Mascate

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mascate
مسقط
Masqaṭ
Um Distrito Central de Negócios em Muttrah, Mascate
Um Distrito Central de Negócios em Muttrah, Mascate
Bandeira de Mascate
Bandeira
Mascate está localizado em: Oman
Mascate
Localização de Mascate no Omã
23° 36' 31" N 58° 35' 31" E
País Flag of Oman Oman
Província Mascate
Administração
 - Tipo Monarquia absoluta
 - Sultão Qaboos bin Said Al Said
Área
 - Metro 3500 km²
População (2008)
 - Metro 1 090 797
    • Densidade metro 311,7/km2 
Fuso horário Horário oficial do Omã (UTC+4)
Sítio www.omanet.om

Mascate (em árabe: مسقط, transl. Masqaṭ), no golfo de Omã, é a capital e maior cidade do Sultanato de Omã. Tem cerca de 832 mil habitantes.

A cidade constitui-se, na verdade, em três urbes menores, que se desenvolveram em conjunto ao longo dos séculos:

  • Mascate propriamente dita, também conhecida como a "cidade amuralhada", onde se localizam os palácios reais;
  • Matrah (Matruh), originalmente uma pequena vila de pescadores, onde se localiza o labiríntico "Matrah Souq";
  • Ruwi, considerada geralmente como centro comercial e diplomático da cidade.

Esta divisão tripartida da cidade costuma causar alguns inconvenientes aos seus visitantes, uma vez que as distâncias entre as acomodações e os demais lugares podem ser extensas.

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Os vestígios da ocupação humana na região de Mascate remontam a 6000 a.C. em Ras al-Hamra, onde sepulturas de pescadores foram identificadas. As sepulturas aparentam ter sido bem formadas e indicam a existência de enterramentos rituais. Ao sul de Mascate, remanescentes de cerâmica de Harappa indicam algum nível de contacto com a Civilização do Vale do Indo.[1]

A notoriedade de Mascate como porto encontra-se registada desde o século I pelos antigos geógrafos: o grego Ptolomeu, refere-o como "Cryptus Portus" ("Porto Escondido"), e Plínio, o Velho, denomina-o como "Amithoscuta".[2] Ali era comerciado incenso, considerado o mais puro de seu tempo.

O porto caiu diante da invasão dos Sassânidas no século III, sob o comando de Sapor I,[3] enquanto que a sua conversão ao Islão ocorreu ainda durante o século VII. A importância de Mascate como porto comercial continuou a crescer nos séculos que se seguiram, sob a influência da Dinastia Azd, uma tribo local.

A implantação do primeiro imanato no século IX, foi o primeiro passo para a consolidação das facções tribais dispersas de Omã sob a bandeira de um estado Ibadi. Entretanto, as escaramuças tribais prosseguiram, permitindo aos Abássidas de Bagdá conquistarem Omã. Os Abássidas ocuparam a região até ao século XI, quando foram expulsos pelos Yahmad, uma tribo local. O poder sobre Omã deslocou-se da tribo Yahmad para o clã Azdi Nabahinah, sob cujo governo a população dos portos do litoral como Mascate prosperou com o comércio marítimo e o estabelecimento de alianças com o subcontinente indiano, ao custo da alienação das populações do interior de Omã.

A conquista portuguesa[editar | editar código-fonte]

Velha Mascate. Ao fundo os fortes de Al Marani e Al Jalali, construídos pelos portugueses.
Mascate é uma cidade muito grande e populosa, flanqueada em ambos os lados por altas montanhas e a frente está perto da borda do mar; para trás, para o interior, há uma planície tão grande como a praça de Lisboa, toda coberta com panelas de sal. Aqui se encontram pomares, hortas, bosques de palmeiras com poços para regá-las por meio de noras e outros engenhos. O porto é pequeno, no feitio de uma ferradura e abrigado de todos os ventos.
Afonso de Albuquerque, após a queda de Mascate, em 1507[4] ).

A localização estratégica de Omã, entre a África e a Ásia, desde cedo atraiu a atenção dos europeus. Desse modo, forças portuguesas sob o comando de Afonso de Albuquerque atacaram Mascate em Julho de 1507, ferindo-se uma sangrenta batalha com as tropas leais ao governador persa. Com a queda os portugueses massacraram a população sobrevivente - homens, mulheres e crianças – registrando-se o saque e a ocupação da cidade.[4] Os portugueses mantiveram o controle de Macate por mais de um século, a despeito dos desafios a partir da Pérsia e de um bombardeamento da cidade pelos Turcos em 1546.[5] Os turcos capturaram Mascate aos Portugueses em duas ocasiões: em 1552[6] e em 1581-1588. O que se pode observar atualmente nos fortes gémeos Al Jalali e Al Mirani é, no essencial, resultante da intervenção portuguesa.

Após a queda do Forte de Nossa Senhora da Conceição de Ormuz diante dos Persas e seus aliados Ingleses (3 de maio de 1622), a sua guarnição e a população portuguesa, cerca de 2.000 pessoas, foram enviadas para Mascate, que daí em diante passou a concentrar os interesses portugueses na região.

A eleição de Nasir Bin Murshid al-Yaribi como Imã de Omã em 1624 alterou novamente o equilíbrio do poder na região, dos Persas e dos Portugueses para os Omanis locais. A 16 de agosto de 1648, o Imã expediu um exército para Mascate, que capturou e demoliu as altas torres de vigia dos Portugueses, enfraquecendo assim o seu domínio sobre a cidade. Finalmente, em 1650, um pequeno mas determinado corpo de tropas do Imã atacou o porto da cidade à noite, forçando a rendição Portuguesa (23 de Janeiro de 1650).[7] Essa data é considerada o início da independência do país, tornando o Sultanato de Omã no mais antigo estado independente da região.

Do século XVII aos nossos dias[editar | editar código-fonte]

Com a vitória Omani sobre os portugueses em Mascate, a frota Omani prosseguiu combatendo os portugueses na costa leste africana, vencendo-os em Zanzibar e Pemba até que, em 1668, uma grande parte daquela costa já caíra sob o controle do Sultão de Omã. Em 1698, após manter os portugueses cercados no Forte Jesus de Mombaça durante dois anos, os Omanis finalmente varreram a presença portuguesa de toda a costa até Moçambique.

Posteriormente, no século XVIII, uma guerra civil e as repetidas incursões de tropas do rei persa Nadir Shah, desestabilizaram a região, tornando ainda mais tensas as relações entre o interior e o litoral de Mascate. Este vazio de poder em Omã levou ao surgimento da Dinastia Al Bu Sa'id que governou Omã desde então.[8]

A supremacia naval e militar de Mascate foi restabelecida no século XIX por Said bin Sultan, que adquiriu o controle sobre Zanzibar, eventualmente deslocando para lá o seu governo (1840), constituindo o Sultanato de Zanzibar e Oman, em reconhecimento da crescente importância de Zanzibar e do declínio do poder de Oman. Diante do aumento da possibilidade de uma guerra civil entre Zanzibar e Omã, o sultão solicitou a arbitragem da Grã-Bretanha que, preocupada em manter a paz na região, declarou a separação dos dois países em 1861. Durante a segunda metade desse século, a sorte da Dinastia Al Bu Sa'id declinou e os atritos com os imãs do interior recrudesceram. Mascate e Muttrah foram atacadas por tribos do interior em 1895 e novamente em 1915.[9]

No entanto, os conflitos entre as tribos dispersas do interior e o Sultão de Mascate e Omã prosseguiu na década de 1950 e, posteriormente, deu lugar à Rebelião Dhofar (1962).[10] Esta rebelião forçou o Sultão Said bin Taimur a solicitar assistência à Grã-Bretanha para dominar as revoltas no interior. Em 26 de Abril de 1966 uma tentativa falhada de assassínio de Said bin Taimur levou a um maior isolamento do Sultão, com a transferência de sua residência de Mascate para Salalah, em meio ao conflito civil armado. Em 23 de Julho de 1970, Qaboos bin Said Al Said, filho do Sultão, protagonizou um golpe de Estado sem sangue,[11] no palácio de Salalah, com o apoio britânico e tomou posse como governante.

Com o auxílio britânicos, Qaboos bin Said colocou fim à insurreição Dhofar e às disputas tribais. Mudou o nome do país para Sultanato de Omã (até então denominado como "Mascate e Omã"), visando pôr fim ao isolamento do interior. Qaboos recorreu aos serviços de Omanis capazes de ocupar cargos em seu novo governo,[12] baseados em empresas como a Petroleum Development Oman (PDO). Novos ministérios para os serviços sociais como os de Saúde e Educação foram estabelecidos. A construção de Mina Qaboos, um novo porto concebido inicialmente por Sa'id bin Taimur, foi desenvolvido durante os primeiros dias do governo de Qaboos. Do mesmo modo, um novo aeroporto internacional foi construído, no distrito de Seeb. Um complexo de escritórios, armazéns, lojas e residências transformou a antiga vila de Ruwi, em Muttrah, em um distrito comercial.[13] O primeiro plano quinquenal de desenvolvimento de Mascate, em 1976, enfatizou o desenvolvimento de infra-estruturas em Mascate, o que proporcionou novas oportunidades para o comércio e o turismo nas décadas de 1980 e 1990, atraindo migrantes de toda a região.

Eventos notórios[editar | editar código-fonte]

Em 4 de maio de 2001 foi construída a Grande Mesquita do Sultão Qaboos, por determinação de Qaboos bin Said. Em 6 de Junho de 2007, o Ciclone Gonu assolou Mascate causado extensos danos a propriedades, infra-estruturas e actividades comerciais.

Notas

  1. Rice (1994), p. 255-256.
  2. Foster (1844), p. 234.
  3. Potter (2002), p. 41.
  4. a b Miles (1997), p. 147.
  5. Miles (1997), p. 167
  6. Forças navais sob o comando do almirante otomano e cartógrafo Piri Reis capturaram Mascate aos portugueses, mas acabaram por abandoná-la.
  7. Miles (1997), p. 196.
  8. Miles (1997), p. 256.
  9. JE Peterson: entrada da Enciclopédia Britânica (1990), p. 6.
  10. Em 1965, o povo do estado de Dhofar, no interior, iniciou uma rebelião com apoio do governo do Iêmen do Sul e a recusa do Sultão de utilizar as receitas da exportação de petróleo para enfrentar a rebelião, levou seu filho - o atual Sultão Qaboos bin Said, na época com somente 30 anos de idade – a liderar um golpe pacífico em 1970 e tomar o lugar do seu pai.
  11. Long (2007), p. 188.
  12. Middle East Policy (2004), p. 126.
  13. Middle East Policy (2004), p. 128.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Mascate
Subdivisões do Omã Bandeira do Omã
Regiões
Ad Dakhiliyah | Al Bāţinah | Al Wusta | Ash Sharqiyah | Ad Dhahirah
Províncias
Mascate | Musandam | Dhofar
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de Omã é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.