Massacre de Columbine

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Março de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Massacre de Columbine
Instituto Columbine (foto de satêlite)
Local Columbine,  Colorado,  Estados Unidos
Coordenadas 39° 36′ N 105° 04′ W
Data 20 de Abril de 1999
11:16 am – 12:08 pm (horário local) (UTC -6)
Tipo de ataque Massacre escolar, assassinato em massa, massacre, ataque suicida, ataque com bombas improvisadas.
Arma(s)
  • Intratec TEC-DC9,
  • Hi-Point,
  • Savage 67H,
  • Stevens 311D
  • 99 explosivos
  • Quatro facas
Mortes 15 (incluindo os 2 assassinos)
Feridos 25
Responsável(is) Eric Harris e Dylan Klebold
Força(s) de defesa William David Sanders

Aaron Hancy

O Massacre de Columbine, foi um massacre escolar que ocorreu em 20 de Abril de 1999, na Columbine High School, em Columbine,[1] [2] em uma área não incorporada de Jefferson County, no estado Americano de Colorado. Além dos disparos, o complexo e altamente planejado ataque envolveu o uso de bombas para dificultar os bombeiros, tanques de propano convertidos em bombas colocadas no refeitório, 99 dispositivos explosivos, e carros-bomba. Os autores, os estudantes seniores Eric Harris e Dylan Klebold, mataram 12 alunos e um professor. Além disso, feriram outras 21 pessoas, e três outras ficaram feridas enquanto tentavam escapar da escola. A dupla cometeu suicídio.[3] [4]

Apesar dos motivos para o ataque continuam incertos, os diários pessoais dos autores documentam que eles desejavam um ataque similar ao de Atentado de Oklahoma City, e outros incidentes violentos que ocorreram nos Estados Unidos na década de 90. O ataque foi dito no USA Today como um "ataque suicida [que foi] planejado originalmente como uma grande - e mal implementada - explosão terrorista." O massacre foi relatado como o "mais sangrento tiroteio em uma escola de ensino médio na história dos Estados Unidos."[5] [6]

O massacre provocou debate sobre leis de controle de armas, "panelinhas" do ensino médio, subculturas e bullying. Resultou em um aumento na segurança de escolas americanas com políticas de tolerância zero,[7] [8] e um pânico moral sobre a cultura gótica, a cultura de armas, párias sociais, o uso de anti-depressivos em jovens, o uso da internet por adolescentes,[9] e a violência em videogames.[10] [11]

Possíveis motivações[editar | editar código-fonte]

Harris e Klebold, ótimos alunos de boas famílias, não eram populares na escola. Preferiam os computadores aos esportes. Encontraram a sua turma num grupo chamado a Máfia da Capa Preta. Ridicularizados pelos atletas, remoíam planos de vingança e extravasavam seu ódio na Internet. Harris, principal cabeça por trás do ataque, tinha um website, agora desativado, no qual colecionava suásticas e sinistros vídeos neonazistas e até dava receitas para a fabricação de bombas. Em seu autorretrato, escreveu: "Mato aqueles de quem não gosto, jogo fora o que não quero e destruo o que odeio". Já Klebold dizia que seu número pessoal era "420".

Os diários dos jovens foram encontrados, mas ainda não se chegou a uma conclusão sobre o motivo do ataque. «Não eram rapazes comuns que foram importunados até retaliarem», escreveu o psicólogo Peter Langman no seu livro, "Why Kids Kill: Inside the Minds of School Shooters" ("Por que Crianças Matam: Dentro das Mentes dos Atiradores Escolares") «Não eram rapazes comuns que jogavam jogos de videogame demais», «Não eram rapazes comuns que queriam apenas ser famosos», «Eles simplesmente não eram rapazes comuns», «Eram rapazes com problemas psicológicos sérios».

No seu diário Harris mostrava toda a sua revolta e seu "desejo de ser Deus", enquanto Klebold mostrava grande depressão:

Harris escreveu certa vez: "Eu me sinto como Deus, e gostaria que fosse assim, para que todos estivessem OFICIALMENTE abaixo de mim" Enquanto Klebold escreveu "Eu sou um deus, um deus da tristeza"

É dito que no dia do ataque, Harris usava uma camisola escrita Natural Selection (Seleção Natural) e Klebold uma escrita «Wrath» (Ira/Raiva).

