Martin Buber

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Esta página contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde novembro de 2017)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Martin Buber
Martin Buber, ca. 1945
Nome completo Martin Mordechai Buber
Data de nascimento: 8 de fevereiro de 1878
Local: Viena
Data de falecimento 13 de junho de 1965 (87 anos)
Local: Jerusalém
Religião Judaísmo

Martin Mordechai Buber (hebraico: מרטין בובר; Viena, 8 de fevereiro de 1878Jerusalém, 13 de junho de 1965) foi um filósofo, escritor e pedagogo, austríaco e naturalizado israelita, tendo nascido no seio de uma família judaica ortodoxa de tendência sionista . Buber era poliglota, em casa aprendeu ídiche e alemão ; na escola judaica, estudou hebraico, francês e polonês/polaco. Sua formação universitária deu-se em Viena.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Martin Mordechai Buber nasceu em 8 de fevereiro de 1878, em Viena.[carece de fontes?]

Nascido em uma família de judeus observantes, uma crise pessoal leva-o a romper com os costumes religiosos judaicos, para prosseguir os estudos seculares de filosofia. Começa a ler Immanuel Kant, Søren Kierkegaard e Friedrich Nietzsche,[1] inspirando-se especialmente nos dois últimos. Em 1896, Buber vai estudar em Viena, dedicando-se a filosofia, história da arteestudos germânicos e filologia.

Em 1898, ingressa no movimento sionista, participando de congressos e das atividades de organização do movimento. Em 1899, quando estudava em Zurique, Buber conhece sua futura esposa, Paula Winkler, uma escritora de Munich, sionista e não judia. Mais tarde, ela iria converter-se ao judaísmo.[2]

Em 1902, torna-se editor do semanário Die Welt, órgão central do movimento sionista. Mais tarde, porém, abandonaria as atividades de organização do movimento.

Em 1923, escreve seu famoso ensaio sobre a existência, Ich und Du (Eu e Tu). Em 1925, inicia a tradução da Bíblia Hebraica para o idioma alemão. Em 1930, torna-se Honorarprofessor (professor honorário) da Universidade de Frankfurt de Ética e Religião, demitindo-se logo depois da ascensão de Adolf Hitler ao poder, em 1933. Em 1935, é excluído da Reichsschrifttumskammer ("Câmara de Cultura do Reich"). Em seguida, Buber cria o Gabinete Central para a Educação de Adultos Judeus, que se tornou muito importante quando o governo alemão proibiu os judeus de frequentarem o ensino público.

Em 1938, Buber finalmente deixa a Alemanha e se estabelece em Jerusalém (à época, Palestina mandatária), ingressando na Universidade Hebraica - onde lecionaria antropologia e sociologia até 1951. Nesse período torna-se muito próximo de alguns intelectuais sionistas, como o filósofo Felix Weltsch, o escritor Max Brod e políticos como Chaim Weizmann e Hugo Bergman, pessoas que Buber conhecera ainda na Europa, nas cidade de Praga, Berlim e Viena. Essa amizade permaneceria até a década de 1960.

Martin Buber morreu em 13 de junho de 1965, em Jerusalém.[carece de fontes?]

Filosofia[editar | editar código-fonte]

Em suas publicações filosóficas, deu ênfase a sua ideia de que não há existência sem comunicação e diálogo, e que os objetos não existem sem que haja uma interação com eles. As palavras-princípio, Eu-Tu (relação), Eu-Isso (experiência), demonstram as duas dimensões da filosofia do diálogo que, segundo Buber, dizem respeito à própria existência.

Intersubjetividade[editar | editar código-fonte]

O homem nasce com a capacidade de interrelacionamento com seu semelhante, ou seja, a intersubjetividade. Intersubjetividade é a relação entre sujeito e sujeito e/ou sujeito e objeto. O relacionamento, segundo o filósofo Martin Buber, acontece entre o Eu e o Tu, e denomina-se relacionamento Eu-Tu. A interrelação segundo Martin Buber, envolve o diálogo, o encontro e a responsabilidade, entre dois sujeitos e/ou a relação que existe entre o sujeito e o objeto. Intersubjetividade é umas das áreas que envolve a vida do homem e, por isso, precisa ser refletida e analisada pela filosofia, em especial pela Antropologia Filosófica.

Obra[editar | editar código-fonte]

  • Eu e Tu (1923)
  • Moisés (1946)
  • Entre homem e homem (1947)
  • O Eclipse de Deus (1952)

Obras em português[editar | editar código-fonte]

  • Eu e Tu com Newton Aquiles von Zuben (São Paulo, SP: Centauro. 170 p. ISBN 8588208164 (broch.))
  • Do diálogo e do dialógico (São Paulo, SP: Perspectiva, 1982. 171 p. (Coleção Debates; v. 158))
  • Sobre comunidade. (São Paulo, SP: Perspectiva, 1987. 136 p. (Coleção Debates; v. 203))
  • O caminho do homem: segundo o ensinamento chassídico (São Paulo, SP: É Realizações, 2006, 63 p.)
  • Eclipse de Deus: consideração sobre a relação entre religião e filosofia. (Tradução de Carlos Almeida Pereira. Campinas, SP: Versus, 2007. 153 p. (Verus Sapientia). ISBN 9788576860150 (broch.))
  • O socialismo utópico. (Tradução de Pola Civelli. 2. ed. São Paulo, SP: Perspectiva, 2007. 200 p. (Coleção Debates; v. 31))


Referências

  1. Madeira, Robert (1.º de dezembro de 1969). Martin Buber's Ontology: An Analysis of I and Thou. [S.l.]: Northwestern University Press. p. 5. ISBN 978-0-8101-0650-5 
  2. The Existential Primer. Martin Buber (dados biográficos).

Outras fontes[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.