Metal progressivo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Metal Progressivo
Origens estilísticas Heavy Metal
Hard Rock
Rock Progressivo
Contexto cultural Fim da década de 80 e começo da década de 1990 nos EUA e no Reino Unido
Instrumentos típicos Bateria, Baixo, Guitarra, Teclado, Vocal
Subgêneros
Djent
Gêneros de fusão
Metal Neoclássico - Death Metal Progressivo - Metal Sinfônico - Math Metal
Outros tópicos
Lista de bandas de metal progressivo

Metal Progressivo, também conhecido como Prog Metal, é uma versão pesada do Rock Progressivo, tendo como caraterísticas o uso frequente da técnica musical e das explorações musicais, como a utilização de elementos do Jazz, da Música Erudita, da Música Folclórica, da Música Eletrônica, e das mais diversas formas de música pelo mundo (característica oriunda do Rock Progressivo), além de possuir um som com muito peso e energia (característica oriunda do Heavy Metal)

Precursores[editar | editar código-fonte]

Bandas de Rock Progressivo que possuíam um som mais pesado podem ser consideradas precursoras do Metal Progressivo. Algumas delas são: High Tide, Uriah Heep e Rush. E grandes artistas como John Petrucci, Mike Mangini, Michael Romeo, John Myung, Steve Morse, Mike Portnoy, Ritchie Blackmore e muitos outros.

História[editar | editar código-fonte]

Décadas de 1960 e 1970[editar | editar código-fonte]

Sua origem vem do Rock Progressivo das décadas de 1960 e 1970 como bandas como Pink Floyd, Yes, Genesis e Rush.[1] Pode-se dizer que um precursor do Metal Progressivo foi o High Tide, que publicou dois álbuns, em 1969 e 1970, especialmente seu primeiro álbum “Sea Shanties”.

Décadas de 1980 e 1990[editar | editar código-fonte]

O Dream Theater em performance em 2008.

Mas o Metal Progressivo não desenvolveu seu próprio gênero antes da segunda metade da década de 1980. Bandas como Dream Theater, Shadow Gallery, Queensrÿche, Fates Warning e Watchtower utilizaram mais claramente e de modo mais contundente elementos desses grupos de Rock Progressivo, principalmente a estrutura da composição das músicas, mesclando-as com características do Heavy Metal, atribuídas a bandas como Uriah Heep, Metallica, Megadeth, Deep Purple, Black Sabbath e Iron Maiden.[2] O resultado pode ser descrito como a mentalidade do Rock Progressivo com o estilo do Heavy Metal.

O gênero alcançou seu auge comercial a partir do final da década de 80, quando "Silent Lucidity" do Queensrÿche esteve constantemente nas rádios e na MTV. Não era uma típica música do Metal Progressivo, mas fez com que se abrissem as portas para uma nova legião de fãs do Queensrÿche, tendo surtido efeito na popularidade de outras bandas de Metal Progressivo da época. Em 1993, "Pull Me Under" do Dream Theater, uma música mais típica do Metal Progressivo do que "Silent Lucidity" e ainda numa linha mais próxima ao Heavy Metal, se tornou popular no rádio e na MTV.

Outra banda de bastante sucesso do mundo do Metal Progressivo é a banda Symphony X. Mudando um pouco a linha do progressivo, adicionando instrumentos de orquestra como na musica de aproximadamente 24 minutos: The Odyssey".

Década de 2010[editar | editar código-fonte]

A banda TesseracT.

Recentemente houve o surgimento de um subgênero do Metal Progressivo, o Djent, desenvolvido a partir de bandas como Animals as Leaders, Meshuggah, Sikth, TesseracT, Textures, etc. E que conta com demais bandas como Born of Osiris, Periphery, The Contortionist, Uneven Structure, Vildhjarta, entre mais.

Características[editar | editar código-fonte]

Trata-se de uma combinação de Rock Progressivo, com composições de duração pouco usual (algumas chegam até vinte minutos ou ainda mais, por exemplo, no segundo CD do álbum duplo do Dream Theater, Six Degrees of Inner Turbulence, há uma música de quarenta e dois minutos, dividida em oito partes) com direito a movimentos e diferentes atmosferas dentro deste período e a presença de músicos com competência técnica acima da média, com toda a agressividade do Heavy Metal, embora o Rock Progressivo também em certos casos se aproxime dessa performance energética (vide King Crimson).

Heterogeneidade musical[editar | editar código-fonte]

A banda Amorphis.

Ainda uma das características do Metal Progressivo é a sua heterogeneidade musical,[3] em que algumas bandas são mais próximas a Música Erudita, como o Shadow Gallery e o Symphony X, outras ao Death Metal, como o Amorphis e o Opeth, outras ao Jazz, como o Dream Theater e o Liquid Tension Experiment, outras do Power Metal, como o Evergrey e o Kamelot, outras do Thrash Metal, como o Megadeth e o Metallica, ainda outras ao Metal Alternativo, como Faith no More, Mudvayne e Tool, ou mesmo com o Sludge Metal, como o Mastodon, entre tantas mais heterogeneidades.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências