Mastectomia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mastectomia total simples

Mastectomia (do grego, mastós, mama e ektomia, remover) é o nome dado à cirurgia de remoção completa da mama e consiste um dos tratamentos cirúrgicos para o câncer de mama, para a ginecomastia(homens com mamas) ou como parte da cirurgia de redesignação sexual do homem trans. Também pode ser feito preventivamente em mulheres com ambos genes do câncer de mama (BRCA1 e BRCA2), pois seu risco de câncer é mais de 80%. As complicações mais comuns são hematomas, infecções e .

Tipos[editar | editar código-fonte]

Gânglios linfáticos da mama

Existem vários tipos de mastectomia, listados a seguir[1]:

  • Mastectomia radical, também chamada de Halsted, consiste na retirada da glândula mamária, associada à retirada dos músculos peitorais e à linfadenectomia axilar completa. Atualmente é um procedimento incomum, devido à alta morbidade a ela associada e a resultados bastante satisfatórios de técnicas menos invasivas [2].
  • Mastectomia radical modificada consiste na retirada da glândula mamária e na linfadenectomia axilar, com preservação de um ou de ambos os músculos peitorais. Quando ocorre apenas a preservação do músculo grande peitoral, é denominada mastectomia radical modificada Patey. Quando os dois músculos peitorais são preservados, é chamada mastectomia radical modificada Madden. As mastectomias radicais modificadas constituem o procedimento cirúrgico realizado na maioria das pacientes com câncer de mama nos estágios I, II e III, sendo indicadas nos casos de:
    • Presença de tumor acima de 3cm, sem fixação à musculatura;
    • Pacientes com recidiva após tratamento conservador; ou que apresentem qualquer condição que as tornem inelegíveis ao tratamento conservador;
    • Pacientes que não concordem com a preservação da mama [3].
  • Mastectomia total simples consiste na retirada da glândula mamaria, incluindo o complexo areolar e aponeurose do músculo peitoral, preservando os linfonodos axilares. É indicada nos casos de:
    • Carcinoma ductal in situ;
    • Recidiva após cirurgia conservadora;
    • Lesões ulcerativas em pacientes com metástases a distância onde o controle local promove melhor qualidade de vida;
    • Pacientes idosas com risco cirúrgico elevado ou que não possuem adenopatias axilares palpáveis ou evidência de doença a distância;
    • Pacientes selecionadas para tratamento profilático.
  • Mastectomia subcutânea consiste na retirada da glândula mamária, conservando os músculos peitorais e suas aponeuroses, pele e complexo aréolo-papilar. Por deixar tecido mamário residual com possibilidade de alterações hiperplásicas e degeneração maligna, seu uso é bastante questionado. Uma série de complicações são associadas a este procedimento, incluindo hematoma e subseqüente fibrose, não devendo ser empregado no tratamento do câncer de mama. Como tratamento profilático, seus resultados são inferiores ao da mastectomia simples.

Gânglio sentinela[editar | editar código-fonte]

Durante a cirurgia pode-se examinar o primeiro gânglio linfático que drena a linfa da região onde o câncer se encontra (Gânglio sentinela) e examiná-lo ao microscópio para decidir se os gânglios seguintes serão removidos. Se o gânglio sentinela possui células cancerígenas (gânglio positivo) outros dez gânglios da região são removidos, se não possui evidências de metástase (gânglio negativo) permite preservar os outros gânglios reduzindo a agressividade da cirurgia e o risco de complicações e facilitando a reconstrução.[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Breast cancer foundation - What is a mastectomy?
  2. (Chaves, 1999)
  3. (Franco, 1997; Marchant, 1997)
  4. Mannu, G.S.; Navi, A.; Morgan, A.; Mirza, S.M.; Down, S.K.; Farooq, N.; Burger, A.; Hussien, M.I. (2012). "Sentinel lymph node biopsy before mastectomy and immediate breast reconstruction may predict post-mastectomy radiotherapy, reduce delayed complications and improve the choice of reconstruction". International Journal of Surgery. 10 (5): 259–64. doi:10.1016/j.ijsu.2012.04.010. PMID 22525383.