Gênero não binário

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Maverique)
A bandeira genderqueer em Valência, escrita "o futuro não é binário" em castelhano
contém cores roxa, branca, amarela e preta
Bandeira da visibilidade não-binária
Símbolo de gênero não-binário, proposto como alternativa aos símbolos masculino () e feminino (), com um asterisco no lugar das seta e cruz[1]

Não-binariedade[nota 1][2] ou identidade não binária é um termo guarda-chuva para identidades de gênero que não são estritamente masculinas ou femininas, estando portanto fora do binário de gênero e da cisnormatividade.[3][4][5][6] Academicamente, a não-binariedade costuma ser associada à inconformidade de gênero.[7]

Dentro da sigla LGBTQIAPN+, a não binariedade é incluída na letra N, outras vezes no T, de transgênero, ou no sinal de mais (+).[8][9]

Identidades mais comuns[editar | editar código-fonte]

Uma bandeira do orgulho não-binário em um desfile em Paris dizendo "Mon genre est non-binaire" (em francês: Meu gênero é não-binário)

Pessoas não binárias podem classificar a sua identidade de gênero de várias maneiras, entre as quais:

Diferenças entre conceitos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Diferença entre sexo e gênero
Infográfico ilustrando diferenças entre identidade, atração, expressão e sexo

Ao contrário do que se possa pensar, a identidade de gênero não binária não tem qualquer correlação com alguém ser, ou não, intersexo.[21]

O sexo biológico refere-se às características sexuais, primárias ou secundárias, sendo tipicamente identificado à nascença por médicos com base nos genitais independentemente da identidade de gênero que o bebê possa vir a ter. O sexo é classificado como endossexo (completamente masculino ou feminino),[22] intersexo (entre o feminino e o masculino) ou altersexo (fora dessa dicotomia).[23] Embora existam classificações mais alternativas, que tentam se desvencilhar das terminologias tradicionais, para não generizar o sexo entre "masculino" ou "feminino", levando em conta ductos de Müller e de Wolff, classificando pessoas em ovarianas, espermatogênicas, ovogênicas/ovulogênicas, predominantemente estrogênicas ou testosteronizadas/androgênicas, vulvarianas, testiculares, ovotesticulares (ou ambigonadais), microgaméticas e megagaméticas (ou macrogaméticas), que podem, ou não, ser intersexo.[24][25]

A identidade de gênero é uma questão de autopercepção e não se prende com fatores externos. Uma pessoa pode ser cis ou transgênero. Sendo trans, pode identificar-se dentro do gênero binário (homenidade ou mulheridade) ou possuir uma identidade não-binária.[26][27] Um estudo conduzido por The Trevor Project evidenciou que metade dos indivíduos não binários tem a transgeneridade como sua modalidade de gênero.[28]

Expressão de gênero resulta de uma combinação entre comportamento social e maneirismos, com aparência (penteado, roupas…) interior ou exterior, e é geralmente encarada como feminina ou masculina. Considera-se que quem não exibe um alinhamento entre o que se considera feminino ou masculino é andrógino ou inconforme de gênero.[29]

Terminologias[editar | editar código-fonte]

Bótons de pronomes de gênero de um festival de arte e tecnologia de 2016

Algumas pessoas não-binárias preferem utilizar pronomes neutros ou epicenos, em inglês são conhecidos o "they/them/their" singular, os neopronomes de Spivak, ‘‘E/Em/Eir’’, ou de Elverson, "ey/em/heir", ou outros criados na comunidade trans, como "ze/hir" ou ‘‘xe/xem/xyr’’ equivalentes, por exemplo, a elu/e,[30] éli/i (inspirado no neopronome élle do espanhol)[31] e ile/e[32][33] propostos neolinguisticamente, em nosso idioma,[34][35] enquanto há quem prefira os pronomes pessoais convencionais "ela" ou "ele", vistos que podem ser usados com uma concordância léxica mais simples. Muitos simpatizantes costumam usar terminações em "@" ou "x" (como el@s ou elxs), mas elas podem atrapalhar leitores de tela e outros tipos de software de acessibilidade.[36] Há ainda pessoas não-binárias que preferem que sejam referidas por pronomes alternados, variando por exemplo entre "ele" e "ela" (chamados de rolling pronouns, ou ‘‘pronomes rotativos’’),[37] outras preferem não usar nenhum pronome.[38]

Muitas pessoas não binárias podem preferir o uso de uma linguagem neutra adicional para tratamento, tal como os títulos em inglês "Mx." ou "Mt." em vez de "Mr." ou "Ms." (e Mrs.), equivalentes a "Sre." e "Srte." (senhore ou senhorie e senhorite), versões neutras advindas de "sr(a)." e "srt(a)." (senhor/a ou v/s.a. de «vossa» senhoria), semelhantes também a dame e done, vindos de dama/damo e dom/dona.[39][40] Fiuk, enquanto esteve no BBB21, disse uma vez preferir senhore a senhor ou senhora.[41]

Integrantes do movimento zapatista vêm empregando as sufixações de "oa" como, por exemplo, em otroa (outroa), unoa (umoa) e loa (o/a), especificamente para designar um gênero natural para pessoas não-binárias, em vez de apenas ser uma ambiguação de gênero.[42][43]

Identidades[editar | editar código-fonte]

O mito do andrógino, como uma classificação, vem de Platão através de o Simpósio, como uma categorização, e numa literal tradução, visando uma neolinguagem não sexista de gênero neutro ou epiceno:[44][45][46] "macho", "fêmea" e "andrógine".[47][48] O que ele referenciou nessas três categorias poderiam ser tanto sexualidades, orientações sexuais, identidades de gênero, sexo biológico (ou aspectos de sexo)[49] e expressão de gênero na Era Contemporânea, pois não havia diferenciação dessas identidades,[50] naqueles tempos.[51] "Ginandromorfe" foi usado como um termo de gênero na década de 70.[52] Deve-se notar que o ginandromofismo não é observado na biologia como algo humano, mas sim animal. Porém a ginandromorfia pode ser obtida através da altersexualidade, numa espécie de transumanismo. Semelhante a androgynos, termo usado no judaísmo para se referir a variações corporais intersexo.[53][54]

"[...] pois a natureza humana original não era como o presente, mas diferente. Os sexos não eram dois como são agora, mas originalmente três em número; havia homem, mulher e a união dos dois, tendo um nome correspondente a essa dupla natureza, que já existia de verdade, mas que agora está perdida, e a palavra "andrógino" é preservada apenas como um termo de censura[...]. Neste momento os sexos eram três, e como eu os descrevi; porque o sol, a lua e a terra são três; e o homem era originalmente o filho do sol, a mulher da terra e a mulher-homem da lua, que é composta de sol e terra. Terrível era sui poder e força, e os pensamentos de seus corações eram grandes!"[48]

Androginia, no que tange a expressão de gênero, diz respeito a mescla das masculinidades e feminilidades, ou ainda das efeminações e masculinizações (ou feminilização e virilização). Ginandria também é uma possível palavra, usada na botânica pra um uma planta hermafrodita, ou mais especificamente monoecia, também chamada de bissexuada. Note que a conceptualização de orientação sexual só veio no século XIX,[55] sendo a separação de sexo e gênero possível no século XX com o conceito de transgênero, através do uso de Virginia Prince, uma travesti, que ajudou a popularizar o termo.[56] Embora muitas vezes definida como uma ambiguidade ou ambivalência, ela não é uma dubiedade ou indefinição. A imaterialidade do gênero vem com o constructo dele.[57]

Bigênero é identificação dupla, podendo ela ser estável ou fluida. Alguns indivíduos bigênero expressam duas identidades de gênero, distintas ou semelhantes, simultâneas ou não. Não é necessariamente dois gêneros inteiros, há também duplicidade de gênero. Demiagêneros, por exemplo, possuem um gênero parcialmente nulo ou ausente, dividindo sua identidade com agênero e outro gênero.[58]

O gênero com que a pessoa gênero-fluido se identifica varia através do tempo: às vezes pode sentir-se cis, outras vezes trans binária, outras vezes trans não-binária, noutras identifica-se com vários gêneros, parcialmente, indefinidamente ou com nenhum. A velocidade com que o gênero muda varia de pessoa para pessoa, pode ser gradual, súbita, constantes, inconstantes, mensais, anuais ou diárias, podendo ser entre gêneros totalmente opostos. Além disso, gênero fluido não é uma mudança ou uma mistura de identidades, é uma identidade própria caracterizada pelas fluências de gênero, que não precisam necessariamente abranger todo o espectro de gênero.[59]

