Melchor Cano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Melchor Cano
Nascimento 6 de janeiro de 1509
Tarancón
Morte 30 de setembro de 1560 (51 anos)
Toledo
Cidadania Espanha
Alma mater
Ocupação frade dominicano, filósofo, professor universitário, padre, professor catedrático
Empregador Universidade de Alcalá (histórica), Universidade de Salamanca
Religião Igreja Católica

Frei Melchior CanoOP, (Setembro de 1509 - 30 de setembro de 1560), teólogo espanhol.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em Tarancón, em Castela, entrou na Ordem dos Pregadores no convento de Salamanca onde em 1546 sucedeu a Francisco de Vitória na cátedra de teologia.

Um profundo e original pensador, orgulhoso e vítima de disputas teológicas. O seu único rival era Bartolomeu de Caranza, também dominicano e posteriormente Arcebispo de Toledo. Nas universidades, os estudantes dividam-se em apoiantes e detractores dos dois professores. Foi um violento atacante da nova Sociedade de Jesus, e foi pelos jesuítas atacado depois de participar no Concílio de Trento em 1545, privilégio que alcançou devido à influência da nova ordem.

Teve grande ascendência sobre o rei Filipe II de Espanha, que o fez eleger Provincial de Espanha. Em 1556 escreveu o seu famosos trabalho Consultatio theologica, no qual aconselha o rei a resistir à influência papal nos negócios políticos, e como monarca absoluto, a defender os seus direitos sobre os rendimentos eclesiásticos, tornando Espanha menos dependente de Roma. Por tal feito, o Papa Paulo IV apelidou-o de «filho da perdição».

A reputação de Cano perdurou com um trabalho póstumo De Locis theologicis (Salamanca, 1562), uma obra clássica do período renascentistas onde tenta libertar a teologia dogmática da escolástica, tentando devolver a religião aos princípios iniciais e fornecendo regras,métodos, e um sistema estruturado de estudo científico teológico.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências