Masculinidade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Masculino)
Ir para: navegação, pesquisa
Durante a primeira metade do século XX, a imagem do homem másculo foi ligada ao trabalho braçal e à industrialização.
Disambig grey.svg Nota: Masculino redireciona para este artigo. Para outros significados, veja Masculino (desambiguação).

Masculinidade é um conjunto de atributos, comportamentos e papéis geralmente associados a meninos e homens. A masculinidade é construída socialmente, mas composta por tanto fatores socialmente definidos quanto criados biologicamente,[1][2][3] distintos da definição do sexo biológico masculino.[4][5] Ambos homens e mulheres podem exibir traços e comportamentos masculinos. Aqueles que exibem características masculinas e femininas são considerados andróginos e filósofos feministas argumentaram que a ambigüidade de gênero pode confundir a classificação de gênero.[6][7]

Traços masculinos incluem coragem, independência e assertividade.[8][9][10] Esses traços variam conforme o local e contexto e são influenciados por fatores sociais e culturais.[11] Uma ênfase excessiva na masculinidade e no poder, muitas vezes associada a um desrespeito pelas consequências e responsabilidades, é conhecida como machismo.[12]

Visão geral[editar | editar código-fonte]

As qualidades, características ou papéis masculinos são considerados típicos ou apropriados para um menino ou homem. Há graus de comparação: "muito masculino" e "mais masculino", e o oposto pode ser expresso por "não-másculo" ou "epiceno".[13] Semelhante à masculinidade é a virilidade (do latim vir, "homem"). O conceito de masculinidade varia histórica e culturalmente; embora o Dândi tenha sido visto como um ideal de masculinidade do século XIX, é agora considerado efeminado pelos padrões modernos.[14] As normas masculinas, como descrito na Masculinity Reconstructed ("Masculinidade Reconstruída") de Ronald F. Levant, são "evitação da feminilidade", emoções restritas, sexo desconectado da intimidade, busca de realização e status, auto-suficiência, força e agressividade e homofobia".[15] Estas normas reforçam o papel de gênero associando atributos e características a um gênero.[16]

O estudo acadêmico da masculinidade recebeu atenção crescente durante o final dos anos 1980 e início dos anos 90, com o número de cursos sobre o assunto nos Estados Unidos subindo de 30 para mais de 300.[17] Isso desencadeou a investigação da interseção da masculinidade com outros eixos de discriminação social e conceitos de outros campos, como a construção social da diferença de gênero.[18]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Em muitas culturas, apresentar características não típicas do seu sexo pode ser um problema social. Na sociologia, esta rotulagem é conhecida como suposições de gênero e faz parte da socialização para satisfazer os costumes de uma sociedade. O comportamento não padronizado pode ser considerado indicativo de homossexualidade, apesar da expressão de gênero, a identidade de gênero e a orientação sexual serem amplamente aceitas como conceitos distintos.[19] Quando a sexualidade é definida em termos de escolha de objeto (como nos estudos iniciais da sexologia), a homossexualidade masculina é interpretada como efeminação.[20] A desaprovação social da masculinidade excessiva pode ser expressa como "machismo"[12] ou por neologismos como "envenenado por testosterona".[21]

Natureza versus criação[editar | editar código-fonte]

A medida em que a masculinidade é inata ou adquirida é debatida. A pesquisa genômica produziu informações sobre o desenvolvimento de características masculinas e o processo de diferenciação sexual específico do sistema reprodutivo humano. O fator determinante do testículo (também conhecido como proteína SRY) no cromossomo Y, crítico para o desenvolvimento sexual masculino, ativa a proteína SOX9.[22] SOX9 trabalha com a proteína SF1 para aumentar o nível de Hormônio antimülleriano, reprimindo o desenvolvimento feminino enquanto ativando e formando um loop que se autoalimenta com a proteína FGF9; Isso cria as cordas dos testículos e é responsável pelas células de Sertoli que ajudam na produção de espermatozóides.[23]

Como uma criança desenvolve identidade de gênero também é debatido. Alguns acreditam que a masculinidade está ligada ao corpo masculino; Nesta visão, a masculinidade está associada à genitália masculina.[24] Outros sugeriram que, embora a masculinidade possa ser influenciada pela biologia, é também uma construção cultural. Pesquisas recentes têm sido feitas sobre o auto-conceito de masculinidade e sua relação com a testosterona; Os resultados mostraram que a masculinidade não só difere em diferentes culturas, mas os níveis de testosterona não prevém o quão masculino ou feminino o indivíduo se sente.[25]

Masculinidade tóxica[editar | editar código-fonte]

Masculinidade tóxica é uma descrição estreita e repressiva da masculinidade que a designa como definida por violência, sexo, status e agressão,[26] é o ideal cultural da masculinidade, onde a força é tudo, enquanto as emoções são uma fraqueza; sexo e brutalidade são padrões pelos quais os homens são avaliados, enquanto traços supostamente "femininos" - que podem variar de vulnerabilidade emocional a simplesmente não serem hipersexuais - são os meios pelos quais seu status como "homem" pode ser removido.[27] Alguns do efeitos da masculinidade tóxica estão a supressão de sentimentos, encorajamento da violência, falta de incentivo em procurar ajuda, perpetuação da cultura do estupro, homofobia, misoginia.[28] racismo e machismo.[29]

A masculinidade tóxica é também tema recorrente do psiquiatra e autor norte-americano Frank Pittman, especialmente as maneiras pelas quais a masculinidade tradicional literalmente prejudica os homens (Pittman, 1993). Os homens vivem sete anos menos do que as mulheres, têm taxas de mortalidade mais altas por homicídio, suicídio e acidentes além de serem as maiores vítimas de câncer de pulmão e cirrose. Pittman enfatiza que as normas da masculinidade exigem que a própria masculinidade seja perseguida por toda a vida. Pittman relaciona a masculinidade tóxica a homens que foram criados por mulheres sem terem um modelo masculino.[30]

Nas últimas três décadas, cientistas sociais e o público em geral examinaram o conceito de masculinidade tóxica, enfocando atributos tradicionalmente masculinos que muitos perceberam como prejudiciais não só para as mulheres, mas também para os homens e para a sociedade. Em uma meta-análise de 78 estudos, incluindo 19.453 participantes, pesquisadores da Indiana University Bloomington e a Nanyang Technological University, em Cingapura, encontraram associações modestas mas negativas entre um número de normas masculinas e resultados de saúde mental. Essas normas sociais "masculinas" incluíam o desejo de ganhar, a necessidade de controle emocional, comportamentos de risco, violência, dominância, promiscuidade sexual, auto-suficiência, alta importância atribuída ao trabalho, poder sobre as mulheres, desprezo pela homossexualidade e busca por status.[31] As três normas que os pesquisadores descobriram ter os efeitos negativos mais consistentes sobre a saúde mental dos homens foram a auto-suficiência, a busca por promiscuidade sexual e poder sobre as mulheres.[31]

Referências

  1. Marianne van den Wijngaard (1997). Reinventing the sexes: the biomedical construction of femininity and masculinity. Race, gender, and science Indiana University Press [S.l.] pp. 171 pages. ISBN 0-253-21087-9. Consultado em June 3, 2011. 
  2. Hale Martin, Stephen Edward Finn (2010). Masculinity and Femininity in the MMPI-2 and MMPI-A U of Minnesota Press [S.l.] pp. 310 pages. ISBN 0-8166-2445-3. Consultado em June 3, 2011. 
  3. Richard Dunphy (2000). Sexual politics: an introduction Edinburgh University Press [S.l.] pp. 240 pages. ISBN 0-7486-1247-5. Consultado em June 3, 2011. 
  4. Ferrante, Joan. Sociology: A Global Perspective 7th ed. Belmont, CA: Thomson Wadsworth. pp. 269–272. ISBN 0-8400-3204-8. 
  5. Gender, Women and Health: What do we mean by "sex" and "gender"?', The World Health Organization
  6. Butler, Judith (1999 [1990]), Gender Trouble: Feminism and the Subversion of Identity (New York and London: Routledge).
  7. Laurie, Timothy (2014), 'The Ethics of Nobody I Know: Gender and the Politics of Description', Qualitative Research Journal, 14 (1), pp. 64-78.URL: https://www.academia.edu/6262250/The_Ethics_of_Nobody_I_Know_Gender_and_the_Politics_of_Description
  8. Vetterling-Braggin, Mary "Femininity," "masculinity," and "androgyny": a modern philosophical discussion
  9. Worell, Judith, Encyclopedia of women and gender: sex similarities and differences and the impact of society on gender, Volume 1 Elsevier, 2001, ISBN 0-12-227246-3, ISBN 978-0-12-227246-2
  10. Thomas, R. Murray (2000). Recent Theories of Human Development Sage Publications [S.l.] p. 248. ISBN 0761922474. As feministas de gênero também consideram os traços femininos tradicionais (gentileza, modéstia, humildade, sacrifício, apoio, empatia, compaixão, ternura, nutrição, intuição, sensibilidade, altruísmo) moralmente superiores aos traços masculinos tradicionais (coragem, vontade forte, ambição, independência, assertividade , Iniciativa, racionalidade e controle emocional). 
  11. Witt, edited by Charlotte (2010). Feminist Metaphysics: Explorations in the Ontology of Sex, Gender and Identity. Dordrecht: Springer. p. 77. ISBN 90-481-3782-9. 
  12. a b «Machismo (exaggerated masculinity) - Encyclopædia Britannica» online ed. Encyclopædia Britannica, Inc. Consultado em 6 March 2015. 
  13. Roget’s II: The New Thesaurus, 3rd. ed., Houghton Mifflin, 1995.
  14. Reeser, Todd (2010). Masculinities in Theory: An Introduction John Wiley and Sons [S.l.] pp. 1–3. ISBN 1444358537. 
  15. Levant, Ronald F.; Kopecky, Gini (1995). Masculinity Reconstructed: Changing the Rules of Manhood—At Work, in Relationships, and in Family Life. New York: Dutton. ISBN 978-0452275416. 
  16. Dornan, Jennifer (2004). «Blood from the Moon:Gender Ideology and the Rise of Ancient Maya Social Complexity» [S.l.: s.n.] ISSN 0953-5233. 
  17. Bradley, Rolla M. (2008). Masculinity and Self Perception of Men Identified as Informal Leaders ProQuest [S.l.] p. 9. ISBN 0549473998. 
  18. Flood, Michael (2007). International Encyclopaedia of Men and Masculinities Routledge [S.l.] pp. Viii. ISBN 0415333431. 
  19. «Gender Identity and Expression Issues at Colleges and Universities». National Association of College and University Attorneys. 2005-06-02. Consultado em 2007-04-02. 
  20. «Chrysler TV ad criticized for using gay stereotypes». O Advogado. 2006-04-07. Consultado em 2007-04-07. 
  21. Alan Alda, "What Every Woman Should Know About Men", Ms., New York, October 1975
  22. Moniot, Brigitte; Declosmenil, Faustine; Barrionuevo, Francisco; Scherer, Gerd; Aritake, Kosuke; Malki, Safia; Marzi, Laetitia; Cohen-Solal, Ann; Georg, Ina; Klattig, Jürgen; Englert, Christoph; Kim, Yuna; Capel, Blanche; Eguchi, Naomi; Urade, Yoshihiro; Boizet-Bonhoure, Brigitte; Poulat, Francis (2009). «The PGD2 pathway, independently of FGF9, amplifies SOX9 activity in Sertoli cells during male sexual differentiation»: 1813–1821. doi:10.1242/dev.032631. PMID 19429785. 
  23. Kim, Y.; Kobayashi, A.; Sekido, R.; Dinapoli, L.; Brennan, J.; Chaboissier, M. C.; Poulat, F.; Behringer, R. R.; Lovell-Badge, R.; Capel, B. (2006). «Fgf9 and Wnt4 Act as Antagonistic Signals to Regulate Mammalian Sex Determination»: e187. doi:10.1371/journal.pbio.0040187. PMC 1463023Acessível livremente. PMID 16700629. 
  24. Reeser, Todd (2010). Masculinities in Theory: An Introduction John Wiley and Sons [S.l.] p. 3. ISBN 1444358537. 
  25. Pletzer, Belinda (2015). Intereactive effects of culture and sex hormones on the role of self concept Frontiers in Neuroscience [S.l.] pp. 1–10. 
  26. Craig A. Boyd (2008). Visions of Agapé: Problems and Possibilities in Human and Divine Love. Ashgate Publishing, Ltd. pp. 52–. ISBN 978-0-7546-5818-4.
  27. Harris O'Malley (27 de junho de 2016). «The Difference Between Toxic Masculinity and Being A Man» (em inglês). The Good Men Project. Consultado em 27/12/216. 
  28. Suzannah Weiss (23 de fevereiro). «6 Harmful Effects Of Toxic Masculinity» (em inglês). Bustle. Consultado em 27/12/216. 
  29. Hanalei Vierra Ph.D. (2016). The TRUE HEART of a MAN: How Healthy Masculinity Will Transform Your Life, Your Relationships, and the World. Balboa Press. p. 105. ISBN 978-1-5043-4652-8.
  30. Nancy E. Dowd (2000). Redefining Fatherhood. NYU Press. p. 286. ISBN 978-0-8147-4403-1. (em inglês)
  31. a b Peter Hess (21 de novembro de 2016). «Sexism my be bad for men's mental health» (em inglês). Popular Science. Consultado em 27/12/216.