Metrocles de Maroneia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Metrocles de Maroneia
Nascimento Século IV a.C.
Maronia
Morte Século III a.C.
Irmão(s) Hipárquia
Ocupação filósofo

Metrocles ou Metrocles de Maroneia (em grego: Μητροκλῆς ; fl. c. 325 a.C.) foi um filósofo cínico de Maroneia, região da Macedônia Oriental e Trácia. Ele estudou no Liceu de Aristóteles com Teofrasto[1] eventualmente tornando-se um seguidor de Crates de Tebas que se casou com a irmã de Metrocles, Hipárquia.[2] Pouco restou de seus trabalhos, mas é udos primeiros cínicos a adotar a prática de escrever anedotas (chreiai) morais sobre Diógenes e outro cínicos.

Vida[editar | editar código-fonte]

A suposta história da conversão de Metrocles para o cinismo é relatada por Diógenes Laércio.[3] Metrocles aparentemente teria soltado gases durante a prática de um discurso na escola e ficou tão envergonhado que fechou-se em sua casa a fim de cometer suicídio por inanição. Crates visitou-o e o fez um jantar a base de tremoço - uma fava conhecida por causar flatulência[4] - e explicou-lhe que o que ele fez foi de acordo com a natureza e, portanto, nada tinha de se envergonhar. Quando o próprio Crates soltou gases para demonstrar o quão natural era isso, Metrocles então se convenceu a deixar sua vergonha.[5][6]

Obras[editar | editar código-fonte]

De acordo com Hecato de Rodes, Metrocles queimou todos os seus escritos, mas outros disseram que apenas as notas que escrevera na escola de Teofrasto foram queimadas por ele.[3] Pode ter sido através de Metrocles que sua irmã Hipárquia conheceu Crates com quem ela mais tarde se casou, assim, tornando-se também uma cínica. Plutarco descreveu Metrocles como um vagante que dormia entre as ovelhas no inverno e no verão nos pórticos dos templos.[7] Ele aparentemente conheceu o filósofo Estilpo com quem rivalizava,[8] e Estilpo escreveu um diálogo chamado Metrocles[9] em sua biografia, Diógenes Laércio aparentemente enumera uma série de seus alunos[3], mas a lista provavelmente refere-se a Crates.[10]Metrocles morreu em uma idade avançada, e é dito ter deliberadamente sufocado a si mesmo.

Metrocles possuía grande habilidade,[3] e escreveu várias obras, mas pouco delas restaram. Ele opunha-se à riqueza, a menos que colocada para uma boa utilização; e dividiu as coisas entre aquelas que podiam ser compradas com o dinheiro (como uma casa) e aquelas que levam tempo e cuidado, como a educação.[11] Uma de suas obras foi chamado chreiai (em grego: Χρεῖαι), isto é," Anedotas" ou "máximas".[12] Assim, Metrocles se tornou um dos primeiros a contribuir para a forma de arte literária mais importante para os cínicos: milhares de anedotas foram recolhidas (e inventadas) sobre Diógenes, Crates e outros cínicos, todos fornecendo mensagens morais por meio das ações dos cínicos. Uma anedota escrita por Metrocles relativa a Diógenes é preservada por Laércio na seguinte passagem:

Em uma ocasião, Diógenes que estava com metade da cabeça raspada se tornou o entretenimento de um grupo de rapazes, como Metrocles nos diz em seu chreiai, e assim foi espancado por eles. Depois disso, ele escreveu os nomes de todos aqueles que o haviam espancado em um tablete e o pendurou em volta do pescoço de modo a expô-los ao insulto, como eram geralmente condenados e censurados por sua conduta.

Referências

  1. Keith Seddon; C. D. Yonge. An Outline of Cynic Philosophy: Antisthenes of Athens and Diogenes of Sinope in Diogenes Laertius Book Six. Lulu.com; 2010. ISBN 978-0-9556844-8-7. p. 113.
  2. Simon Critchley. The Book Of Dead Philosophers. Granta Publications; 2011. ISBN 978-1-84708-542-9. p. 61 – 62.
  3. a b c d Diógenes Laércio, Vida do eminentes filósofos, vi. 94
  4. Derek Krueger. Symeon the Holy Fool: Leontius's Life and the Late Antique City. University of California Press; 1996. ISBN 978-0-520-08911-2. p. 97.
  5. J. C. McKeown. A Cabinet of Greek Curiosities: Strange Tales and Surprising Facts from the Cradle of Western Civilization. Oxford University Press; 2013. ISBN 978-0-19-998212-7. p. 234.
  6. Jim Dawson. Did Somebody Step on a Duck?: A Natural History of the Fart. Random House LLC; 2010. ISBN 978-1-58008-348-5. p. 37.
  7. Plutarco, Moralia
  8. Plutarco, De Tranquilliate Animi, vi. 468
  9. Diógenes Laércio, Vida do eminentes filósofos, ii. 120
  10. R. Bracht Branham, Marie-Odile Goulet-Cazé, (2000), The Cynics: The Cynic Movement in Antiquity and Its Legacy, p. 398. Cf. p. 392 ressalta que Diógenes Laércio vi. 98 também retorna para a biografia de Crates.
  11. Robin Hard. Sayings and Anecdotes: with Other Popular Moralists. Oxford University Press; 2012. ISBN 978-0-19-162740-8. p. 101.
  12. R. BRACHT BRANHAM; MARIE-ODILE-GOULET CAZE. Os Cínicos. LOYOLA; ISBN 978-85-15-03223-5. p. 429.