Maumoon Abdul Gayoom

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Maumoon Abdul Gayoom
Nascimento 29 de dezembro de 1937
Malé
Residência Malé, Cairo, Colombo, Zaria
Cidadania Maldivas
Cônjuge Nasreena Ibrahim
Filho(s) Dunya Maumoon
Irmão(s) Abdulla Yameen
Alma mater
Ocupação político
Prêmios
  • Cavaleiro Grã-Cruz da Ordem de São Miguel e São Jorge
Religião Islão

Maumoon Abdul Gayoom (Malé, 29 de dezembro de 1937) é um político das Maldivas. Foi presidente da República das Maldivas, de 1978 até 2008.[1][2]

Vida[editar | editar código-fonte]

Gayoom estudou direito civil e direito islâmico no exterior e se formou em 1966. Depois de retornar às Maldivas em 1971, trabalhou como professor de ensino médio por um ano. Depois disso, Gayoom começou uma carreira como funcionário do governo. Em 1972 passou para o escritório de navegação e em 1974 para o escritório de telecomunicações, de que passou a chefe. A partir de 1975, Gayoom esteve no serviço diplomático, a partir de 1976 no Ministério das Relações Exteriores como representante permanente junto às Nações Unidas. Ele se tornou Ministro dos Transportes em 1977, antes de ser eleito Presidente do estado insular em 1978.

Gayoom substituiu o ex-presidente Ibrahim Nasir. Em outubro de 2003, ele foi reeleito com 90,28% dos votos. Ele era o único candidato e foi nomeado pelo parlamento de Majlis. A escolha assumiu a forma de referendo, as únicas opções disponíveis eram sim ou não.

Gayoom foi criticado por seu estilo de liderança autocrático e amplamente considerado um ditador. De acordo com a Anistia Internacional, em 2003 ocorreram "severas restrições à liberdade de imprensa e os partidos políticos foram prejudicados nas suas atividades". Os motins começaram em setembro de 2003, resultando em prisões. Também houve tiros. O Partido Democrático das Maldivas foi a força de oposição mais forte sob Gayoom.

Os presos políticos na época de Gayoom, e antes dele também, na ausência de prisões, foram em sua maioria exilados para ilhas distantes de seu atol natal.[3] Muitos maldivos continuam a acreditar que o progresso do país se deve em grande parte aos esforços de Gayoom.

Gayoom também foi ministro da Defesa e ministro das finanças de seu país por muito tempo, cargos que ele renunciou em 1 de setembro de 2004. De seus quatro filhos, a filha mais velha, Dunya Maumoon, era vista como a provável sucessora.

Em 29 de outubro de 2008, o moderado Mohamed Nasheed foi eleito sucessor de Gayoom nas primeiras eleições multipartidárias livres.

Em 5 de fevereiro de 2018, Gayoom foi preso como resultado de um estado de emergência declarado pelo então presidente Abdulla Yameen, que também é meio-irmão de Gayoom.[4]

Presidência[editar | editar código-fonte]

Foi eleito em 1978, reeleito em 1983, 1988, 1993, 1998 e 2003.[1]

Referências

  1. a b «Maldives | history - geography». Encyclopædia Britannica (em inglês) 
  2. «Profile: Maumoon Gayoom of the Maldives» (em inglês). 29 de outubro de 2008 
  3. Heyerdahl, Fua Mulaku: Der Delinquent konnte sich auf der betreffenden Insel frei bewegen, durfte sie aber nicht verlassen. Ein Begleiter Heyerdahls, Mohamend Loutfi, in den 1980 ern hoher Beamter des Erziehungsministeriums, schildert seine mehrjährige Verbannung vor der Zeit Gayooms gleichsam als Urlaub; daher war er, inzwischen an leidliche Macht gekommen, sehr zögerlich, derlei Bestrafung überhaupt per Anzeige in die Wege zu leiten.
  4. «Malediven: Ausnahmezustand im Urlaubsparadies». FAZ.NET (em alemão). ISSN 0174-4909. Consultado em 30 de dezembro de 2020 
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.