Matilde Rosa Lopes de Araújo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2015). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Matilde Rosa Araújo
Data de nascimento 20 de junho de 1921
Local de nascimento Lisboa, Portugal
Nacionalidade Portugal Português
Data de morte 6 de julho de 2010 (89 anos)
Local de morte Lisboa, Portugal
Ocupação Escritora
Magnum opus Garrana
Prémios Prémio de Consagração de Carreira da Sociedade Portuguesa de Autores (2004)

Matilde Rosa Lopes de Araújo GOIH (Lisboa, 20 de Junho de 1921 - Lisboa, 6 de Julho de 2010) foi uma escritora portuguesa, especializada em literatura infantil.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Matilde Rosa Araújo nasceu e viveu em Lisboa, em 1921, tendo estudado em casa com professores particulares até ter entrado na Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa, em 1945. Foi professora, leccionando a disciplina de Português na Escola Industrial Fonseca de Benevides em Lisboa. Foi formadora de professores na Escola do Magistério Primário de Lisboa.

Foi autora de mais de 40 livros (contos e de poesia para adultos) e de mais de duas dezenas de livros de contos e poesia para crianças. Dedicou-se à defesa dos direitos das crianças através da publicação de livros e de intervenções em organismos com actividade nesta área, como a UNICEF em Portugal.

Em 1980, recebeu o Grande Prémio de Literatura para Crianças, da Fundação Calouste Gulbenkian, e o prémio para o melhor livro infantil, pela mesma fundação, em 1996, pelo seu trabalho Fadas Verdes (livro de poesias de 1994).

Matilde Rosa Araújo recebeu o grau de Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique e, em maio de 2004, foi distinguida com o Prémio Carreira, da Sociedade Portuguesa de Autores.

Encontra-se colaboração da sua autoria na revista Mundo Literário [1] (1946-1948). Faleceu, em 6 de julho de 2010, na sua casa em Lisboa[2] .

Obras[editar | editar código-fonte]

  • A Garrana (ficção, 1943)
  • Estrada Sem Nome (ficção, 1947)
  • A Escola do Rio Verde (1950)
  • O Livro da Tila (literatura infantil, 1957)
  • O Palhaço Verde (literatura infantil, 1960), (considerado como o melhor livro estrangeiro, pela associação Paulista de Críticos de Arte de São Paulo, em 1991)
  • Praia Nova (ficção, 1962)
  • História de um Rapaz (1963)
  • O Cantar da Tila (poemas para a juventude, 1967)
  • O Sol e o Menino dos Pés Frios (literatura infantil, 1972)
  • O Reino das Sete Pontas (1974)
  • O Gato Dourado (literatura infantil, 1977)
  • Balada das Vinte Meninas (literatura infantil, 1977)
  • As Botas do Meu Pai (literatura infantil, 1977)
  • Camões Poeta, Mancebo e Pobre (literatura infantil, 1978)
  • Voz Nua (poesia, 1982)
  • A Velha do Bosque (literatura infantil, 1983)
  • O Passarinho de Maio (literatura infantil, 1990)
  • Fadas Verdes (1994)
  • O Chão e a Estrela (ficção, 1997)
  • Capuchinho cinzento (literatura infantil, 2005)
  • Lucilina e Antenor (2008)

Morte[editar | editar código-fonte]

A escritora Matilde Rosa Araújo tinha 89 anos quando morreu em sua casa em Lisboa na madrugada de 6 de Julho de 2010. O seu corpo esteve em câmara ardente na Sociedade Portuguesa de Autores, donde saiu para o Talhão dos Artistas do Cemitério dos Prazeres, em Lisboa.

Referências

  • Redacção Quidnovi, com coordenação de José Hermano Saraiva, História de Portugal, Dicionário de Personalidades, Volume XI, Ed. QN-Edição e Conteúdos, SA, 2004.
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.