Maryana Marrash

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Maryana Marrash
Nome nativo Maryana bint Fathallah bin Nasrallah Marrash
Nascimento 1848
Ottoman flag.svg Alepo, Síria, Império Otomano
Morte 1919 (71 anos)
Flag of Syria French mandate.svg Alepo, Mandato Francês da Síria
Nacionalidade síria
Cidadania Império Otomano
Ocupação poetisa, escritora
Género literário poesia, artigo
Movimento literário Al-Nahda

Maryana bint Fathallah bin Nasrallah Marrash (ar: مريانا بنت فتح الله بن نصر الله مرّاش / ASA-LC: Maryānā bint Fatḥ Allāh bin Naṣrallāh Marrāsh; Alepo, Síria Otomana, 1848 - ibídem, 1919), mais conhecida como Maryana Marrash, foi uma escritora e poetisa síria pertencente ao movimento literário Nahda, também conhecido como Renascimento Árabe. Reviveu os salões literários em Oriente Próximo, de origens pré-islâmicos, e foi a primeira mulher síria a publicar uma colecção de poemas, bem como em escrever para algum diário árabe.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Origens, família e educação[editar | editar código-fonte]

Maryana Marrash nasceu em Alepo, uma cidade da província otomana de Síria e localizada na actual Síria, no seio de uma família melquita de comerciantes ricos conhecida por seu interesse na literatura.[2] A sua família estava comodamente assentada em Alepo, apesar dos vizinhos que tinham padecido recentemente por causa de seu credo:[3] Butrus Marrash, aparentado com Maryana, tinha sido martirizado por fundamentalistas ortodoxos gregos em abril de 1818,[4] enquanto outros melquitas, como o sacerdote Jibrail Marrash,[nota 1][4] tinham-se exilado da cidade.[5] O pai de Maryana, Fathallah, tratou de acalmar a situação escrevendo um tratado em 1849, no que recusava a cláusula Filioque.[6] Fathallah tinha construído uma grande biblioteca privada[7] para brindar os seus três filhos; Francis, Abdallah e Maryana, uma exaustiva educação, concentrando na literatura e a gramática árabes.[8] Segundo Marilyn Booth, a mãe de Maryana provinha da «famosa família al-Antaki», aparentada com o arcebispo Demetrius Antachi.[9]

Por aquela altura, Alepo era um importante centro intelectual dentro do Império Otomano, cuja boa parte da população consistia em intelectuais e escritores aderidos ao Al-Nahda e preocupados pelo futuro do povo árabe.[1] Os irmãos Marrash, além de receber educação em casa, assistiam a escolas missionárias francesas, onde adquiriram conhecimentos de francês, de italiano e de inglês.[1] Ao proporcionar a sua filha uma educação, quando às mulheres de Médio Oriente não se lhes era dada formação intelectual alguma, os pais de Maryana desafiaram a crença generalizada de que a educação e o âmbito intelectual era só para os varões, e as meninas não eram educadas «para que não se sentissem no ambiente de recepção dos homens», afirma Marilyn Booth.[10] Fathallah inscreveu a sua filha de cinco anos numa escola maronita local,[11] depois, foi educada pelas freiras de San José em Alepo.[12] Além da sua educação formal nestas escolas, onde se familiarizou com as culturas francesa e inglesa, esteve baixo a tutela de seu pai e seus irmãos, quem lhe davam classes sobre literatura.[7] Os primeiros reportes de Maryana afirmam que se destacava em francês, literatura e matemática, e que podia tocar o Kanun e cantar harmoniosamente.[13]

O historiador sírio Muhammad a o-Ragib Tabbakh afirma que Maryana era uma mulher diferente do que esperar-se-ia para a época e que «a gente a olhava com outros olhos».[14] Num princípio, não desejava se casar pese a que tinha vários pretendentes,[15] ainda que parece ter mudado de opinião depois da morte da sua mãe, e contraiu casal com Habib Ghadban, membro de uma família cristã local.[16] O casal teve um filho e duas filhas.[17]

Carreira literária[editar | editar código-fonte]

Tampa do poemario Bint fikr.

Em 1870 ou 1871, Marrash começou a publicar artigos e poemas em revistas e diários sírios e libaneses, como em Lisan A o-hal e em A o-Jinan.[18] Em seus artigos, criticava a condição das mulheres árabes e instava-as, sem importar a religião que professassem, a aceder à educação e a manifestar suas opiniões.[19] Em 1893, obteve a permissão da Sublime Porta para publicar sua colecção de poemas Bint fikr (Uma filha do pensamento) em Beirute, graças a que tinha escrito um poema no que exaltava a figura do sultão Abdulamide II[nota 2][20][21] e outros panegíricos nos que elogiava aos governadores otomanos de Alepo.[22] Sua poesia tinha um estilo mais tradicional que a de seu irmão Francis, como se observa na elegia que compôs para lamentar sua morte.[23] Em suas classes caseiras, Maryana também estudava a alguns poetas romancistas Francêsé, como Alphonse de Lamartine e Alfred de Musset.[23] Sami Kayyali disse sobre Marrash:

The emergence of a woman writing in the press and composing poetry in this dark era was a significant event. Our recent history shows that it was rare for even men to read and write; her appearance in these dark nights was thus like a bright star in the center of the heavens.[24]
O aparecimento de uma mulher escrevendo na imprensa e compondo poesia nesta era escura, foi um acontecimento significativo. Nossa história recente demonstra que era difícil e pouco frequente inclusive para os homens ler e escrever; seu aparecimento nestas noites escuras foi bem como uma estrela brilhante que se destacava no centro dos céus.

