Masayoshi Son

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Masayoshi Son
Nascimento 11 de agosto de 1957 (63 anos)
Tosu
Residência Tóquio
Cidadania Japão
Etnia Coreanos no Japão
Alma mater Universidade da Califórnia em Berkeley
Ocupação empresário, engenheiro
Prêmios Time 100

Masayoshi Son (孫 正義 Son Masayoshi?, Tosu, 11 de agosto de 1957) é um empreendedor, investidor e filantropo japonês. Ele é o fundador e CEO da multinacional japonesa SoftBank, CEO da SoftBank Mobile e presidente da Arm Holdings, com sede no Reino Unido.[1] Até agosto de 2020 a fortuna de Son é estimada em 31,1 bilhões de dólares, o que o posiciona como a 2.ª pessoa mais rica do Japão e a 32.ª mais rica do mundo segundo a Forbes.[2][3] Em 2013, Son foi eleito a 45.ª pessoa mais poderosa do mundo pela lista das pessoas mais poderosas da revista Forbes.[4]

Início de vida e educação[editar | editar código-fonte]

Masayoshi Son nasceu em Tosu, uma cidade localizada na prefeitura de Saga, no Japão.[5][6][7] A família de Son adotou o sobrenome japonês Yasumoto (安本), sendo assim, Son utilizou este sobrenome durante sua infância.[6] Porém, ele decidiu adotar seu sobrenome coreano, tornando-se um modelo para as crianças de etnia coreana no Japão.[8] Aos 16 anos, mudou-se para a Califórnia e concluiu o ensino médio em três semanas após realizar os exames exigidos na Serramonte High School. Após dois anos estudando na Universidade Holy Names em Oakland, Son foi transferido para a Universidade da Califórnia em Berkeley, onde se formou em Economia e estudou Ciência da computação. Apaixonado por um microship apresentado em uma revista, Son, aos 19 anos, sentiu-se confiante de que a tecnologia dos computadores iniciaria a próxima revolução comercial.[9]

Seus primeiros empreendimentos comerciais começaram quando ainda era estudante. Com a ajuda de alguns professores, Son desenvolveu um tradutor eletrônico que foi posteriormente vendido para a Sharp Corporation por um valor de US$ 1,7 milhões. Ele faturou mais de US$ 1,5 milhões importando videogames usados do Japão e instalando-as em dormitórios e restaurantes.[6] Posteriormente, Son realizou uma reunião com o então presidente do McDonald's do Japão, Den Fujita. Seguindo seu conselho, Son passou a estudar inglês e ciência da computação.[10]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Yahoo! e Alibaba[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Yahoo!
Ver artigo principal: Alibaba Group

Son foi um dos primeiros investidores em empresas de internet, adquirindo uma ação do Yahoo! em 1995 e investindo uma participação de US$ 20 milhões no Alibaba em 1999. Sua empresa, SoftBank, detém 29,5% do Alibaba, que valia cerca de US$ 108,7 bilhões em outubro de 2018.[11][12][13] Embora a participação da SoftBank no Yahoo! caísse para 7%, Son, juntamente com a Yahoo! Japan, estabeleceu o Yahoo! BroadBand em setembro de 2001. Após uma severa desvalorização do patrimônio da SoftBank, Son foi forçado a focar sua atenção no Yahoo! BB e BB Phone. Desde então, a SoftBank acumulou cerca de US$ 1,3 bilhões em dívidas. Em junho de 2020, Son deixou o conselho do Alibaba.[14]

Arm Holdings[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Arm Holdings

Em julho de 2016, a SoftBank anunciou planos de adquirir a Arm Holdings por US$ 31,4 bilhões, o que seria a maior compra de uma empresa de tecnologia europeia. Em setembro de 2016, a SoftBank anunciou que a transação tinha sido concluída. O valor total da aquisição foi de aproximadamente US$ 34 bilhões.[15][11]

Sprint Corporation[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Sprint Corporation

Por meio de suas participações na SoftBank, Son adquiriu 76% das ações da Sprint Corporation. A SoftBank acumulou ainda mais ações na Sprint, cerca de 84%.[16][17]

Investimento em energia solar[editar | editar código-fonte]

Em resposta ao acidente nuclear de Fukushima I em 2011, Son criticou a indústria nuclear por "criar o problema que mais preocupa os japoneses hoje" e se comprometeu a investir em uma rede de energia solar para o Japão.[18][19] Em março de 2018, foi anunciado que Son estava investindo no maior projeto solar de todos os tempos, um desenvolvimento de 200 GW planejado para a Arábia Saudita como parte da Vision 2030.[20]

Visões[editar | editar código-fonte]

O veículo de investimento da SoftBank investe em tecnologias emergentes como inteligência artificial, robótica e internet das coisas.[21] Ele afirmou que seu objetivo é dobrar seu portfólio de empresas de IA de 70 para 125.[22] Ele também investe em empresas que prometem revolucionar o mercado imobiliário, de transporte e varejo. Son realiza contatos pessoais com os CEO's de todas as empresas financiadas pela Vision Fund.[23] Son planeja levantar cerca de US$ 100 bilhões para um novo fundo a cada poucos anos, investindo cerca de US$ 50 bilhões por ano em startups.[24] Um segundo Vision Fund está sendo trabalhado atualmente, com uma meta de US$ 108 bilhões, dos quais US$ 38 bilhões viriam da própria SoftBank.[25]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Son conheceu sua esposa, Masami Ohno, durante seus estudos universitários e tem duas filhas juntos.[26] Ele mora em Tóquio, em uma mansão de três andares avaliada em US$ 50 milhões. Ela é equipada com um campo de golfe, cuja tecnologia é capaz de imitar as condições climáticas dos melhores campos de golfe do mundo. Ele também adquiriu uma casa perto do Vale do Silício em Woodside, na Califórnia, que custou US$ 117 milhões. Son também é dono da SoftBank Hawks, um time profissional de beisebol japonês.[27]

