Marquês de Puységur

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para homônimos, veja Puységur (homônimos).
Disambig grey.svg Nota: Para Marquês de Puységur (avô), veja François Jacques de Chastenet de Puységur.
Amand Marie Jacques de Chastenet de Puységur
Marquês de Puységur
Pseudônimo(s) Marquês de Puységur
Conhecido(a) por Criar bases para o estudo do Sonambulismo magnético
Nascimento 1 de março de 1751 (266 anos)
Paris, França
Morte 1825 (74 anos)
Castelo de Buzancy, Buzancy, França
Residência Castelo de Buzancy
Nacionalidade francês
Etnia Francesa
Progenitores Mãe: Marie-Marguerite Masson(?1760)
Pai: François-Jacques-Maxime de Chastenet (17161782), Marquês de Puységur, conde de Chessy, Chevalier de Saint Louis e tenente-general das forças armadas da França
Cônjuge Marguerite Baudard de Saint-James (17661837)
Filho(s) Jacques-Paul-Alexandre de Chastenet (17901846) e outros
Influências
Gênero literário magnetista
Movimento literário Magnetismo animal
Magnum opus Mémoires pour servir à l'histoire et à l'établissement du magnétisme animal, 1784 ISBN 2911416805, (reeditado em 1809)
Ideias notáveis Sonambulismo magnético, pré conhecimento sobre hipnose
Serviço militar
Patente 1768 tenente de artilharia, 1775 capitão-chevalier, 1778, coronel, 1789 Marechal
Brasão da Família Chastenet de Puységur.jpg

Família Chastenet de Puységur
Causa da morte Refriado

Amand Marie Jacques de Chastenet de Puységur, mais conhecido como Marquês de Puységur (Paris, França, 1 de março de 1751 - Castelo de Buzancy, Buzancy, França, 1825) foi discípulo direto de Franz Anton Mesmer, ficou conhecido por sua experiência transcrita sobre a prática do magnetismo animal e do Sonambulismo magnético. Ele ainda foi um oficial-general de artilharia.

Família Chastenet de Puységur[editar | editar código-fonte]

Amand Marie Jacques de Chastenet de Puységur nasceu na cidade de Paris na França no dia 1 de março de 1751 em família nobre de militares, marqueses e condes. Ele foi o neto de François Jacques de Chastenet de Puységur, Marquês de Puységur e Marechal de França (1656-1743)[1][2]. Filho de François-Jacques-Maxime de Chastenet, Marquês de Puységur, conde de Chessy (17161782), Chevalier de Saint Louis e tenente-general das forças armadas da França e de sua esposa Marie-Marguerite Masson(?1760)[2]. Casou-se em 1781 com Marguerite Baudard de Saint-James (17661837) e Jacques-Paul-Alexandre de Chastenet (17901846) foi um de seus filhos[2].

Militar e político de carreira[editar | editar código-fonte]

Ele entrou em serviço no “corps royal de l’artillerie” (Corpo Real de Artilharia) em 1768, graças ao amigo de família, Earl Marechal Broglie, o progresso de Amand ocorre muito rápido e chega no mesmo ano a tenente de artilharia[3].

Em 1775 galga o cargo de capitão-chevalier[2].

No ano de 1778, foi nomeado coronel[2] aos 27 anos. Distinguiu-se no Grande cerco de Gibraltar (17791783) e, em seguida foi enviado em missão oficial à Rússia[3].

Em 1785, ele assume o comando de seu regimento de artilharia em Estrasburgo [3]..

1789 foi o ano que ele assumiu o comando da école d’artillerie de La Fère(escola de artilharia de La Fere) com o cargo de Marechal[2].

Iluminista, começa a seguir as novas ideias da corrente revolucionária, e é dominado pelo rumo dos acontecimentos.

Ele recebeu a patente de general de brigada de artilharia em 1789, e renunciou em maio de 1792 [3]..

