Meios de comunicação social

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde outubro de 2009)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.

Meios de comunicação social são todos os tipos de aparatos analógicos ou digitais utilizados para transmitir textos, imagens e áudios para uma massa heterogênea e indeterminada de pessoas. Os meios mais conhecidos são os livros, jornais, revistas, rádio, cinema, televisão, gravações (discos de vinil, fitas cassete, VHSs, cartuchos, CDs, DVDs, blu-rays, etc.), video games e internet. Estes aparatos existem desde o início da civilização humana, na medida em que sistemas de criação, processamento, transmissão e recepção, fazem parte natural dos sistemas sociais de interação humana. O sistema dos meios de comunicação de massa implica organizações geralmente amplas, complexas, com grande número de profissionais e extensa divisão do trabalho.

O universo dos meios de comunicação implica, segundo Jorge Pedro Souza (2006), a existência de um processo social (em que seres humanos trocam mensagens, através de um canal, dentro de um contexto, com determinados efeitos) e uma atividade social, onde pessoas, imersas em uma determinada cultura, trocam signos e significados. Uma característica básica dos meios de comunicação de massa é o fato de que eles empregam máquinas no processo de mediação da comunicação: aparelhos e dispositivos mecânicos, elétricos e eletrônicos, que possibilitam o registro permanente e a multiplicação das mensagens impressas (jornal, revistas, livro) ou gravadas (disco, rádio) em milhares ou milhões de cópias.

O fator tecnológico dos meios levou o sociólogo canadense Marshall McLuhan a afirmar que os meios tinham impacto maior do que a própria mensagem sobre os indivíduos. Mcluhan é autor da famosa sentença de que "o meio é a mensagem". Descrita em Os Meios de Comunicação como Extensão do Homem, Marshall Mcluhan afirma que os meios determinam, ao longo da história, o modo como os indivíduos e as sociedades sentem, pensam e vivem. São tecnologias tão poderosas que chegam a moldar a natureza da civilização.

O advento da internet e das tecnologias digitais de comunicação, no final do século XX, conduziu pensadores como Guy Debord (1967) e Jean Baudrillard (1970) a proclamarem a emergência da sociedade do espetáculo e da era dos Simulacros e Simulações. Para os pensadores franceses, a era das imagens (digitais, virtuais, protéticas) estava a engolir a realidade e a instituir um regime autocrático de falsificação do real. Nada mais possuía natureza original e autêntica do real. O valor de signo havia empurrado o universo ao buraco negro da própria imagem. No mundo da imagem pura, tudo era apenas espetáculo e simulacro. Leandro Marshall observa em "A Hipercomunicação" (2014) que o pensamento de Baudrillard e de Debord denota o sentimento de o universo sagrado imaginário humano estaria dominado e controlado pela inflação de imagens e objetos da sociedade de consumo. A Era do Espetáculo seria a consagração do império da "Hiper-Realidade", território totalmente engolfado pela tecnologização e pela virtualização.

Evolução histórica[editar | editar código-fonte]

Os primeiros meios de comunicação de massa foram os livros, produzidos artesanalmente desde a antiguidade, mas fabricados, em série, a partir da invenção da prensa, por Gutemberg, na Alemanha, no século XV. O primeiro livro produzido pelo impressor alemão foi a Bíblia de 42 linhas. A prensa permitiu o nascimento dos jornais e das revistas a partir do século XVII. Os dois tipos de meios ganharam sua forma moderna no início do século XX, nos Estados Unidos, e depois na Inglaterra, com a penny press.

Os meios de comunicação social passaram efetivamente a ter impacto social, sobretudo, no século XX, a partir do advento da Televisão e do Rádio. Os meios eletrônicos dominaram plateias no mundo inteiro e tornaram-se instrumento permanente de emoção, encanto, fantasia e informação

O avanço da tecnologia permitiu a reprodução em grande quantidade de materiais informativos a baixo custo. As tecnologias de reprodução física, como a imprensa, a gravação de discos de música e a reprodução de filmes seguiram a reprodução de livros, jornais e filmes a baixo preço para um amplo público. Pela primeira vez, a televisão e a rádio permitiram a reprodução eletrônica de informações.

Os meios eram (pelo menos na origem) baseados na economia de reprodução linear: neste modelo, um obra procura render em modo proporcional ao número de cópias vendidas, enquanto ao crescer o volume de produção, os custos unitários decrescem, aumentando a margem de lucro. Grandes fortunas são devidas à indústria da mídia.

Se, inicialmente, o termo "meios de comunicação de massa" se referia basicamente a jornais, revistas, rádio e televisões, no final do século XX a internet também entrou fortemente no setor. Para alguns, também os telefones celulares já podem ser considerados uma mídia.

Grupos de mídia (média)[editar | editar código-fonte]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Em Portugal[editar | editar código-fonte]

Em outros países[editar | editar código-fonte]

"Centro"e "Periferia"[editar | editar código-fonte]

Os meios de comunicação têm sido agrupados entre os de "centro" e "periferia", distinção que toma como base a atual Divisão Internacional do Trabalho (DIT). A diferenciação aplica-se também para descrever a conformação da mídia dentro dos próprios países, dentre eles o Brasil. Correspondem-se ao "centro" os meios de comunicação localizados em países onde se detecta o modelo "liberal" e "corporativista democrático" apresentados no livro Comparing Media Systems, de Daniel Hallin e Paolo Mancini (o que vale dizer, aqueles na Europa Ocidental, os Estados Unidos, Canadá, Japão e alguns meios do Oriente-Médio, como o caso da Rede Al-Jazira).

Já nos países onde aparece o modelo "pluralista polarizado", também apresentado por aqueles autores, funciona a mídia de periferia (nos países que rodeiam o Mar Mediterrâneo, Portugal, os da África, América Latina e da ex-União Soviética).  Tanto os meios nos contextos do modelo corporativista democrático como do liberal têm como traços distintivos o desenvolvimento de uma imprensa comercial que reivindica ser politicamente neutra, e se estrutura em torno do modelo de jornalismo informativo, um papel mais discreto desempenhado pelo Estado no sistema midiático. Apresentaram o desenvolvimento precoce da imprensa comercial de massa e um grau de profissionalização dos jornalistas, com relativa independência em relação ao Estado. Já a mídia inserida no modelo pluralista polarizado está situada nos países em desenvolvimento ou "periféricos", e apresenta baixo profissionalismo da imprensa, forte dependência da verba pública e do Estado, atuação de agentes políticos na prática jornalística e uma série de articulações de reprodução e relacionamento entre as mídias localizadas nas grandes capitais e as das diferentes regiões de cada país.[1]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Essa mesma lógica de centro/margem tem sido detectada dentro do Brasil, numa divisão interna que diferencia entre "meios nacionais" e "meios do interior", aplicando a divisão entre centro e periferia em escala sub-nacional. A mídia central, das capitais São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, onde se concentram empresas midiáticas de maior aporte tecnológico e financeiro; e as mídias periféricas, composta por grupos midiáticos dos demais estados, descritos como regionais. Estas mídias passaram a ser descritas pela ausência de características atribuídas à mídia de centro tais como profissionalismo, autonomia financeira e editorial.[2]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Essa diferenciação entre centro e periferia é criticada tanto no plano internacional quanto no caso do Brasil, argumentando-se que a divisão apresenta lacunas e se mostra insuficiente para descrever tanto o âmbito nacional, que necessita dos grupos regionais para expandir as redes de radiodifusão, como do ponto de vista do regional, conceito aglutinador de uma multiplicidade de arranjos e estruturas midiáticas. A visão de uma suposta inferioridade do espaço regional foi reforçada por estudos em comunicação produzidos geralmente por autores da região Sudeste do Brasil (Rio de Janeiro e São Paulo), ocasionando assim uma supervalorização das mídias instaladas no eixo Centro-Sul (tratadas como nacionais), e desmerecendo as especificidades de outros meios locais. O trabalho de Albuquerque e Pinto destaca que a mídia brasileira caracterizada como "local" ou  "regional" tem apresentado importantes avanços nos últimos tempos, tais como o investimento em tecnologia e capacitação de recursos humanos, autossuficiência financeira e novas articulações de produção com meios e agências de nível internacional.[2]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e Simulação. Lisboa. Relógio D`Água, 2002.
  • BOUGNOUX, Daniel. Introdução às Ciências da Comunicação. Bauru: Editora da Universidade do Sagrado Coração, 1999.
  • COSTA, Cristina. Ficções, Cultura e Mídias, São Paulo: Senac-SP.
  • DEBORD, Guy. A Sociedade do Espetáculo. Belo Horizonte. Contra-Ponto, 1990.
  • MARSHALL, Leandro. A Hipercomunicação. Belo Horizonte. VirtualBooks. 2014.
  • MARSHALL MCLUHAN, Herbert. Os Meios de Comunicação como Extensões do Homem. São Paulo: Cultrix, 1969.
  • RUBIM, Antônio Albino Canelas (org.). Idade Mídia, Salvador: EDUFBA.
  • SOUZA, Jorge Pedro. Elementos de Teoria e Pesquisa da Comunicação e dos Media. Porto, 2006.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  1. HALLIN, DanielC., & MANCINI, Paolo. Comparing media systems: Three models of media and politics. 2004, Cambridge: Cambridge University Press.
  2. a b ALBUQUERQUE, Afonso; PINTO, Pâmela. O inferno são os outros: mídia, clientelismo e corrupção. Revista FAMECOS (impresso), 2014, volume 21, páginas 541-562.