Mercado Livre (empresa)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para o conceito econômico, veja Mercado livre.
MercadoLibre
Logotipo usado somente na lusofonia.
Razão social
  • MercadoLibre, Inc. (somente na Argentina)
  • Ebazar.com.br LTDA. (somente no Brasil)
Nome nativo
Empresa de capital aberto
Slogan Juntos. De mãos dadas, ou não.
Cotação NASDAQ: MELI
Atividade Comércio eletrônico
Fundação 2 de agosto de 1999 (22 anos) [1]
Fundador(es)
  • Marcos Galperín
  • Josué Sales
Sede Buenos Aires, Argentina
Área(s) servida(s)
Empregados 15 500 (2020)[2]
Produtos Mercado on-line e sistema de pagamento de comércio eletrônico
Subsidiárias
  • MercadoPago
  • Mercado Shops
  • Mercado Crédito
  • Mercado Envios
Receita Aumento US$ 136,4 milhões (2016)[2]
Faturamento Aumento US$ 844,4 milhões (2016)[3]
Posição no Alexa 2 024 ()
Website oficial

MercadoLibre (no Brasil: Mercado Livre; NASDAQ: MELI) é uma empresa argentina de tecnologia que oferece soluções de comércio eletrônico para que pessoas e empresas possam comprar, vender, pagar, anunciar e enviar produtos por meio da internet. Opera em 19 países, tem cerca de 4 mil funcionários e é o site de e-commerce mais popular da América Latina em número de visitantes.[4] A empresa mantém operações na Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Guatemala, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Uruguai e Venezuela.[5] Até 2016, o MercadoLivre contava com 174,2 milhões de usuários na América Latina.[3]

História[editar | editar código-fonte]

Em março de 1999, Marcos Galperin, co-fundador e CEO, enquanto terminava seu MBA na escola de negócios da Universidade Stanford, escreveu o plano de negócios do MercadoLivre e começou a formar uma equipe de profissionais para colocá-lo em execução.[6]

As operações do MercadoLivre na Argentina foram iniciadas em agosto de 1999, chegando aos outros países da América Latina posteriormente.[7] A versão brasileira do site surgiria ainda em 1999, com Stelleo Tolda na presidência do Mercado Livre no Brasil.[8]

O MercadoLivre recebeu dois aportes de investimentos além do capital inicial no começo da empresa. A primeira rodada, realizada em novembro de 1999, obteve US$ 7,6 milhões de investimentos que incluíram J.P. Morgan Partners BHCA L.P., Flatiron Fund entities e Hicks, Muse, Tate & Furst.[6][9] A segunda rodada aconteceu em maio de 2000 e obteve US$ 46,7 milhões, entre outros, de Goldman Sachs entities (GS Capital Partners III, L.P., GS Capital Partners III Offshore, L.P. and Goldman Sachs & Co. Verwaltungs GmbH), Capital Riesgo Internet SCR S.A. (CRI Banco Santander Central Hispano), GE Capital Equity Investments, Inc., J.P. Morgan Partners BHCA L.P. y Hicks, Muse, Tate & Furst.[10]

Em setembro de 2001, firmou-se uma aliança exclusiva de cinco anos com o eBay para toda a América Latina. O eBay, a maior empresa de compras e vendas pela internet do mundo e pioneira neste negócio, se converteu em um dos principais acionistas, iniciando um trabalho em conjunto com o MercadoLivre.[7]

Em novembro de 2002, o MercadoLivre adquiriu alguns ativos estratégicos do Lokau.com, uma plataforma brasileira de negócios concorrente, incorporando todos os usuários cadastrados deste site em sua plataforma.[11] Em novembro de 2005, foi a vez de adquirir algumas operações de um competidor regional, DeRemate.com Inc. (Arremate, no Brasil), incluindo todas as suas operações no Brasil, Colômbia, Equador, México, Peru, Uruguai e Venezuela. Em agosto de 2007, realizou a sua oferta pública inicial de ações na Nasdaq.[12][13] No dia 22 de fevereiro de 2008, o MercadoLivre adquiriu 100% da CMG (Classified Media Group, Inc.), além de suas subsidiárias, que operavam como uma plataforma de classificados online dedicada principalmente à venda de automóveis por meio do site www.tucarro.com na Venezuela, Colômbia e Porto Rico; e de imóveis, na Venezuela, Colômbia, Panamá, Estados Unidos, Costa Rica e Ilhas Canárias.[14]

