Metodologia ativa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Metodologia ativa de aprendizagem é um processo amplo e possui como principal característica a inserção do aluno/estudante como agente principal responsável pela sua aprendizagem, comprometendo-se com seu aprendizado.[1][2][3][4] A metodologia ativa é uma ferramenta excelente para facilitar o aprendizado de adultos, ou seja, andragogia. Já que na educação de adultos, segundo o pensamento freireano, a aprendizagem é impulsionada pela superação de desafios, a resolução de problemas e a construção de novos conhecimentos a partir daquilo que os indivíduos já conhecem.[5] Atualmente, uma das formas de metodologias ativas mais utilizadas é o ensino híbrido.

As tendências pedagógicas têm se modificado ao decorrer dos anos, dessa forma, é possível perceber que as abordagens de ensino não pararam no tempo, mas sim procuraram se adaptar de acordo com o contexto social e histórico, de forma a abrir possibilidades para que a aprendizagem possa ocorrer de maneira cada vez mais proveitosa. A metodologia ativa é, então, uma alternativa ao modelo tradicional de ensino.[6]

A abordagem tradicional já existe a alguns séculos, embora nos dias atuais ela ainda seja frequentemente utilizada. Trata-se de um modelo no qual o professor, uma vez centralizado, transmite conhecimentos aos seus alunos, responsáveis por assimilá-los.[7] Ou seja, ela não prioriza a particularidade de cada estudante.[8] Diversos autores já contribuíram com análises que destacaram quais os pontos positivos e negativos dessa pedagogia. Segundo Mizukami (1986), Émile Chartier, por exemplo, foi um “defensor deste tipo de abordagem”, enquanto Paulo Freire a evidencia como uma “educação bancária”.[9] A metodologia ativa se contrapõe ao modelo tradicional quando o transcende e busca compreender um ensino centrado no aluno, estimulando a todo momento a sua participação e colocando o professor como um mediador do processo de ensino-aprendizagem.[6]

O processo de educar, devido a múltiplos fatores (como a rapidez na produção de conhecimento, a provisoriedade das verdades construídas no saber científico e, principalmente, da facilidade de acesso à vasta gama de informação) deixou de ser baseado na mera transmissão de conhecimentos.[10][11]

Nesse contexto as metodologias ativas surgem como proposta para focar o processo de ensinar e aprender na busca da participação ativa de todos os envolvidos, centrados na realidade em que estão inseridos.[2][11] As metodologias ativas "têm se destacado refletindo sobre o papel do professor e do aluno no processo de ensino e aprendizagem, buscando provocar mudanças nas práticas em sala de aula que estão, por muitas vezes, enraizadas no modelo tradicional de ensino"[12]. Como enfrentamento ao este modelo tradicional imposto e aceito ao longo do tempo, tem-se lançado mão das metodologias ativas de ensino e aprendizagem, nas quais é dado forte estímulo ao reconhecimento dos problemas do mundo atual (tanto nacional quanto regional), tornando os alunos capazes de intervir e promover as transformações necessárias.[10] O aluno torna-se protagonista no processo de construção de seu conhecimento[2], sendo responsável pela sua trajetória e pelo alcance de seus objetivos, no qual deve ser capaz de autogerenciar e autogovernar seu processo de formação.[10][11]

Borges e Alencar apresentam metodologias ativas de ensino-aprendizagem que servem como recurso didático base para uma formação crítica e reflexiva, são elas o método PBL (Aprendizagem baseada em Problemas) e os Grupos Operativos.[13]

Camargo e Daros (2018) afirmam que as Metodologias Ativas são um conjunto de atividades organizadas, com a presença marcante da intencionalidade educativa, nas quais os estudantes deixam de ser um agente passivo (que apenas escuta) e passam a ser membros ativos no processo de aprendizagem por meio de estratégias pedagógicas que estimulam a apropriação e produção de conhecimento e a análise de problemas. [14]

Embora muitos se confundam, a metodologia ativa não implica necessariamente no uso das tecnologias mais recentes e tão pouco pode ser empregada exclusivamente para o uso das mesmas, já que a pedagogia deve reger como os recursos tecnológicos serão utilizados nos processos educativos e não o contrário.[6][8] Existem diferentes possibilidades de metodologias ativas capazes de promover nos alunos a autonomia.[5] Portanto, cabe aos professores buscarem novos caminhos e metodologias, dentre os quais colocarão os estudantes como protagonistas nos processos de ensino-aprendizagem.[6]

Metodologias ativas e a pedagogia da problematização[editar | editar código-fonte]

Pedagogia da problematização é um modelo de ensino contemplado no chamado Método Paulo Freire, onde a chamada a educação libertadora, a qual valoriza o diálogo e desmistifica a realidade, é posta em prática. Com isso, objetiva-se a transformação social por meio de uma prática conscientizadora e crítica.[4] Neste contexto problematizar não se restringe a apenas apresentar questões, ultrapassando estas até chegar à discussão dos conflitos que fazem parte e mantêm o problema apresentado.[10] Tudo isso implica na motivação do aluno, bem como na sua capacidade de reflexão e produção do conhecimento, ou seja, a problematização possibilita a participação ativa do estudante.[5]

