Michael Praetorius

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Michael Praetorius
Nascimento 15 de fevereiro de 1571
Creuzburg
Morte 15 de fevereiro de 1621 (50 anos)
Wolfenbüttel
Sepultamento Wolfenbüttel
Cidadania Romania
Alma mater Universidade Europeia Viadrina
Ocupação compositor, musicólogo, teórico musical
Movimento estético Renascimento alemão, Música barroca
Religião luteranismo

Michael Praetorius (Creuzburg, 15 de fevereiro de 1571Wolfenbüttel, 15 de fevereiro de 1621) foi um compositor alemão, organista e escritor sobre música. Foi um dos mais versáteis compositores de sua época, sendo particularmente importante no desenvolvimento de formas musicais baseadas nos hinos protestantes.

Vida[editar | editar código-fonte]

Ao nascer, foi registrado como Michael Schultze, o caçula de um pastor luterano, em Creuzburg, na Alemanha. Após frequentar a escola em Torgau e Zerbst, estudou divindade na Universidade de Frankfurt. Praetorius serviu como organista na Marienkirche em Frankfurt antes de trabalhar na corte em Wolfenbütte como organista e (desde 1604) como mestre-de-capela. De 1613 a 1616, trabalhou na corte da Saxônia, em Dresden, onde teve contato com a música italiana mais atual, inclusive as obras policorais da Escola Veneziana. Seu desenvolvimento subseqüente da forma do "concerto coral", especialmente a variedade policoral, resultou diretamente de sua familiaridade com a música de venezianos como Giovanni Gabrieli. Michael Praetorius foi sepultado numa cripta sob o órgão da Igreja de Santa Maria em Wolfenbütten, Alemanha.

Nome[editar | editar código-fonte]

Seu nome de família aparece de formas variadas, tais como Schultze, Schulte, Schultheiss, Schulz and Schulteis. Praetorius é a forma latinizada do nome de família.

Obras[editar | editar código-fonte]

Praetorius foi um compositor tremendamente prolífero, tendo suas obras mostrado influência dos contemporâneos Samuel Scheidt e Heinrich Schütz, bem como dos italianos. Suas obras incluem a Musae sioniae (1605-10), de 9 volumes, uma coleção de cerca de 1000 corais e arranjos de canções; muitas outras obras para a igreja luterana; e Terpsichore (1612), um compêndio de cerca de 300 danças instrumentais, que é sua obra mais conhecida, bem como a única obra secular sobrevivente. Seu tratado de 3 volumes Syntagma Musicum é um texto detalhado de práticas musicais e instrumentos musicais, e um documento importante para a musicologia, organologia e o estudo de performances de época.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Denis Arnold (editor), (1983), New Oxford Companion to Music, Oxford University Press. (artigo feito pelo editor.)
  • Stephan Perreau (1996). Liner notes to Praetorius: Dances from Terpsichore. Naxos 8.553865.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]