Mary Antin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde novembro de 2016).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Mary Antin
Antin em 1915
Nascimento 13 de junho de 1881
Polotsk, Bielorrússia
Morte 15 de maio de 1949 (67 anos)
Suffern, New York
Nacionalidade bielorrussa
Progenitores Mãe: Esther Weltman Antin
Pai: Israel
Cônjuge Amadeus William Grabau (1901 - 1946)
Alma mater Teachers College, Universidade de Columbia (1901-1902)
Barnard College (1902-1904)
Ocupação Autora
Ativista dos Direitos de Imigração
Magnum opus "The Promised Land" (1912)
Causa da morte Câncer

Mary Antin (nascida Maryashe Antin; 13 de junho de 1881 - 15 de maio de 1949) foi uma autora americana e ativista dos direitos de imigração. Ela é mais conhecida por sua autobiografia de 1912, "The Promised Land", um relato de sua emigração e posteriormente americanização.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Mary Antin (Mashke) e a irmã Fetchke

Mary Antin foi a segunda de seis filhos de Israel e Esther Weltman Antin.[1] Ela frequentou a "Latin School Girls", agora Boston Latin Academy, depois de terminar a escola primária. Antin se casou-se em 1901 com o geólogo Amadeus William Grabau e se mudou para a cidade de Nova York, onde frequentou Teachers College da Universidade de Columbia e Barnard College.

The Promised Land - 1912

Antin é mais conhecida por sua autobiografia de 1912. Nela, ela descreve sua educação escolar pública e assimilação na cultura americana, bem como a vida dos judeus na Rússia Czarista. Depois de sua publicação, Antin palestrou sobre sua experiência de imigrante para muitos públicos em todo o país, e se tornou uma grande apoiante de Theodore Roosevelt e seu Partido Progressista.

Durante a Primeira Guerra Mundial, enquanto ela fazia campanha pela causa aliada, as atividades pró-alemãs de seu marido precipitaram sua separação e sua ruptura física. Amadeus foi forçado a deixar seu posto na Universidade de Columbia para trabalhar na China, onde se tornou "o pai da geologia chinesa". Durante a Segunda Guerra Mundial, Amadeus foi internado pelos japoneses e morreu pouco depois de sua libertação em 1946. Antin morreu de câncer em 15 de maio de 1949.

Referências

  1. Nadell, Pamela S. «Mary Antin». Jewish Women's Archive. Consultado em 1 de julho de 2014 
  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Mary Antin».