Filantropia[editar | editar código-fonte]

Em 2011, Son prometeu doar 10 bilhões de ienes (US$ 120 milhões) e seu salário restante até a aposentadoria para apoiar as vítimas do sismo e tsunami de Tohoku.[28]

Referências

  1. «Masayoshi Son's $58 Billion Payday on Alibaba». Bloomberg.com (em inglês). 8 de maio de 2014. Consultado em 11 de dezembro de 2017 
  2. «Forbes profile: Masayoshi Son». Forbes (em inglês). Consultado em 13 de março de 2020 
  3. Karmali, Naazneen. «Japan's 50 Richest 2020: Despite Pandemic, Their Total Wealth Dropped By Only 5%». Forbes (em inglês). Consultado em 22 de julho de 2020 
  4. Caroline Howard. «No. 45: Masayoshi Son - In Photos: The World's Most Powerful People: 2013». Forbes (em inglês). Consultado em 4 de setembro de 2017 
  5. Pham, Sherisse (7 de dezembro de 2016). «SoftBank founder Masayoshi Son: A 'crazy' billionaire obsessed with the future» (em inglês). Consultado em 20 de setembro de 2017 
  6. a b c Andrew Pollack (19 de fevereiro de 1995). «A Japanese Gambler Hits the Jackpot With Softbank». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 10 de dezembro de 2017 
  7. Martin, Alex (7 de fevereiro de 2019). «Masayoshi Son: Betting big and winning». Japan Times Online (em inglês). Consultado em 23 de fevereiro de 2019 
  8. «CEO revealed Korean roots to inspire youths facing bigotry in Japan». Nikkei Asian Review (em inglês). Consultado em 21 de março de 2017 
  9. Inoue, Atsuo (2013). «2: Grade Skipping». Aiming High: A Biography of Masayoshi Son (em inglês). [S.l.]: YouTeacher. Consultado em 12 de janeiro de 2018 
  10. «The David Rubenstein Show: Masayoshi Son». Bloomberg (em inglês). 11 de outubro de 2017. Consultado em 21 de outubro de 2017 
  11. a b «Masayoshi Son goes on a $100bn shopping spree». The Economist (em inglês). Consultado em 11 de dezembro de 2017 
  12. Sender, Henny; Ling, Connie (18 de janeiro de 2000). «Softbank to Invest $20 Million In Hong Kong's Alibaba.com». Wall Street Journal (em inglês). ISSN 0099-9660. Consultado em 11 de dezembro de 2017 
  13. Pfanner, Eric (19 de setembro de 2014). «SoftBank's Alibaba Alchemy: How to Turn $20 Million Into $50 Billion». WSJ (em inglês). Consultado em 11 de dezembro de 2017 
  14. «SoftBank's Masayoshi Son steps down from Alibaba board, defends his investing decisions». CNBC (em inglês). 25 de junho de 2020. Consultado em 9 de julho de 2020 
  15. «SoftBank completes $31 billion acquisition of ARM». The Verge (em inglês). Consultado em 11 de dezembro de 2017 
  16. «U.S. Securities and Exchange Commission - Homepage» (em inglês). sec.gov. Consultado em 18 de julho de 2020 
  17. «SoftBank is in Big Trouble if Sprint T-Mobile Merger Doesn't Happen» (em inglês). wccftech.com. 6 de maio de 2019. Consultado em 3 de junho de 2019 
  18. Penn, Michael (23 de abril de 2011). «Masayoshi Son Castigates the Nuclear Industry». Shingetsu Blog (em inglês). Consultado em 31 de agosto de 2011 
  19. Yasu, Mariko (23 de junho de 2011). «Softbank's CEO Wants a Solar-Powered Japan». Bloomberg BusinessWeek (em inglês). Consultado em 23 de agosto de 2011 
  20. Pham, Sherisse (28 de março de 2018). «SoftBank wants to build the world's biggest solar project in Saudi Arabia». CNNTech (em inglês). Consultado em 28 de março de 2018 
  21. «SoftBank's $100 Billion Vision Fund Is Run by These 10 Men». www.bloomberg.com (em inglês). Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  22. Brooker, Katrina (14 de janeiro de 2019). «The most powerful person in Silicon Valley». Fast Company (em inglês). Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  23. Sherman, Alex (1 de agosto de 2018). «Masayoshi Son building Vision Fund into family, say founders». www.cnbc.com (em inglês). Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  24. Ghurye, Shruti (7 de fevereiro de 2019). «Masayoshi Son: Betting big and winning» (em inglês). Consultado em 7 de fevereiro de 2019 
  25. Klebnikov, Sergei. «SoftBank Launches Second Vision Fund With $2.5 Billion Investment: Report». Forbes (em inglês). Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  26. hermes (12 de dezembro de 2016). «SoftBank's Masayoshi Son, the 'crazy guy who bet on the future» (em inglês). Consultado em 13 de novembro de 2017 
  27. Ghurye, Shruti (23 de fevereiro de 2019). «10 Things You Didn't Know About Masayoshi Son» (em inglês). Consultado em 23 de fevereiro de 2019 
  28. Alpeyev, Pavel (4 de abril de 2011). «Softbank's Son pledges 120 million salary for quake relief». Bloomberg (em inglês). Consultado em 9 de março de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]