Em 2003, criou a Mercado Pago, que seria o método de pagamentos entre vendedor e comprador na plataforma.[15]

Em 15 de janeiro de 2013 a empresa anunciou o MercadoLivre Envios — serviço de logística da empresa.[16] Nos anos seguintes, focou na compra de startups do ramo logístico, como a Axado, em 2016,[17] e a Kangu, em 2020.[18] Também em 2020, anunciou que teria sua própria frota de aviões, a Meli Air.[19][20]

No dia 17 de março de 2020, em decorrência da pandemia de Coronavírus (COVID-19), a plataforma alterou sua logomarca de mãos dadas por toque de cotovelo. O site da marca agora estampa dois braços se cumprimentando com um toque de cotovelos, gesto que remete à restrição de contato recomendada por especialistas para conter a disseminação do vírus. A empresa escreve uma mensagem acima da nova logomarca. “Juntos. De mão dadas ou não”, afirma a companhia de e-commerce, com recomendações sobre como fazer compras sem sair de casa. [21]

Críticas e controvérsias[editar | editar código-fonte]

Pirataria[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2011, o Fantástico exibiu em seu programa dominical uma reportagem de Guilherme Portanova e Diego Morais de dois meses de investigação, em que sites de leilões vendiam peças e até maquinas caça-níqueis. Um destes sites de venda pela internet era o Mercado Livre.[22]

Ações judiciais[editar | editar código-fonte]

Em uma simples consulta de processos de 1º Grau no Foro Central Juizados Especiais Cíveis, constam 278 processos contra o Mercado Livre. Muitos destes processos são de: obrigação de fazer/não fazer, perdas e danos, Indenização por Dano Moral, Rescisão de contrato e devolução do dinheiro, dentre outros.[23] Atualmente, segundo o site JUSBRASIL, o MercadoLivre já possui mais de 9.000 processos em andamento na justiça, pelos mais variados motivos. [24]

Em dezembro de 2010, o juiz Swarai Cervone Oliveira, da 36ª Vara Cível da capital, deferiu uma liminar em ação civil pública obrigando o site MercadoLivre.com.br a providenciar, no prazo máximo de 60 dias contados a partir da intimação da empresa, a inclusão em sua página inicial de dados que permitam o contato direto dos consumidores com a empresa e a emissão de comprovante de atendimento com número de protocolo. Segundo também o juiz, a liminar fixa multa de R$ 100 mil por dia em caso de descumprimento de qualquer uma das exigências.[25]

A Justiça tem entendido que quando a empresa cobra do vendedor uma comissão pelo anúncio e intermedeia com regras as negociações, ela é responsável também pelos negócios realizados.[26]

Mercado Pago[editar | editar código-fonte]

A mercado Pago é o serviço responsável pela parte de pagamentos do Mercado Livre, além de permitir que outros sites e serviços o utilize como gateway de pagamentos. O serviço permite ao usuário fazer recargas de celular, enviar dinheiro para a plataforma através de pagamento de boletos, fazer retirada do saldo para conta bancária, e já tem planos para atuar como banco digital a partir do ano de 2019. Operações, como o rendimento do saldo acima do rendimento da poupança, já estão em funcionamento e outras, como o envio de TED e DOC, abertura de conta salário e a oferta de cartão de crédito, estão previstas para o ano de 2019.[27]

Venda presencial[editar | editar código-fonte]

