Mericaré

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde agosto de 2010). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.

Mericaré (em egípcio: Merykare) foi o último faraó da X dinastia egípcia, ou da IX dinastia egípcia, um período obscuro, do qual pouco se sabe, onde os nomes dos faraós se confundem. O período que compreende as dinastias VII, VIII, IX e X ficou conhecido como Primeiro Período Intermediário, momento de distúrbios no Egito Antigo, com relatos de fomes, invasões, usurpações do trono, decentralização do poder e guerras civis. Seu nome quer dizer "Bem-amada a alma de ".

O poder no Egito nesta época foi dividido e havia linhagens reais governando o Egito simultaneamente, ao Norte e ao Sul. A linhagem tebana permanecia governando o Sul (Alto Egito e a Núbia), enquanto os nomarcas de Heracleópolis, em egípcio Henen-nesut, governavam o Norte (Faium e o Baixo Egito). É bastante provável que Mericaré viesse desta última linhagem de governantes.

Seu nome aparece na tumba de um nomarca - governador de um nomo - chamado Queti-a, onde fica claro que Mericaré lutou contra a linhagem tebana e acabou por reunificar o Egito no Médio Império (2008–1630 a.C.). Mericaré deve ter sido muito importante em seu tempo. Ele possivelmente construiu uma pirâmide em Sacará, o mais importante campo de pirâmides do Velho Império, seguindo a tradição de reis posteriores, mas não se tem certeza.

Um texto conhecido no Novo Império como Ensinamentos ao Rei Mericaré, copiado de textos posteriores, alega ser de autoria do pai de Mericaré, que teria sido seu antecessor Akhtoy Nebkaure. Quem assina o texto é um tal de Queti, que presume-se ser um prenome de Akhtoy Nebkaure. Se for mesmo um texto da X dinastia egípcia, é então o texto real mais antigo da história do Egito. No texto, o pai de Mericaré lhe dá conselhos, fala sobre seus próprios erros como rei, como ser um bom soberano, como evitar o mal, como construir bons monumentos e como estruturar os exércitos. Talvez estes conselhos sejam o motivo de o texto ter sido tão estudado durante o Novo Império. Por suas atitudes, os reis tebanos do Médio e do Novo Império, devem ter considerado Mericaré e seu pai uma ameaça, visto a desestrutura do período.
Um texto de Mericaré:

"Para ter força, sê um artesão das palavras. A força de um ser é sua língua, e as palavras são mais eficazes que qualquer forma de luta".

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Wolfgang Kosack: Berliner Hefte zur ägyptischen Literatur 1 - 12: Teil I. 1 - 6/ Teil II. 7 - 12 (2 Bände). Paralleltexte in Hieroglyphen mit Einführungen und Übersetzung. Heft 8: Die Lehre für König Merikarê. Verlag Christoph Brunner, Basel 2015. ISBN 978-3-906206-11-0.
Precedido por
Akhtoy Nebkaure
Faraó
X dinastia
Sucedido por
Mentuotepe I
Ícone de esboço Este artigo sobre um Faraó é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.