Michael Sullivan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Michael Sullivan
Sullivan na TV Brasil, 2013
Informação geral
Nome completo Ivanilton de Souza Lima
Também conhecido(a) como Porquinho[1]
Nascimento 9 de março de 1950 (67 anos)
Origem Recife, Pernambuco
Nacionalidade brasileira
Gênero(s) MPB, pop, rock, soul, música gospel
Ocupação(ões) cantor, compositor e produtor musical
Afiliação(ões) Os Nucleares, Os Selvagens, Renato e Seus Blue Caps, The Fevers, Trem da Alegria, Roberto Carlos, Tim Maia, Paulo Massadas, Hyldon, Cassiano, Roupa Nova
Página oficial michaelsullivan.com.br

Michael Sullivan, nome artístico de Ivanilton de Sousa Lima (Recife, 9 de março de 1950), é um cantor, músico, compositor e produtor musical brasileiro. Casado com Anayle Sullivan desde 2001. É também irmão do cantor e compositor Leonardo Sullivan.[2][3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Começou cantando na noite do Recife com quatorze anos de idade. Aos quinze anos participou de alguns concursos de calouros como; Varieté, de Nilson Lins, na Rádio Jornal do Commercio. Ganhou o primeiro lugar e recebeu o prêmio, a carteira profissional da Ordem dos Músicos do Brasil e um contrato com a TV Jornal do Commercio e, assim, iniciou sua carreira de cantor, nos programas da emissora Você faz o Show, Noite de Black-Tie e Bossa 2, se consagrando desde então como revelação pernambucana.

Aos dezessete anos mudou-se para o Rio de Janeiro, onde conheceu Hyldon (com quem compôs sua primeira música em 1968), Renato Piau (guitarrista que trabalhou com Tim Maia) e Tinho (saxofonista e arranjador que trabalhou com Tim Maia e um dos fundadores da Banda Vitória Régia). Formaram então o grupo Os Nucleares, que conheceu a sua primeira gravação no ano 1969 em vinil pela RCA.

Travou conhecimento com Cassiano e Tim Maia, com quem aprendeu a tocar violão. Gravou a primeira composição de sucesso da dupla Sullivan e Massadas, Me dê Motivo.

Aos dezenove anos integrou o grupo Os Selvagens, e aos 21 anos, o grupo Renato e Seus Blue Caps como cantor e guitarrista. Sua passagem por essa banda resultou em seis discos de ouro, cuja vendagem chegou a mais de 1.000.000 de discos.

Ainda no Renato e seus Blue Caps, Michael Sullivan iniciou sua carreira solo com a música My Life (sua segunda composição), que fez parte da trilha sonora da novela O Casarão, da Rede Globo. O compacto My Life tornou-se para o mercado fonográfico um dos mais vendidos no país, superando a marca de 1.000.000 de cópias, o que equivalia a um disco de Diamante.

Em 1978, fez o LP pela Capitol Um mundo Melhor Pro Meu Filho, e em 1979, o LP Michael Sullivan pela K-Tel.

De 1980 a 1986 foi integrante do grupo The Fevers.

A Dupla[editar | editar código-fonte]

Paulo Massadas, a quem conheceu em 1979, foi parceiro frequente de suas composições por 16 anos. A dupla é responsável por muitas canções de sucesso. Em 1988, a parceria fez o disco Sullivan e Massadas pela gravadora RCA BMG Ariola com a participação de Sergio Mendes e Jermaine Jackson. Um disco bem aclamado pela crítica. Em 1989, a dupla fez um compacto com o apresentador da Rede Globo Fausto Silva (Faustão) pela Som livre, Do tempo que, primeira música de abertura do programa Domingão do Faustão.

Em 1990, foi editado o disco Sullivan e Massadas ao vivo, gravado no teatro da SUAM, com sucessos da dupla lançados pela gravadora Som Livre.

Em 1992, dando continuidade a sua carreira solo, Michael Sullivan faz o CD Talismã, sucesso de crítica da sua trajetória solo.

Em 1994, a dupla se desfez.

O seleto número de sucessos rendeu à dupla Sullivan e Massadas um recorde, que foi publicado no Guinness Book, identificando-a como a dupla de compositores com maior número de discos nas paradas de sucessos no menor espaço de tempo.[carece de fontes?]

Depois de 1994[editar | editar código-fonte]

Em 1995, já morando nos EUA, lança na gravadora Warner Music o CD de título Michael Sullivan.

Em 1998, Michael Sullivan teve a oportunidade de voltar às suas origens fazendo um CD de black music, com a participação de Cassiano, composições de Hyldon e uma homenagem ao seu professor Tim Maia, no CD Caminhos do Coração, da gravadora Som Livre. Esse disco foi sucesso de vendas e crítica, e teve a canção Coração Vazio como parte da trilha sonora da novela Corpo Dourado, chegando a disco de ouro.