O Mercado Pago oferece também o serviço de máquinas de cartão a pessoas físicas e jurídicas. Ao concluir uma venda, o saldo fica disponível na conta do Mercado Pago e o usuário, a partir deste momento, pode transferir seu saldo para sua conta bancária. O Mercado Pago possui 3 planos de recebimento disponíveis aos seus usuários: na hora, 14 dias ou 30 dias, todos trabalhando o saldo de forma antecipada. O Mercado Pago trabalha atualmente com dois modelos de máquinas:

  • Mercado Point Mini: utiliza o modelo PAX D150 e necessita de celular Android ou IOS com internet disponível para transacionar suas operações. Possui bateria com até 04 horas, visor monocromático, e não imprime o comprovante de venda, dando a opção para o usuário enviá-lo, sem custos, por SMS ou e-mail. Conta com garantia de 03 anos.[28]
  • Mercado Point I: utiliza o modelo PAX D200 e ao contrário do Point Mini, não necessita de celular. Oferece opção de conexão via GPRS e Wifi, bateria de até 06 horas, visor colorido e opção do envio do comprovante, sem custos, por SMS. Similar ao Point Mini, possui garantia de 03 anos.[29]
  • Point Mini Chip: utiliza o modelo PAX D175 e não precisa de celular. Acompanha chip com plano de dados e também conta com wifi. A bateria tem duração de até 10 horas.[30]
  • Point Pro 2: utiliza o modelo Gertec MP35P e é uma das maquininhas mais completas do mercado pago, conta com bateria de longa duração e faz impressão do comprovante. [31]
  • Point Smart: utiliza o modelo Pax A910, ela é muito parecida com um smartphone e conta com sistema operacional Android, bateria que dura o dia inteiro, conexão 4g e wifi.[32]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • Prêmio iBest 2020 - Top 3 pelo Júri Oficial na categoria E-commerce de Esportes[33]
  • Prêmio iBest 2020 - Top 3 pelo Júri Popular na categoria E-commerce de Moda[33]
  • Prêmio iBest 2020 - Top 3 pelo Júri Popular e Oficial na categoria Economia Colaborativa[33]
  • Prêmio iBest 2020 - Top 3 pelo Júri Popular e Oficial na categoria Eletrônicos e Eletrodomésticos[33]
  • Prêmio iBest 2020 - Top 3 pelo Júri Popular e Oficial na categoria Informática e Telefonia[33]
  • Prêmio iBest 2020 - Top 3 pelo Júri Popular e Vencedor pelo Júri Oficial na categoria Marketplaces[33]
  • Prêmio iBest 2020 - Top 3 pelo Júri Oficial e Vencedor pelo Júri Popular na categoria Mobiliário e Utensílios[33]
  • Prêmio iBest 2020 - Top 3 pelo Júri Popular na categoria Supermercados[33]
  • Prêmio iBest 2020 - Top 3 pelo Júri Popular e Oficial na categoria SuperApps com o Mercado Pago[33]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «MercadoLibre.com WHOIS, DNS, & Domain Info - DomainTools». WHOIS. Consultado em 16 de agosto de 2016 
  2. a b http://investor.mercadolibre.com/static-files/705a2a4d-9f19-43ee-be47-947aefde08bc
  3. a b «The Free Market portal sold 181.2 million products in 2016». La Republica. 6 de março de 2017 
  4. «Most popular online retailers in Latin America». Statista. Consultado em 28 de abril de 2016 
  5. «Mercado Libre will celebrate its17th birthday with discounts of up to 70%». La Republica. 9 de setembro de 2016. Consultado em 4 de setembro de 2017 
  6. a b «Saving For A Rainy Day». Institutional Investor (em inglês). 31 de maio de 2006. Consultado em 16 de abril de 2021 
  7. a b Felitti, Guilherme. «O Mercado Livre se veste de Amazon para combater a própria Amazon». manualdousuario.net. Consultado em 16 de abril de 2021 