O gênero-fluxo, chamado de genderflux, se refere a mudança na intensidade de uma identidade, mas não uma mudança na identidade em si, podendo passar por estados negativos, positivos, neutros, ambíguos, nulos e mistos. Noutras palavras, tem a ver com às vezes se identificar completamente com algum desses aspectos, num outro período parcialmente e noutro possuir total ausência, por exemplo.[60][61]

Apesar de tenderem a confundir-se agênero com neutrois e de várias pessoas aplicarem a si mesmas ambos os termos, implicam coisas diferentes. P primeiro é uma identificação-própria, relativamente aos gêneros binários, enquanto que o segundo associa-se à negação de uma identificação, certas vezes chamada de desidentificação.[62]

Alguém neutrois identifica-se como sendo neutro em gênero. Pode ser diferente de não ter gênero, independente se é um gênero estático ou fluido. Não confundir com o gênero gramatical neutro. Agênero (ou gênero nulo) significa "sem gênero", a pessoa não se identifica com nenhum gênero.[63] Não confundir com apogênero (alheidade ou indiferença em relação a qualquer definição de gênero), agênere ou nullo.

Há conceitualizações, de acordo com perspectivas de outras pessoas do meio, de que neutro seria um equilíbrio entre todo o espectro de gênero ou uma expressão de indiferença perante o gênero, como na matemática do plano cartesiano, onde neutro seria representado por 0 (zero) e agênero por (conjunto vazio),[64][65] sendo ambos permutáveis, dependendo da situação. Mas, em relação ao balanceamento, existe a possibilidade de fluir, ou oscilar, entre gêneros positivos e negativos, sendo eles seu(s) gênero(s) absoluto(s) e oposto(s), o equilíbrio uma ambivalência de gênero. Já as interpretações sobre a nulidade de gênero variam de pessoa para pessoa, mas nas descrições comuns, dá-se que é a rejeição para com a binariedade de gênero.[66] Os gêneros não neutros são chamados de saturados.[67]

Demigênero ou semigênero implica uma conexão parcial em relação a um certo gênero, sendo um termo guarda-chuva que engloba, por exemplo, demiboy (semigaroto, semimenino, semiguri, demiguri, demimoço, semimoço, demi-homem, semi-homem, demimenino ou demigaroto, alguém que se identifica parcialmente com o gênero masculino) ou demigirl (semigarota, semimoça, demimoça, demimulher, semimulher, semiguria, demiguria, semimenina, demimenina ou demigarota, alguém que se identifica parcialmente com o gênero feminino).[68][69]

Poligênero ou pangênero é a identificação com vários gêneros ou todos os gêneros, dentro de sua cultura, experiência de vida, condição natural ou biopsicossocial e variação de neurotipo, simultaneamente ou fluindo, podendo haver um fluxo na intensidade ou não. Poligênero pode ser uma identidade múltipla e plural de gênero, semelhante a plurigênero e multigênero,[70] abrangendo também pangênero.[71] Poligênero pode ser muitas vezes intercalado com multigeneridade e plurigeneridade, sendo plurigênero mais especificamente uma experiência simultânea. Pangênero foi primariamente identificado como posse de todos os gêneros, sem levar em consideração os lugares de fala de alguém.[72]

Também chamada de maveriquinidade, veriquinidade e maverinidade,[73] é uma identidade de gênero caracterizada pela autonomia e independência perante o gênero masculino e feminino, tendo a convicção interior de que não seja relacionado a ou derivado de nenhum dos dois gêneros binários,[74] também não sendo uma ausência de gênero ou apatia para com ele ao mesmo tempo que também não é um gênero neutro.[75][76][77] O gênero também é descrito como inortodoxo e fora do convencional, sendo um subtipo de aporagênero.[78][79][80][81]

Esta identidade é vista como parte da não-binariedade,[82] a bandeira maverique usa o amarelo, por ser a cor primária e fotológica dissidente das cores azul/ciano e rosa/vermelha, que traz o mesmo significado da bandeira não-binária, que seriam identidades de gênero totalmente fora do binário de gênero,[83][84] outras vezes chamada de abinárias.[85]

Muitas pessoas não binárias se reivindicam como transmasculinas ou transfemininas, dividindo suas identidades com homens trans, mulheres trans e travestis de gênero binário, sem necessariamente se identificarem como homem trans ou mulher trans, embora também haja quem se denomine homem não binário ou mulher não binária também.

Xenogênero(pt-BR) ou xenogénero(pt-PT?) é um termo que se aplica a identidades que não se encaixam nas categorias tradicionais de gênero, descrevendo um tipo de gênero atípico e fora da compreensão humana comum.[86][84][87] Pessoas que usam xenogêneros são melhor descritas por meio de seu relacionamento com outros seres ou conceitos, coisas que geralmente não têm a ver com gênero. Pessoas xenogênero podem ter gênero relacionado a plantas, alienígenas ou animais não-humanos, por exemplo, embora não necessariamente ligado a ser otherkin.[88][89][90][91]

Neurogênero(pt-BR) ou neurogénero(pt-PT?) é um termo, usado por algumas pessoas neurodivergentes, para alguém que tem sua experiência de gênero ligada com sua condição neurológica ou psicólógica.[92][93][94] Um exemplo conhecido é autigênero, em que um autista tem sua vivência de gênero ligada ao autismo.[95][96][97] Outra identidade conhecida é gendervague (em inglês: gênero-vago).[98][99]

Orientação sexual e afetiva[editar | editar código-fonte]

Indivíduos não binários, assim como qualquer outra pessoa, podem ter qualquer orientação sexual, romântica ou platônica. A determinação das orientações varia de pessoa para pessoa. Muitos não querem usar neo ou microrrótulos, como onissexual e ceterossexual, outros preferem algo mais amplo e padrão, como multissexual e ambifilia.[100] Além das alossexualidades, pessoas não binárias podem vivenciar a assexualidade, até mesmo a arromanticidade.[101]

Um indivíduo não binário, assim como um binário, pode ser monossexual (atraído por apenas um gênero), sendo sua classificação divida entre ginessexual e androssexual, em vez de homossexual ou heterossexual. Contudo, sabendo que não-binariedade não é um gênero monolítico, mas sim um termo guarda-chuva, há gays e lésbicas que se descrevem como não-binários, pois a desconexão para com os gêneros binários não deve ser necessariamente integral.[102] Embora haja ativistas que argumentem que isso é uma rebinarização identitária, há também contra-argumentos afirmando uma própria desbinarização das homossexualidades e flexibilização de sua naturalidade. Também há quem use o termo sáfique como mais inclusivo que lésbica, ou víncico/vinciano, mais inclusivo que homem gay.[103][104][105]

As orientações não heterossexuais são mais comuns entre pessoas não binárias, por se reconhecerem como parte de uma minoria sexual. Porém, raramente, há quem se veja como hétero, ou que sinta sua atração ser conformante ou hétero, alguns fazendo uso do neologismo "strayt" ou hétere.[106] Um relacionamento que envolva, pelo menos, uma pessoa não binária, pode ser chamado de diamórico.[107][105]

Terceiro gênero[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Terceiro gênero

Terceiro gênero ou sexo, um termo usado por sociólogos e antropólogos, refere-se à variância de gênero ou de sexualidade dentro de uma cultura, ou pelo menos conota as denominações categóricas ou classificações para com as inconformidades afetivas ou identitárias dentro de uma sociedade. Muitas vezes há quarto, quinto e até mais gêneros, além dos terceiros.[108][109][110] Embora nem todas as culturas ou sociedades reconheçam tais espécimes de gêneros, algumas pessoas com as identidades abarcadas pelo termo sociológico e antropológico não consentem com o uso da terminologia para descrever suas vivências, pois acaba reduzindo, alheando (othering) ou estranhando as identificações intrapessoais de algumas pessoas numa tríade.[111][112][113][114]

Dois-espíritos é um termo moderno e includente, criado através de uma conferência de 1990 por gays, lésbicas e transgêneros indígenas, substituindo o termo não nativo berdache, que era encarado como depreciativo,[115] fazendo alusão a tribos com papéis de gênero misturados.[116] Também usa-se o particípio two-spirited (bi-espiritualizade ou de dois espíritos), em inglês. Há outro relacionado, como é o caso tri-espíritos (tri spirits/-ed),[117] pois dois-espíritos tem a ver com espiritar ou entrelaçar os dois gêneros ou sexos male e female (que muitas vezes traduzem-se como homem ou macho e mulher ou fêmea) numa pessoa só, tendo assim o espírito dos dois tradicionais,[118] fazendo alusão ao híbrido logo tri-espíritos também abarca uma terceira categoria dentro de si, dentro da perspectiva ocidentalizada e colonizada.[119] Nem todas as pessoas de dois espíritos se veem como não-binárias, por mais que a identidade fuja da lógica binária, ela pode se referir a ameríndios bissexuados.

