Mausoléu Líbico-Púnico de Duga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Mausoléu Líbico-Púnico de Duga
Estilo dominante Mausoléu Numídio
Fim da construção Século II AEC
Restauro 1910
Função atual Mausoléu
Geografia
País Tunísia
Cidade Duga
Coordenadas 36° 25' 12.58" N 9° 13' 12.47" E

O Mausoléu Líbico-Púnico de Duga (Mausoléu de Atban) é um antigo mausoléu localizado em Duga, na Tunísia. É um dos três exemplos da arquitetura real da Numídia, que está em bom estado de conservação e data do século II AEC.

Como parte do sítio de Duga, o mausoléu é listado pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade. Em 17 de janeiro de 2012, o governo da Tunísia propôs que fosse incluída em uma classificação futura dos mausoléus reais da Numídia e Mauretânia e outros monumentos funerários pré-islâmicos.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Mausoléu de Líbico-Púnico antes de sua renovação

Os primeiros ocidentais a visitar o local de Duga chegaram no século XVII, tornando-se mais frequentes ao longo do século XIX.[2] O mausoléu foi descrito por vários desses turistas e foi objeto de estudos arquitetônicos iniciais no final do período.

Em 1842, o cônsul britânico em Tunes, Thomas Reade, danificou seriamente o monumento no processo de remoção da inscrição real que o decorava. O estado atual do monumento é o resultado de uma reconstrução das peças espalhadas pela área circundante, realizada com o apoio da Tunísia pelo arqueólogo francês Louis Poinssot entre 1908 e 1910.[2][3]

Descrição[editar | editar código-fonte]

O mausoléu de 21 metros de altura é dividido em três níveis, no topo de um pedestal de cinco degraus.

Na face norte do pódio, o primeiro dos três níveis, uma abertura coberta por uma laje leva à câmara funerária. Os outros rostos do mausoléu estão decorados com aberturas falsas, os cantos com pilastras eólicas.

O segundo nível do sepulcro consiste em uma colunata na forma de um santuário (naiskos). As colunas envolvidas em cada lado são da ordem iônica. O terceiro e último nível é o mais ricamente decorado: além das pilastras nos cantos semelhantes às do primeiro nível, ele é coberto por uma pirâmide. Elementos esculturais sobreviveram: os grifos estão empoleirados nos cantos e uma quadriga em um dos rostos do nível superior.

A Inscrição Púnica-Líbia bilíngue de Duga

Inscrição púnica e líbia bilíngue[editar | editar código-fonte]

O Numidiano bilíngue e a Inscrição Púnico-Líbia agora no Museu Britânico permitiu a decifração do alfabeto Numidiano:[4]

Aqui está o túmulo de Atban, filho de Iepmatah, filho de Palu: os oleiros eram Aborsh, filho de Abdashtart Mengy, filho de Oursken, Zamar filho de Atban, filho de Iepmatah, filho de Palu, e entre os membros de sua casa estavam Zezy, Temen e Oursken; os carpinteiros eram Mesdel, filho de Nenpsen, e Anken, filho de Ashy; os metalúrgicos eram Shepet filho de Bilel e Pepy filho de Beby.

Interpretação[editar | editar código-fonte]

Detalhe das esculturas no nível superior
Detalhe do friso superior

O Mausoléu Líbico-Púnico tem estado frequentemente ligado aos monumentos funerários da Ásia Menor e às necrópoles de Alexandria dos séculos III e II AEC.[5]

Por causa da inscrição, o túmulo é considerado dedicado a Atban, filho de Iepmatah, filho de Palu. Foi recentemente determinado que a inscrição, localizada ao lado de uma das portas falsas do pódio,[6] não era única. Outra inscrição, irremediavelmente danificada, teria enumerado o titular do ocupante do túmulo.

De acordo com estudos recentes, os nomes mencionados na inscrição sobrevivente são apenas os construtores do monumento: o arquiteto e os vários artesãos chefe. O monumento teria sido construído pelos cidadãos da cidade para um príncipe da Numídia. Acredita-se que possivelmente tenha sido um túmulo ou cenotáfio destinado a Massinissa.[5] · [7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Mausoléu Líbico-Púnico de Duga

Referências

  1. (em francês) Dossier des mausolées royaux de Numidie, de la Maurétanie et des monuments funéraires pré-islamiques (Unesco)
  2. a b (em francês) Historique de l'exploration du site de Dougga (Strabon)[ligação inativa]
  3. Louis Poinssot, « La restauration du mausolée de Dougga », CRAI, vol. 54, n°9, 1910, p. 781
  4. (em francês) Mausolée libyco-punique de Dougga (Institut national du patrimoine) Arquivado 2008-12-04 no Wayback Machine
  5. a b Pierre Gros, L'architecture romaine du début du IIIe siècle av. J.-C. à la fin du Haut-Empire, tome 2 « Maisons, palais, villas et tombeaux », éd. Picard, Paris, 2001, p. 417
  6. Mustapha Khanoussi, Dougga, éd. Agence de mise en valeur du patrimoine et de promotion culturelle, Tunis, 2008, p. 74
  7. Mustapha Khanoussi, op. cit., p. 75

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Gabriel Camps, « Dougga », Encyclopédie berbère, tome XVI, éd. Edisud, Aix-en-Provence, 1992, pp. 2522–2527 ISBN 2857445814
  • Gabriel Camps, Les Berbères, mémoire et identité, coll. Babel, éd. Actes Sud / Leméac, Arles / Montréal, 2007 ISBN 9782742769223
  • Pierre Gros, L'architecture romaine du début du IIIe siècle av. J.-C. à la fin du Haut-Empire, tome 2 « Maisons, palais, villas et tombeaux », éd. Picard, Paris, 2001 ISBN 2708405330
  • Mustapha Khanoussi, Dougga, éd. Agence de mise en valeur du patrimoine et de promotion culturelle, Tunis, 2008 ISBN 9789973954336
  • Edward Lipinski [sous la dir. de], Dictionnaire de la civilisation phénicienne et punique, éd. Brépols, Paris, 1992 ISBN 2503500331
  • Louis Poinssot, « La restauration du mausolée de Dougga », CRAI, vol. 54, 9, 1910, pp. 780–787 (online)
  • Jan-Willem Salomoson & Claude Poinssot, « Le mausolée libyco-punique de Dougga et les papiers du comte Borgia », CRAI, vol. 103, 2, 1959, pp. 141–149 (online)
  • Hédi Slim & Nicolas Fauqué, La Tunisie antique. De Hannibal à saint Augustin, éd. Mengès, Paris, 2001 ISBN 285620421X