Martinus Beijerinck

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Martinus Beijerinck
ciclo do Azoto, quimioautotrofia, virologia, bactérias redutoras de sulfato, cultivo de bactérias
Nascimento 16 de março de 1851
Amesterdão, Holanda
Morte 1 de janeiro de 1931 (79 anos)
Gorssel, Holanda
Residência Países Baixos
Nacionalidade neerlandês
Cidadania Reino dos Países Baixos
Alma mater
Ocupação entomologista, biólogo, microbiologista, professor, virólogo, botânico, professor universitário, cientista
Prêmios Medalha Leeuwenhoek (1905)
Empregador Universidade Técnica de Delft
Campo(s) biologia: microbiologia e botânica

Martinus Willem Beijerinck (16 de março de 18511 de janeiro de 1931) foi um microbiólogo e botânico holandês.

Estudou na Universidade de Leiden e tornou-se professor de microbiologia na Universidade de Wageningen e Universidade Técnica de Delft.

Descobriu os vírus em 1898 ao provar que a doença do mosaico do tabaco era causada por algo menor que uma bactéria, sendo considerado o pai da virologia.

Beijerinck também descobriu a fixação de nitrogênio através do estudo das raízes de certas plantas, e o fenómeno da redução do sulfato, uma forma de respiração anaeróbia.

Beijerinck tinha uma personalidade complicada. Nunca se casou, preservando a sua visão ascética de que o estudo da ciência e o casamento eram incompatíveis até ao fim da sua vida. Tratava mal os seus alunos e nunca teve muitos colaboradores.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.