Massive Attack

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde abril de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Massive Attack
Massive Attack.jpg
Massive Attack em concerto, 2007
Informação geral
Origem Bristol, Inglaterra
País  Reino Unido
Gênero(s) Trip hop, Electronica, Soul

new wave, Trilha sonora

Período em atividade 1988 - atualmente
Gravadora(s) EMI
Virgin
Afiliação(ões) The Wild Bunch
Tricky
Portishead
Integrantes Robert Del Naja ("3D")
Grant Marshall ("Daddy G")
Ex-integrantes Andrew Vowles ("Mushroom")
Página oficial MassiveAttack.co.uk

Massive Attack é uma banda de trip hop inglesa, formada na cidade de Bristol no ano de 1988. Os seus membros são "3D" (Robert Del Naja) e "Daddy G" (Grant Marshall)[1].

Membros[editar | editar código-fonte]

Membros atuais[editar | editar código-fonte]

Ex-integrantes[editar | editar código-fonte]

História[editar | editar código-fonte]

Os DJs Daddy G e Andrew Vowles e o artista de graffiti Robert De Naja se conheceram como membros do coletivo The Wild Bunch. Um dos primeiros sound systems locais do Reino Unido, The Wild Bunch se tornou dominante na cena dos clubes de Bristol em meados dos anos 80[2].

Massive Attack começou como um trio de spin-off em 1988, com a música "Any Love" lançada independentemente, cantada pelo vocalista e compositor Carlton McCarthy[3], e então, com apoio considerável de Neneh Cherry, eles assinaram para a Circa Records[4] em 1990 - comprometendo-se a entregar seis álbuns de estúdio e uma compilação "best of". Circa tornou-se uma subsidiária da Virgin Records, que foi posteriormente incorporada pela EMI.[5][6] Blue Lines (1991), foi co-produzido por Jonny Dollar e Cameron McVey, que também se tornou seu primeiro empresário. [7]Geoff Barrow, que passou a formar a Portishead, era um estagiário e operador de tape trainee no estúdio da Bristol Coach House quando o álbum foi gravado. [8]McVey (creditado na época como 'Booga Bear') e sua esposa, Neneh Cherry, forneceram apoio financeiro crucial e assistência em espécie para as primeiras carreiras de Massive Attack, Portishead e Tricky durante esse período, mesmo pagando salários regulares para eles através de sua Cherry Bear Organization. [9]Massive Attack usava vocalistas convidados, intercalados com os estilos de sprechges de Del Naja e Marshall (inicialmente de Tricky), além do que se tornou uma produção de samples criativa britânica; um som de marca registrada que fundiu hip-hop, soul, reggae e outras referências ecléticas, musicais e líricas.

Nos anos noventa, o trio tornou-se conhecido por muitas vezes não ser capaz de se dar bem uns com os outros e trabalhar cada vez mais separadamente. Andy Vowles (Mushroom), que já havia pensado em si mesmo como o diretor musical do trio, deixou ressentidamente o Massive Attack no final de 1999, depois de um ultimato dos outros dois membros para acabar com o grupo imediatamente se ele não o fizesse. Apesar de ter ficado do lado de Del Naja no disparo efetivo de Vowles e depois participado de um webcast como um duo no ano seguinte, Grant Marshall (G) também havia efetivamente saído em 2001, abandonando completamente o estúdio. Marshall retornou a um papel de estúdio em 2005, tendo ingressado no line-up em 2003 e 2004[10].

Em 2004, a música Teardrop foi escolhida como tema de abertura da série House M.D.

Após 15 anos de carreira vem o Collected lançado no ano de 2006, que reúne os maiores sucessos, músicas inéditas e raras em dois álbuns. Destaques para as faixas Live with Me e False Flags, que, de acordo com Del Naja, dão uma prévia do que seri o próximo álbum.

A banda volta a gravar Weather Underground, o futuro álbum de originais.

O jornal britânico The Times disponibilizou para download uma colectânea com remixes e raridades disponíveis somente para quem adquirisse o periódico. O single contou com a colaboração de renomeados DJ's e membros de outras bandas.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Myspace oficial (2007) Massive Attack: Informações Gerais Myspace.com (Página visitada em 7 de janeiro de 2008
  2. «Massive Attack | Biography, Albums, Streaming Links | AllMusic». AllMusic. Consultado em 21 de novembro de 2018 
  3. «Carlton». Discogs (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2018 
  4. «Virgin Anniversary Salute: The U.s.: Co-presidents Cooper And Newton Are An Illustrious Pair Who Travel Well And Know Their Places | North America > United States from AllBusiness.com». 27 de agosto de 2010. Consultado em 21 de novembro de 2018 
  5. «Massive Attack | Biography, Albums, Streaming Links | AllMusic». AllMusic. Consultado em 21 de novembro de 2018 
  6. «TIME Digital -- Cyber Elite - MASSIVE ATTACK». 27 de março de 2010. Consultado em 21 de novembro de 2018 
  7. «The brand plays on». The Sydney Morning Herald (em inglês). 15 de fevereiro de 2003. Consultado em 21 de novembro de 2018 
  8. McLean, Craig (11 de abril de 2008). «Portishead: back on the beat» (em inglês). ISSN 0307-1235 
  9. «Reseize, the other newslog.». 5 de julho de 2011. Consultado em 21 de novembro de 2018 
  10. Lynskey, Dorian (6 de fevereiro de 2007). «Massive Attack talk to Dorian Lynskey». the Guardian (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma banda ou grupo musical é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.