A socióloga de Princeton, Katherine Newman, coautora do livro de 2004, "Rampage: The Social Roots of School Shootings" ("Violência: As Raízes Sociais dos Tiroteios em Escolas"), disse que jovens como Harris e Klebold não eram solitários, eles apenas não eram aceitos pelos garotos que importavam: «Obter atenção ao se tornar notório é melhor do que ser um fracassado».

Langman, cujo livro traça o perfil de 10 atiradores, incluindo Harris e Klebold, descobriu que nove sofriam de depressão e pensamentos suicidas, uma combinação "potencialmente perigosa", disse ele. «É difícil impedir um assassinato quando os assassinos não se importam em viver ou morrer. É como tentar deter um homem-bomba».

Planejamento[editar | editar código-fonte]

Eric Harris
Dylan Klebold

Eric Harris e Dylan Klebold conseguiram o seu arsenal comprando pela internet - duas caçadeiras, uma pistola semi-automática e uma rifle de assalto de 9mm, acharam também na Internet a receita para fabricar as bombas. Um vizinho viu os dois, na segunda-feira, véspera do fuzilamento, partindo garrafas com um taco de basebol. Os cacos seriam usados como estilhaços nas bombas, e o vizinho não desconfiou de nada. Harris escreveu num diário os planos do ataque à escola. Um diagrama mostra como as armas seriam escondidas sob as longas capas de couro preto. Num exemplar do livro de formatura do colégio, Harris escreveu sobre as fotos, quem ia morrer e quem seria poupado: "Morto", "Morrendo" e "Salvo".

Até o final da semana pairava no ar a suspeita de que os atiradores tinham contado com a ajuda de cúmplices no ataque. Duvidando de que pudessem carregar sozinhos mais de 30 bombas para dentro do colégio, a polícia investigava outros membros da Máfia da Capa Preta. Entre a invasão da escola, às 11:30 da manhã, e a descoberta dos corpos pela polícia, às 4 da tarde, os cúmplices podem ter deixado o prédio misturados à multidão que conseguiu escapar. A equipe da SWAT ordenava que todos levassem as mãos à cabeça, mas não tinha como separar supostos atacantes de vítimas.

Centenas de alunos e um professor trancados nas salas, ouviam os tiros e explosões sem saber o que estava acontecendo. Muitos ligaram para casa pelos celulares, sussurrando, para pedir por socorro. Harris e Klebold acompanhavam tudo pela TV da biblioteca, vendo a transmissão ao vivo do cerco à escola. No final, depois de meia hora de silêncio, a SWAT invadiu a biblioteca e encontrou os corpos dos dois cercados de outros, alguns irreconhecíveis. O sangue era tanto que a polícia divulgou a estimativa de 25 mortos. Só no dia seguinte, desativadas todas as bombas, pôde-se retirar e contar os corpos.

Mortos e feridos[editar | editar código-fonte]

Mortos[editar | editar código-fonte]

1. Rachel Scott,[12] 17 anos, morta com tiros na cabeça, tronco e pernas bacoradas da mariana em um gramado próxima a entrada oeste da escola.
2. Daniel Rohrbough,[13] 15 anos, morto com um tiro no tórax na escadaria oeste.
3. Kyle Velasquez,[14] 16 anos, morto por tiros na cabeça e nas costas.
4. Steven Curnow,[15] 14 anos, morto após receber um tiro no pescoço.
5. Cassie Bernall,[16] 17 anos, morta por um tiro na cabeça.
6. Isaiah Shoels,[17] 18 anos, morto com um tiro no peito .
7. Matthew Kechter,[18] 16 anos, com tiros no peito.
8. Lauren Townsend,[19] 18 anos, morta por diversos tiros na cabeça, tórax e parte inferior do corpo.
9. John Tomlin,[20] 16 anos, morto por diversos tiros no pescoço e cabeça.
10. Kelly Fleming,[21] 16 anos, morta um tiro nas costas.
11. Daniel Mauser,[22] 15 anos, morto por um tiro no rosto.
12.Corey DePooter,[23] 17 anos, morto com tiros no pescoço e tórax.
13. Dave Sanders,[24] 47 anos, morreu de hemorragia após recebeu um tiro no pescoço dentro do corredor sul.