Yinyang ren é um termo usado para se referir a pessoas transgênero, intersexo, altersexo ou andróginas. Pode ser visto como depreciativo por alguns, pois invalida as subjetividades perante a mistura de feminino (yin) e masculino (yang) implicada por yinyang, algumas vezes traduzido como hermafrodita, porém também é reivindicada por certas pessoas como uma identidade de gênero para si mesmas, como a Organização Internacional Intersexo Chinesa (Oii-Chinese)[120] e o protagonista de O Sonho da Câmara Vermelha.[121]

Bissu é um gênero na cultura buginesa, do sul da Indonésia. A sociedade Bugis reconhece cinco gêneros: oroane, makkunrai, calalai e calabai, muitas vezes levando bissu a ser visto como um quinto gênero.[122] Esses gêneros ainda são ainda reconhecidos por alguns bugis, especialmente aqueles que praticam a religião pré-islâmica da região. Muitas vezes, bissu é descrito como um metagênero ou gênero-transcendente, representando todos os aspectos de gênero combinados por inteiro.[123] Muitos bissus, porém não todos, são intersexo.[124] Bissus desempenham um papel importante nas cerimônias religiosas, agem como agentes sacerdotais, dão bênçãos, dão orientações e são vistos como intermediários entre o povo e os espíritos.[125]

História[editar | editar código-fonte]

Anjali Gopalan e Gopi Shankar Madurai inauguram a primeira Parada do Orgulho Genderqueer da Ásia em Madurai com bandeiras arco-íris e genderqueer[126]

A palavra genderqueer tem origem nos anos 1990, embora já havia referências pelo movimento queercore e as queer zines desde os anos 1980 e 1970,[127][128][129] e começou por ser chamada "Gender Queer" antes que se tornasse uma única palavra. O significado original era literalmente "queer gender", traduzido para português como "género estranho". Explicações apontam que genderqueer é usado como termo guarda-chuva para pessoas não cisgêneras, e inconforme de gênero sendo ainda mais abrangente que não binário.[130][131]

O uso mais antigo da palavra é atribuído a Riki Anne Wilchins, ativista dos direitos LGBT+, que utilizou o conceito na primavera de 1995 na newsletter In Your Face.

Genderqueer foi uma das 56 opções de identidade de gênero adicionadas ao Facebook em fevereiro de 2014.[132]

Em agosto de 1999, Monica Helms cria a bandeira do orgulho transgênero, nela ela inclui pessoas de gênero neutro ou indefinido, através da listra branca, representando também intersexuais e aqueles que estão transicionando.[133]

Em hieróglifos egípcios é possível encontrar um terceiro género, sekhet (sḫt), além de tai para homem e hmt para mulher, muitas vezes traduzido como eunuco, entretanto tal tradução pode ser considerada incerta.[134][135][136][137]

Muitas culturas e grupos étnicos adotaram conceitos de papéis tradicionais de gênero-variante, como os cinco gêneros na sociedade buginesa,[138][139] por volta do século XVIII, hijra e dois-espíritos, por exemplo. Estas identidades eram comumente análogas a não-binariedade, como se não se classificassem na ideia ocidental de papéis binários de gênero.[140][141][142]

Na tradição judaica, há identidades como androgynos (em hebraico: אנדרוגינוס; "andrógino") e tumtum (em hebraico: טומטום; "escondido"), que respectivamente, representam pessoas que naturalmente possuam ambas as características femininas e masculinas, ou a ausência delas.[143][144][145]

Em inglês e francês, respectivamente, há e havia a distinção de genre e gendre ou gender, sendo o primeiro para se referir a um gênero literário, musical ou de jogos eletrônicos, por exemplo. Gendre é a derivação regressiva de gender.[146] Na tentativa de fazer uma palavra específica ou reivindicada, alguns usam gênere(s)[147] em alguns momentos, semelhante ao uso de travestigênere(s)[148][149][150][151] e outras palavras sufixadas com -gênero, tornando-as adjetivas, parecida com o italiano genere.[152][153][154] Quanto a forma adjetivada dessas palavras, certos linguistas argumentam que seja empregado -gênere e -genérico, como é o caso de congênere e interespecífico/a, logo, frases como "pessoas bigênero" e "indivíduos pangêneros" se tornam "pessoas bigêneres" ou "bigenéricas" e "indivíduos pangêneres" ou "pangenéricos".[155][156]

Em uma resolução de 2019, o Conselho Federal de Medicina reconheceu outras expressões identitárias relacionadas à diversidade de gênero, como partes da incongruência de gênero.[157][158]

Bandeiras[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Simbologia LGBT e Bandeira de orgulho
A bandeira genderqueer

Criada por Marilyn Roxie em 2011, a bandeira de orgulho gênero-queer consiste em três listras horizontais e foi criada para complementar as atuais bandeiras de identidade de gênero e orientação sexual.[159]

A listra roxa, mistura de azul e rosa (cores tradicionalmente associadas com homens e mulheres, respectivamente), representa a androginia e "queerness". O branco simboliza agênero, refletindo o uso de branco na bandeira trans para a identidade de gênero neutra, e o verde representa todos cuja identidade está fora do gênero binário.[160]

Em 2013, Roxie clarificou que a semelhança entre as cores desta bandeira e a da Women's Social and Political Union, uma organização de sufrágio baseada no Reino Unido, não era intencional.[161][162]

Em 2014, Kye Rowan criou a bandeira do orgulho não binário, com quatro listras nas cores amarelo, branco, roxo e preto-cinza. O amarelo representando gêneros totalmente fora da binariedade, branco, como cor fotológica, pessoas com vários ou todos os gêneros, roxo a multiplicidade e flexibilidade de gêneros, preto indivíduos com nenhum de gênero.[163][164]

Pessoas notáveis[editar | editar código-fonte]

Discriminação e estado legal[editar | editar código-fonte]

Brasil[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Direitos LGBT no Brasil
Mapa do reconhecimento jurídico da não binariedade no Brasil
  Reconhecida por provimento
  Reconhecida através de ação judicial
  Sem reconhecimento

No passaporte brasileiro, há a identificação de sexo em três categorias: "M", "F" e "X". Para conseguir emitir um passaporte com o sexo "X", é preciso selecionar a opção "não especificado" ao solicitar novo passaporte no site da Divisão do Passaporte da Polícia Federal.[186] A lei reconhece a identidade de gênero, sendo possível retificar os registros, como a certidão de nascimento, alterando nome e sexo, sem a precisar de laudos médicos ou procedimentos cirúrgicos, porém as categorias, a nível nacional, continuam sendo "masculino" e "feminino",[187] havendo propostas legislativas para o reconhecimento do gênero neutro.[188][189][190][101][191]

Em 2020, algumas pessoas, isoladamente, conseguiram ter uma opção degenerizada de sexo na certidão de nascimento.[192] Em 2021, outras pessoas conseguem o reconhecimento registral de uma terceira opção de gênero, em certidões de nascimento por decisão da justiça.[193][194][195][196] Um estudo publicado em 2021 pela Nature revelou que 1,19% da população brasileira adulta é não binária.[197][198]

No início de abril de 2022, em Rio de Janeiro, pessoas conseguem retificar seu gênero para "não binárie", usando neolinguagem.[199] No mesmo mês, a Corregedoria Geral da Justiça de Rio Grande do Sul assegurou que pessoas não binárias alterem seu prenome e gênero em seu registro de nascimento, de acordo com sua identidade autopercebida, independentemente de autorização judicial, permitindo incluir a expressão "não-binária" no campo de sexo mediante solicitação do interessado a um cartório.[200][201] Em maio de 2022, a Justiça da Bahia publica provimento que permite a inclusão de gênero "não binário" no registro civil.[202][203] Paraná,[204] Paraíba,[205] Distrito Federal[206][207] e Tocantins,[208] em 2023, reconheceram a não binariedade.[209][210][211]

Outros países[editar | editar código-fonte]

Reconhecimento legal de identidades não binárias ou de terceiro gênero no mundo
  Marcação de gênero não binário voluntária
  Marcação de gênero não binário apenas para indivíduos intersexo
  Procedimento padrão para pessoas de terceiro gênero
  Procedimento padrão para indivíduos intersexo
  Não há reconhecimento legal ou não há dados disponíveis

Nas certidões de nascimento e noutros registros legais, alemães têm a opção "diverso" (em alemão: divers) como categoria de gênero, após a corte decidir que as designações binárias são discriminatórias e violam as garantias de liberdade individual.[212][213][214]

Desde 2003 os cidadãos australianos podem escolher "X" como opção para marcar o seu gênero no passaporte.[215] Em 2014, uma terceira categoria "não especificada" foi denominada pela Suprema Corte.[216][217]

Na Áustria, desde 2018, as pessoas intersexo têm o direito de se registrarem civilmente como pessoas não-binárias. Decisão baseada na Convenção Europeia de Direitos Humanos pelo Tribunal Constitucional da Áustria.[218][219]

Nos Estados Unidos, a maioria dos interrogados no questionário National Transgender Discrimination Survey escolheu a opção "Um gênero não listado aqui" (em inglês: Question 3 Gender Not Listed Here, Q3GNLH). Destes, 90% reportaram testemunhar preconceitos antitrans no local de trabalho e 43% reportaram ter tentado cometer suicídio.[220]

Em abril de 2022, o marcador de gênero "X" em passaportes se tornou disponível em passaportes para todos os cidadãos estadunidenses.[221]

No Japão, o "X-gênero" (em japonês: Xジェンダー, transl. X-jendā) ou gênero-X é um terceiro género e identidade não binária conhecida como Xジェンダー, como alternativa ao "M" de masculino e "F" de feminino.[222][223]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

Referências

  1. «All about the nonbinary symbol». LGBTQ Nation [en]. 30 de julho de 2022. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  2. «Binaridade ou binariedade». Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Consultado em 5 de dezembro de 2018 
  3. Usher, Raven, ed. (2006). North American Lexicon of Transgender Terms. San Francisco: [s.n.] ISBN 9781879194625. OCLC 184841392 
  4. «» Não-binárie». orientando.org. Consultado em 29 de junho de 2018 
  5. Cossi, Rafael Kalaf; Cossi, Rafael Kalaf (dezembro de 2019). «PSICANÁLISE E BINARIDADE DE GÊNERO: UM DEBATE À LUZ DA SEXUAÇÃO LACANIANA». Ágora: Estudos em Teoria Psicanalítica. 22 (3): 309–318. ISSN 1516-1498. doi:10.1590/1809-44142019003006 
  6. «Identidade de gênero, cisnormatividade, binarismo: entenda conceitos». Inspire-se: conheça Free The Essence, um mundo de Drinkfinity. 14 de dezembro de 2016. Consultado em 4 de fevereiro de 2020 
  7. «What Everyone Should Know About Genderqueer and Non-binary». Psychology Today (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2018 
  8. www.2i9.com.br, 2i9 multiagência-. «QIAPN+: entenda o que significam as novas letras da sigla LGBT | Geral - Notícias». Jornal Extra de Alagoas. Consultado em 5 de setembro de 2023 
  9. George, Marie-Amelie (2021). «Expanding LGBT». Florida Law Review. 243 páginas. Consultado em 5 de setembro de 2023 
  10. Papisova, Vera. «What It Means to Identify as Agender». Teen Vogue (em inglês). Consultado em 29 de junho de 2020 
  11. Reis, Neilton dos; Pinho, Raquel (28 de abril de 2016). «GÊNEROS NÃO-BINÁRIOS: IDENTIDADES, EXPRESSÕES E EDUCAÇÃO». Reflexão e Ação. 24 (1): 7–25. ISSN 1982-9949 
  12. «Nonbinary - Trending Gay, LGBT & Queer Voices». www.pride.com (em inglês). Consultado em 29 de junho de 2020 
  13. «Being non-binary in the UK 'feels like a hole in your chest where gender used to be'». The Independent (em inglês). 21 de setembro de 2016. Consultado em 29 de junho de 2020 
  14. Beemyn, Brett Genny (2008). «Genderqueer». glbtq: An Encyclopedia of Gay, Lesbian, Bisexual, Transgender, and Queer Culture. Chicago: glbtq, Inc. Consultado em 3 de maio de 2012. Arquivado do original em 25 de abril de 2012 
  15. February 11, tobyiceblueeyes; 2014 (9 de fevereiro de 2007). «Intergender and intersex». OII Intersex Network (em inglês). Consultado em 20 de maio de 2021 
  16. «What Is Intergendered?». cydathria.com. Consultado em 20 de maio de 2021 
  17. «Demigender». Nonbinary Wiki. Consultado em 2 de março de 2020 
  18. «Trigender». Identiversity (em inglês). Consultado em 20 de maio de 2021 
  19. «Queer Undefined». Queer Undefined (em inglês). Consultado em 2 de março de 2020 
  20. «What Does Pangender Mean? Definition, Pronouns, and Gender Identity». The Daily Dot (em inglês). 11 de novembro de 2019. Consultado em 2 de março de 2020 
  21. Reis, Neilton dos (2 de junho de 2017). «(RE)INVENÇÕES DOS CORPOS NAS EXPERIÊNCIAS DA NÃO-BINARIDADE DE GÊNERO». Letras Escreve. 7 (1): 165–184. ISSN 2238-8060. doi:10.18468/letras.2017v7n1.p165-184 
  22. «Owning Endosex Privilege and Supporting the Intersex Community WPATH, Intersex Genital Mutilation (IGM), and Sex Variant Bodies». TransAdvocate (em inglês). 26 de julho de 2016. Consultado em 13 de maio de 2021 
  23. «Biological Sex and Sex Characteristics». Mx. Anunnaki Ray (em inglês). 24 de dezembro de 2016 
  24. «Glossário: Termos Sobre Gêneros, Sexualidades, Romanticidades, Corporalidades, Feminismo, Não-Monogamia, Preconceitos Coletivo Anarquista Bandeira Negra». Coletivo Anarquista Bandeira Negra. 5 de agosto de 2015. Consultado em 29 de junho de 2018 
  25. «Recent study about nonbinary and agender identities». Rachel Gold (em inglês). 20 de outubro de 2017. Consultado em 29 de junho de 2020 
  26. «Nem homem, nem mulher: A visibilidade trans é também não binária». Os Entendidos. 29 de janeiro de 2015 
  27. «Fact Sheet: Non-Binary Gender Identities» (PDF). apadivisions.org. APA Divisions. Consultado em 29 de junho de 2020 
  28. Vargas, Steven (13 de julho de 2021). «1 in 4 LGBTQ youths identify as nonbinary, a new study finds. It's important to include them in the conversation, experts say». USA Today (em inglês). Consultado em 26 de agosto de 2021 
  29. C. Haldeman, Douglas (1 de janeiro de 2000). «Gender Atypical Youth: Clinical and Social Issues». School Psychology Review. 29 
  30. «Ele, Ela, Elu? - Vitor Rubião Vieira». sweek.com. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  31. «La lengua no tiene sexo: "Elle está cansade"». El Español (em espanhol). 18 de junho de 2017. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  32. lugar, Montink: Camisetas e arte em um só. «Pronome ile». Montink. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  33. «MANIFESTO ILE PARA UMA COMUNICAÇÃO RADICALMENTE INCLUSIVA». CEERT. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  34. «Pronomes neutros ganham espaço nas ruas, redes sociais e até em empresas - Brasil». Estadão. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  35. «» Tipos de linguagem». orientando.org. Consultado em 29 de junho de 2018 
  36. «Escrever 'todxs' ou 'amig@s' atrapalha softwares de leitura, dizem cegos». G1. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  37. Hartemann, Gabby (2019). «Nem ela, nem ele. Por uma arqueologia (trans*) além do binário». Revista de Arqueología Pública: Revista eletrônica do Laboratòrio de Arqueologia Pública de Unicamp. 13 (1): 99–115. ISSN 2237-8294 
  38. Feinberg, Leslie (1996). Transgender Warriors: Making History from Joan of Arc to Dennis Rodman. [S.l.: s.n.] 
  39. «Behind the TIME Cover Story: Beyond 'He' or 'She'». Time. Consultado em 29 de junho de 2020 
  40. «None of the Above». Psychology Today (em inglês). Consultado em 29 de junho de 2020 
  41. «Fiuk revela como gostaria de ser chamado: "Nem senhor e nem senhora, senhore!"». Portal Popeek. 1 de fevereiro de 2021. Consultado em 8 de maio de 2021 
  42. «O Muro e a Fenda Primeiro Apontamento sobre o Método Zapatista. SupGaleano». Enlace Zapatista (em espanhol). 16 de maio de 2015. Consultado em 8 de maio de 2021 
  43. Página, Pie de (26 de abril de 2021). «Delegación zapatista sale de la selva rumbo a Europa». Pie de Página (em espanhol). Consultado em 7 de maio de 2021 
  44. Almeida, Gioni Caê (1 de janeiro de 2020). «Manual para o uso da linguagem neutra em Língua Portuguesa». Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Academia.edu. Consultado em 1 de setembro de 2022 
  45. Moura, Jonathan Ribeiro Farias de (1 de outubro de 2021). «Língua(gem) e gênero neutro: uma perspectiva discursiva no português brasileiro». Línguas e Instrumentos Línguísticos (47): 146–163. ISSN 2674-7375. doi:10.20396/lil.v24i47.8660785. Consultado em 1 de setembro de 2022 
  46. Groppi, Mirta (15 de julho de 2006). «Falando de Pronomes». Signum: Estudos da Linguagem. 9 (1). 95 páginas. ISSN 2237-4876. doi:10.5433/2237-4876.2006v9n1p95 
  47. Pinho, Fabio Assis; Milani, Suellen Oliveira (24 de março de 2020). «Ética em Organização do Conhecimento: categorização de termos fronteiriços em relação a gênero e sexualidade.». Logeion: Filosofia da Informação (2): 84–103. ISSN 2358-7806. doi:10.21728/logeion.2020v6n2.p84-103. Consultado em 28 de dezembro de 2022 
  48. a b «Androgyne Myth - Symposium 189c–193e». www.john-uebersax.com. Consultado em 20 de julho de 2020 
  49. «What is Intersex? Frequently Asked Questions». interACT: Advocates for Intersex Youth (em inglês). Consultado em 20 de julho de 2020 
  50. Veenstra, Gerry (17 de janeiro de 2011). «Race, gender, class, and sexual orientation: intersecting axes of inequality and self-rated health in Canada». International Journal for Equity in Health. 10 (1). 3 páginas. ISSN 1475-9276. PMC 3032690Acessível livremente. PMID 21241506. doi:10.1186/1475-9276-10-3 
  51. «The Symposium: 189c - 193e | SparkNotes». www.sparknotes.com (em inglês). Consultado em 20 de julho de 2020 
  52. «Confessions of a Gynandromorph». Digital Transgender Archive. 1973. Consultado em 20 de julho de 2020 
  53. «Differences in sex development». nhs.uk (em inglês). 18 de outubro de 2017. Consultado em 20 de julho de 2020 
  54. «Intersex» (PDF). United Nations Free & Equal. Maio de 2017. Consultado em 20 de julho de 2020 
  55. Beachy, Robert (2010). «The German Invention of Homosexuality». The Journal of Modern History. 82 (4): 801–838. ISSN 0022-2801. doi:10.1086/656077 
  56. «Virginia Prince & Transvestia - University of Victoria». www.uvic.ca. Consultado em 20 de julho de 2020 
  57. «Social Constructionism | Introduction to Women Gender Sexuality Studies». courses.lumenlearning.com. Consultado em 20 de julho de 2020 