Entre suas obras não propriamente literárias, se destaca Tarikh Suriya a o-hadith, que é o primeiro livro em tratar a história tardia da Síria Otomana.[25]

O salão de Marrash[editar | editar código-fonte]

Marrash era reconhecida em Alepo por causa do salão que tinha na casa que compartilhava com seu marido, no qual organizava regularmente reuniões às que assistiam intelectuais residentes em Alepo.[26] Tinha realizado uma viagem por Europa numa ocasião, e tinha regressado a casa impressionada pela cultura literária própria da época.[27] No entanto, segundo conta Joseph Zeidan, não existem provas que confirmem que Marrash instaurasse seu salão como ponto de reuniões literárias depois de seu passo por Europa; já que há que ter em conta que a maioria de quem coincidiam eram visitantes habituais da casa da sua família, onde costumavam reunir com seu pai ou seus irmãos. Por isso, seguindo a lógica de Zeidan, não se sabe com certeza se seu passo por Europa influiu ou não na organização destas reuniões.[20] Joseph Zeidan conta:

Upon her return in Aleppo, Maryana Marrash turned her house into a gathering place for a group of celebrated writers who met there on a regular basis to cultivate each other's friendship and discuss literature, music, and political and social issues.[7]
No seu regresso a Alepo, Maryana Marrash converteu a sua casa num lugar de reunião de um grupo de escritores célebres que se reunia ali com regularidade para fazer amizades e falar de literatura, música e temas políticos e sociais.

Os participantes das suas reuniões incluíam intelectuais de Alepo de ambos sexos,[nota 3][28] além de políticos e diplomatas estrangeiros.[27] Durante as reuniões, Marrash costumava entreter a seus convidados tocando o Kanun e cantando.[7] Antun Sha'arawi descreveu como eram as típicas reuniões no salão de Marrash:

Wearing either all black or all white dresses ordered from Paris, Marrash hosted the mixed evening get-togethers in which literary topics as varied as the Mu`allaqat—a cycle of seven pré-Islamic poems—or the work of Rabelais were discussed. Chess and card games were played, and complicated poetry competitions took place; wine and 'araq flowed freely; participants sang, danced, and listened to records played on a phonograph.[29]
Vestindo algumas roupas de cor negra ou cinzenta vindas desde Paris, Marrash organizava noites mistas de tertúlias nas que tocávamos temas literários muito variados, como a Mu'allaqat, uma colecção de sete poemas pré-islâmicos; ou discutíamos a respeito do trabalho de Rabelais. Jogava-se jogos de cartas e ao xadrez, e tinham lugar umas complicadas competições de poesia. O vinho e o arak circulavam livremente, e os participantes cantavam, dançavam e ouviam a música que era reproduzida num fonógrafo.

Não obstante, Heghnar Zeitlian Watenpaugh sugeriu que a descrição de Sha'arawi pode ser parcial ou totalmente apócrifa.[30]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Pouco se conhece sobre as vidas de Butrus e Jibrail Marrash. Sabe-se que Butrus estava casado no momento que foi assassinado, e que o nome do seu pai era Nasrallah Marrash. O poeta Niqula al-Turk escreveu uma ode fúnebre em sua memória.
  2. Maryana tinha dedicado as seguintes linhas à mãe de Abdulamide II depois da tomada deste último do trono: «Enquanto ela lhe ressuscitou a infância, temerosa das suas responsabilidades, ele agora deve guiar às nações com as rendas da realeza»
  3. Joseph Zeidan e Antun Sha'arawi mencionaram entre os assistentes a: Jibrail A o-Dallal, Kamil A o-Ghazzi, Rizqallah Hassun, Qustaki A o-Himsi, Abd A o-Rahman A o-Kawakibi, Victor Khayyat, Antun A o-Saqqal, Mikha'il A o-Saqqal e Abd A o-Salam A o-Tarmanini.

