Membrana externa bacteriana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Cápsula bacteriana.
Estrutura do envelope celular gram-negativo
Lipopolysaccharide-assembly, LptC-related
Indicadores
Símbolo LptC
Pfam PF06835
InterPro IPR010664
Lipopolysaccharide-assembly
Indicadores
Símbolo LptE
Pfam PF04390
InterPro IPR007485
TCDB 1.B.42
Família OPM 412
Proteína OPM 4q35

A membrana externa bacteriana é encontrada em bactérias gram-negativas.[1] Sua composição é distinta da composição da membrana celular citoplásmica interna — ademais doutras coisas, o folheto externo da membrana externa de muitas bactérias gram-negativas inclui um lipopolissacárido complexo cujo cuja porção lipídica age como uma endotoxina — e nalgumas bactérias como E. coli está ligado ao peptidoglicano pela lipoproteína de Braun.

Porinas podem ser encontradas nesta camada.[2]

Importância clínica[editar | editar código-fonte]

Se o lípido A, parte do lipopolissacárido, entra no sistema circulatório, ele causa uma reação tóxica ao ativar o recetor do tipo toll TLR4. O lípido A é muito patogénico e não é imunogénico. No entanto, o componente polissacarídeo é muito imunogénico, mas não patogénico, e causa uma resposta agressiva pelo sistema imunitário. A pessoa a sofrer terá febre e ritmo respiratório altos e pressão sanguínea baixa. Isto pode levar a choque endotóxico, que pode ser fatal. A membrana externa bacteriana é fisiologicamente tida como a membrana delimitadora de vesículas da membrana externa em culturas, assim como nos tecidos animais na interação hóspede–patógeno, implicadas na translocação de sinais bioquímicos microbiano gram-negativos ao hóspede ou às células-alvo.

Referências

  1. «Bactérias» (PDF) 
  2. van der Ley P, Heckels JE, Virji M, Hoogerhout P, Poolman JT (setembro de 1991). «Topology of outer membrane porins in pathogenic Neisseria spp». Infection and Immunity. 59 (9): 2963–71. PMC 258120Acessível livremente. PMID 1652557