Enquanto seus dois irmãos emigraram no exterior, ele recusou-se a segui-los. Sob o Terror, ele passou dois anos na prisão com sua esposa e filhos, mas conseguiu não ser privado de sua propriedade. Sob o Consulado e o Império, de 1800 a 1805 , ele foi prefeito de Soissons.

Em 1814 é condecorado com o título de tenente general[2][3]..

Armand ficou gravemente doente em Reims no ano de 1825 durante a coroação de Carlos X da França por tentar dormir no frio, na tenda de seu avô o Marechal Jacques de Chastenet e morreu pouco depois. Ele foi enterrado na cripta da Igreja de Buzancy (Aisne).

Puységur e o magnetismo animal[editar | editar código-fonte]

Tal como os seus dois irmãos mais novos, Jacques-Maxime-Paul Chastenet, Conde de Puységur(1755 - 1848) e Antoine-Hyacinthe-Anne de Chastenet, conde de Chastenet (1752 - 1809), Armand foi aluno de Franz Anton Mesmer, como membro da Société de l'Harmonie (Sociedade da Harmonia) em 1782. Armand de Chastenet difere de Mesmer, declara ser um vetor para os pacientes que seriam seus próprios médicos, Mesmer afirma que o tratamento ocorre a partir de uma ação puramente fisiológica atuada por um fluido magnético ou ‘’corrente’’. Ele também questiona o fato da necessidade da crise, que Mesmer tinha defendido como condição final pelo tratamento através do magnetismo. A partir de 1784, em sua área de Buzancy em Soissons, Puységur começou a praticar ‘’mesmerização’’, um fenômeno magnético de transmição de fluido vital por meio do fluido magnético considerando a realização da cura aos males das pessoas do seu castelo, Henri Ellenberger , o historiador da psicanálise e psicoterapia, escreveu que[4]:

Sonâmbula figura 1

Este é um resultado do fraco desenvolvimento desta nota prática, diz a Victor Raça, um agricultor cuja família está no seu serviço, um estado de sonambulismo. É assim que ele descreve o estado adormecido, mas totalmente consciente de que, em seguida, voltar a ocorrer. Ele irá descrever incluindo clarividência dos pacientes sobre sua própria doença, por outro, e os remédios que lhes convêm. O primeiro evento acontece em 4 de Maio de 1784, o ano da publicação de seu primeiro livro sobre o magnetismo animal. Este é também o ano da publicação dos dois relatórios oficiais sobre o magnetismo animal patrocinados por Louis XVI . Em 1785 ele ministrou um curso sobre o magnetismo animal para a sociedade maçônica local. Em 1785, ele traz Victor Corrida em Paris para demonstrar suas descobertas antes de Mesmer. No mesmo ano, ele cria Strasbourg harmônica Sociedade dos Amigos reunião em que ela forma cerca de duzentos e hipnotizadores instituto muitos centros de tratamento. Esta empresa continua a existir até 1789 e publicou numerosos artigos sobre os vários casos tratados por magnetismo[6].. Sempre criticado e desafiado, ele realiza muitas ações para atender a essa sala descrença. Para um destes biógrafos ( Jean-Pierre Petter ) que destacou o poder de cada joguei contra ele e, em vez de vê-la como uma personalidade de purificação e que codifica o magnetismo e o fenômeno do sonambulismo, preferenciais representadas como aristocrata manipuladora para não perder a imagem do poder hierárquico. Este é um ponto de vista que afirma que tais práticas não poderia ser neutro no contexto político e religioso da Revolução Francesa .

Sonâmbula figura 2

Puységur desenvolveu uma teoria baseada na ideia de dar mais importância à vontade de terapeuta sobre o paciente, em vez de a convulsões e distúrbio de si mesmo, assim como seu mestre. Seu trabalho se concentrou em um estado peculiar o sono que ele chamou de "sonambulismo", seus trabalhos junto com os do naturalista Joseph Philippe François Deleuze (1753-1835), que considerou que a utilização do magnetismo produz uma ligação entre magnetizador e magnetizado[9]. Puységur é o líder da escola de magnetismo animal "psicofluidistas". Em particular entre eles, Deleuze , o médico Alphonse Teste, o oficial e escritor Charles de Villers, Casimir Chardel, Auguste Leroux, AA Tardy de Montravel e Jules Charpignon.

O Instituto do Marquês de Puységur "Société des Amis Harmonique Réunis" teve sucesso até a Revolução Francesa, mas foi dissolvida durante a revolução e condenado a dois anos de prisão na comuna de Puységur. Após a queda de Napoleão, uma nova geração de magnetizadores apropriou de seu ensinamento. Suas contribuições vieram gradualmente esquecido até que Charles Richet seus escritos em 1884 redescoberto e ocupar queria que de hoje a hipnoterapia diminuiu principalmente devido a suas teses. Henri Ellenberger chamado Puységur "um dos grandes autores esquecidos da história das ciências psicológicas" e publicado detalhes da vida e obra de Puységurs em seu livro "descoberta do inconsciente"[10]

Testemunho de Deleuze[editar | editar código-fonte]

.

Literatura[editar | editar código-fonte]

  • História da Psiquiatria e Psicologia Médica: com epílogo em psiquiatria escrito por Edwin R. Wallace, John Gach, página 558
  • Impromptu Hypnosis por Ilya Grzeskowitz, página 41 - ISBN 9783868822465

Tratados[editar | editar código-fonte]

Na língua nativa[editar | editar código-fonte]

  • Mémoires pour servir à l'histoire et à l'établissement du magnétisme animal, 1784 ISBN 2911416805, (reeditado em 1809)
  • Du magnétisme animal, considéré dans ses rapports avec diverses branches de la physique générale, 1807
  • Recherches, expériences et observations physiologiques sur l'homme dans l'état du somnambulisme naturel, et dans le somnambulisme provoqué par l'acte magnétique, Paris, 1811
  • Les fous, les insensés, les maniaques et les frénétiques ne seraient-ils que des somnambules désordonnés?, Paris, 1812
  • Appel aux savants observateurs du dix-neuvième siècle, de la décision portée par leurs prédécesseurs contre le magnétisme animal, et fin du traitement du jeune Hébert, Paris, 1813
  • Les vérités cheminent, tôt ou tard elles arrivent, Paris, Dentu, 1814

Traduzido[editar | editar código-fonte]

  • Instruções praticas sobre o magnetismo, ed Vida e Saber, 2013

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Valade; Vigée Le Brun; Éc. fr.
  2. a b c d e f g Jafares, Neil (before 1800). «Geologia Iconografica» (PDF). pastellists.com. Consultado em 11 de maio de 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  3. a b c d e Courcelles, Jean-Baptiste-Pierre Dictionnaire historique et biographique des généraux français depuis le XIe siècle jusqu'en 1822 - 1 de janeiro de 1822 l'auteur - Editora
  4. Ellenberger, Henri (1970) descoberta do inconsciente: a história e evolução da psiquiatria dinâmica, New York: Basic Books, pp. 70.
  5. Ellenberger, Henri (1970) descoberta do inconsciente: a história e evolução da psiquiatria dinâmica, New York: Basic Books, pp. 72.
  6. Fingermann, Dominique e Mauro Mendes Dias. Por causa do pior. [S.l.: s.n.] 
  7. Sloterdijk, Peter, Crítica Da Razão Cínica , Madrid: Siruela, 2003, P. 100
  8. Instituto Universitário EMUI Euro-Mediterrânica|Universidade Complutense de Madrid|ISSN 1578-6730 Publicação irmã do Jornal Nomads. Perspectivas do Mediterrâneo | ISSN 1889-723
  9. SLOTERDIJK, Peter, Crítica da Razão Cínica , Madrid: Siruela, 2003, p. 100.
  10. Ellenberger, Henri (1970) descoberta do inconsciente: a história e evolução da psiquiatria dinâmica, New York: Basic Books, pp. 73.
  11. Deleuze, François, Instruction pratique sur le magnétisme animal, 1825, p.469.