Metilfenobarbital

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Metilfenobarbital
Alerta sobre risco à saúde
Methylphenobarbital.svg
Nome IUPAC 5-Phenyl-5-ethyl-1-methylbarbituric acid
Identificadores
Número CAS 115-38-8
PubChem 8271
DrugBank DB00849
ChemSpider 7972
ChEBI 6758
Código ATC N03AA1
SMILES
Primeiro nome comercial ou de referência Mebaral
Propriedades
Fórmula química C13H14N2O3
Massa molar 246.25 g mol-1
Farmacologia
Metabolismo hepático
Meia-vida biológica 34 horas
Ligação plasmática 70–76%
Classificação legal


Schedule IV (US)

Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

Metilfenobarbital (DCI; também conhecido como mefobarbital e mefobarbitona; e comercializado sob as marcas Mebaral, Prominal, entre outras) é um fármaco derivado dos barbitúricos usado principalmente como anticonvulsivante,[1] Com menor frequência, também é prescrito como sedativo e ansiolítico. É o análogo N-metilado do fenobarbital e possui usos clinicos, valor terapêutico e tolerabilidade semelhantes.

Histórico de aprovação[editar | editar código-fonte]

  • 1935 - sob o nome de marca Mebaral, o metilfenobarbital é introduzido no mercado pela Winthrop Pharmaceuticals.
  • 2001 - o metilfenobarbital é descontinuado no Reino Unido.
  • 2003 - a marca do Mebaral é adquirida pela Ovation Pharmaceuticals.
  • 2009 - a Ovation foi comprada pela Lundbeck, que passa a comercializar o Mebaral.
  • 2012 - em 6 de janeiro, a Lundbeck descontinuou o Mebaral nos EUA. A empresa declarou, em uma carta pública, que a FDA estaria indisposta a permitir que o medicamento continuasse a ser comercializado.[2]

Overdose[editar | editar código-fonte]

Os sintomas de overdose de metilfenobarbital incluem confusão mental, diminuição ou perda de reflexos, sonolência, febre, irritabilidade, hipotermia, julgamento comprometido, falta de ar ou respiração lenta, bradicardia, fala arrastada, comprometimento da coordenação motora, insônia, movimentos involutários nos olhos e fraqueza muscular.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. The Treatment of Epilepsy 2nd ed. [S.l.]: Blackwell. 2004. ISBN 0-632-06046-8 
  2. Letter from Lundbeck to prescribers