Mesorregião Metropolitana do Recife

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mesorregião Metropolitana do Recife
Achtung.svg Divisão extinta em 2017
Com a revisão da divisão regional do Brasil pelo IBGE em 2017, as mesorregiões e microrregiões foram substituídas por regiões geográficas intermediárias e imediatas, respectivamente.[1][2]

Fonte:

Características geográficas
Unidade federativa  Pernambuco
Mesorregiões limítrofes Mata Pernambucana
Área 3.995,9 km²
População 4.046.845 hab. IBGE/2013[1]
Densidade 1.383,64 hab/km²
Indicadores
PIB R$ 75 933 066 mil IBGE/2012[2]
PIB per capita R$ 31 469 46 IBGE/2012[3]

A mesorregião Metropolitana do Recife é uma das cinco mesorregiões do estado brasileiro de Pernambuco. É formada por quatro microrregiões, que totalizam quinze municípios, incluindo Vila dos Remédios (pertencente ao arquipélago de Fernando de Noronha).

A MMR é caracterizada também por incluir a Região Metropolitana do Recife conhecida pela sigla (RMR), que possui 15 municípios, não fazendo parte Vila dos Remédios. A origem institucional da mesorregião Metropolitana do Recife data dos nos anos 70 (1973), embora a identificação do fenômeno metropolitano remonte a meados do século XX, quando o urbanista pernambucano Antônio Baltar (1951) caracteriza o Recife – município sede e núcleo da região - como cidade transmunicipal / cidade conurbada / cidade metropolitana. Desde então, a vida urbana do Recife se integra a dos municípios vizinhos, que, em relação a ele, conformam o aglomerado metropolitano de mais alto nível de integração - Jaboatão dos Guararapes, Olinda e Paulista.

Inicialmente composta por 9 municípios, a MMR ampliou esse número ao longo de três décadas, seja por expansão de seu perímetro, seja por desagregação de municípios no seu interior, integrando, atualmente, 15 cidades – Jaboatão dos Guararapes, Olinda, Paulista, Igarassu, Abreu e Lima, Camaragibe, Cabo de Santo Agostinho, Goiana, São Lourenço da Mata, Araçoiaba, Ilha de Itamaracá, Ipojuca, Moreno, Itapissuma e Recife – e um distrito estadual – o Arquipélago de Fernando de Noronha.[4]

História[editar | editar código-fonte]

A importância dessa mesorregião está ligada desde os tempos coloniais, á atividade açucareira. Para isso também contribuiram o solo fértil, os rios e o clima quente e úmido Antigamente, e durante muito tempo, o açucar produzido nas terras dessa mesorregião era exportado para a Europa, através do porto do Recife, que até Hoje é um importante porto brasileiro.

Municípios[editar | editar código-fonte]

Município População
(2017)[5]
IDH
(2010)[6]
PIB
(2014) R$ mil[7]
PIB per capita
(2014) R$
Abreu e Lima 99 364 0,679
médio
1 332 105 13 565,09
Araçoiaba 20 268 0,592
baixo
114 306 5 838,21
Cabo de Santo Agostinho 204 653 0,686
médio
8 462 097 42 655,36
Camaragibe 156 361 0,692
médio
1 322 942 8 655,73
Fernando de Noronha 3 016 0,788
alto
94 465 32 754,76
Goiana 79 249 0,651
médio
2 223 372 28 400,27
Igarassu 115 398 0,665
médio
2 327 886 20 987,64
Ilha de Itamaracá 25 789 0,653
médio
213 664 8 752,04
Ipojuca 94 533 0,619
médio
7 245 824 80 814,45
Itapissuma 26 338 0,633
médio
1 273 981 49 932,63
Jaboatão dos Guararapes 695 956 0,717
alto
13 217 350 19 410,36
Moreno 62 119 0,652
médio
560 996 9 282,63
Olinda 390 771 0,735
alto
5 327 121 13 700,70
Paulista 328 353 0,732
alto
4 083 576 12 770,39
Recife 1 633 697 0,772
alto
50 688 395 31 513,07
São Lourenço da Mata 112 099 0,653
médio
906 726 8 295,91
RMR 4 047 964 0,735 99 394 806 25 045,53

