Marvel Studios

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura por outras acepções, veja Marvel (desambiguação).
Marvel Studios 2016 logo.svg
Tipo Subsidiária
Fundação 1993
Fundador(es) Avi Arad
Sede Burbank, CA
 Estados Unidos
Proprietário(s) Marvel Entertainment
Presidente Kevin Feige
Vice-presidente Louis D'Esposito
Produtos Filmes
Holding The Walt Disney Company
Faturamento Aumento US$ 10,4 bilhões (2016)
Antecessora(s) Marvel Productions
Website oficial marvel.com/movies/

Marvel Studios (originalmente conhecida como Marvel Films entre 1993-1996) é um estúdio de cinema norte-americano parte do conglomerado The Walt Disney Company. Marvel Studios trabalha em conjunto com a Walt Disney Studios para distribuição e marketing.[1] Tem o produtor de cinema Kevin Feige como presidente.[2] Anteriormente, o estúdio era um subsidiário da Marvel Entertainment até que a Disney reorganizou as empresas em agosto de 2015. Foi anteriormente chefiado por Avi Arad, que renunciou sua liderança no estúdio em maio de 2006.

Dedicado à produção de filmes baseados em personagens da Marvel Comics, o estúdio criou a franquia de mídia Universo Cinematográfico Marvel. Outras franquias de personagens da Marvel, como X-Men e Homem Aranha, estão licenciadas pela 20th Century Fox e Sony Pictures, respectivamente. Os filmes da Marvel Studios são atualmente distribuídos pela Walt Disney Studios Motion Pictures; Paramount Pictures de 2008 a 2011; Universal Pictures para O Incrível Hulk; e Columbia Pictures para Spider-Man: Homecoming programado para ser lançado em 7 de julho de 2017.

A Marvel Studios já lançou 14 filmes desde 2008 dentro do Universo Cinematográfico Marvel, de Homem de Ferro (2008) a Doutor Estranho (2016). Todos esses filmes compartilham continuidade uns com os outros, juntamente com os "One-Shots" produzidos pelo estúdio e as séries de televisão produzidas pela Marvel Television.

História[editar | editar código-fonte]

Licenciando filmes para outros estúdios[editar | editar código-fonte]

Na década de 1990, para escapar de uma crise financeira, a Marvel vendeu os direitos de vários de seus personagens para serem adaptados ao cinema. O primeiro filme licenciado pela Marvel Studios foi Blade, lançado em 21 de agosto de 1998 pela New Line Cinema, baseado no caçador de vampiros homônimo.[3] Em 1999, a Marvel licenciou o Homem-Aranha para a Sony Pictures Entertainment.[4] Blade foi seguido por X-Men, que foi distribuído pela 20th Century Fox e foi lançado em 14 de julho de 2000.[5] Blade e X-Men demonstraram que filmes amplamente populares poderiam ser feitos com personagens de quadrinhos.[6]

A Marvel Studios negociou um acordo com a então em funcionamento Artisan Entertainment, bem sucedida com o filme de baixo orçamento The Blair Witch Project, para um empreendimento conjunto de co-produção que incluiu os direitos de 15 personagens da Marvel, incluindo Capitão América, Thor, Pantera Negra, Punho de Ferro e Deadpool. Artisan iria financiar e distribuir, enquanto Marvel desenvolveria licenciamento e mercadorias. Incluiria também séries de TV e filmes diretamente em vídeo.[7] Com o acordo na época, 24 propriedades da Marvel estavam então em vários estágios de desenvolvimento.

Brian Cunningham, editor da revista de quadrinhos Wizard, disse que Avi Arad foi bem-sucedido na organização de alianças estratégicas e exercendo responsabilidade fiscal na expansão de multimídia. Cunningham disse sobre a liderança do estúdio de Arad após a falência de sua empresa-mãe. Arad procurou proteger a imagem da Marvel, atuando como produtor executivo em todas as produções de filmes baseados em personagens da Marvel e sendo responsável pelo marketing entre as propriedades da Marvel. Arad tinha propriedades configuradas em diferentes estúdios para criar ímpeto para que um estúdio não canibalizasse os esforços com uma propriedade por causa de outra.[8] Em 2001, o sucesso dos quadrinhos Ultimate Marvel da Marvel Comics criou alavancagem em Hollywood para Marvel Studios, empurrando mais propriedades para desenvolvimento.[9]

O próximo filme de sucesso licenciado pela Marvel Studios foi Homem-Aranha, que foi produzido pela Sony e distribuído pela Columbia Pictures e lançado em 3 de maio de 2002.[10] O que a Marvel lucrou com licenciamento de produtos de consumo foi o suficiente para recuperar seus fundamentos financeiros.[11] Em outubro de 2002, Marvel Studios anunciou negociações para Namor e Primaz com Universal Studios.[12]

