Mensagem de Arecibo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Mensagem de Arecibo, a cor foi adicionada apenas para separar por partes a mensagem e facilitar a compreensão, haja vista que a transmissão em binário não contém informação de cores.

A mensagem de Arecibo foi um sinal de rádio enviado ao espaço com o objetivo de transmitir a uma possível civilização extraterrestre, informações sobre o planeta Terra e a civilização humana. Foi concebida por Frank Drake com a ajuda de Carl Sagan e membros do National Astronomy and Ionosphere Center, usando o radiotelescópio porto-riquenho de Arecibo em 1974.[1][2][3]

A transmissão foi feita como parte das cerimônias da atualização do radiotelescópio, que ganhara uma nova superfície refletora e um novo transmissor.[2]

O sinal foi enviado as 17:00 h GMT do dia 16 de novembro de 1974 e foi direcionado para o aglomerado globular estelar de Hércules (M13), situado a aproximadamente 25 mil anos luz de distância na constelação de Hércules, contendo da ordem de 300 mil estrelas.[1][2][3][4]

A transmissão durou aproximadamente 3 minutos, foi feita na frequência de 2380 MHZ e com uma potência de 3 TW, sendo, até então, o sinal de rádio mais forte já irradiado da Terra.[1][2]

A mensagem[editar | editar código-fonte]

A mensagem consistia de 1679 caracteres binários ("0"s e "1"s). Esse número é o resultado da multiplicação de dois números primos: 73 e 23, o que, por sua vez, sugeria que poderiam ser dispostos em uma matriz bidimensional com 73 linhas e 23 colunas, formando uma figura.[1][2][4]

Para diferenciar os dois caracteres ("0" e "1") o sinal de rádio de 2380 MHz era chaveado entre duas frequências separadas por 75 Hz (portanto era um sinal modulado em frequência). Além disso, a frequência de transmissão era continuamente ajustada para corrigir o efeito Dopler causado pelos movimentos da Terra.[1][2]

Decodificando a mensagem[editar | editar código-fonte]

De forma resumida, a mensagem continha diversas "seções" com informações sobre a vida e a civilização humana: os números de 1 a 10; os números atômicos do hidrogênio, carbono, nitrogênio, oxigênio e fósforo; fórmulas para os açucares e bases dos nucleotídeos de ADN; o número de nucleotídeos; a dupla hélice de ADN; uma representação pictórica do ser humano com sua altura; a população da Terra; uma representação pictórica do sistema solar e uma representação do telescópio de Arecibo.[1][2][3][4][5]

Números[editar | editar código-fonte]

Part 1 — Os números de 1 a 10
1 2 3 4 5 6 7 8  9  10
----------------------
0 0 0 1 1 1 1 00 00 00
0 1 1 0 0 1 1 00 00 10
1 0 1 0 1 0 1 01 11 01 
X X X X X X X X  X  X  <- marcador da coluna do dígito menos significativo

No topo havia a representação binária do número um até o número dez. Os números oito, nove e dez são apresentados em duas colunas. O objetivo disso é mostrar que números grandes podem ser representados em várias colunas (algo que ocorre em outros pontos ao longo da mensagem).[1][2][3][5]

Elementos do ADN[editar | editar código-fonte]

Part 2 — Os elementos primários para a vida (DNA)
1 6 7 8 15
----------
0 0 0 1 1
0 1 1 0 1
0 1 1 0 1
1 0 1 0 1
X X X X X

A próxima seção contem os valores binários 1, 6, 7, 8 e 15 que indicam os números atómicos dos elementos primários para a constituição da vida na Terra: hidrogénio (H), carbono (C), nitrogénio (N), oxigénio (O) e fósforo (P) respectivamente.[1][2][3][5]

Nucleotídeos[editar | editar código-fonte]

Part 3 — The nucleotides of DNA
Desoxirribose     Adenina     Timina     Desoxirribose
   (C5OH7)        (C5H4N5)    (C5H5N2O2)      (C5OH7)

  Fosfato                                   Fosfato
   (PO4)                                     (PO4)

Desoxirribose     Citosina    Guanina     Desoxirribose
   (C5OH7)        (C4H4N3O)   (C5H4N5O)       (C5OH7)