Instrução por pares[editar | editar código-fonte]

Consiste numa metodologia em que os próprios estudantes funcionam como tutores dos seus colegas de sala. Essa metodologia é eficiente porque o próprio estudante-tutor está totalmente inserido no contexto do colega que precisa ser ensinado, utiliza a mesma linguagem, possui a mesma faixa etária e entendimento. Normalmente são estudantes que estão mais avançados na aprendizagem que são tutores de estudantes que apresentam alguma dificuldade.[15] Passeri e Mazur (2019) verificaram que a instrução por pares como feedback após a prova eleva a retenção de conhecimentos básicos em estudantes de medicina.

Gamificação[editar | editar código-fonte]

É uma metodologia ativa na qual jogos são utilizados como estratégia de aprendizagem. Na gamificação geralmente são utilizados elementos motivadores na construção do percurso de aprendizagem no jogo, em ambiente virtual (geralmente) o que favorece o interesse da geração Z. Nesse contexto, Silva et al. (2019)[16] verificaram que a estudantes de Física do ensino médio que tiveram aulas gamificadas obtiveram um ganho de aprendizagem superior aos que tiveram aulas tradicionais.

Fermozelli et al. (2017)[17] estudaram o efeito do uso ensino híbrido para estudantes de medicina e observaram que a forma híbrida de ensino contribui para aprendizagem significativa dos estudantes.

Referências

  1. https://doi.org/10.1590/1981-52712015v43n1rb20180154
  2. a b c Mamede, Walner (2015). «O mestrado profissional brasileiro e o Mestrado em Saúde Pública Europeia: objetivos semelhantes por caminhos diferentes.». RBPG, v.12, n.25, p. 147-169, 2015 
  3. OLIVEIRA, M. G.; PONTES, L. Metodologia ativa no processo de aprendizado do conceito de cuidar: um relato de experiência. X Congresso Nacional de Educação – EDUCERE, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2011. Acesso em: 14 de setembro de 2013.
  4. a b SOBRAL, F.; CAMPOS, C. J. G. Utilização de metodologia ativa no ensino e assistência de enfermagem na produção nacional: revisão integrativa. Rev. esc. enferm. USP, v. 46, n. 1, São Paulo, 2012. Acesso em: 14 de setembro de 2013.
  5. a b c BERBEL, Neusi Aparecida Navas. As Metodologias Ativas e a Promoção da Autonomia de Estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011. Acesso em: 26 jan. 2021. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2011v32n1p25>.
  6. a b c d DIESEL, Aline; BALDEZ, Alda Leila Santos Baldez; MARTINS, Silvana Neumann. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, v. 14, n. 1, p. 268-288, 2017. Acesso em: 26 jan. 2021. Disponível em: <http://periodicos.ifsul.edu.br/index.php/thema/article/view/404>.
  7. DERMEVAL, Saviani. As teorias da educação e o problema da marginalidade. Escola e Democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre educação e política. 32. ed. Campinas: Autores Associados, 1999. p. 17-18.
  8. a b BERGMANN, Jonathan & SAMS, Aaron. Sala de aula invertida: uma metodologia ativa de aprendizagem. Rio de Janeiro: LTC, 2018. Tradução: Afonso Celso da Cunha Serra.
  9. MIZUKAMI, Maria das Graças Nicoletti. Abordagem tradicional. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: EPU, 1986. Cap. 1. p. 7-18.
  10. a b c d MITRE, S.; et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciênc. saúde coletiva, v. 13, supl. 2, 2008. Acesso em: 14 de setembro de 2013.
  11. a b c PRADO, M. L.; HEIDEMANN, I. T. S. B.; REIBNITZ, K. S (2012). Curso de Especialização de Linhas de Cuidado em Enfermagem. Processo educativo em saúde 1ª ed. Santa Catarina: Universidade Estadual de Santa Catarina. 50 páginas  Parâmetro desconhecido |volumes= ignorado (|volume=) sugerido (ajuda)
  12. LEITE, Bruno Silva (2018). «Aprendizagem Tecnológica Ativa». Revista Internacional de Educação Superior, v.4, n. 3, 2018. doi:10.20396/riesup.v4i3.8652160. Consultado em 29 de maio de 2018 
  13. BORGES, Tiago Silva (2014). «Metodologias ativas na promoção da formação crítica do estudante: o uso das metodologias ativas como recurso didático na formação crítica do estudante do ensino superior.». Cairu em Revista 
  14. CAMARGO, Fausto; DAROS, Thuinie Medeiros Vilela. A sala de aula inovadora: estratégias pedagógicas para o aprendizado ativo. Porto Alegre: Penso: 2018.
  15. https://doi.org/10.1590/1981-52712015v43n2rb20180230
  16. https://doi.org/10.1590/1806-9126-rbef-2018-0309
  17. https://doi.org/10.5935/1676-2444.20170032