Marluce Pinto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Marluce Pinto
Replace this image male.png
Marluce Pinto
Deputada federal  Roraima
Período 1987-1991
Senadora  Roraima
Período 1991-2003
Antecessor(a) Cargo criado[nota 1]
Sucessor(a) Augusto Botelho
Dados pessoais
Nascimento 3 de junho de 1938 (79 anos)
Bandeira desconhecida Jaguaruana, CE
Cônjuge Ottomar Pinto
Partido PDS, PTB, PMDB
Profissão empresária

Maria Marluce Moreira Pinto (Jaguaruana, 3 de junho de 1938) é uma empresária e política brasileira com atuação em Roraima, estado que representou no Congresso Nacional.[1][2]

Dados biográficos[editar | editar código-fonte]

Filha de José Severino Moreira e de Laura Correia Moreira. Cursou gerência empresarial em Fortaleza e estabeleceu-se como empresária nos setores de extração de madeira e da construção civil. Casada com Ottomar Pinto, transferiu-se para o território federal de Roraima onde o marido assumiu o governo em 1979 por escolha do presidente João Figueiredo. Como primeira-dama atuou na área social, inclusive como coordenadora do Programa Nacional do Voluntariado.[nota 2]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Após a exoneração de seu marido deixou o PDS e assumiu a presidência do PTB em Roraima sendo eleita deputada federal em 1986 graças ao desempenho de Ottomar Pinto, eleito com a maior votação proporcional do país.[nota 3] Por força da Constituição de 1988, Roraima foi elevado ao patamar de estado e em 1990, Ottomar Pinto foi eleito governador e Marluce Pinto foi eleita senadora. Naquele ano ela e Júnia Marise ascenderam à Câmara Alta fazendo história como as primeiras senadoras eleitas pelo voto direto.[nota 4] Reeleita em 1994, migrou para o PMDB em junho do ano seguinte. Em 1998 perdeu a eleição para o governo de Roraima para Neudo Campos e em 2002 não se reelegeu ao Senado. Na última passagem de seu marido pelo governo do estado, foi secretária do Trabalho e Bem Estar Social. Em 2010 perdeu uma nova eleição para senador.

Mãe de Otília Pinto, eleita prefeita de Rorainópolis em 2000, tornou-se viúva após a morte de Ottomar Pinto em 11 de dezembro de 2007.

Notas

  1. Em sua primeira eleição, Roraima escolheu três senadores: Hélio Campos, o mais votado, teria oito anos de mandato enquanto César Dias e Marluce Pinto teriam quatro anos.
  2. Ottomar Pinto foi nomeado em 2 de abril de 1979 e governou até 7 de abril de 1983 quando foi exonerado.
  3. Em 1986 os roraimenses elegeram quatro deputados federais e, segundo o TSE, Ottomar Pinto obteve o primeiro lugar com 15.906 votos, o que permitiu a eleição de sua esposa 2.372 votos.
  4. A Princesa Isabel tornou-se senadora por direito dinástico aos 25 anos em 1871 e na Era Republicana Eunice Michiles foi efetivada na cadeira de João Bosco de Lima e Laélia de Alcântara foi a sucessora de Adalberto Sena enquanto Alacoque Bezerra foi convocada transitoriamente em substituição a Afonso Sancho.

Referências

  1. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputada Marluce Pinto». Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  2. «Senado Federal do Brasil: senadora Marluce Pinto». Consultado em 7 de fevereiro de 2017