  Fosfato                                   Fosfato
   (PO4)                                     (PO4)

Entre as linhas 12 e 30 encontram-se 12 grupos com 5 números (em verde). Os números representam a quantidade de átomos de hidrogênio, carbono, nitrogênio, oxigênio e fósforo respectivamente, das moléculas que formam os nucleotídeos do ADN.[1][2][3][5]

Dupla hélice[editar | editar código-fonte]

Part 4 — O DNA dupla hélice
11
11
11
11
11
01
11
11
01                         
11
01
11
10
11
11
01
X
1111 1111 1111 0111 1111 1011 0101 1110 (binário) 
                        = 4,294,441,822 (decimal) 

Abaixo disto, (em azul) havia a representação gráfica da "dupla hélice" do ADN ao lado de uma "barra vertical" branca que indica o número dos nucleotídeos no ADN conhecidos na época (aprox. 4 bilhões).[1][2][3][5]

Humanos[editar | editar código-fonte]

Part 5 — Forma Humana, altura e população
    esquerda:                  direita:
        ^
        |
        |
        |                       X011011
                                 111111
      X0111                      110111
                                 111011
        |                        111111
        |                        110000
        v
                      1110 (binário) = 14 (decimal) - altura
000011 111111 110111 111011 111111 110110 (binário)
                          = 4,292,853,750 (decimal) - população

Diretamente abaixo da dupla hélice do ADN está uma representação do ser humano, com um corpo e dois braços e duas pernas. À direita da figura, está um valor (binário) da população da Terra, aproximadamente 4 bilhões em 1974. No lado esquerdo da forma humanóide existe um número binário correspondente à altura do ser humano (14) dado em unidade de comprimento de onda da frequência transmitida (12,6 cm), significando aproximadamente 1,76 m (14 x 12,6 m).[1][2][3][5]

Planetas[editar | editar código-fonte]

Part 6 — O Sol e os planetas
                  Terra
Sol Mercurio Vênus       Marte Jupiter Saturno Urano Neptuno Plutão

Na próxima seção está a representação simplificada do sistema solar. Ele mostra o Sol e oito planetas, além de Plutão (antes classificado com planeta), numa representação aproximada de tamanhos. Deixando salientado que o terceiro planeta, a Terra, é significativo em relação aos outros.[1][2][3][5]

Radiotelescópio[editar | editar código-fonte]

Part 7 — Rádiotelescópio Arecibo
(em branco):  100101
        <---  111110X  --->
100101 111110 (binário) = 2,430 (decimal)

Na última seção está a representação do radiotelescópio de Arecibo, que é a estrutura curvada, centrada em relação à Terra, representada acima.

Abaixo, nas últimas duas linhas da mensagem, em branco, o úmero binário 100101111110 (2 430 em decimal), que representa o diâmetro da antena de Arecibo, dado em unidade de comprimento de onda da frequência transmitida (12,6 cm): 2 430 x 12,6 cm = 30 618 cm (306,18 m) ou aproximadamente 1 000 pés.[1][2][3][5]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m Carl Sagan (1984). «Capítulo 2: A criação do disco da Voyager». Murmúrios da Terra. O disco interestelar da Voyager. [S.l.]: Francisco Alves. p. 57-56 
  2. a b c d e f g h i j k l m n The Staff at the National Astronomy and Ionosphere Center (1975). «The Arecibo Message of November, 1974». Elsevier. Icarus (em inglês). 26 (4): 462-466. doi:10.1016/0019-1035(75)90116-5. Consultado em 14 de janeiro de 2022 
  3. a b c d e f g h i j «The Arecibo Message» (em inglês). Arecibo Observatory. Consultado em 15 de janeiro de 2022 
  4. a b c Sagan, Carl (1982). «Cap. 12 - Encyclopaedia Galactica». Cosmos. Rio de Janeiro: Francisco Alves Editora S.A. p. 290 
  5. a b c d e f g h Carl Sagan, Frank Drake (maio de 1975). «The Search for Extraterrestrial Intelligence». Springer Nature. Scientific American (em inglês). 232 (5): 80-89. Consultado em 14 de janeiro de 2022 

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Mensagem de Arecibo

Ligações externas[editar | editar código-fonte]