Michèle Bennett

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Michèle Bennett foi primeira-dama do Haiti e ex-mulher do antigo presidente vitalício do Haiti, Jean-Claude Duvalier. 1 Atualmente mora na França, onde passou a viver depois que seu marido foi exilado do Haiti. Ela se divorciou de Duvalier em 1990.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Michèle Bennett nasceu em Port-au-Prince, Haiti, em 1950, é filha de Ernest Bennett, um empresário haitiano (e descendente de Henri Christophe, o rei do Haiti) e Aurore Ligonde. 2 3 Seu pai era dono de mais de 50.000 hectares de terras – que cultivava principalmente café - e empregava 1.600 trabalhadores nas propriedades, além de mais 900 em seus negócios. 4 Seu tio era o Arcebispo católico-romano do Haiti, Dom François-Wolff Ligondé. 5 Os Bennetts são mulatos de pele clara (mestiços), em um país de maioria negra. 6

Aos 15 anos, Bennett se mudou para Nova York, onde foi educada na St. Mary's School em Peekskill, Nova York. Ela passou a trabalhar como secretária em uma empresa de sapatos na Garment District em Nova York. 4 Em 1973, ela se casou com Alix Pasquet, o filho do capitão Alix Pasquet, um conhecido oficial mulato e membro do Tuskegee Airmen, que em 1958 liderou uma tentativa de golpe contra François Duvalier. Com Pasquet, ela teve dois filhos, Alix Jr. e Sacha. 7 Depois de divorciar de Pasquet em 1978, ela teve uma carreira em relações públicas na Habitation LeClerc, um hotel de luxo em Port-au-Prince. 8

Casamento[editar | editar código-fonte]

Bennett conheceu Jean-Claude Duvalier na escola, embora o casal não se envolvesse romanticamente até dez anos mais tarde. 9 Em 1980, Bennett se casou com o presidente Duvalier. O seu casamento, foi o evento social da década no Haiti, custando um inédito US$3 milhões e foi recebido com entusiasmo pela maioria dos haitianos. 9 A Sra. Duvalier a princípio tornou-se querida com a população através da distribuição de roupas e alimentos para os necessitados, bem como a abertura de várias clínicas médicas e escolas para os pobres. 1 Nas seis semanas seguintes ao casamento, Michèle e Jean-Claude percorreram o Haiti, aparecendo inesperadamente em reuniões, mercados e outros locais públicos, o qual renderam-lhes "mais olhares e palavras de aprovação em toda parte". 4 9 Em uma visita ao Haiti, Madre Teresa comentou que ela "nunca tinha viu pessoas pobres serem tão familiarizadas com o seu chefe de Estado como eram com [Michèle]". 10 Os Duvalier tinham dois filhos, François Nicolas e Anya. 11

O casamento representava uma aliança simbólica com a elite mulata - essas mesmas famílias se opuseram ao pai de Jean-Claude 12 4 Isto resultou com a mãe de seu marido, Simone Duvalier (que se opôs ao casamento), a ser marginalizada politicamente, que por sua vez criou novas alianças entre facções dentro do grupo dominante uma vez que a velha guarda duvalierista era de opinião que o poder da nova primeira dama parecia ultrapassar o do seu marido. Enquanto Jean-Claude muitas vezes cochilava completamente nas reuniões do Gabinete, sua esposa, frustrada por sua inépcia política, repreendia ela mesma os ministros. 11

Críticas ao regime[editar | editar código-fonte]

As denúncias ou associações com a corrupção assolaram o casamento Duvalier-Bennett. O pai de Michèle, Ernest Bennett, se aproveitou de sua conexão presidencial para estender os interesses em seus negócios, a partir de sua concessionária BMW, para o café e a exportação de cacau, a Air Haiti; cujos aviões, Bennett fazia - segundo rumores - o transporte de drogas. 7 13 Em 1982, Frantz Bennett, irmão de Michèle, foi preso em Porto Rico por tráfico de drogas, e foi condenado a uma pena de prisão de três anos. 7

A família da Sra. Duvalier acumulou uma fortuna durante a última parte da ditadura de Jean Claude. Até o final de seu regime de 15 anos, Duvalier e sua esposa se tornariam famosos por sua corrupção. 7 O Palácio Nacional se tornou palco de opulentas festas à fantasia, onde o jovem presidente certa vez apareceu vestido como um sultão turco para distribuir joias de 10 mil dólares como prêmios de entrada. 7

Durante uma visita ao Haiti em 1983, o Papa João Paulo II declarou que "as coisas devem mudar aqui", exortando que "todos aqueles que têm o poder, riquezas e cultura, para que possam compreender a grave e urgente responsabilidade de ajudar os seus irmãos e irmãs". 14 15 Uma revolta popular contra o regime começou logo depois disso. Duvalier respondeu com uma redução de 10 por cento nos preços dos alimentos básicos, o fechamento de estações de rádio independentes, uma remodelação do gabinete, e uma repressão por unidades da polícia e do exército, mas essas ações não conseguiram arrefecer o ímpeto da revolta popular. A esposa de Jean-Claude e conselheiros pediram-lhe para acabar com a rebelião para que ele permaneça no cargo. Em resposta à crescente oposição aos 28 anos do regime dos Duvalier, em 7 de fevereiro de 1986, os Duvalier abandonaram o país em um avião estadunidense acompanhados por 19 pessoas. 16 17