Referências

  1. a b c Bosworth, van Donzel, Lewis & Pellat (ed.), p. 598.
  2. Wielandt, p. 119; Zeidan, p. 50.
  3. Wielandt, p. 119; Hafez, p. 274.
  4. a b Wielandt, p. 120; Charon, p. 115.
  5. Charon, p. 115.
  6. Wielandt, p. 120.
  7. a b c d Zeidan, p. 50.
  8. Wielandt, p. 122; Bosworth, van Donzel, Lewis & Pellat (ed.), p. 598.
  9. Booth, p. 125; de Tarrazi, p. 241.
  10. Watenpaugh, H. Z., p. 235; Booth, p. 125.
  11. Booth, p. 125.
  12. Dabbāgh; Watenpaugh, K. D., p. 52.
  13. Watenpaugh, H. Z., pg. 226–227.
  14. Watenpaugh, H. Z., p. 226.
  15. Watenpaugh, H. Z., p. 227.
  16. Watenpaugh, H. Z., p. 227; a o-Mawsū‘at aṣ-ṣouḥufaīyat a o-‘Arabīyah, volume VI.
  17. A o-Mawsū‘at aṣ-ṣouḥufaīyat a o-‘Arabīyah, volume VI.
  18. Watenpaugh, H. Z., p. 227; Dorigo (ed.), p. 43; Zeidan, p. 50.
  19. Zeidan, p. 50; Ende & Steinbach (ed.), p. 623.
  20. a b Zeidan, p. 284.
  21. Masters, p. 179.
  22. Zeidan, p. 57.
  23. a b Somekh, p. 44; Zeidan, p. 58.
  24. Ashour, Ghazoul & Reda-Mekdashi (ed.), p. 61.
  25. Ashour, Ghazoul & Reda-Mekdashi (ed.), p. 440.
  26. Watenpaugh, H. Z., p. 227; Watenpaugh, K. D., p. 52.
  27. a b Watenpaugh, H. Z., p. 227; Zeidan, p. 50.
  28. Zeidan, p. 50; Watenpaugh, H. Z., p. 229.
  29. Watenpaugh, K. D., p. 52.
  30. Watenpaugh, H. Z., p. 228.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Watenpaugh, Heghnar Zeitlian (1997). Al-Mawsū‘at aṣ-ṣuḥufīyat al-‘Arabīyah (em inglês). VI. [S.l.: s.n.] ISBN 978-9973150455 
  • Ashour, Radwa; Ghazoul, Ferial J.; Reda-Mekdashi, Hasna (2008). Arab Women Writers: a Critical Reference Guide, 1873–1999 (em inglês). Cairo: American University in Cairo Press. ISBN 978-9774161469 
  • Booth, Marilyn (2001). May Her Likes Be Multiplied: Biography and Gender Politics in Egypt (em inglês). Berkeley: University of California Press. ISBN 978-0520224209 
  • Bosworth, Clifford Edmund (1991). Encyclopaedia of Islam (em inglês). VI. [S.l.]: Brill. ISBN 978-9004081123 
  • Cyrille, Charon (1903). L'Église Grecque Melchite Catholique. Chapitre VIII : persécutions d'Alep et de Damas (1817–1832) (em francês). VI. [S.l.]: Échos d'Orient 
  • Cooke, Miriam (2007). Dissident Syria: Making Oppositional Arts Official (em inglês). Durham: Duke University Press. ISBN 978-0822340355 
  • Dabbāgh, ‘Ā’ishah (1972). Al-Ḥarakat al-fikrīyah fī Ḥalab: fī al-nișf al-thānī min al-qarn al-tāsi‘i ‘ashara wa-maṭla‘ al-qarn al-‘ashrīn (em árabe). [S.l.]: Dār al-Fikr 
  • De Tarrazi, Philippe (1913). Tārīkh al-ṣiḥāfah al-‘arabiyyah (em árabe). II. [S.l.]: Al-Maṭba‘ah al-adabiyyah 
  • Dorigo, Rosella (2000). «Literary Innovation in Modern Arabic Literature». Quaderni di studi arabi (em inglês). XVIII. [S.l.]: Herder 
  • Ende, Werner; Steinbach, Udo (2010). Islam in the World Today: a Handbook of Politics, Religion, Culture, and Society (em inglês). Ithaca: Cornell University Press. ISBN 978-0801445712 
  • Hafez, Sabry (1993). The Genesis of Arabic Narrative Discourse: a Study in the Sociology of Modern Arabic Literature (em inglês). [S.l.]: Saqi Books. ISBN 978-0863561498 
  • Masters, Bruce (2001). Christians and Jews in the Ottoman Arab World: the Roots of Sectarianism (em inglês). Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-80333-0 
  • Somekh, Sasson (1992). «Modern Arabic Literature». The Neo-classical Arabic poets (em inglês). Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 978-0521331975 
  • Watenpaugh, Heghnar Zeitlian (2010). Booth, Marilyn, ed. Harem Histories: Envisioning Places and Living Spaces (em inglês). Durham: Duke University Press. ISBN 978-0822348580 
  • Watenpaugh, Keith David (2006). Being Modern in the Middle East: Revolution, Nationalism, Colonialism, and the Arab Middle Class (em inglês). Princeton: Princeton University Press 
  • Wielandt, Rotraud (1992). «The Middle East and Europe: Encounters and Exchanges». Fransis Fathallah Marrashs zugang zum Gedankengut der Aufklärung und der französischen Revolution (em inglês). [S.l.]: Rodopi Publishers. ISBN 978-9051833973 
  • Zeidan, Joseph T (1995). Arab Women Novelists: the Formative Years and Beyond (em inglês). Albany: State University of New York Press. ISBN 978-0791421727 
nota