Mellisugini

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Mellisugini
Bee hummingbird (Mellisuga helenae) adult male non-breeding.jpg
Mellisuga helenae em Cuba
Vervain hummingbird (Mellisuga minima).jpg
Mellisuga minima na Jamaica
Classificação científica
Reino:
Filo:
Classe:
Ordem:
Família:
Subfamília:
Tribo:
Mellisugini

Gêneros

16, ver texto

Mellisugini é uma das três tribos que constituem a subfamília Trochilinae, pertencente à família Trochilidae, que inclui os beija-flores. As outras tribos existentes nesta subfamília são Lampornithini (colibris) e Trochilini (asas-de-sabre, esmeraldas).[1]

Esta tribo contém um total de 37 espécies, divididas em 16 gêneros.[2][3]

Filogenia[editar | editar código-fonte]

Um estudo filogenético molecular dos beija-flores publicado em 2007 descobriu que a família era composta por nove clados principais.[4] Quando Edward Dickinson e James Van Remsen, Jr. atualizaram o Howard and Moore Complete Checklist of the Birds of the World para a quarta edição em 2013, eles basearam sua classificação nesses resultados e colocaram três dos nove clados na subfamília Trochilinae. Os clados foram colocados em tribos separadas que receberam o nome de Mellisugini, Lampornithini e Trochilini.[5] A tribo Mellisugini com a atual circunscrição foi introduzida em 2009.[6] A subfamília Mellisuginae foi introduzida pelo naturalista alemão Ludwig Reichenbach em 1854.[7]

Trochilidae

Florisuginae – colibris, topázios

Phaethornithinae – balança-rabos, rabos-brancos

Polytminae – bicos-de-lança, colibris

Lesbiinae

Heliantheini – brilhantes

Lesbiini – topetinhos, rabos-de-espinho

Patagoninae – colibri-gigante

Trochilinae

Trochilini – asas-de-sabre, esmeraldas

Lampornithini – colibris

Mellisugini – besourinhos

O cladograma acima da família dos beija-flores é baseado em estudos filogenéticos moleculares de Jimmy McGuire e colaboradores publicados entre 2007 e 2014. [8][4][6] Os nomes latinos são aqueles propostos por Dickinson e Remsen em 2013.[9]

Mellisugini

Tilmatura

Calliphlox

Thaumastura

Myrmia

Myrtis

Rhodopis

Eulidia

Microstilbon

Chaetocercus

Philodice

Calothorax

Doricha

Archilocus

Nesophlox

Mellisuga

Calypte

Selasphorus

O cladograma exibido acima apresenta as relações entre os gêneros e é baseado em um estudo filogenético molecular de Yuyini Licona-Vera e Juan Francisco Ornelas publicado em 2017.[10] Os resultados estão de acordo com a filogenia de publicada em 2014 por Jimmy McGuire e outros colaboradores.[8]

O gênero Calliphlox foi considerado polifilético. Como parte da classificação revisada para criar gêneros monofiléticos, o estrelinha-das-baamas e o estrelinha-inágua foram movidos para o gênero ressuscitado Nesophlox.[11] Mais tarde, o gênero Philodice foi ressuscitado para acomodar a estrelinha-zumbidora e a besourinho-estrelinha.[12][13]

O gênero Atthis contendo o zumbidor-guatemalteco e o zumbidor-mexicano foi incorporado ao Selasphorus.[8][10] Os gêneros foram, portanto, fundidos e, de acordo com as regras do Código Internacional de Nomenclatura Zoológica como Selasphorus tem prioridade sobre Atthis, as duas espécies foram transferidas para Selasphorus.[11]

Características distintas[editar | editar código-fonte]

Os machos da maioria das espécies desta tribo possuem penas de cauda especializadas que produzem sons durante o ritual de acasalamento. Isso não se restringe a esta tribo, pois os machos do gênero Discosura pertencentes à tribo Lesbiini também podem produzir sons de suas penas da cauda.[14][15]

A maioria dos beija-flores migratórios são encontrados nesta tribo. Exemplos notáveis são o beija-flor-ruivo (Selasphorus rufus) que se reproduz no norte do Canadá e Alasca e hiberna no México, e o beija-flor-de-pescoço-vermelho (Archilochus colubris) que se reproduz no leste dos Estados Unidos e depois atravessa o Golfo do México para invernar no México e na América Central. Existem cinco outros migrantes de longa distância na tribo: o beija-flor-de-cauda-larga (Selasphorus platycercus), o beija-flor-calíope (Selasphorus calliope), o beija-flor-de-allen (Selasphorus sasin), o beija-flor-de-garganta-preta (Archilochus alexandri) e o beija-flor-luminoso (Calothorax lucifer). É provável que o comportamento migratório tenha evoluído várias vezes.[10]

Lista taxonômica[editar | editar código-fonte]

A tribo contém 37 espécies, divididas nos respectivos gêneros.[11]

Image Gênero Espécies restantes
Calliphlox amethystina (male).jpg Calliphlox
Purple-collared Woodstar (Myrtis fanny).jpg Myrtis
Rhodopis vesper.jpg Rhodopis
Short-tailedWoodstar.jpg Myrmia
PeruvianSheartail.jpg Thaumastura
Caliphlox mitchelli (Zumbador pechiblanco) - Macho (14124182616).jpg Philodice
Picaflor de arica.jpg Eulidia
Slender-tailed Woodstar (Microstilbon burmeisteri) (8077616362).jpg Microstilbon
White-bellied Woodstar (Chaetocercus mulsant) 2015-06-16 (3) (26457944788).jpg Chaetocercus
Histoirenaturel04muls 0357.jpg Tilmatura
Doricha eliza b.jpg Doricha
Lucifer Hummingbird (female).jpg Calothorax
Black-chinned Hummingbird. Archilochus alexandri. Male - Flickr - gailhampshire (2).jpg Archilochus
Bee hummingbird (Mellisuga helenae) adult male non-breeding.jpg Mellisuga
Bahama Woodstar - Calliphlox evelynae.jpg Nesophlox
Annas Hummingbird (Calypte anna), male (4205673916).jpg Calypte
Broad-tailed Hummingbird male RWD.jpg Selasphorus

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Bleiweiss, R.; Kirsch, J. A.; Matheus, J. C. (1 de março de 1997). «DNA hybridization evidence for the principal lineages of hummingbirds (Aves:Trochilidae)». Molecular Biology and Evolution. 14 (3): 325–343. ISSN 0737-4038. doi:10.1093/oxfordjournals.molbev.a025767Acessível livremente. Consultado em 9 de maio de 2022 
  2. McGuire, Jimmy A.; Witt, Christopher C.; Remsen, J. V.; Corl, Ammon; Rabosky, Daniel L.; Altshuler, Douglas L.; Dudley, R. (14 de abril de 2014). «Molecular Phylogenetics and the Diversification of Hummingbirds». Current Biology (em English). 24 (8): 910–916. ISSN 0960-9822. PMID 24704078. doi:10.1016/j.cub.2014.03.016Acessível livremente. Consultado em 9 de maio de 2022 
  3. Gill, Frank; Donsker, David; Rasmussen, Pamela, eds. (2020). «Hummingbirds». World Bird List Version 10.2. International Ornithologists' Union. Consultado em 15 de janeiro de 2022 
  4. a b McGuire, J.A.; Witt, C.C.; Altshuler, D.L.; Remsen, J.V. (2007). «Phylogenetic systematics and biogeography of hummingbirds: Bayesian and maximum likelihood analyses of partitioned data and selection of an appropriate partitioning strategy». Systematic Biology. 56 (5): 837–856. PMID 17934998. doi:10.1080/10635150701656360Acessível livremente 
  5. Dickinson & Remsen 2013, p. 133.
  6. a b McGuire, J.A.; Witt, C.C.; Remsen, J.V.; Dudley, R.; Altshuler, D.L. (2009). «A higher-level taxonomy for hummingbirds». Journal of Ornithology. 150 (1): 155–165. doi:10.1007/s10336-008-0330-xAcessível livremente 
  7. Reichenbach, Ludwig (1854). «Aufzählung der Colibris Oder Trochilideen in ihrer wahren natürlichen Verwandtschaft, nebst Schlüssel ihrer Synonymik». Journal für Ornithologie (Supplement) (em German). 1: 1–24 [6] 
  8. a b c McGuire, J.; Witt, C.; Remsen, J.V.; Corl, A.; Rabosky, D.; Altshuler, D.; Dudley, R. (2014). «Molecular phylogenetics and the diversification of hummingbirds». Current Biology. 24 (8): 910–916. PMID 24704078. doi:10.1016/j.cub.2014.03.016Acessível livremente 
  9. Dickinson & Remsen 2013, pp. 105–136.
  10. a b c Licona-Vera, Yuyini; Ornelas, Juan Francisco (2017). «The conquering of North America: dated phylogenetic and biogeographic inference of migratory behavior in bee hummingbirds». BMC Evolutionary Biology. 17 (1). 126 páginas. PMC 5460336Acessível livremente. PMID 28583078. doi:10.1186/s12862-017-0980-5Acessível livremente 
  11. a b c Gill; Donsker, David; Rasmussen, eds. (julho de 2020). «Hummingbirds». IOC World Bird List Version 10.2. International Ornithologists' Union. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  12. Donsker, David B.; Rasmussen, Pamela C.; Mason, Nicholas A. (Setembro de 2020). «Proposal 886: Resurrect Philodice as a separate genus from Calliphlox». South American Classification Committee, American Ornithological Society. Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  13. Donsker, David B.; Rasmussen, Pamela C.; Mason, Nicholas A. (8 de setembro de 2020). Proposal 2021-A-12: Resurrect Philodice as a separate genus from Calliphlox (PDF) (Relatório). North American Classification Committee, American Ornithological Society. pp. 63–66 
  14. Clark, C.J.; Elias, D.O.; Prum, R.O. (2011). «Aeroelastic flutter produces hummingbird feather songs». Science. 333 (6048): 1430–1433. PMID 21903810. doi:10.1126/science.1205222 
  15. Clark, C.J.; McGuire, J.A.; Bonaccorso, E.; Berv, J.S.; Prum, R.O. (2018). «Complex coevolution of wing, tail, and vocal sounds of courting male bee hummingbirds». Evolution. 72 (3): 630–646. PMID 29380351. doi:10.1111/evo.13432Acessível livremente 

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Dickinson, E.C.; Remsen, J.V., Jr., eds. (2013). The Howard & Moore Complete Checklist of the Birds of the World. 1: Non-passerines 4th ed. Eastbourne, UK: Aves Press. ISBN 978-0-9568611-0-8