Feridos[editar | editar código-fonte]

01. Richard Castaldo, 17 anos, baleado no braço, peito, costas e abdome no gramado perto da entrada oeste.
02. Sean Graves, 15 anos, baleado nas costas, pé e abdômen na escadaria oeste shot.
03. Lance Kirklin, 16 anos, baleado na perna, pescoço e maxilar. Também na escadaria oeste.
04. Michael Johnson, 15 anos, escapou para o gramado, onde recebeu tiros no rosto, braços e pernas.
05. Mark Taylor, 16 anos, baleado no peito, braços e pernas no gramado.
06. Anne-Marie Hochhalter, 17 anos, baleada no peito, braços, abdômen, costas e perna esquerda próximo a entrada da cantina.
07. Brian Anderson, 16 anos, atingido por um pedaço de vidro na entrada oeste após uma explosão.
08. Patti Nielson, 35 anos, atingida por estilhaços perto da entrada oeste.
09. Stephanie Munson, 16 anos, recebeu um tiro no tornozelo dentro do corredor ao norte.
10. Evan Todd, 15 anos, sofreu ferimentos após a mesa em que estava escondido embaixo quebrou no meio.
11. Patrick Ireland, 17 anos, receber tiros no braço, perna, cabeça e pé.
12. Daniel Steepleton, 17 anos, baleado na coxa.
13. Makai Hall, 18 anos, baleado no joelho.
14. Kacey Ruegsegger, 17 anos, recebeu tiros na mão, braço e ombro.
15. Lisa Kreutz, 18 anos, recebeu tiros nos ombros, mão, braço e coxa.
16. Valeen Schnurr, 18 anos, recebeu tiros no tórax, braços e abdômen.
17. Mark Kintgen, 17 anos, recebeu tiros na cabeça e ombro.
18. Nicole Nowlen, 16 anos, baleada no abdômen.
19. Jeanna Park, 18 anos, baleada no joelho, ombro e pé.
20. Jennifer Doyle, 17 anos, recebeu tiros na mão, perna e ombro.
21. Austin Eubanks, 17 anos, recebeu um tiro na cabeça e no joelho.

Passado[editar | editar código-fonte]

Os dois tinham antecedentes criminais. Em janeiro do ano anterior, foram presos depois de arrombar um carro e roubar equipamento eletrônico avaliado em US$ 400. Condenados, tiveram de prestar 45 horas de serviço comunitário e fazer um tratamento psicológico destinado a pessoas que cometem infrações menores. No mês anterior ao crime completaram com sucesso o programa de recuperação.

No ano letivo de 1997-98, houve 42 homicídios em escolas americanas. O pior, até então, havia acontecido em março de 1998, quando dois meninos de 11 e 13 anos mataram quatro colegas e uma professora numa escola do Arkansas. Nos anos 1980, as escolas das grandes cidades, Nova York, Los Angeles e Chicago, eram campo de batalha de gangues. Nos anos 1990, a violência migrou para subúrbios ricos e pequenas cidades rurais, e os matadores passaram a ser meninos solitários e desequilibrados. "Eu não tinha outra saída", explicou o adolescente de 16 anos que em outubro de 1997, no Mississippi, matou a mãe em casa e depois, na escola, fuzilou dois colegas e feriu sete.

Cronologia[editar | editar código-fonte]

Memorial Columbine em homenagem as vitímas do massacre.

A cronologia do ataque à Columbine High School foi montada a partir de informações captadas pelas câmeras internas da escola, chamadas de emergência e as reportagens locais:

11:10 Harris e Klebold chegam à escola, e deixam seus carros no estacionamento do refeitório.

11:14 Deixam mochilas com cerca de nove quilos de explosivos no refeitório.

11:23 Eles esperam do lado de fora da saída oeste. Então sacam espingardas de caça e armas semi-automáticas e começam a atirar nos alunos. As pessoas começam a correr e um estudante faz a primeira ligação para os serviços de emergência.

11:24 Os alunos do refeitório percebem o que está acontecendo. Os funcionários tentam removê-los para locais mais seguros. Um carro de polícia chega e atira nos suspeitos.

11:27 A dupla entra na escola, atirando a esmo.

11:28 Eles entram na biblioteca, matando 10 e ferindo 12 pessoas em pouco mais de sete minutos. Eles atiram na polícia pela janela em direção ao estacionamento, onde as viaturas se reúnem.

Durante os próximos 40 minutos, Harris e Klebold percorreram a escola, atirando e deixando explosivos pelo caminho.

12:06 Minutos antes da equipe da SWAT entrar no prédio, os suspeitos se mataram dentro da biblioteca.

Como as autoridades não sabiam que os suspeitos estava mortos e como ainda havia explosivos instalados ao redor do prédio, levou-se mais de três horas para que os serviços de emergência chegassem a todos os sobreviventes e encontrassem Harris e Klebold.

Televisão[editar | editar código-fonte]

O filme Diário de Um Adolescente (1995), com Leonardo DiCaprio, também foi lembrado a propósito do ataque na Columbine. Na película, DiCaprio interpreta um jovem drogado de Nova York que jogava basquete num colégio, nos anos 1960, e que num de seus delírios imaginava-se na sala de aula de sua escola vestido com capa preta e matando tudo e todos a seu redor. Suspeita-se de que os assassinos tenham se inspirado no filme quando decidiram usar só trajes pretos.

O massacre foi tema do documentário Tiros em Columbine (2002), do cineasta Michael Moore, tendo ganhado o Oscar 2003 de melhor documentário.

Também serviu de inspiração para o filme Elefante (2003), do cineasta Gus Van Sant. O diretor nos mostra possíveis motivações que os estudantes Eric Harris e Dylan Klebold teriam tido para cometer uma atrocidade como a ocorrida em abril de 1999 no Instituto Columbine, colocando-os na pele dos personagens Alex e Eric.

Outro filme que teve o Massacre da Columbine como enredo foi Dawn Anna (2005), que é o comovente testemunho do poder do amor e da família perante as dificuldades da vida. Dawn Anna é mãe solteira, luta por encontrar um trabalho como professora para poder sustentar os seus 4 filhos. Quando finalmente consegue esse trabalho como professora e treinadora e inicia uma relação com um homem, subitamente abate-se sobre ela uma debilitante doença. Após uma complicada cirurgia, vê-se forçada a aprender a falar e a andar de novo. Por fim, a desgraça volta a bater-lhe à porta, mas desta vez trata-se de uma tragédia nacional que choca o mundo inteiro (o Massacre da Columbine, que tira a vida de sua filha mais nova). Dawn terá de concentrar toda a sua força interior e o amor da família que criou para conseguir ultrapassar esta inacreditável tragédia e heroicamente continuar com a sua vida.

Na televisão, temos o episódio,Rampage da série americana Cold Case, que retrata dois jovens insatisfeitos assim como Eric e Dylan, iniciaram um tiroteio num shopping matando 15 pessoas.

Em 2011 foi lançado o filme Tarde Demais (Beautiful Boy – Estados Unidos), inspirado na tragédia, o filme tenta mostrar uma perspectiva diferente, o ponto de vista dos pais com a atitude do seu filho assassino.

Também em 2011, a primeira temporada da série American Horror Story conta a história de Tate Langdon (Evan Peters), um adolescente grunge (em vários momentos pode-se notar as referências nele à Kurt Cobain), solitário e psicótico que em 1994 vai para sua escola usando uma capa preta e mata 15 alunos com uma espingarda, o que fica conhecido como "o massacre de Westfield".

O filme de 2011 Precisamos Falar Sobre Kevin mostra Ezra Miller mo papel de um jovem problemático que com arco e flecha mata pessoas no colégio que frequentava. Tilda Swinton faz o papel da mãe de Kevin, que tem que lidar com as consequencias das ações do filho na pequena cidade onde moram.

Música[editar | editar código-fonte]

O massacre serviu de inspiração para a música Cassie, escrita por Lacey Mosley da banda Flyleaf e para The Nobodies, escrita por Marilyn Manson, onde ele faz referências à cobertura da mídia na sequência dos assassinatos. Também inspirou This Is Your Time, do cantor e escritor Michael W. Smith, em homenagem a Cassie Bernall, uma das estudantes assassinadas.

O compositor e tecladista Tuomas Holopainen, da banda de Symphonic Metal Nightwish, fez uma música chamada The Kinslayer baseada no massacre.

Greg Barnes, sobrevivente do Massacre de Columbine, cometeu suicídio em 1999 na garagem de casa ouvindo a música Adam's Song. da banda Blink 182 que falava sobre um garoto escrevendo uma carta de suicídio.

A música People = Shit, do Slipknot, faz uma crítica pesada á sociedade moderna, que valoriza mais a estética humana do que sua própria alma, o que remete consequetemente aos sentimentos e prováveis motivos de Eric e Dylan antes e durante o massacre.

O rapper Eminem também fez uma referencia ao massacre em uma de suas musicas: "I'm Back". Com sua sátira agressiva ao acontecimento, até a versão sem censura da musica retira as palavras "kids" (crianças) e "Columbine". Em 2013 lançou outra música "Rap God" onde menciona a mesma linha sem censura.

A música "Class Dismissed(A Hate Primer)" da banda norte-americana de thrash metal, Exodus cita fatos do acontecimento como as cartas de ódio, o cerco da SWAT, o dia da formatura e o suicídio dos garotos.

A música "Bonus (Hidden Track)" da banda francesa de Black Metal Nocturnal Depression é uma compilação com trechos de ligações dos alunos e professores que estavam na escola no momento do atentado para o serviço de emergência. É possível ouvir ao fundo sons de tiros, gritos e correria.

A música "Pumped up Kicks" da banda de Rock de Los Angeles "Foster The People" é uma refêrencia ao "Massacre de Columbine"

Quadrinhos[editar | editar código-fonte]

O massacre teve repercussão também no mundo dos quadrinhos. Em 1999, o escritor Warren Ellis era responsável pelas tramas da HQ de horror Hellblazer, publicada pelo selo Vertigo, da DC Comics, por sua vez empresa pertencente ao grupo AOL Time Warner. Meses antes que o ataque ocorresse, Ellis, acompanhado da arte do desenhista Phil Jimenez e do arte-finalista Andy Lanning, criou a HQ que aborda o problema dos atiradores juvenis em escolas, colocando o mago amoral John Constantine, protagonista da série, para investigar um sinistro mistério que gera essas tragédias.

Atire (Shoot, no original) deveria ter saído na edição 141 da revista, em outubro de 1999, mas foi vetada por Paul Levitz, então vice-presidente da DC Comics, que julgou o momento delicado demais e jurou jamais publicá-la enquanto fosse editor. A decisão revoltou Warren Ellis, que abandonou a série após entregar o roteiro da edição 143. No lugar de Atire, foi publicada a história O Berço, também de Warren Ellis.

Levitz deixou a direção da DC Comics em 2009. Em outubro de 2010, os publishers Dan DiDio e Jim Lee endossaram a edição especial Vertigo Ressurrected, trazendo HQs do selo que foram vetadas ao longo dos últimos anos. Entre elas, estava Atire. No Brasil, a Panini Comics publicou a trama em Vertigo Especial- Atire e Outras Histórias, em maio de 2013.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Columbine High School». Consultado em April 21, 2015.  The U.S. Postal Service designates "Littleton" as the default place name for addresses in the school's ZIP code; thus, the massacre was widely reported as having happened in the adjacent City of Littleton. The school actually lies a mile west of the Littleton city limit.
  2. «columbine high school shootings». history.com. Consultado em April 21, 2015. 
  3. Lamb, Gina (April 17, 2008). «Columbine High School». The New York Times [S.l.: s.n.] 
  4. Donaldson James, Susan (April 13, 2009). «Columbine Shootings 10 Years Later: Students, Teacher Still Haunted by Post-Traumatic Stress» ABC News [S.l.] 
  5. «10 years later, the real story behind Columbine» [S.l.: s.n.] April 14, 2009. 
  6. Aviva Shen (December 14, 2012). «A Timeline Of Mass Shootings In The US Since Columbine» ThinkProgress [S.l.] Consultado em December 12, 2014. 
  7. Daryl Khan (10 February 2014). «A Plot with a Scandal: A Closer Look at 'Kids for Cash' Documentary». Juvenile Justice Information Exchange. «His message reflected what many experts say was the dominant one from law enforcement in the wake of the shootings in Columbine.» 
  8. Mark McPherson (20 March 2015). «Kids for Cash Review». Cinema Paradiso Blog. «After the events of the Columbine school massacre, Pennsylvanian Judge Ciavarella took a tough stance on juveniles with the zero tolerance policy.» 
  9. Janelle Brown (April 23, 1999). «Doom, Quake and mass murder». Salon [S.l.: s.n.] Consultado em August 24, 2008. 
  10. «Lessons from Littleton (Part I)». Independent School. National Association of Independent Schools. Consultado em August 24, 2008. 
  11. "JonKatz" (April 26, 1999). «Voices From The Hellmouth». Slashdot. Consultado em August 24, 2008. 
  12. Rachel Scott
  13. Daniel Rohrbough
  14. Kyle Velasquez
  15. Steven Curnow
  16. Cassie Bernall
  17. Isaiah Shoels
  18. Matthew Kechter
  19. Lauren Townsend
  20. John Tomlin
  21. Kelly Fleming
  22. Daniel Mauser
  23. Corey DePooter
  24. Dave Sanders

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre História dos Estados Unidos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.