Mendo II Gonçalves

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mendo Gonçalves
Conde de Portugal
Escudo do Brasão de Armas do Condado Portucalense.
Predecessor Gonçalo Mendes
Sucessor Nuno Alvites
Cônjuge Tutadona
Descendência
Ver descendência
Pai Gonçalo Mendes
Mãe Ilduara Pais
Morte entre 1 e 6 de outubro de 1008 (63 anos)

Mendo Gonçalves (em espanhol: Menendo González; morto em 1008) foi "conde (comes), igualmente chamado duque (dux)".[1] [2] [nota 1] [3] Filho do conde Gonçalo Mendes e da condessa Ilduara Pais, sucedeu seu pai no governo do Condado Portucalense.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Aparece pela primeira vez na documentação medieval em 981 confirmando umas doações ao Mosteiro de Lorvão, e a primeira vez com o título de conde em 999.[4] Governou vários territórios, incluindo o bracarense e a região de Maia em Portucale que seu pai, o conde Gonçalo Mendes havia governado anteriormente.[5] [6] Presente assiduamente na corte de Bermudo II de Leão, confirma alguns dos principais actos jurídicos do monarca, como a doação do rei a Sabarico, bispo de León, em 991.[5] Mendo Gonçalves teria ainda se responsabilizado pela educação do filho de Bermudo II de Leão, Afonso, o futuro rei Afonso V de 999 até sua morte[7] [8] e foi um dos regentes durante a menoridade do infante.[9] Os estados do conde foram atacados em 1002 pelo Abd al-Malik, filho do Almançor mas um ano depois, em 1003, fez a paz entre Leão e do jovem emir.[8]

No parecer de Luiz de Mello Vaz de São Payo, Mendo faleceu num ataque viking à Galiza; para o historiador José Mattoso, citado por Oliveira Marques, Mendo Gonçalves foi assassinado, conjectura-se, por infanções, rivais dos condes ou duques portucalenses, surgidos aos fins do século IX e desprovidos de títulos nobiliárquicos[10] [11]

Relações familiares[editar | editar código-fonte]

Ascendência[editar | editar código-fonte]

Foi filho de Gonçalo Mendes,[4] [6] conde e dux magnus de Portucale, e de Ilduara Pais, filha de Paio Gonçalves, conde de Deza, e de Ermesinda Guterres de Coimbra, filha do conde Guterre Mendes e de Ilduara Eris.[12]

Matrimónio e descendência [editar | editar código-fonte]

Foi casado com Tutadona Moniz, ou ainda, Tuta ou Toda[2] (morta em 1025), filha de Munio Froilaz de Coimbra[13] e de Elvira Pais Daza. Deste casamento nasceram os seguintes filhos:

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. O título (dux de Galicia, em latim medieval) vem de cartas póstumas. Ele é também por vezes referido como Menendo González II ou II Mendo Gonçalves para distingui-lo de seu avô, Hermenegildo Gonçalves, já que o nome Mendo / Menendo / Menendus é derivado Heremengild / Hermenegildo / Hermenegildus.

Referências

  1. Masdeu 1795, p. 172, Vol. XV.
  2. a b c Oliveira Marques 1983, p. 59, Vol. I.
  3. Oliveira Marques 1983, pp. 55-56.
  4. a b Mattoso 1981, p. 145.
  5. a b Torres Sevilla-Quiñones de León 1999, p. 296.
  6. a b Mello Vaz de São Payo 2002, p. 289.
  7. Mattoso 1981, p. 146.
  8. a b c d e f g Torres Sevilla-Quiñones de León 1999, p. 297.
  9. Oliveira Marques 1983, pp. 58-59, Vol. I.
  10. Oliveira Marques 1983, p. 61.
  11. Durany Castrillo e Rodríguez Gonzalez 2004, p. 196.
  12. Mattoso 1981, p. 127 e 145-147.
  13. Mello Vaz de São Payo 2002, p. 286.
  14. Mattoso 1981, p. 147-148.
  15. Mattoso 1981, p. 148-149.
  16. a b c d Torres Sevilla 1999, p. 297.
  17. a b c Mattoso 1981, p. 148.
  18. a b Mattoso 1981, p. 149.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Durany Castrillo, Mercedes; Rodríguez González, María del Carmen. (2004). "El obispado de Astorga en el primer tercio del siglo XI: de Jimeno a Sampiro" (em espanhol). Semata: Ciencias sociais e humanidades (número dedicado a: As institucións galegas na historia) (15): 187-222. Santiago de Compostela: Universidade de Santiago de Compostela. ISSN 1137-9669.
  • Masdeu, Juan Francisco de (1795). Historia crítica de España y de la cultura Española (em espanhol) XV 3ª ed. (Madrid: Imprenta de Sancha). OCLC 56487436. 
  • Mattoso, José (1981). «As famílias condais portucalenses dos séculos X e XI». A nobreza medieval portuguesa: a família e o poder (Lisboa: Editorial Estampa). pp. 101–157. OCLC 8242615. 
  • Mattoso, José (1982). Ricos-homens, infançoes e cavaleiros: a nobreza portuguesa nos séculos XI e XII (Lisboa: Gimarães & C.a. Editores). OCLC 10350247. 
  • Mello Vaz de São Payo, Luiz (2002). A Herança Genética de D. Afonso Henriques 1ª ed. (Porto: Universidade Moderna). 
  • Oliveira Marques, António Henrique Rodrigo de (1983). História de Portugal. I. Das origens ao renascimento (Lisboa: Palas).  Parâmetro desconhecido |edicião= ignorado (Ajuda)
  • Torres Sevilla-Quiñones de León, Margarita Cecilia (1999). Linajes nobiliarios de León y Castilla: Siglos IX-XIII (em espanhol) (Salamanca: Junta de Castilla y León, Consejería de educación y cultura). ISBN 84-7846-781-5. 
  • Veríssimo Serrão, Joaquim (1979). História de Portugal I 3ª ed. (Lisboa: Verbo). 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Gonçalo Mendes/Ilduara Pais
Conde de Portucale
999 — 1008
Sucedido por
Alvito Nunes
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.