  8. «Assuma riscos, diz criador do Mercado Livre». Jornal de Negócios do SEBRAE-SP. Pequenas Empresas & Grandes Negócios. 6 de julho de 2016. Consultado em 15 de abril de 2021 
  9. «Series A - MercadoLibre - 1999-11-01». Crunchbase.com (em inglês). Crunchbase. Consultado em 16 de abril de 2021 
  10. «Series B - MercadoLibre - 2000-05-11». Crunchbase.com (em inglês). Crunchbase. Consultado em 16 de abril de 2021 
  11. «Mercado Livre compra Arremate.com». Exame. 9 de outubro de 2008. Consultado em 16 de abril de 2021. Em 2001, foi comprado o iBazar e, no ano seguinte, o site Lokau. 
  12. «G1 > Economia e Negócios - NOTÍCIAS - Mercado Livre abre capital na Nasdaq». g1.globo.com. Consultado em 16 de abril de 2021 
  13. Fuoco, Tais (10 de agosto de 2007). «IPO do MercadoLivre na Nasdaq pode levantar até US$ 300 milhões». Computerworld. Consultado em 16 de abril de 2021 
  14. «G1 > Economia e Negócios - NOTÍCIAS - Mercadolibre fecha compra de US$ 19 milhões da panamenha CMG». g1.globo.com. Consultado em 16 de abril de 2021 
  15. «A história do Mercado Livre». Destino Negócio. 17 de maio de 2015. Consultado em 16 de abril de 2021 
  16. Pereira, Vivian; Esteban, Israel (15 de janeiro de 2013). «MercadoLivre e Correios firmam parceria na área de logística». Reuters. Estadão. Consultado em 16 de janeiro de 2013 
  17. «Mercado Livre compra start-up de logística por R$ 26 milhões». Folha de S. Paulo. 7 de junho de 2016. Consultado em 15 de abril de 2021 
  18. «Mercado Livre compra fatia da Kangu e aquece a disputa na última milha do e-commerce». NeoFeed. 1 de setembro de 2020. Consultado em 16 de abril de 2021 
  19. Marinho, Julia (6 de novembro de 2020). «Mercado Livre agora tem sua própria frota de aviões cargueiros». www.tecmundo.com.br. Consultado em 16 de abril de 2021 
  20. Marques, Gilvan (3 de novembro de 2020). «Mercado Livre terá frota própria de aviões para agilizar entregas no Brasil». economia.uol.com.br. Consultado em 16 de abril de 2021 
  21. «Mercado Livre troca sua logomarca para toques de cotovelos». 17 de março de 2020 
  22. «Máquinas caça-níqueis são vendidas facilmente pela internet». Fantástico. 15 de maio de 2011. Consultado em 4 de setembro de 2017 
  23. Consulta de Processos do 1ºGrau Mercado Livre[ligação inativa]
  24. https://www.jusbrasil.com.br/topicos/2829479/mercado-livre
  25. «Mercado Livre é obrigado a implantar serviço de atendimento ao consumidor». Diário de um Juiz. 17 de dezembro de 2010. Consultado em 4 de setembro de 2017. Arquivado do original em 18 de fevereiro de 2011 
  26. «Jurisprudência sobre Mercado Livre | Jusbrasil». Jusbrasil. Consultado em 3 de julho de 2017 
  27. «Mercado Pago ganha rendimento automático e terá cartão de crédito em 2019». Olhar Digital. 7 de dezembro de 2018. Consultado em 2 de janeiro de 2019 
  28. «Análise Completa da Máquina Mercado Point Mini» 
  29. «Análise Completa da Máquina Mercado Point I» 
  30. «Maquininha Point Mini Chip vale a pena ?». David Tech. 6 de maio de 2020. Consultado em 18 de abril de 2021 
  31. «Point Pro 2 - Nova Máquina de Cartão do Mercado Pago». David Tech. 25 de fevereiro de 2021. Consultado em 18 de abril de 2021 
  32. «Point Smart - Máquina de Cartão do Mercado Pago». David Tech. 26 de julho de 2020. Consultado em 18 de abril de 2021 
  33. a b c d e f g h i www.premioibest.com

Ligações externas[editar | editar código-fonte]