Mauricio Macri

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mauricio Macri
Presidente Macri en el Sillon de Rivadavia (cropped).jpg
56.º Presidente da Argentina
Período 10 de dezembro de 2015
até a atualidade
Vice-presidente Gabriela Michetti
Antecessor(a) Cristina Kirchner
5.º Prefeito de Buenos Aires
Período 10 de dezembro de 2007
até 10 de dezembro de 2015
Vice-prefeita Gabriela Michetti (2007-2009)
Nenhum (2009-2011)
María Eugenia Vidal (2011-2015)
Antecessor(a) Jorge Telerman
Sucessor(a) Horacio Rodríguez Larreta
Deputado Federal por Buenos Aires
Período 10 de dezembro de 2005
até 18 de julho de 2007
Dados pessoais
Nascimento 8 de fevereiro de 1959 (58 anos)
Tandil, Argentina
Nacionalidade argentino
Alma mater UCA
Esposa Juliana Awada
Partido Proposta Republicana (PRO)
Religião Católica Romana
Profissão Engenheiro civil
Residência Buenos Aires
Assinatura Assinatura de Mauricio Macri

Mauricio Macri (Tandil, 8 de fevereiro de 1959) é um empresário, engenheiro civil e político argentino, e atual presidente da República Argentina. Filho do empresário ítalo-argentino Franco Macri, estudou engenharia civil na Universidade Católica Argentina e trabalhou nas empresas da família. Em 1995, tornou-se independente da figura paterna e passou exercer cargos administrativos no futebol. Entre 1995 e 2007, presidiu o Boca Juniors, o que o converteu em um nome conhecido em seu país.

Em 2003, criou o partido político Compromisso pela Mudança, que mais tarde transformou-se na Proposta Republicana. No mesmo ano, foi derrotado em sua tentativa de eleger-se prefeito de Buenos Aires. Em 2005, foi eleito deputado federal pela cidade de Buenos Aires. Em 2007 e 2011, elegeu-se prefeito da capital federal, em ambas as vezes no segundo turno.

Em 2015, concorreu à presidência da Argentina pela coligação de direita Mudemos. Macri venceu a indicação da aliança e avançou para um inédito segundo turno com o governista Daniel Scioli. Em 22 de novembro, foi eleito presidente com 51,34% dos votos, encerrando os doze anos de governos kirchneristas no país.[1] Ele assumiu o cargo em 10 de dezembro de 2015.

Uma pesquisa de opinião encomendada pelo Clarín revela que apenas 25,9% dos argentinos aprovam seu primeiro ano de mandato. A maioria dos ouvidos acreditam que Macri não está cumprindo suas promessas eleitorais.[2]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Filho do empresário italiano Franco Macri, ícone do empreendedorismo na Argentina nos anos 80 e 90, Maurício nasceu em 1959. Estudou na Universidade Católica Argentina e no início dos anos 90 trabalhou durante um breve período nas empresas do pai.[3]

Em 1995, torna-se independente da figura paterna e passa a exercer cargos administrativos no futebol. Entre 1995 e 2007, preside o Boca Juniors, o que o transforma em um nome conhecido em seu país.

No final da década de 1990 começou a flertar com a política, aproximando-se do então presidente Carlos Menem (1989-99). Em 2003 criou seu partido, o Compromisso pela Mudança (CpC), que desde 2005 integra a coalizão Proposta Republicana (PRO).

Em 2005, foi eleito deputado da nação.[4] Em 2007, conseguiu vencer a disputa para prefeito de Buenos Aires, e, em 2011, foi reeleito.[5] Em 23 de novembro de 2015 foi eleito, por 52% dos votos, para ser o 56º presidente da República Argentina, pondo fim a doze anos de kirchnerismo. Foi a primeira vez, em cem anos desde a instituição do voto no país, que é eleito um candidato civil não peronista nem radical social-democrata.[6]

Panama Papers[editar | editar código-fonte]

Os documentos, globalmente conhecido como Panama Papers", revelaram em 2016 que o nome de Mauricio Macri apareceu na diretoria de uma empresa de fachada chamada Fleg Trading Ltd, que era dirigido pelo pai dele, Franco, um proeminente empresário conhecido para garantir grandes contratos com o estado nas últimas décadas. Fleg Trading Ltd desempenhou um papel como uma holding company para a participação de Franco na "Pago Fácil". A operação foi feita através da "Owners Do Brasil Participações", uma empresa sediada em São Paulo, da qual a Fleg Trading Ltd era acionista majoritária.[7]

Referências

  1. «Opositor Mauricio Macri é eleito presidente da Argentina». Folha de S. Paulo. 23 de novembro de 2015. Consultado em 23 de novembro de 2015 
  2. Redação do Clarín (3 de dezembro de 2016). «Un año de Macri: el 43% de la gente hace un balance negativo de la gestión y el 26% la ve bien». Política. Clarin.com. Consultado em 5 de dezembro de 2016 
  3. Carlos E. Cué e Alejandro Rebossio (26 de outubro de 2015). «Scioli e Macri, a política dos nascidos em "berço de ouro" na Argentina». El País. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  4. «Daniel Scioli e Mauricio Macri vão disputar segundo turno inédito na Argentina». Opera Mundi. 26 de outubro de 2015. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  5. «Perfil/Mauricio Macri, o oposicionista conservador». ANSA Brasil. 23 de outubro de 2015. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  6. «Macri é eleito presidente da Argentina e põe fim a 12 anos de kirchnerismo». Mundo. Consultado em 23 de novembro de 2015 
  7. «New company linked to Macri family in Panama Papers documents». The Herald (em inglês). Consultado em 17 de outubro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Mauricio Macri


Precedido por
Cristina Fernández de Kirchner
Coat of arms of Argentina.svg
Presidente da Argentina

2015 - atualidade
Sucedido por
-
Precedido por
Jorge Telerman
Prefeito de Buenos Aires
20072015
Sucedido por
Horacio Rodríguez Larreta