  58. Teixeira, Teresa; Carneiro, Nuno Santos (dezembro de 2018). «Gozar os géneros: para uma escuta queer de não-binarismos de género». Ex aequo (38): 129–145. ISSN 0874-5560. doi:10.22355/exaequo.2018.38.09 
  59. «Labels Are For Soup Cans». gender-fluid.livejournal.com. Consultado em 29 de junho de 2018 
  60. «» Gênero-fluxo». Consultado em 31 de outubro de 2020 
  61. «What Does Genderflux Mean? + Other Genderflux Information To Help You Be A Better Ally!». Queer In The World (em inglês). 23 de novembro de 2021. Consultado em 4 de setembro de 2022 
  62. Oliveira, Nicholas Gomes Viana de (31 de agosto de 2021). «Desidentificação de gênero: experiência queer na performatividade da drag queen». Consultado em 2 de fevereiro de 2024 
  63. «» Sem gênero». orientando.org. Consultado em 29 de junho de 2018 
  64. Papisova, Vera (20 de janeiro de 2016). «What It Means to Identify as Agender». Teen Vogue (em inglês). Consultado em 15 de julho de 2020 
  65. «Zerogender - MOGAIpedia». www.mogaipedia.org. Consultado em 15 de julho de 2020 
  66. «Null gender - Susan's Place Transgender Resources». www.susans.org. Consultado em 15 de julho de 2020 
  67. «Espectro neutro». Wiki Identidades. Consultado em 15 de julho de 2020 
  68. «Termos LGBTQIAPN+ (@termos@colorid.es)». Colorid.es 
  69. «Demi género - Del Sector Social». delsectorsocial.org (em espanhol). Consultado em 27 de outubro de 2018 
  70. Edenfield, Cohen (1 de janeiro de 2012). «Take a Third Option: Multigender in Middlesex». The Corinthian (1). ISSN 2691-9672. Consultado em 2 de fevereiro de 2024 
  71. «» Pangênero». orientando.org. Consultado em 29 de junho de 2018 
  72. «pangender». Dictionary.com (em inglês). Consultado em 26 de maio de 2021 
  73. «» Qualidades de gênero». Consultado em 11 de fevereiro de 2020 
  74. Converse, Adrien (25 de julho de 2019). «The big list of gender identities (+ vocab to know)». Deconforming (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  75. «» Maverique». Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  76. Cover, Rob (13 de setembro de 2018). Emergent Identities: New Sexualities, Genders and Relationships in a Digital Era (em inglês). [S.l.]: Routledge. ISBN 978-1-351-59781-4 
  77. Manders, Kerry (16 de outubro de 2018). «Beyond the Narrow Expectations of Gender». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  78. «Maverique». Nonbinary Wiki (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2020 
  79. «The 'Maverique' Gender Identity». Asexual Visibility and Education Network (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  80. «maverique [Nichtbinär-Wiki]». nibi.space. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  81. Webb, Madison-Amy (21 de maio de 2019). A Reflective Guide to Gender Identity Counselling (em inglês). [S.l.]: Jessica Kingsley Publishers. ISBN 978-1-78450-733-6 
  82. Green, Jamison; Hoskin, Rhea Ashley; Mayo, Cris; Miller, sj (14 de novembro de 2019). Navigating Trans and Complex Gender Identities (em inglês). [S.l.]: Bloomsbury Publishing. ISBN 978-1-350-06106-4 
  83. «maverique by wanderingangel». TeePublic. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  84. a b Mardell, Ashley (8 de novembro de 2016). The ABC's of LGBT+ (em inglês). [S.l.]: Mango Media Inc. ISBN 978-1-63353-408-7 
  85. Papenkort, Anke. «Trans*, Inter*, abinär». Fachstelle für Sexualität und Gesundheit (em alemão). Consultado em 12 de outubro de 2021 
  86. Shi, Sangue (26 de agosto de 2020). XENOGÉNERO: Ser o No Humanos (em espanhol). [S.l.]: Independently Published. ISBN 979-8-6794-4627-4 
  87. Gratton, Finn V. (21 de outubro de 2019). Supporting Transgender Autistic Youth and Adults: A Guide for Professionals and Families (em inglês). [S.l.]: Jessica Kingsley Publishers 
  88. Walsh, Matthias (2 de março de 2022). «What you need to know about xenogender». LGBTQ Nation. Consultado em 4 de setembro de 2022 
  89. «The 76 Types Of A Xenogender (Full List)». OptimistMinds (em inglês). 3 de julho de 2020. Consultado em 4 de setembro de 2022 
  90. Lindsey, James (10 de novembro de 2020). «Xenogender». New Discourses (em inglês). Consultado em 4 de setembro de 2022 
  91. Hansen, Ashley (2022). «Revolutionized Experiences of Gender in an Internet Dominated World» (PDF). Journal of Undergraduate Research in Anthropology. Consultado em 4 de setembro de 2022 
  92. «Neurogender » The Trans Language Primer». translanguageprimer.com (em inglês). 17 de agosto de 2021. Consultado em 4 de setembro de 2022 
  93. Spectrums : autistic transgender people in their own words. Maxfield Sparrow. London: [s.n.] 2020. OCLC 1135936422 
  94. Social work and health care practice with transgender and nonbinary individuals and communities : voices for equity, inclusion, and resilience. Shanna K. Kattari. Abingdon, Oxon: [s.n.] 2021. OCLC 1156424379 
  95. Boren, Ryan (14 de abril de 2021). «Autigender and Neuroqueer: Two Words on the Relationship Between Autism and Gender That Fit Me». Ryan Boren (em inglês). Consultado em 4 de setembro de 2022 
  96. Holmans, Lyric (6 de janeiro de 2021). «What is AutiGender? – The Relationship Between Autism & Gender – An Autistic Perspective». Neurodivergent Rebel (em inglês). Consultado em 4 de setembro de 2022 
  97. «BBC Sounds - 1800 Seconds on Autism, What is auti-gender?». BBC (em inglês). 28 de janeiro de 2021. Consultado em 4 de setembro de 2022 
  98. X. Z. Brown, Lydia (29 de julho de 2016). «Gendervague: At the Intersection of Autistic and Trans Experiences». The Asperger / Autism Network (AANE) (em inglês). Consultado em 4 de setembro de 2022 
  99. Cipolla, Cyd; Gupta, Kristina (20 de julho de 2017). «Neurogenderings and Neuroethics». New York: Routledge. Taylor & Francis Group: 381–393. ISBN 978-1-315-70865-2. Consultado em 4 de setembro de 2022 
  100. Smith, Reiss (13 de outubro de 2016). «What is pansexual? LGBTQ terms explained as Miley Cyrus candidly talks gender identity». Express.co.uk (em inglês). Consultado em 15 de julho de 2020 
  101. a b «Os brasileiros não-binários que lutam pelo reconhecimento do gênero neutro: 'Não me considero homem, nem mulher'». G1. BBC. 26 de março de 2019. Consultado em 8 de junho de 2020 
  102. Ashenden, Amy (13 de agosto de 2018). «Can you be both non-binary and lesbian?». PinkNews [en] (em inglês). Consultado em 15 de julho de 2020 
  103. «Identidade sáfica: como uma poeta nascida há 2 mil anos virou referência nos estudos de gênero». O Globo. 26 de junho de 2021. Consultado em 1 de setembro de 2022 
  104. Abad, Mar (13 de março de 2021). «'Sáfica': una palabra donde se levanta un ágora de debate». ElDiario.es (em espanhol). Consultado em 1 de setembro de 2022 
  105. a b Lacsko, Madeleine (3 de maio de 2022). «Termos juvélicos: 100 novas orientações sexuais para você decorar ou ser cancelado». Gazeta do Povo. Consultado em 1 de setembro de 2022 
  106. «Hétere». LGBTQIA+ Wiki. Consultado em 15 de julho de 2020 
  107. «» Lista de termos juvélicos». Consultado em 20 de setembro de 2020 
  108. Cola ♀, Icarus (29 de novembro de 2021). «Symptoms of the Gender Trinary». An Injustice! (em inglês). Consultado em 1 de setembro de 2022 
  109. Beemyn, Genny; Rankin, Susan (2011). The Lives of Transgender People (em inglês). [S.l.]: Columbia University Press 
  110. Hyde, Janet Shibley; Bigler, Rebecca S.; Joel, Daphna; Tate, Charlotte Chucky; van Anders, Sari M. (2019). «The future of sex and gender in psychology: Five challenges to the gender binary». The American Psychologist (2): 171–193. ISSN 1935-990X. PMID 30024214. doi:10.1037/amp0000307. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  111. Lieber*, Angela (4 de outubro de 2018). «Western Scholarship on Third Genders: What does the Gender "Trinary" Do?». American Association of Geographers [en] (em inglês). AAG Annual Meeting 2018. Consultado em 26 de maio de 2021 
  112. «1 – Who Are Two Spirit People». CCGSD (em inglês). 2 de agosto de 2016. Consultado em 29 de julho de 2020 
  113. Herdt, Gilbert H., 1949- (1994). Third sex, third gender : beyond sexual dimorphism in culture and history. New York: Zone Books. OCLC 28222602 
  114. Martin, M. Kay, 1942-. Female of the species. New York: [s.n.] OCLC 1094960 
  115. O'Brien, Jodi (2009). Encyclopedia of Gender and Society (em inglês). [S.l.]: SAGE 
  116. Altarriba, Jeanette (1 de agosto de 2002). «Bilingualism: Language, Memory and Applied Issues». Online Readings in Psychology and Culture. 4 (2). ISSN 2307-0919. doi:10.9707/2307-0919.1034 
  117. Marquez, Mx Anunnaki Ray (28 de janeiro de 2019). «I will now use MOGAI instead of LGBTQIA+». Mx. Anunnaki Ray Marquez (em inglês). Consultado em 26 de agosto de 2023 
  118. «SAA Bulletin 16(2): Appropriate Terms». web.archive.org. 5 de novembro de 2004. Consultado em 29 de julho de 2020 
