Miguel Andreolo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Michele Andreolo)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Michele Andreolo
Finale de la Coupe du monde 1938 à Colombes (France), le sélectionneur Pozzo brandit la 'victoire ailée'.jpg
O treinador Vittorio Pozzo com a taça Jules Rimet, rodeado por
seus jogadores após a final da Copa do Mundo FIFA de 1938.
Andreolo é o último jogador agachado.
Informações pessoais
Nome completo Miguel Ángel Andriolo Frodella
Data de nasc. 6 de setembro de 1912
Local de nasc. Dolores, Uruguai
Falecido em 14 de maio de 1981 (68 anos)
Local da morte Potenza, Itália
Altura 1,69 m
Apelido Chivo
Informações profissionais
Posição Meio-campista
Clubes de juventude
?-1931 Libertad de Dolores
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1932-1935
1935-1943
1943-1944
1945-1948
1948-1949
1949-1950
Nacional
Bologna
Lazio
Napoli
Catania
Forli
? (?)
165 (24)
14 (1)
93 (11)
 ? (?)
Seleção nacional
1935
1936-1942
Uruguai
Itália
0 (0)
26 (1)

Miguel Ángel Andriolo Frodella - em italiano, Michele Andreolo (Dolores, 6 de maio de 1912 - Potenza, 14 de maio de 1981)- foi um futebolista ítalo-uruguaio que, atuando como meio-campista da Seleção Italiana, conquistou a Copa do Mundo FIFA de 1938.[1]

Chegou antes a ser convocado pela Seleção Uruguaia para a Copa América de 1935. O país a venceu, mas Andreolo, na época atleta do Nacional, não chegou a jogar.[2] Posteriormente, esteve presente em quatro títulos do Bologna no campeonato italiano,[3] no que foi a fase áurea deste clube, na época repleto de outros uruguaios.[4]

Jogador forte e temperamental e apelidado no Uruguai de El Chivo,[5] Andreolo chegou a ser escalado em 1980 para a "seleção italiana dos sonhos", em votação promovida pelo jornal La Gazzetta dello Sport.[6] Ele é o jogador uruguaio que mais vezes defendeu a Itália, 26 vezes, mais de vinte acima dos segundos, Ricardo Faccio e Alcides Ghiggia (ambos cinco vezes).[7]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Uruguai[editar | editar código-fonte]

Andreolo iniciou a carreira no Libertad, clube de sua cidade natal de Dolores, onde permaneceria até 1931.[5] Em 1932, o futebol uruguaio se profissionalizou oficialmente [8] e ele foi contratado pelo Nacional, sendo campeão uruguaio em 1933 e 1934.[5] O clube não vencia o torneio desde 1924, mas conseguiu assim o primeiro bicampeonato seguido da era profissional.[8]

O torneio de 1933, na realidade, só foi finalizado em novembro de 1934,[9] quando o campeonato próprio pelo ano de 1934 já se encontrava desde julho em andamento.[10] Peñarol e Nacional haviam encerrado o ano de 1933 empatados na liderança, o que forçou uma série de finais, seguidamente empatadas. A primeira foi marcada para maio de 1934 e as seguintes ocorreram aproximadamente a cada dois meses até a vitória enfim ocorrer, a favor dos tricolores, em novembro, finalizando o campeonato uruguaio mais largo da história.[9]

A primeira desses clássicos decisivos terminou de modo polêmico. O jogo terminou em 0-0, mas ficou conhecido pelo "gol da mala", pois um arremate do adversário brasileiro João de Almeida "Bahia" foi para fora. A bola voltou a campo após rebater na mala de um membro da comissão técnica do Nacional, e assim o aurinegro Braulio Castro chutou para as redes. O árbitro não era famoso e seus gestos confundiram os jogadores do Nacional, que acreditaram que ele estava validando o lance, gerando um tumulto que suspendeu a partida no minuto 70. O capitão José Nasazzi e Juan Labraga foram expulsos por agressões ao juiz, e suspensos por um ano.[9]

Em agosto, acertou-se a continuação da partida para disputar-se os vinte minutos restantes. Como o 0-0 permaneceu, jogou-se uma prorrogação, que durou 60 minutos, com o 0-0 permanecendo. Como a partida era uma continuação daquela em que o Nacional teve dois jogadores expulsos, os tricolores precisaram jogar 80 minutos com nove jogadores aquele reencontro. A invencibilidade nessas circunstâncias na principal rivalidade do país em partida válida pelo campeonato não teve precedentes.[9] Andreolo, assim, foi um dos heróis do clássico conhecido como o "dos nove contra onze".[5]

O campeonato de 1934, por sua vez, alargou-se até abril do ano seguinte, encerrando-se com o clássico com o Peñarol na rodada final. O empate em 1-1 favoreceu o Nacional, apesar dos tricolores, novamente, precisarem jogar com dois jogadores a menos, dessa vez na meia hora final, devido às expulsões de Aníbal Ciocca e de Héctor Castro. Andreolo, assim foi um dos convocados à seleção para a Copa América de 1935. Foi campeão,[10] mas sem entrar em campo,[2] o que não impediu que se transferisse ao futebol italiano em seguida.