Em 2003, David Maisel abordou Arad sobre a Marvel Studios ganhar mais - visto que o seu licenciamento com outros estúdios não era muito rentável. Arad e Perlmutter se reuniram com Maisel para ele expor suas ideias. O escritório do estúdio, então em Santa Monica Boulevard, era pequeno, com uma dúzia de funcionários. Kevin Feige era um executivo júnior criando notas de roteiro para os estúdios licenciados.[11]

Produção[editar | editar código-fonte]

Em 2004, David Maisel foi contratado como diretor operacional da Marvel Studios, que tinha um plano para o estúdio produzir seus próprios filmes.[13] A Marvel entrou em uma estrutura de financiamento sem recurso com a Merrill Lynch que foi garantida por certos direitos cinematográficos para um total de 10 personagens do vasto cofre da Marvel. A Marvel recebeu US$ 525 milhões para fazer um máximo de 10 filmes baseados nas propriedades da empresa ao longo de oito anos, de acordo com os parâmetros do acordo original. Esses personagens foram: Homem-Formiga, Vingadores, Pantera Negra, Capitão América, Manto & Adaga, Doutor Estranho, Gavião Arqueiro, Nick Fury, Quarteto Futuro e Shang-Chi.[14][15] Ambac assegurou que os filmes seriam bem sucedidos ou que pagariam o pagamento de juros da dívida e obteriam os direitos cinematográficos.[4]

Inicialmente a Marvel Studios estava em negociações com a Universal Studios como possível distribuidora. As negociações se arrastaram, assim que o estúdio começou negociações com a Paramount Pictures. No segundo trimestre de 2005, a Merrill tentou recuar do financiamento total de cada filme, exigindo que a Marvel financiasse 1/3 do orçamento. Marvel retomou direitos em cinco territórios estrangeiros da Paramount para pré-venda para atender a essa demanda.[11] Em 6 de setembro de 2005, a Marvel anunciou que o acordo de financiamento da Merrill Lynch com a Paramount era como comerciante e distribuidor. Além disso, a empresa-mãe mudou seu nome de Marvel Enterprises, Inc. para Marvel Entertainment, Inc. para refletir a mudança para auto-produção.[14]

O estúdio mudou-se para um novo local em uma concessionária da Mercedes-Benz em Beverly Hills. Maisel também foi nomeado vice-presidente do estúdio, mas relatou a Isaac Perlmutter.[11] Em outubro de 2005, Michael Helfant se juntou ao estúdio como presidente e diretor operacional.[16]

Em novembro de 2005, Marvel ganhou os direitos cinematográficos do Homem de Ferro da New Line Cinema. Marvel revelou que tinha recuperado os direitos de produção de O Incrível Hulk em fevereiro de 2006.[17] Em abril de 2006, Thor foi anunciado para ser uma produção da Marvel Studios.[18] Lions Gate Entertainment, posteriormente, desistiu do projeto de um filme da Viuva Negra que tinha desde 2004, dando os direitos de volta à Marvel.[19]

Pôster de Homem de Ferro (2008), primeiro filme independente da Marvel Studios, que iniciou o Universo Cinematográfico Marvel.

Masiel e Arad lutaram pela taxa de lançamento dos filmes e força dos personagens na programação dos filme. Perlmutter apoiou Masiel e, portanto, em maio de 2006, Arad deixou o cargo de presidente e diretor executivo do estúdio.[13] Em março de 2007, David Maisel foi nomeado presidente e Kevin Feige foi nomeado presidente de produção enquanto Homem de Ferro começou a ser filmado.[20]

Em 2009, a Marvel tentou contratar uma equipe de roteiristas para ajudar a criar maneiras criativas de lançar suas propriedades menos conhecidas, como Pantera Negra, Cable, Punho de Ferro, Falcão Noturno e Visão.[21] No início de 2009, a Sony devolveu todos os direitos telesivos do Homem-Aranha (incluindo live-action) em troca de um ajustes aos direitos cinematográficos.[22]

Direitos de personagens[editar | editar código-fonte]

Após ter licenciado os direitos cinematográficos de muitos de seus personagens para outros estúdios na década de 1990, começando com os X-Men para a 20th Century Fox em 1993,[23] um dos primeiros personagens a ter os direitos devolvidos à Marvel foi o Pantera Negra, que foram devolvidos à Marvel em 2005, tendo sido anteriormente da Columbia e Artisan Entertainment.[24] Em novembro de 2005, Marvel ganhou os direitos cinematográficos do Homem de Ferro da New Line Cinema.[17] Em abril de 2006, os direitos do Thor voltaram a Marvel, tendo sido anteriormente da Sony,[18] e em junho, os direitos da Viúva Negra reverteram da Lions Gate Entertainment para a Marvel.[19] Nesse mesmo ano, os direitos cinematográficos do Hulk reverteram da Universal Studios para a Marvel Studios, depois que a Universal não cumpriu o prazo de entrar em produção de uma sequência do filme Hulk, de Ang Lee, lançado em 2003. Universal, no entanto, manteve os direitos de distribuição do Hulk no cinema.[25]

