under siege». news.yahoo.com (em inglês). Consultado em 22 de março de 2022 
  6. a b c «Mariupol». www.encyclopediaofukraine.com. Consultado em 21 de maio de 2022 
  7. a b «Mariupol | Facts, History, Population, & Battle | Britannica». www.britannica.com (em inglês). Consultado em 21 de maio de 2022 
  8. «The President instructed the Head of the Donetsk Regional State Administration to relocate temporarily the administration office to Mariupol». president.gov.ua. Consultado em 9 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 18 de março de 2015 
  9. «U.S. Weapons Aren't Smart for Ukraine». Bloomberg. 21 de novembro de 2014. Consultado em 26 de novembro de 2014 
  10. «Russia opens 3rd front with a new offensive: Ukrainian, Western officials». web.archive.org. 28 de agosto de 2014. Consultado em 8 de outubro de 2022 
  11. a b «Ukraine fighting subsides after ceasefire agreement». The Irish Times (em inglês). Consultado em 8 de outubro de 2022 
  12. a b «Police: 10 Killed in Mariupol Shelling in Ukraine - ABC News». web.archive.org. 24 de janeiro de 2015. Consultado em 8 de outubro de 2022 
  13. «Full Report: Russian Officers and Militants Identified as Perpetrators of the January 2015 Mariupol Artillery Strike». bellingcat (em inglês). 10 de maio de 2018. Consultado em 8 de outubro de 2022 
  14. «Ukrainian forces launch offensive near Mariupol, east Ukraine: Kiev». Reuters (em inglês). 10 de fevereiro de 2015. Consultado em 8 de outubro de 2022 
  15. «Rebels withdraw from key frontline village: Kiev | News , World | THE DAILY STAR». web.archive.org. 1 de outubro de 2015. Consultado em 8 de outubro de 2022 
  16. Lourie, Richard (26 de outubro de 2018). «Putin's bridge over troubled waters». The Globe and Mail (em inglês). Consultado em 8 de outubro de 2022 
  17. «Russia fires on and seizes Ukrainian ships near annexed Crimea». Reuters (em inglês). 25 de novembro de 2018. Consultado em 8 de outubro de 2022 
  18. «Poroshenko Ends Martial Law In Ukraine As Tensions With Russia Continue». RadioFreeEurope/RadioLiberty (em inglês). Consultado em 8 de outubro de 2022 
  19. Reis Thebault. «Video from besieged Mariupol shows physical and emotional devastation: 'I don't know where to run'». The Washington Post. Consultado em 14 de março de 2022 
  20. Stashevskyi, Ciaran McQuillan and Oleksandr (17 de maio de 2022). «Longest battle ends as Ukrainian troops evacuated from Mariupol steel mill». The Sydney Morning Herald (em inglês). Consultado em 17 de maio de 2022 
  21. AFP, Emmanuel Peuchot for (13 de abril de 2022). «Biden Accuses Putin of Ukraine Genocide as Humanitarian Corridors Paused». The Moscow Times (em inglês). Consultado em 23 de abril de 2022 
  22. «Ukraine ends Mariupol battle; Azovstal steel plant fighters evacuated…». Washington Post. Consultado em 18 de maio de 2022. Cópia arquivada em 18 de maio de 2022 
  23. Gentile, Michael (25 de novembro de 2020). «The "Elephant" in Mariupol: What Geopolitical Moods Prevail in the City». Vox Ukraine 
  24. Lemprière Hammond, Nicholas Geoffrey (1959). [S.l.]: Clarence. p. 109  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  25. «Greeks of the Steppe». Washington Post. 10 de novembro de 2012 
  26. Society, National Geographic (24 de outubro de 2019). «Köppen Climate Classification System». National Geographic Society (em inglês). Consultado em 22 de maio de 2022 
  27. «Климат Мариуполя - Погода и климат». www.pogodaiklimat.ru. Consultado em 4 de junho de 2022 
  28. «Clima Mariupol: Temperatura, Tempo e Dados climatológicos Mariupol. Temperatura da água Mariupol - Climate-Data.org». pt.climate-data.org. Consultado em 5 de junho de 2022 
  29. «No hostilities underway in Mariupol, life is returning to normal - mayor». tass.com. 24 de abril de 2022 
  30. «Estrutura administrativo-territorial». Câmara Municipal de Mariupol (site antigo)