Em 2003, Michael Sullivan, já no Brasil, lançou o CD Duetos com grandes vozes, como; Simone, Xuxa, Alcione, Sandra de Sá, Tim Maia, Fafá de Belém, Fagner, Joanna entre outros pela Gravadora Sony Music, procurando sintetizar toda a sua obra e assim fechar um ciclo de quatro décadas de sucessos, onde teve sua composição a musica fui eu gravada originalmente por José augusto nesse disco gravada com a participação Zezé Di Camargo & luciano sendo bem executada nas rádios onde Zezé prometeu se por ventura ela não estourasse como ele queria ele a regravaria pois com José Augusto ela não teria sido bem aproveita e assim fez a regravando em 2005 com o disco em que ganhou o grammy latino daquele ano.

Em 2007, Sullivan se fixa e rebusca o seu lado (sempre Black) com o novo CD Sullivan Nu Soul com composições em parcerias com Carlinhos Brown, CD que sai pelo seu novo selo independente Graffite Music.

Em 2010, Sullivan lança o DVD/CD Duplo Sullivan Ao Vivo - Na Linha do Tempo pela Gravadora Universal. Gravado ao vivo em estúdio, com participações dos artistas e parceiros Carlinhos Brown,Martinho da Vila, Daniel Jobim, Jorge Aragão, Arnaldo Antunes, Roberto Menescal e Anayle Lima. A apresentação gravada em setembro de 2009 no PlayRec Studios (RJ), em estilo intimista, lembrando os bares de blues de Nova Orleães, reúne uma big band e 26 músicas (22 faixas), apresentadas nos formatos DVD e CD (volumes 1 e 2). A direção de áudio do projeto é assinada por Junior Mendes e Michael Sullivan, enquanto que João Elias Jr. e Luciana Bellini comandam a direção de vídeo. Além das canções conhecidas, o cantor incluiu as inéditas Baladeiro (com Hyldon), Açúcar (com Dudu Falcão) e Doce Cabana (com Carlinhos Brown).

Em 2013, Sullivan lança o CD Mais Forte Que o Tempo com diversos artistas do MPB interpretando suas composições. [4]

Produtor[editar | editar código-fonte]

Produziu grandes cantores da MPB, como: Tim Maia, Alcione, Sandra de Sá, Danilo Caymmi, Antônio Marcos, Serguei, Xuxa, Sidney Magal, Fafá de Belém, Roupa Nova, Joanna, Paulo Ricardo, Rosana Fiengo, Fagner e cantores infantis como Trem da Alegria, Balão Mágico, Atchim & Espirro entre outros.

Michael Sullivan foi convidado a trabalhar e morar nos Estados Unidos - Los Angeles e Miami - para ali compor e produzir nomes, como Ricky Martin, Chayanne, Ana Gabriel, Menudos, Chicos de Boulevart, Yuri, Robi Rosa e Michael Sembello entre outros.

Sullivan alcançou o topo das paradas de sucesso em 60 países no mundo inteiro, incluindo as Américas, a Europa e o Oriente. Como produtor, vendeu mais de 60 milhões de discos, no Brasil e em toda América Latina.

Temas de telenovelas[editar | editar código-fonte]

As conquistas de Sullivan foram aumentando e ficando cada vez mais significativas no mercado brasileiro. Pelo merecido sucesso, suas músicas foram temas de trinta telenovelas[3], como:

Mundo infantil[editar | editar código-fonte]

Sullivan com Massadas obtiveram êxito com suas canções voltadas aos corações infantis através de Xuxa, Trem da Alegria, Angélica, Palhaço Bozo, TV Colosso, Família Dinossauro, Atchim & Espirro, Mara Maravilha, He-man, ThunderCats, Os Cavaleiros do Zodíaco, Os Trapalhões e outros personagens e personalidades, como Renato Aragão, com as músicas Criança Esperança e Amigos do Peito, antigos temas do Criança Esperança e da UNICEF. Ao todo, compôs aproximadamente 350 músicas infantis. Revelou e apostou em Xuxa como cantora e fez a música infantil se tornar gênero forte no Brasil, além disso, criou junto com Paulo Massadas o grupo Trem da Alegria, enorme sucesso entre as crianças dos anos 80 e começo de 90.

Musica Gospel[editar | editar código-fonte]

No final dos anos 90 Michael Sullivan torna-se um artista de música gospel. A maioria de seus sucessos foram gravadas por Marcelo Crivella na gravadora Line Records além de outras composições cedidas a outros artistas.

Canções[editar | editar código-fonte]

  • Gal Costa e Tim Maia (Um dia de Domingo)
  • Simone (Amei demais, Deslices (em espanhol))
  • Tim Maia (Me Dê Motivo, Leva)
  • Fagner (Deslizes)
  • Roberto Carlos (Amor Perfeito, Pergunte pro seu Coração, Meu Ciúme)
  • Roupa Nova (Whisky a Go-Go, Show de Rock n Roll, Mistérios, Luz Da Manhã, Pecado Original, Muito Especial, Romance Mutante, Raio De Sol, Quando Bate Uma Saudade, Na Dor e No Prazer, Um Sonho a Dois)
  • Alcione (Nem Morta, Estranha Loucura)
  • Sandra de Sá (Retratos e Canções, Joga Fora, Não Vá)
  • Joanna (Amanhã Talvez, Amor Bandido, Um sonho a Dois, Promessas)
  • Fafá de Belém (Meu dilema, Amor cigano, Coisas mais loucas, A luz é minha voz, Dê uma chance ao coração, Abandonada, etc.)
  • Xuxa (Lua de Cristal, Brincar de Índio, Parabéns da Xuxa, Arco-íris, Valeu (10 anos de amor), É de chocolate, Estrela cadente, Profecias (Fim do mundo), Estrela guia, Boas Notícias, A vida é uma festa, Xuxa Park, O elefante feliz, Parabéns pra Jesus, A valsa da bailarina, Rambo, Apolo, Hey DJ, Sexto Sentido, Dança nas estrelas, Primeiro aniversário, Recado pra Xuxa, Bobeou, dançou, Coração criança, Como o sábio diz, Espelho meu, Mil vezes mil, Maçã do amor, Xuxaxé, Baila, baila, Hora do banho, Férias no Havaí, Uma canção para Sasha, Terra prometida, Em busca do amor, Trem fantasma, Na hora em que você quiser chegar)
  • Paquitas (Sorvetão, Bate na madeira, Marciano, Sonho de Verão, Mangas de Fora)
  • Os Trapalhões (Criança esperança, Amigos do peito, Alegria, Quem não gosta, No mundo da lua, O Casamento dos trapalhões, Fantasminha vagabundo, Minha festa de aniversário, Estrela distante, Super heróis brasileiros, Coração trapalhão, Trapalhadas, Pula veadinho, Natureza, Eu quero, Filhos de chaplin)
  • Angélica (Na hora de dormir, Fada bela, Ciúme, Cuida de mim, Semente do amanhã, Meninas, Apaixonados, Parabéns da Angélica )
  • Trem da Alegria (Uni-duni-tê, É de chocolate, Me Faz um Cafuné, He-Man, Lambada da Alegria, O Lobisomem, Dona Felicidade e outros)
  • Grupo Chocolate (É de chocolate)
  • Atchim e Espirro (Uni-duni-tê, É de chocolate, Me Faz um Cafuné, Parabéns da Angélica)
  • Rosana Fiengo (Nem um Toque, Custe o que Custar)
  • Paulo Ricardo (Dois, Segredo, Como se fosse a primeira vez)
  • José Augusto (Fui eu, Amar Você)
  • Patrícia Marx (Certo ou Errado, Sonho de Amor, Festa do Amor e Leis do Coração)
  • Roberta Miranda (Faz Amor Comigo)
  • Leandro e Leonardo (Talismã)
  • TV Colosso (Eu Não Largo O Osso)
  • Raça Negra (Não Me Deixe Só)
  • Copacabana Beat (Balança Brasil)
  • João Mineiro & Marciano (O Rio Corre Pro Mar)
  • Celso Portiolli (Amizades Virtuais)
  • Chitãozinho & Xororó (Inseparáveis)
  • The Fevers (Por Causa de Você)
  • Babado Novo (Insolação do Coração, Ver-te Mar)
  • Joelma ("O amor de Deus")

Crítica[editar | editar código-fonte]

Depois de ter sido duramente avaliado pela crítica nos anos 80, ele foi acusado de ter um sucesso fabricado por meio de pagamento às rádios, para a execução de suas músicas. A prática do jabá Sullivan nega, embora ela seja difícil de se sustentar por ter sido admitida por muitos outros, dentre eles André Midani.[5][6]

-- André Midani, 2008.

Referências

  1. Guilherme Bryan (2015). Teletema: a história da música popular através da teledramaturgia brasileira: 1964 a 1989. [S.l.]: DASH. 9788565056700 
  2. «Biografia no Cravo Albin». dicionariompb.com.br. Consultado em 16 de janeiro de 2014 
  3. a b Assessoria (15 de março de 2011). «Cantor Michael Sullivan se apresenta em União no projeto "Som na Praça"». Alagoas Tempo. Consultado em 16 de janeiro de 2014 
  4. Rádio UOL. «Mais Forte Que O Tempo». Consultado em 31 de janeiro de 2014 
  5. Leonardo Lichote (2010). «Bombardeado pela crítica, o 'brega' Michael Sullivan agora é reverenciado pela MPB». O Globo. Consultado em 20 de março de 2014 
  6. Bernardo Flesch de Albuquerque Fernandes (2012). «A Fórmula do Sucesso na Canção Um Dia De Domingo» (PDF). Universidade do Estado de Santa Catarina. Consultado em 20 de março de 2014 
  7. MIDANI, André. Música, ídolos e poder: do vinil ao download. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira S.A., 2008. pp.217-218
Bibliografia

Ligações externas[editar | editar código-fonte]