Depois de ser adquirida pela Disney, a Marvel começou a recuperar mais direitos cinematográficos de seus personagens, começando com Blade da New Line Cinema.[26] Em agosto de 2012, a 20th Century Fox foi obrigada a devolver os direitos do super-herói Demolidor e seus personagens relacionados para a Marvel e Disney, pois o contrato exigia que a Fox desse início à produção de um novo filme até o final de 2012. Fox tinha se aproximado da Marvel sobre estender o prazo e se tornar uma co-financiadora de um novo filme do Demolidor, mas a proposta foi rejeitada.[27][28] Em 10 de outubro de 2012, os direitos do Demoldior reverteram para a Marvel Studios, que foi confirmado pelo presidente do estúdio, Kevin Feige, em 23 de abril de 2013.[29] Em 2 de maio de 2013, Feige confirmou em uma entrevista que os direitos do Motoqueiro Fantasma e do Justiceiro reverteram para a Marvel, vindos da Sony e Lionsgate Entertainment, respectivamente, além de reafirmar a aquisição dos direitos do Blade.[30] Mais tarde, foi revelado em maio de 2013 que Marvel também readquiriu os direitos do Luke Cage da Sony.[31] Em uma entrevista com o Collider no início de maio de 2013, Kevin Feige afirmou que acreditava que os direitos da Elektra estavam de volta à Marvel por causa do Demolidor.[32]

Em fevereiro de 2015, a Marvel Studios e a Sony Pictures Entertainment anunciaram que o Homem-Aranha apareceria no Universo Cinematográfico Marvel, com o personagem aparecendo em Capitão América: Guerra Civil e Sony lançando Spider-Man: Homecoming produzido por Feige e Pascal em 7 de julho de 2017. A Sony Pictures continuará a financiar, distribuir e ter o controle criativo dos filmes dos Homem-Aranha. Marvel Studios também irá explorar oportunidades para integrar outros personagens do Universo Cinematográfico Marvel em futuros filmes do Homem-Aranha. Em junho de 2015, Feige esclareceu que o acordo inicial da Sony não permite que o Homem-Aranha apareça em qualquer uma das séries de televisão do UCM. 20th Century Fox fez uma troca para que pudesse usar e mudar os poderes da Negasonic Teenage Warhead em Deadpool, dando a Marvel Studios os direitos de Ego, o Planeta Vivo, que aparece em Guardians of the Galaxy Vol. 2.[33]

Depois do acordo de licenciamento com a Sony que permitiu à Marvel ter o uso do Homem-Aranha em seu universo de filmes compartilhados, os únicos direitos que a Marvel Studios não tem acesso são os X-Men, o Quarteto Fantástico e o Deadpool; todos estão ainda em produção como franquias separadas na 20th Century Fox.

Filmes da Marvel Studios[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. http://www.thewrap.com/movies/article/disney-chooses-alan-horn-new-studio-chief-42241/. Consultado em 9 de agosto de 2014  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  2. Lang, Brent (31 de agosto de 2015). «Marvel's Kevin Feige Will Now Report to Disney». Variety (em inglês). Consultado em 1 de setembro de 2015 
  3. «Blade (1998)» (em inglês). Box Office Mojo. Cópia arquivada em 23 de janeiro de 2009 
  4. a b Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome Fortune
  5. «X-Men (2000)» (em inglês). Box Office Mojo. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2008 
  6. Levine, Robert (27 de junho de 2004). «Does Whatever a Spider (and a C.E.O.) Can». The New York Times (em inglês) 
  7. Fleming, Michael (16 de maio de 2000). «Artisan deal a real Marvel». Variety (em -Inglês). Deadline Hollywood. Consultado em 10 de maio de 2016 
  8. Elder, Robert K. (16 de julho de 2000). «Superheroes go Hollywood». Highbeam.com (em inglês). A. H. Belo 
  9. Massari, Paul (2 de dezembro de 2001). «Marvel's superheroes fight their way back from comic disaster». The Boston Globe (em inglês) 
  10. «Spider-Man (2002)» (em inglês). Box Office Mojo. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2008 
  11. a b c d Masters, Kim (5 de maio de 2016). «Marvel Studios' Origin Secrets Revealed by Mysterious Founder: History Was "Rewritten"» (em inglês). Consultado em 10 de maio de 2016 
  12. Worley, Rob (9 de outubro de 2002). «Comics2Film: SUB-MARINER, PRIME». Comic Book Resources (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2016 
  13. a b Leonard, Devin (23 de maio de 2007). «Marvel goes Hollywood». Fortune (em inglês). p. 2. Consultado em 4 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2013 
  14. a b Vincent, Roger (6 de setembro de 2005). «Marvel to Make Movies Based on Comic Books». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 12 de abril de 2011. Cópia arquivada em 16 de abril de 2014 
  15. «Marvel Launches Independent Film Slate». superherohype.com (em inglês). Consultado em 26 de novembro de 2007. Cópia arquivada em 11 de novembro de 2007 
  16. Fritz, Ben; McClintock, Pamela (1 de novembro de 2005). «Exec makes Marvel move - Entertainment News, Exec Shuffle, Media». Variety (em inglês). Consultado em 4 de dezembro de 2011 
  17. a b Zeitchik, Steven (23 de fevereiro de 2006). «Marvel stock soars on rev outlook». Variety (em inglês). Consultado em 17 de junho de 2008. Arquivado do original em 23 de fevereiro de 2013 
  18. a b McClintock, Pamela (27 de abril de 2006). «Marvel Making Deals for Title Wave». Variety (em inglês). Consultado em 1 de março de 2008. Arquivado do original em 1 de maio de 2011 
  19. a b «The Word on Black Widow» (em inglês). IGN. 5 de junho de 2006. Cópia arquivada em 2 de março de 2012 
  20. «Marvel Entertainment Names David Maisel as Chairman, Marvel Studios and Kevin Feige as President...». Business Wire (em inglês). AllBusiness.com, Inc. 13 de março de 2007. Consultado em 1 de julho de 2008. Arquivado do original em 11 de maio de 2009 
  21. Graser, Marc (26 de março de 2009). «Marvel's hiring writers» (em inglês). Variety. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2014 
  22. Goldman, Eric (1 de setembro de 2009). «Sony No Longer Producing Spectacular Spider-Man; Studio Loses Spidey TV Rights» (em inglês). IGN. Consultado em 17 de janeiro de 2013. Cópia arquivada em 14 de abril de 2014 
  23. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome auto
  24. Kit, Borys (20 de janeiro de 2011). «'Black Panther' Back in Development at Marvel». The Hollywood Reporter (em inglês). Cópia arquivada em 1 de abril de 2013 
  25. Hughes, Mark (19 de junho de 2015). «Details Of Marvel's 'Hulk' Film Rights - Fans Can Relax About Sequel». Forbes (em inglês). Consultado em 21 de junho de 2015. Cópia arquivada em 21 de junho de 2015. ...apesar dos direitos cinematográficos para fazer filmes do Hulk tenham ido para a Marvel Studios em 2005, eles não possuem os direitos de distribuição. A Universal detém esses direitos, e hoje posso confirmar a situação exata é que a Universal mantém atualmente o direito de preferência para distribuir quaisquer filmes do Hulk no futuro. Se por algum motivo o Universal escolher renunciar a distribuição, em seguida, a Disney iria imediatamente pegar o direitos de distribuição para o filme do herói. Sendo assim, a Universal não tem direito a todos os direitos de produção, e os seus direitos de distribuição são dependentes de sua opção. 
  26. Kit, Borys (14 de agosto de 2012). «Fox's Daredevil Rights on Verge of Reverting to Marvel as Ticking Clock Looms (Video)». hollywoodreporter.com (em inglês). Cópia arquivada em 15de agosto de 2012  Verifique data em: |arquivodata= (ajuda)
  27. Fleming, Mike (6 de agosto de 2012). «Fox Insiders: No Galactus Talks With Marvel». Deadline.com (em inglês). PMC. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2012 
  28. Fleming, Mike (14 de agosto de 2012). «Looks Like 'Daredevil' Will Go Back To Marvel And Disney». Deadline.com (em inglês). PMC. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2012 
  29. Fleming Jr., Mike (23 de abril de 2013). «TOLDJA! 'Daredevil' Rights Revert From Fox To Disney» (em inglês). Deadline Hollywood. Cópia arquivada em 4 de outubro de 2013 
  30. Nicholson, Max (2 de maio de 2013). «Ghost Rider Blazes Back to Marvel» (em inglês). IGN. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2014 
  31. Kit, Borys; Bond, Paul (7 de maio de 2013). «A Spago dinner sets the stage for Downey's epic contract talks that could lead to more "Avengers" and "Iron Man 4" -- or a new Tony Stark.». The Hollywood Reporter (em inglês). Cópia arquivada em 17 de maio de 2013 
  32. Nicholson, Max (9 de maio de 2013). «Does Marvel Studios Also Have Elektra Rights Back?» (em inglês). Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2014 
  33. Eggertsen, Chris (14 de novembro de 2016). «Ryan Reynolds And Paul Wernick Talk 'Deadpool' Sequel And The Surprising Link To 'Guardians 2'» (em inglês). The Playlist. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2016 

Ligaçoes externas[editar | editar código-fonte]