Economia[editar | editar código-fonte]

O PIB 2009 da mesorregião foi de, aproximadamente, R$ 50.560.643.000,00 com uma per capita de R$ 13.707,92. A intensa atividade comercial praticada nessa mesorregião incentivou o surgimento de industrias: Alimentares, têxteis, quimicas, material elétrico, cimento, metalurgicas, comunicação, borracha sintética, concentrada principalmente nos distritos industriais do Recife, Cabo, Jaboatão e Paulista. O Complexo Industrial e Portuário de Suape, instalado nos municipios de Cabo e Ipojuca, a 40 km do Recife, conta com industrias petroquimicas, de fertilizantes, de material eletro eletrônico. Atualmente, o emprego de modernas técnicas de cultivo da cana-de-açucar resultou num aumento da produção açucareira, parte absorvida pelo mercado nacional e o restante exportado a Europa, Estados Unidos e países Asiáticos. O PIB da mesorregião corresponde a 65% do estadual.

Complexo Industrial e Portuário de Suape[editar | editar código-fonte]

A construção do Porto de Suape foi prevista para operar produtos combustíveis e cereais a granel, substituindo o Porto do Recife. Em 7 de novembro de 1978, uma lei estadual criou a empresa Suape Complexo Industrial Portuário para administrar o desenvolvimento das obras. Hoje o porto é um dos maiores do Brasil, administrado pelo governo de Pernambuco. Suape opera navios nos 365 dias do ano, sem restrições de horário de marés. Para auxiliar as operações de acostagem dos navios, o Porto dispõe de um sistema de monitoração de atracação de navios a laser, que possibilita um controle efetivo e seguro, oferecendo ao prático condições técnicas nos padrões dos portos mais importantes do mundo.

O Complexo Industrial e Portuário de Suape foi escolhido para a implantação dos seguintes empreendimentos como: A Refinaria Abreu e Lima, Estaleiro Atlântico Sul, Gerdau, Shineray, Amanco, Pamesa, Pepsico, Hemobrás, Novartis, Bunge, Coca-Cola, Unilever, CSN, Mossi & Ghisolfi, e a General Motors.

Suape tem o poder de duplicar a renda de Pernambuco até 2020 e triplicar o PIB até 2030.[8]

Porto Digital[editar | editar código-fonte]

O Porto Digital é um pólo de softwares localizado na cidade do Recife, criado em julho de 2000. É reconhecido como o maior parque tecnológico do Brasil em faturamento e número de empresas, totalizando 173 empresas em 2010, entre elas multinacionais como Motorola, Borland, Oracle, Sun, Nokia, Ogilvy, IBM e Microsoft.[9] Emprega cerca de seis mil pessoas, e tem 3,9% de participação no PIB do estado.[10]

Mobilidade urbana[editar | editar código-fonte]

A atração exercida por essa metrópole é tão grande que, pelo Censo Demografico de 2010, ela apresentou uma População de 3.668.428 habitantes. Os maiores municipios são O Recife (1.536.934), Jaboatão dos Guararapes (644.699), Olinda (375.559) e Paulista (300.611). A densidade demografica e uma das mais altas do Pais sendo ela de 1.332 hab./km². A Grande Recife é a maior metropole do Nordeste e 5ª maior do Brasil. Estudos feitos pela ONU estima que em 2015 a população da RMR será de 4,070 milhões).[11]

Aeroporto Internacional[editar | editar código-fonte]

Nessa mesorregião esta localizado importantes portos, e areoportos do estado e do país. O principal aeroporto é o do Internacional do Guararapes, Moderno e bem equipado, recebe aviões de compahias aéreas nacionais e internacionais. O Aeroporto Internacional dos Guararapes - Gilberto Freyre é o maior complexo aeroportuário do Nordeste em capacidade anual de passageiros , sendo o segundo terminal mais movimentado da região. Possui o maior e mais moderno sítio aeroportuário do Nordeste, conforme dados da Infraero. O terminal de passageiros atual conta com uma área de 12.000 m². Futuramente, será anexada uma área adicional de 24.000 m², proveniente do antigo terminal, o que elevará a capacidade do complexo aeroportuário para 11,2 milhões de passageiros por ano. Além disso, conta com um pátio com 26 posições para aeronaves e 11 pontes de embarque, 64 balcões de check-in e 2.120 vagas de estacionamento. Está localizado no bairro do Ibura, no Recife, capital de Pernambuco, a 11 km do centro.

