Matheus de Albuquerque

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Matheus de Albuquerque (Porto Calvo, AL, 1880 – Petrópolis, RJ, 1967), foi um poeta brasileiro.[1]

Diplomata, cônsul do Brasil em Cádiz, Espanha, conselheiro comercial na Embaixada do Brasil em Madri. Deixou extensa bibliografia em prosa e verso. Publicou, entre outras obras: Visionário (poesia, 1908), Crônicas Contemporâneas (crônicas, 1913), A Juventude de Anselmo Torres (romance, 1923). Várias de suas produções poéticas foram traduzidas para o francês pelo poeta Henri Allorge.

Matheus de Albuquerque lançou a ideia da construção de uma estátua à Eça de Queiroz.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • A juventude de Anselmo Torres
  • As bellas attitudes (1919)
  • Carta a um volontario, e outros escriptos
  • Da arte e do patriotismo
  • Do sentimento esthetico da vida
  • Dora
  • Episódios romanescos
  • Margara
  • Memorial de um contemplativo
  • Metamorfoses do Brasil
  • Perenidade na vida breve
  • Portugal-Brasil limitada
  • Sensações e reflexões (1916)
  • Visionario

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.