  119. «Two-Spirit | Cultural Anthropology». courses.lumenlearning.com. Consultado em 29 de julho de 2020 
  120. «Oii-Chinese». www.oii.tw. Consultado em 8 de maio de 2021 
  121. «生理既男又女 阴阳人 非变性». e南洋 (em chinês). 28 de fevereiro de 2017. Consultado em 8 de maio de 2021 
  122. «The Bugis of Indonesia ENGLISH DUBBED- Transcript». /Queer (em inglês). Consultado em 11 de maio de 2021 
  123. Stables, Daniel (11 de abril de 2021). «Asia's isle of five separate genders». BBC Travel (em inglês). Consultado em 11 de maio de 2021 
  124. Mark Anderson (15 de agosto de 2016). «Beyond Binary: Five genders of the Bugis». Akkadium College (em inglês). Consultado em 11 de maio de 2021 
  125. «Sulawesi's fifth gender». Inside Indonesia (em inglês). Consultado em 11 de maio de 2021 
  126. «One Who Fights For an Other». The New Indian Express. Consultado em 28 de maio de 2023 
  127. «Queer Zines». Printed Matter (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2020 
  128. Dazed (18 de julho de 2016). «Revisiting the seminal queercore movement». Dazed (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2020 
  129. them. «Do You Know What It Means to Be Genderqueer?». them. (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2020 
  130. Retta, Mary (13 de setembro de 2019). «What's the Difference Between Non-Binary, Genderqueer, and Gender-Nonconforming?». Vice (em inglês). Consultado em 29 de junho de 2020 
  131. micah (17 de abril de 2013). «Explaining Genderqueer To Those Who Are Not». genderqueer.me (em inglês). Consultado em 29 de junho de 2020 
  132. Peter Weber (21 de Fevereiro de 2014). «Confused by All the New Facebook Genders? Here's What They Mean.» 
  133. «The History of the Transgender Flag». Point 5cc (em inglês). 23 de abril de 2015. Consultado em 29 de junho de 2020 
  134. «"A não-binariedade é milenar", afirma juíza que admitiu gênero neutro em SC | Portal Catarinas». Consultado em 14 de agosto de 2021 
  135. Identidades De Gênero Não Binárias: A Diversidade Na História Mundial Out & Equal | Workplace Advocates
  136. «Sex and Gender in Ancient Egypt: 'Don your wig for a joyful hour' – Bryn Mawr Classical Review» (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2021 
  137. Parlia. «Non-binary genders exist in all cultures - Parlia». www.parlia.com (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2021 
  138. Ibrahim, Farid M. (27 de fevereiro de 2019). «This Indonesian community has five genders — one of them is under threat of dying out». ABC News (em inglês). Consultado em 2 de março de 2020 
  139. Davies, Sharyn Graham. Challenging Gender Norms: Five Genders Among Bugis In Indonesia (em inglês). [S.l.: s.n.] 
  140. Vincent, Ben; Manzano, Ana (2017). Richards, Christina; Bouman, Walter Pierre; Barker, Meg-John, eds. «History and Cultural Diversity». London: Palgrave Macmillan UK. Critical and Applied Approaches in Sexuality, Gender and Identity (em inglês): 11–30. ISBN 978-1-137-51053-2. doi:10.1057/978-1-137-51053-2_2. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  141. Powers, Minami (19 de maio de 2021). «Session 1: Panel 2: Presenter 3 (Paper) -- Nonbinary Significance: Roles and Perceptions Throughout History». Young Historians Conference. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  142. Boice, Caitlin (21 de maio de 2021). «Dismantling the Gender Binary Around the World: How Different Societies View Non-Binary Identities». The Charles Proteus Steinmetz Symposium. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  143. «Tumtum and Androgynous \ Rabbi Alfred Cohen». www.daat.ac.il. Consultado em 28 de outubro de 2018 
  144. «Gender Identity In Halakhic Discourse». jwa.org (em inglês). Jewish Women's Archive. Consultado em 28 de outubro de 2018 
  145. «» Identidades exclusivas para certas culturas». orientando.org. Consultado em 28 de outubro de 2018 
  146. «Gender | Definition of Gender by Oxford Dictionary on Lexico.com also meaning of Gender». Lexico Dictionaries | English (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2020 
  147. Dagostim, Rita de Cássia Guimarães dos Santos (19 de outubro de 2021). «Cartografias do olhar atento: orientações sobre o apoio e cuidado da criança e adolescente transgênero». Consultado em 26 de agosto de 2023 
  148. «Pesquisa: 1ª Cartografia Artística Brasil Trans». Fórum Permanente. Consultado em 29 de julho de 2020 
  149. Lopes, Bernardo Mota (8 de setembro de 2022). «Arquivo transmasculino : uma autoetnografia sobre transmasculinidade no Brasil». Consultado em 26 de agosto de 2023 
  150. «No dia do Orgulho LGBTQIA+, primeira diretora trans de escola de SP recebe Título de Cidadã Paulistana». Câmara Municipal de São Paulo. 28 de junho de 2022. Consultado em 1 de setembro de 2022 
  151. Assunção, Clara (2 de fevereiro de 2021). «Violência contra mulheres negras e LGBTs coloca democracia sob ameaça». Rede Brasil Atual. Consultado em 1 de setembro de 2022 
  152. Lanz, Leticia (2014). «O Corpo da roupa : a pessoa transgênera entre a transgressão e a coformidade com as normas de gênero». Repositório UFPR 
  153. Ker, João (20 de setembro de 2018). «Marsha P. Johnson, de Stonewall ao fundo do Rio Holland». Revista Híbrida. Consultado em 29 de julho de 2020 
  154. «Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transgêneres pede apoio para criminalização da homofobia». O Globo. 22 de março de 2006. Consultado em 29 de julho de 2020 
  155. Bizzocchi, Aldo (28 de setembro de 2020). «Pessoas transgêneras?!». DIÁRIO DE UM LINGUISTA. Consultado em 9 de maio de 2021 
  156. «Sobre a palavra transgénero - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa». ciberduvidas.iscte-iul.pt. Consultado em 9 de maio de 2021 
  157. Scarmigliat, Karla (26 de junho de 2020). «Faculdade de Medicina da UFMG». Faculdade de Medicina da UFMG. Consultado em 2 de fevereiro de 2024 
  158. Nacional, Imprensa. «RESOLUÇÃO Nº 2.265, DE 20 DE SETEMBRO DE 2019 - DOU - Imprensa Nacional». www.in.gov.br. Consultado em 2 de fevereiro de 2024 
  159. «Marilyn Roxie- Non-Binary Pride Flag (2011)». Queer Art History (em inglês). 24 de agosto de 2017 
  160. «About the Flag». Genderqueer and Non-Binary Identities. Junho de 2011. Consultado em 27 de outubro de 2018 
  161. «genderqueer». mixosaurus.co.uk (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2018 
  162. Opperman, Megan (1 de abril de 2019). «#Nonbinary, #Genderqueer: Non-binary Gender World-making through the Networked Counterpublic of Tumblr». Electronic Theses & Dissertations. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  163. ralatalo (7 de agosto de 2017). «Flags of the LGBTIQ Community». Global LGBT Human Rights (em inglês). Consultado em 2 de março de 2020 
  164. Freitas, Patrick. «Não-binário: o que é, pronomes, bandeira e tipos». Terra. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  165. Cerio, Michael (24 de novembro de 2015). «Interview: Angel Haze On Gender, Kanye, And Going Back To The Woods». CBS News (em inglês). Consultado em 1 de setembro de 2022 
  166. Kellaway, Mitch (31 de julho de 2014). «WATCH: Australian Model Ruby Rose Comes Out as Gender Fluid». The Advocate (em inglês). Consultado em 1 de setembro de 2022 
  167. «De testemunha de Jeová a voz do funk LGBT, MC Linn da Quebrada se diz 'terrorista de gênero'». G1. 12 de setembro de 2016 
  168. Soares, Ana Carolina (24 de janeiro de 2020). «Modelo não binário e mulher trans inspiram estilista a criar uma coleção». VEJA SP 
  169. «Lázare Heliodoro propõe ideia legislativa sobre inclusão de gênero neutro nos documentos oficiais» 
  170. «Matheusa Passareli: estudante, pessoa não binária e assassinada aos 21 anos no RJ». Desacato. 11 de maio de 2018 
  171. Mesquita, Lígia (9 de maio de 2018). «'A gente não pode naturalizar o sofrimento', diz irmã de Matheusa Passareli, trans morta no Rio». BBC News Brasil (em inglês) 
  172. Hawgood, Alex (21 de setembro de 2019). «Jonathan Van Ness of 'Queer Eye' Comes Out». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 20 de maio de 2021 
  173. «Sam Smith changes pronouns to they/them». BBC News (em inglês). 14 de setembro de 2019 
  174. «NOTA OFICIAL DA ALIANÇA NACIONAL LGBTI+ DE CONGRATULAÇÕES PELO DIA 14 DE JULHO DIA INTERNACIONAL DO ORGULHO E VISIBILIDADE NÃO-BINÁRIA». Aliança Nacional LGBTI. 14 de julho de 2020. Consultado em 20 de julho de 2020 
  175. «1º Encontro e Celebração do Orgulho Genderqueer e Não-Binário ocorre em Alagoas». Secretaria da Mulher e dos Direitos Humanos do Estado de Alagoas. 26 de julho de 2019. Consultado em 20 de julho de 2020. Arquivado do original em 15 de outubro de 2019 
  176. Tertúlia "Política Internacional", consultado em 8 de maio de 2021 
  177. «Demi Lovato is non-binary and is changing pronouns to they/them, singer announces». BBC News (em inglês). 19 de maio de 2021. Consultado em 5 de julho de 2022 
  178. Giusti, Iran (14 de julho de 2022). «Dia das Pessoas Não-Binárias: 7 influencers para seguir». Terra. Consultado em 1 de setembro de 2022 
  179. Mattos, Gabriel (2 de julho de 2021). «Borrando as linhas de gênero: A importância da visibilidade para as identidades não-binárias». Legião dos Heróis. Consultado em 1 de setembro de 2022 
  180. «Bryana Nasck, mulher trans e não-binária sucesso nos games». O POVO+. 15 de março de 2022. Consultado em 1 de setembro de 2022 
  181. Pérez, David Marcial (10 de março de 2017). «La sacerdotisa de la contracultura aterriza en México». El País. Consultado em 2 de fevereiro de 2024 
  182. Gutierrez Castillo, D.; Garcia Diaz, C.; Gonzalez Moreno, A. M. (1 de janeiro de 2014). «EPA-0323 – Pandrogyne: breaking gender and identity». European Psychiatry. Abstracts of the 22nd European Congress of Psychiatry. 1 páginas. ISSN 0924-9338. doi:10.1016/S0924-9338(14)77759-4. Consultado em 2 de fevereiro de 2024 
  183. Nast, Condé (22 de outubro de 2019). «Genesis Breyer P-Orridge on H/er Radical Gender and Binary-Deconstructing Art». Them (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2024 
  184. Angell, Stephen W.; Juster, Susan; MacFarlane, Lisa; Levenduski, Cristine (junho de 1997). «A Mighty Baptism: Race, Gender, and the Creation of American Protestantism.». The Journal of American History (1). 212 páginas. ISSN 0021-8723. OCLC 33898667. doi:10.2307/2952770. Consultado em 2 de fevereiro de 2024 
  185. Schmidt, Samantha (10 de janeiro de 2020). «A genderless prophet drew hundreds of followers long before the age of nonbinary pronouns». Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 2 de fevereiro de 2024 
  186. «MJSP discute inclusão dos não-binários na documentação para emissão de passaporte». Ministério da Justiça e Segurança Pública. 4 de maio de 2023. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  187. Brevilheri, Urse Lopes (11 de maio de 2020). «O "Gênero Neutro" e a Legislação Brasileira». Parada LGBTI+ de Londrina. Consultado em 8 de junho de 2020 
  188. «DL News: Proposta no Senado propõe inclusão de gênero neutro em RG e CPF». Colégio Notarial do Brasil - Seção São Paulo. 21 de fevereiro de 2020. Consultado em 8 de junho de 2020 
  189. «Inclusão de gênero neutro nos documentos oficiais pode se tornar pauta no Senado». FRRRKguys. 23 de fevereiro de 2020. Consultado em 8 de junho de 2020 
  190. «Senado propõe inclusão de gênero neutro em RG e CPF». Observatório G - UOL. 28 de fevereiro de 2020. Consultado em 8 de junho de 2020 
  191. «DPE-TO pede inclusão do gênero não-binário em registros civis». iG. 30 de agosto de 2022. Consultado em 1 de setembro de 2022 
  192. «IBDFAM: Justiça autoriza inscrição de "sexo não especificado" em registro de pessoa não-binária». ibdfam.org.br. Consultado em 20 de abril de 2021 
  193. «Pessoa agênero obtém na Justiça o direito de ser registrada como 'neutra' na certidão de nascimento». O Globo. 13 de abril de 2021. Consultado em 20 de abril de 2021 
  194. Serena*, Ilanna (23 de julho de 2021). «Pela primeira vez, Justiça piauiense concede registro de pessoa não-binária à jovem». G1. Consultado em 5 de julho de 2022 
  195. «Jovem de 27 anos consegue na Justiça direito de registro de gênero não-binário em Foz do Iguaçu». G1. Consultado em 5 de julho de 2022 
  196. «TJSP: Pessoa não-binária tem direito a documento com gênero não especificado». JOTA Info. 1 de novembro de 2021. Consultado em 5 de julho de 2022 
  197. Sampaio, Jana; Cerqueira, Sofia; Monteiro de Barros, Duda (25 de junho de 2021). «Nem ele nem ela: os não binários ganham espaço e voz na sociedade». VEJA. Consultado em 5 de julho de 2022 
  198. Spizzirri, Giancarlo; Eufrásio, Raí; Lima, Maria Cristina Pereira; de Carvalho Nunes, Hélio Rubens; Kreukels, Baudewijntje P. C.; Steensma, Thomas D.; Abdo, Carmita Helena Najjar (dezembro de 2021). «Proportion of people identified as transgender and non-binary gender in Brazil». Scientific Reports (em inglês) (1). 2240 páginas. ISSN 2045-2322. PMC 7838397Acessível livremente. PMID 33500432. doi:10.1038/s41598-021-81411-4. Consultado em 5 de julho de 2022 
  199. «Gênero 'não binárie' é incluído na carteira de identidade no RJ». G1. Consultado em 5 de julho de 2022 
  200. «Após pedido da DPE/RS, Cartórios passam a aceitar o termo não binário nos registros civis». Defensoria Pública do Estado do Rio Grande do Sul. 23 de abril de 2022. Consultado em 5 de julho de 2022 
  201. «Justiça autoriza pessoas não binárias a mudar registros de prenome e gênero em cartórios do RS». G1. Consultado em 5 de julho de 2022 
  202. «Justiça da BA publica provimento permitindo a inclusão de gênero "não binário" no Registro Civil». Arpen Brasil - Saiba Mais. 11 de maio de 2022. Consultado em 5 de julho de 2022 
  203. maiama (12 de maio de 2022). «Pessoas não-binárias poderão alterar nome e gênero em registro de nascimento sem autorização judicial na Bahia». Ministério Público do Estado da Bahia. Consultado em 5 de julho de 2022 
  204. «TJPR orienta Registradores Civis a utilizarem o termo "não binário"». Ministério Público do Estado do Paraná. 13 de janeiro de 2023. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  205. Gambarra, Rafaela (27 de janeiro de 2023). «Pessoas não binárias podem alterar nome no registro civil, na Paraíba». Jornal da Paraíba. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  206. «Cidadania não-binária: TJDFT, MPDFT e DPDF realizam audiências para retificação de nome e gênero». Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios. 27 de fevereiro de 2023. Consultado em 27 de agosto de 2023 
  207. Luchetta, Evellyn (21 de agosto de 2023). «Pessoas não-binárias podem alterar gênero e nome em cartórios extrajudiciais». Jornal de Brasília. Consultado em 27 de agosto de 2023 
  208. «Provimento Nº 3 - CGJUS/2JACGJUS». wwa.tjto.jus.br. Consultado em 6 de novembro de 2023 
  209. «Pessoas não-binárias podem pedir mudança de nome e gênero diretamente nos cartórios do DF; veja como fazer». G1. 23 de agosto de 2023. Consultado em 27 de agosto de 2023 
  210. «Após pedido da Defensoria do Paraná, pessoas não-binárias poderão retificar o prenome e o gênero diretamente nos cartórios». Defensoria Pública do Paraná. 22 de fevereiro de 2023. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  211. «Pessoas trans e não binárias podem retificar registro de nascimento sem autorização judicial». www.mppb.mp.br. 26 de janeiro de 2023. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  212. Eddy, Melissa (14 de dezembro de 2018). «Not Male or Female? Germans Can Now Choose 'Diverse'». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  213. Böttcher, Lorenz. «» NJW 2017, 3643 – Third Gender in Civil Status Law (Excerpts) (3. Gender) German Law Archive» (em inglês). Consultado em 8 de junho de 2020 
  214. «PM: Erfolg vor dem Amtsgericht Münster». dritte Option (em alemão). 23 de janeiro de 2020. Consultado em 8 de junho de 2020 
  215. «Ten years of 'X' passports, and no protection from discrimination». 12 de Janeiro de 2013 
  216. NSW Registrar of Births, Deaths and Marriages v Norrie (11), 2 de abril de 2014, consultado em 8 de junho de 2020 
  217. Admin (1 de abril de 2014). «High Court recognises "non-specific" gender identity, implications for intersex people». Intersex Human Rights Australia (em inglês). Consultado em 8 de junho de 2020 
  218. Gesley, Jenny (6 de julho de 2018). «Austria: Court Allows Intersex Individuals to Register Third Gender Other Than Male or Female | Global Legal Monitor». www.loc.gov. Consultado em 8 de junho de 2020 
  219. Rabelo, Rene (16 de maio de 2020). «Precedentes judiciais para o terceiro gênero.». Medium (em inglês). Consultado em 8 de junho de 2020 
  220. Jack Harrison, Jaime Grant e Jody L. Herman. «A Gender Not Listed Here: Genderqueers, Gender Rebels, and OtherWise in the National Transgender Discrimination Survey» (PDF). Arquivado do original (PDF) em 15 de fevereiro de 2015 
  221. Blinken, Antony J. (31 de março de 2022). «X Gender Marker Available on U.S. Passports Starting April 11». United States Department of State (em inglês). Consultado em 5 de julho de 2022 
  222. «Selected Links on Non-Binary Gender in Japan: Xジェンダー». GENDERQUEER AND NON-BINARY IDENTITIES. 28 de março de 2013. Consultado em 13 de março de 2019 
  223. Dale, S. P. F. (1 de maio de 2014). «X-Jendā». TSQ: Transgender Studies Quarterly (1-2): 270–272. ISSN 2328-9252. doi:10.1215/23289252-2400235. Consultado em 4 de setembro de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]