Medronheiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaMedronheiro
Arbutus unedo
Arbutus unedo
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Ericales
Família: Ericaceae
Género: Arbutus
Espécie: A. unedo
Nome binomial
Arbutus unedo
L.
Distribuição geográfica
Mapa de distribuição. Legenda: :     Nativo. :✖ População isolada. :▲ Introduzido e naturalizado (sinantropia).
Mapa de distribuição. Legenda:
     Nativo.
População isolada.
Introduzido e naturalizado (sinantropia).

O medronheiro (Arbutus unedo) é uma árvore frutífera e ornamental da família Ericaceae, também conhecida como meródios, ervedeiro, êrvedo ou êrvodo.[1] É uma planta nativa da região mediterrânica e Europa Ocidental podendo ser encontrada tão a norte como no oeste da França e Irlanda. Sobrevive em zonas de elevado declive onde dificilmente outras culturas sobrevivem.[2] O seu fruto é denominado medronho. Em Portugal, pode ser encontrado por todo o país, mas a maior concentração ocorre nas serras do Caldeirão e Monchique.[3]

Descrição do Medronheiro[editar | editar código-fonte]

O medronheiro tem normalmente um crescimento do tipo arbustivo até uma altura de aproximadamente 5 metros com ramos eretos, que brotam do tronco a partir de 0,50 metros do solo e que são também bastante espaçados entre si. A copa do medronheiro é arredondada com folhas persistentes de formato elíptico que assumem uma coloração verde-escura semelhante à do sobreiro, e também possuem um brilho ceroso na face superior.

As flores desta árvore da cor branca ou levemente rosadas são muito decorativas. Logo, ela é considerada uma planta ornamental. Além disso, o medronheiro produz frutos comestíveis, bastante apreciados sobretudo no sul de Portugal, onde são usados na produção de licores e aguardentes destiladas do tipo licor de medronho. Os frutos são esféricos e carnudos, com sementes, revestidos de numerosas saliências piramidais.[2]

Utilização[editar | editar código-fonte]

Do medronho, para além de poder ser comido em fresco, fazem-se imensos derivados, desde a geleia, a aguardente até aos licores.[4] Das flores é extraído o pólen para o mel de medronheiro.


Mel

Característico das serras do Alentejo e do Algarve, é um mel muito específico devido ao seu sabor amargo, que lembra o café. De cristalização rápida, apresenta cor castanho-escura.

Aguardente de medronho[editar | editar código-fonte]

A Aguardente de medronho é o ex-libris dos destilados do Algarve. Tudo indica que esta aguardente começou a ser produzida de forma artesanal, para fins medicinais, pelos Árabes em Monchique, por volta do século X. Em 1940 existiam em Monchique 55 alambiques e 3 mercadores de licores (Gascon). Em 1905 existiam em Loulé 61 fabricantes de aguardente (Ataíde de Oliveira).

Na Grécia a aguardente é produzida com a designação koumaro, proveniente dos frutos do arbusto designado por koumaria (medronheiro), e está documentada desde o tempo dos Bizantinos (que terminou em 1453). Em Espanha também há experiências de produção de aguardente de medronho e de outros pequenos frutos. Na ilha da Sardenha – Itália - também se produz aguardente de medronho (corbezzolo/corbezzoli) mas o mais tradicional são os licores, compotas e rebuçados de medronho.[2]

Referências

  1. UTAD - Flora Digital de Portugal
  2. a b c Galego, Ludovina (2013). Aguardente de medronho.
  3. QUERCUS
  4. Gazeta Rural n.º 257, 15 de Outubro de 2015, pág. 4.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies