Mary Seacole

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde junho de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Mary Seacole
Retrato a óleo de Mary Seacole, por Albert Charles Challen, c. 1869. O original foi descoberto em 2003 pela historiadora Helen Rappaport, e comprado pela National Portrait Gallery de Londres en 2008.[1][2]
Nome completo Mary Jane Seacole
Conhecido(a) por Assistência a militares doentes e feridos durante a Guerra da Crimeia.
Nascimento 23 de novembro de 1805
Kingston
Flag of Jamaica.svg Jamaica
Morte 14 de maio de 1881 (75 anos)
Londres,  Inglaterra
 Reino Unido
Nacionalidade britânica
Ocupação Enfermeira
Prêmios Ordem do Mérito

Mary Jane Seacole (Kingston, 23 de novembro de 1805Londres, 14 de maio de 1881) foi uma enfermeira jamaicana destacada pela sua dedicação pessoal no decurso da Guerra da Crimeia.[3] Estabeleceu o British Hotel, onde providenciou alojamento a militares doentes e convalescentes, e socorreu feridos no campo de batalha. A sua popularidade entre os combatentes levou a que fosse angariado dinheiro em sua causa quando esteve sujeita à miséria após a guerra.

Apesar dos seus feitos serem comparáveis aos de Florence Nightingale, só veio a ser reconhecida publicamente a partir de 1973 com a redescoberta da sua autobiografia, Wonderful Adventures of Mrs. Seacole in Many Lands,[4][5] dentre as primeiras por uma mulher mulata. Foi postumamente agraciada com a Ordem de Mérito Jamaicana em 1991 e votada como a maior personalidade negra britânica em 2004.[6][7]

A inauguração de uma estátua em sua honra, no Hospital de St Thomas, que inclui uma descrição sua como "pioneira"[8] gerou algumas opinióes dissonantes.[9][10] Também gerou controvérsia a proposta da sua exclusão do currículo escolar britânico.[11]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Era filha de um oficial escocês e de uma mulher negra livre, tendo nascido numa época em que a escravidão ainda não tinha sido abolida no Império Britânico. Sua mãe praticava medicina tradicional, cuidando de militares inválidos na sua pensão. Assim, Mary cresceu aprendendo a tratar os doentes e combater as doenças epidêmicas, já que eram comuns os casos de cólera e febre amarela. Aprimorou seus conhecimentos atuando nas Bahamas, Haiti, Cuba e Panamá, também afetados por epidemias de doenças tropicais.

Em 1854, inscreveu-se para participar da equipe de enfermagem liderada por Florence Nightingale para cuidar dos soldados feridos na Guerra da Crimeia. Não foi aceita, apesar das cartas de recomendação dos governos da Jamaica e do Panamá. Inconformada com a recusa, arrecadou fundos para viajar por conta própria à frente de batalha. Com o dinheiro que obteve montou o British Hotel, um hotel onde vendia comida e bebida aos soldados para, assim, custear as despesas do atendimento a doentes e feridos dos dois lados. Passou a ser chamada de Mãe Seacole.

Voltou para a Inglaterra em 1856, com o fim da guerra. Tentou em seguida repetir a iniciativa na Índia, mas não conseguiu os fundos necessários.

Morreu de um ataque de apoplexia, em 1881.

Legado[editar | editar código-fonte]

Apesar do reconhecimento em vida por parte dos soldados de quem havia cuidado, Mary Seacole foi ignorada quando o Memorial da Guerra da Crimeia foi erigido em Londres, em 1915. Seu nome ficou praticamente esquecido durante décadas, até que a enfermeira britânica Elsie Gordon, que editava a publicação Nursing Mirror, encontrou uma cópia da sua autobiografia numa loja de livros usados. Dentro do livro havia um pedaço de papel que ajudou Gordon a encontrar o túmulo de Seacole, em Kensal Green.[12]

Com a redescoberta de sua história, Mary Seacole foi homenageada tanto no Reino Unido quanto na Jamaica, onde dá nome à sede da Associação Jamaicana de Enfermagem.

Referências

  1. Retrato de Mary Jane Seacole (nascida Grant), por Albert Charles Challen, c.1869, National Portrait Gallery; Descoberto retrato perdido de Mary Seacole, National Portrait Gallery publicado pela imprensa a 10 de janeiro de 2005.
  2. NPG Collection
  3. «maryseacole.com». www.maryseacole.com (em inglês). Consultado em 25 de fevereiro de 2017. 
  4. MELO, Ester Marcele Ferreira de; GOMES, Jomara Brandini. (Re) descobrindo Mary Seacole. 16o. Seminário Nacional de Pesquisade Enfermagem
  5. LÖW, Lily; OGUISSO, Taka. Mary Seacole e Maria Soldado: enfermeiras negras que fizeram história. Cultura de los Cuidados. 1 er Cuatrimestre 2014 • Año XVIII - N.° 38
  6. «100 Great Black Britons - Mary Seacole». www.100greatblackbritons.com. Consultado em 25 de fevereiro de 2017. 
  7. «BBC NEWS | UK | Nurse named greatest black Briton». news.bbc.co.uk. Consultado em 25 de fevereiro de 2017. 
  8. Mary Seacole Memorial Statue Appeal.
  9. «Beyond the Rivalry: Florence Nightingale and Mary Seacole | History Today». www.historytoday.com. Consultado em 25 de fevereiro de 2017. 
  10. «Statue of 'nurse' Mary Seacole will do Florence Nightingale a disservice». The Guardian (em inglês). 8 de junho de 2012. ISSN 0261-3077 
  11. "Michael Gove dumps Mary Seacole", OBV, 2 January 2013.
  12. Another Florence Nightingale? The Rediscovery of Mary Seacole. A web of English History (em inglês)