Portos[editar | editar código-fonte]

O porto do Recife, com seu terminal açucareiro, é um dos mais movimentados do Brasil, sendo o principal escoadouro de açucar do Nordeste. Devido a sua excelente posição geográfica, serve de escala aos navios que ligam o Brasil aos países europeus, aos Estados Unidos e ao resto do Mundo. O porto do Suape localiza-se a 40 km ao sul do Recife. Sua Posição Geográfica privilegiada faz dele ponto de convergência das principais rotas comerciais que interligam a costa brasileira ao Hemisfério Norte. Começou a operar em 1984, movimentando basicamente derivados do Petroleo e álcool. Como é dotado de grande calado (grande profundidade), Suape será também um porto concentrador de cargas de todo o litoral da América do Sul. O complexo Industrial e Portuário de Suape abrange uma área de 13.500 hectares e possui várias zonas: portuária, administrativa, industrial, agricola, residencial, de preservação ecologica e cultural. A mesorregião esta recebendo atualmente o Estaleiro Atlântico Sul uma das maiores obras de portos do Brasil.

Metrô[editar | editar código-fonte]

Há tambem o Metrô do Recife é operado pela CBTU/Metrorec e é composto atualmente de vinte e oito estações, com linhas que somam 39,5 quilômetros de extensão, transportando cerca de 225 mil usuários por dia, sendo 205 mil na Linha Centro e 20 mil na Linha Sul.

Os trens da Linha Centro, que partem da Estação Recife, possuem dois destinos distintos: a estação de Camaragibe e a de Jaboatão. Isso acontece devido ao fato de as linhas Centro - 1(Camaragibe) e Centro - 2(Jaboatão) compartilharem a mesma via e estações no trecho entre as estações Recife e Coqueiral, graças ao traçado da antiga ferrovia onde o metrô foi construído.

Nas Linhas da Metrorec a distância média entre as estações é de 1,2 km, com os trens seguindo a uma velocidade média de 40 km/h, podendo chegar a 80 km/h. A bitola é 1600 mm e a alimentação dos trens é feita por catenárias aéreas. Na Linha Trem Sul a distância média entre as estações é de 4 km, a velocidade comercial dos trens é de 31,5 km/h, a bitola é métrica e os trens utilizados possuem tração a diesel.

Microrregiões[editar | editar código-fonte]

Fernando de Noronha[editar | editar código-fonte]

Itamaracá[editar | editar código-fonte]

Recife[editar | editar código-fonte]

Suape[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Estimativa Populacional 2013». Censo Populacional 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Outubro de 2013. Consultado em 27 de outubro de 2013 
  2. «Produto Interno Bruto dos municípios - 2012 » PIB a preços correntes » Comparação entre os municípios: Pernambuco». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 16 dez. 2014 
  3. «Produto Interno Bruto dos municípios - 2012 » PIB per capita a preços correntes » Comparação entre os municípios: Pernambuco». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 16 dez. 2014 
  4. «Comissão de Finanças dá aval à inclusão de Goiana na RMR». Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco. Consultado em 13 de dezembro de 2017 
  5. IBGE, estimativa para 2017
  6. «Consulte o IDHM do seu município». Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2013. Consultado em 15 de setembro de 2014 
  7. «Contas Regionais do Brasil 2014». IBGE. Consultado em 13 de dezembro de 2017 
  8. [1]
  9. «Porto Digital» 
  10. «Folha economica» 
  11. ONU, 2005 Revision of World Urbanization Prospects. Perspectiva Mundial de Urbanização, dados de 2005 - Tabela 12.

Vários dados e textos foram retirados do livor Geografia de Pernambuco (Célia Siebert), e de outras paginas.