Mendo II Gonçalves

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mendo Gonçalves
Conde de Portugal
Antecessor(a) Gonçalo Mendes
Sucessor(a) Nuno Alvites
 
Cônjuge Tutadona
Descendência Ver descendência
Morte entre 1 e 6 de outubro de 1008 (63 anos)
Pai Gonçalo Mendes
Mãe Ilduara Pais


Mendo Gonçalves (em espanhol: Menendo González; morto em 1008) foi "conde (comes), igualmente chamado duque (dux)".[1][2][nota 1][3] Filho do conde Gonçalo Mendes e da condessa Ilduara Pais, sucedeu seu pai no governo do Condado Portucalense.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Aparece pela primeira vez na documentação medieval em 981 confirmando umas doações ao Mosteiro de Lorvão, e a primeira vez com o título de conde em 999.[4] Governou vários territórios, incluindo o bracarense e a região de Maia em Portucale que seu pai, o conde Gonçalo Mendes havia governado anteriormente.[5][6] Presente assiduamente na corte de Bermudo II de Leão, confirma alguns dos principais actos jurídicos do monarca, como a doação do rei a Sabarico, bispo de León, em 991.[5] Mendo Gonçalves teria ainda se responsabilizado pela educação do filho de Bermudo II de Leão, Afonso, o futuro rei Afonso V de 999 até sua morte[7][8] e foi um dos regentes durante a menoridade do infante.[9] Os estados do conde foram atacados em 1002 pelo Abd al-Malik, filho do Almançor mas um ano depois, em 1003, fez a paz entre Leão e do jovem emir.[8]

No parecer de Luiz de Mello Vaz de São Payo, Mendo faleceu num ataque viking à Galiza; para o historiador José Mattoso, citado por Oliveira Marques, Mendo Gonçalves foi assassinado, conjectura-se, por infanções, rivais dos condes ou duques portucalenses, surgidos aos fins do século IX e desprovidos de títulos nobiliárquicos[10][11]

Relações familiares[editar | editar código-fonte]

Ascendência[editar | editar código-fonte]

Foi filho de Gonçalo Mendes,[4][6] conde e dux magnus de Portucale, e de Ilduara Pais, filha de Paio Gonçalves, conde de Deza, e de Ermesinda Guterres de Coimbra, filha do conde Guterre Mendes e de Ilduara Eris.[12]

Matrimónio e descendência [editar | editar código-fonte]

Foi casado com Tutadona Moniz, ou ainda, Tuta ou Toda[2] (morta em 1025), filha de Munio Froilaz de Coimbra[13] e de Elvira Pais Daza. Deste casamento nasceram os seguintes filhos:

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. O título (dux de Galicia, em latim medieval) vem de cartas póstumas. Ele é também por vezes referido como Menendo González II ou II Mendo Gonçalves para distingui-lo de seu avô, Hermenegildo Gonçalves, já que o nome Mendo / Menendo / Menendus é derivado Heremengild / Hermenegildo / Hermenegildus.

Referências

  1. Masdeu 1795, p. 172, Vol. XV.
  2. a b c Oliveira Marques 1983, p. 59, Vol. I.
  3. Oliveira Marques 1983, pp. 55-56.
  4. a b Mattoso 1981, p. 145.
  5. a b Torres Sevilla-Quiñones de León 1999, p. 296.
  6. a b Mello Vaz de São Payo 2002, p. 289.
  7. Mattoso 1981, p. 146.
  8. a b c d e f g Torres Sevilla-Quiñones de León 1999, p. 297.
  9. Oliveira Marques 1983, pp. 58-59, Vol. I.
  10. Oliveira Marques 1983, p. 61.
  11. Durany Castrillo e Rodríguez Gonzalez 2004, p. 196.
  12. Mattoso 1981, p. 127 e 145-147.
  13. Mello Vaz de São Payo 2002, p. 286.
  14. Mattoso 1981, p. 147-148.
  15. Mattoso 1981, p. 148-149.
  16. a b c d Torres Sevilla 1999, p. 297.
  17. a b c Mattoso 1981, p. 148.
  18. a b Mattoso 1981, p. 149.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Durany Castrillo, Mercedes; Rodríguez González, María del Carmen. (2004). "El obispado de Astorga en el primer tercio del siglo XI: de Jimeno a Sampiro" (em espanhol). Semata: Ciencias sociais e humanidades (número dedicado a: As institucións galegas na historia) (15): 187-222. Santiago de Compostela: Universidade de Santiago de Compostela. ISSN 1137-9669.
  • Masdeu, Juan Francisco de (1795). Historia crítica de España y de la cultura Española (em espanhol) XV 3ª ed. (Madrid: Imprenta de Sancha). OCLC 56487436. 
  • Mattoso, José (1981). «As famílias condais portucalenses dos séculos X e XI». A nobreza medieval portuguesa: a família e o poder (Lisboa: Editorial Estampa). pp. 101–157. OCLC 8242615. 
  • Mattoso, José (1982). Ricos-homens, infançoes e cavaleiros: a nobreza portuguesa nos séculos XI e XII (Lisboa: Gimarães & C.a. Editores). OCLC 10350247. 
  • Mello Vaz de São Payo, Luiz (2002). A Herança Genética de D. Afonso Henriques 1ª ed. (Porto: Universidade Moderna). 
  • Oliveira Marques, António Henrique Rodrigo de (1983). História de Portugal. I. Das origens ao renascimento (Lisboa: Palas).  Parâmetro desconhecido |edicião= ignorado (Ajuda)
  • Torres Sevilla-Quiñones de León, Margarita Cecilia (1999). Linajes nobiliarios de León y Castilla: Siglos IX-XIII (em espanhol) (Salamanca: Junta de Castilla y León, Consejería de educación y cultura). ISBN 84-7846-781-5. 
  • Veríssimo Serrão, Joaquim (1979). História de Portugal I 3ª ed. (Lisboa: Verbo). 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Gonçalo Mendes/Ilduara Pais
Conde de Portucale
999 — 1008
Sucedido por
Alvito Nunes
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.