Exilio[editar | editar código-fonte]

Os governos da Grécia, Espanha, Suíça, Gabão e Marrocos recusaram todos os pedidos da família Duvalier de asilo político. A França concordou em dar aos Duvalier uma entrada temporária, mas também lhes negou asilo. 18 Como parte de uma investigação sobre as denúncias de saques, as autoridades invadiram a casa alugada de Jean-Claude e Michèle em Mougins logo depois que eles chegaram à Europa. As autoridades encontraram a Sra. Duvalier tentando "limpar" um notebook no vaso sanitário. Ele registrou US$168.780 dólares em roupas da Givenchy, US$270.200 dólares de joias da Boucheron, US$9.752 para selas de cavalos da Hermès para as duas crianças, US$68.500 dólares por um relógio, US$13.000 para uma semana de estadia em um hotel de Paris. 19 Em 1987, o Duvalier ganhou um processo judicial que tentava mantê-los responsáveis por reembolsar o dinheiro para o Haiti. 20

Em 1990, a ex-primeira dama se divorciou de Duvalier. O ex-ditador pediu o divórcio na República Dominicana, acusando a mulher de "atos imorais". 21 A Sra. Duvalier contestou a decisão, voando para a República Dominicana para obter uma reversão antes que seu marido prevalecesse em um terceiro tribunal. 21 A Sra. Duvalier estava no momento vivendo com outro homem em Cannes; ela recebeu uma pensão alimentícia e de apoio às crianças 21 Em 2012, o passaporte de Jean-Claude Duvalier foi renovado pelas autoridades haitianas 22

No rescaldo do terremoto do Haiti de 2010, que afetou milhões, Michèle Bennett voltou ao Haiti e se juntou a uma equipe de busca e resgate para procurar seu irmão Rudy Bennett nos escombros do Hotel Montana. 23 A ex-primeira dama retornaria ao local um ano mais tarde para uma cerimônia de comemoração. 24

Nos últimos 16 anos, ela viveu na França, onde ela atualmente utiliza o nome de solteira .19 Ela fala fluentemente o inglês e o francês. 25

Referências

  1. a b "Duvalier's wife claims full partnership", 4 de janeiro de 1986.
  2. Ernest BENNETT
  3. Georgie BENNETT
  4. a b c d Brian Vine. "In Opulent Cocoon, Haiti's First Lady Talks of Poverty", 5 de julho de 1981.
  5. Andrew Reding. Democracy and Human Rights in Haiti World Policy Reports (March 2004). pgs. 93, 115.
  6. "Haiti today: tranquility on the abyss." The Globe and Mail. 30 de Novembro de 1981.
  7. a b c d e Danner, Mark. "Beyond the Mountains (Part III)", The New Yorker, 11 de Dezembro de 1989. Página visitada em 2011-01-20.
  8. Peter Carlson, "Dragon Ladies Under Siege". People, Vol. 25, No. 9, 3 de março de 1986.
  9. a b c James Nelson Goodsell. "Haitians wonder which advisers will have Duvalier's ear", 15 de julho de 1980.
  10. David Aikman. Great Souls: Six Who Changed a Century. [S.l.]: Lexington Books, 2003.
  11. a b Moody, John. "Haiti Bad Times for Baby Doc", Time, 10 de fevereiro de 1986. Página visitada em 2011-01-20.
  12. "Baby Doc's Bride Wins Power", 16 de abril de 1981.
  13. Joseph B. Treaster. "U.S. Officials Link Duvalier Father-in-Law to Cocaine Trade", 14 de Junho de 1986.
  14. "Things Must Change Here". TIME. 21 de março de 1983.
  15. 'Things in Haiti must change' pope tells Duvalier. The Spokesman-Review. 10 de março de 1983.
  16. C-141 PASSENGER LIST
  17. Christine Wolff. "Baby Doc to Walters: 'Did best I could'", 12 de Junho de 1986.
  18. Haiti End of the Duvalier Era
  19. a b Valbrun, Marjorie. "Exile in France Takes Toll On Ex-Tyrant 'Baby Doc'", Wall Street Journal, 16 de março de 2003. Página visitada em 2011-01-20.
  20. Randal, Jonathan. "Haiti Loses Lawsuit Against Duvalier; French Court Sets Back Government Bid to Recover $150 Million", Washington Post, 24 de Junho de 1987. Página visitada em 2013-01-29.
  21. a b c "Divorced for Life", New York Times, 24 de Junho de 1990.
  22. "Duvalier attorney: Haiti officials renew diplomatic passport for 'Baby Doc'", 5 de janeiro de 2013.
  23. Sontag, Deborah. "Haiti Emerges From Its Shock, and Tears Roll", New York Times, 14 de fevereiro de 2010. Página visitada em 2011-01-20.
  24. Charles, Jacqueline. "For Haiti, no payback after Duvalier's reign", Miami Herald, 25 de janeiro de 2011. Página visitada em 2011-01-27.
  25. Walters, Barbara. [http://www.nytimes.com/1986/06/29/arts/tv-tactics-backstage-with-the-duvaliers.html? pagewanted=all TV TACTICS: BACKSTAGE WITH THE DUVALIERS]. The New York Times. 29 de Junho de 1986.