Itália[editar | editar código-fonte]

O Bologna vencedor do campeonato italiano de 1936-37. Andreolo é o terceiro jogador da esquerda para a direita.

Foi contratado pelo Bologna, a primeira equipe italiana a apostar largamente em uruguaios. Andreolo formou uma "colônia" com os compatriotas Federico Fedullo, Rafael Sansone e Héctor Puricelli, duas vezes artilheiro do campeonato italiano.[4] Andreolo foi campeão em suas duas primeiras temporadas, em 1935-36 e 1936-37,[5] estreando pela Seleção Italiana já em maio de 1936, em empate em 2-2 com a Áustria em Roma,[11] no qual jogou ao lado de outro uruguaio, Ricardo Faccio.[5]

Na Itália, seu nome passou de Miguel Ángel Andriolo para Michele Andreolo.[3] Se tornaria o uruguaio com mais partidas pela Azzurra e Faccio, o segundo de nove nomes.[7] El Chivo foi titular na Copa do Mundo FIFA de 1938, ganha pela Itália,[3] que na época tornou-se a seleção mais vezes campeã e a primeira bicampeã seguida. No time titular que jogou a final, Andreolo e Amadeo Biavati eram os representantes do Bologna na seleção campeã, mesmo número de jogadores da Juventus (Alfredo Foni e Pietro Rava).[3] Somente a Internazionale, campeã italiana da temporada anterior ao torneio,[12] estava mais representada, com um a mais (Ugo Locatelli, Giuseppe Meazza e Giovanni Ferrari).[3]

Na competição, Andreolo curiosamente enfrentou outro uruguaio, Héctor Cazenave, da seleção francesa.[13] Foi na ocasião em que a Itália, em função da anfitriã França também usar a cor azul, vestiu-se totalmente de preto, o que gerou polêmica devido à associação da cor alternativa ao fascismo.[14] O Uruguai natal de Andreolo e Cazenave havia se negado a disputar o torneio, oficialmente ainda em retaliação à larga ausência europeia na Copa do Mundo FIFA de 1930, apesar do empenho pessoal de Jules Rimet em trazer a Celeste por conta da ótima impressão que ela havia deixado localmente nas Olimpíadas de 1924; também interpretou-se que a ausência devia-se exatamente ao receio de perder este prestígio, após o mediano quarto lugar do país na Copa América de 1937.[15]

O desempenho de Andreolo na competição foi descrito como impecável, aparecendo especialmente para a assistência a Gino Colaussi no lance do primeiro gol italiano na semifinal contra o Brasil e por interceptar um escanteio da Hungria e iniciar o contra-ataque a resultar no primeiro gol da final, ainda aos 6 minutos de jogo.[13] O uruguaio, posteriormente, foi campeão com o Bologna também nas temporadas 1938-39 e 1940-41.[5] Na época, a equipe rossoblù tinha mais títulos que o Milan, Internazionale e Torino e somente um a menos que a Juventus; tinha seis conquistas [12] e o início da década de 1940 encerrou o período mais áureo do clube, que perdurava desde meados da década de 1920. O Bologna ganhou apenas mais um campeonato posteriormente, e com o tempo passou a ser mais associado a lutas contra o rebaixamento, embora ainda seja a quinta equipe com mais títulos italianos, à frente dos três da Roma e dos dois cada de Fiorentina, Napoli e Lazio.[16]

Andreolo, considerado entre os quinze maiores jogadores uruguaios do futebol italiano,[4] defendeu a seleção até abril de 1942, em vitória por 4-0 sobre a Espanha em Milão.[11] Prosseguiu uma bem sucedida carreira em outros clubes do país e nela ganhou muito dinheiro, mas faleceria esquecido e na miséria em 1981, aos 69 anos, na cidade italiana de Potenza.[3] Uma última homenagem em vida ocorrera no ano anterior: o uruguaio foi escalado para a "seleção italiana dos sonhos" no ano anterior, em votação promovida pelo jornal La Gazzetta dello Sport. A escalação completa foi Aldo Olivieri, Virginio Rosetta e Giacinto Facchetti, Pietro Serantoni, Armando Picchi, Andreolo e Gianni Rivera, Amadeo Biavati, Giuseppe Meazza, Silvio Piola e Luigi Riva.[6]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Competições Nacionais[editar | editar código-fonte]

Nacional
Bologna

Competições Internacionais[editar | editar código-fonte]

Seleção Uruguaia
Seleção Italiana

Torneios Internacionais[editar | editar código-fonte]

Bologna
  • Torneio Internacional de Paris: 1937

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Página da FIFA com estatísticas sobre o jogador(em inglês)
  2. a b TABEIRA, Martín (23 de novembro de 2007). «Southamerican Championship 1935». RSSSF. Consultado em 15 de setembro de 2017 
  3. a b c d e f GEHRINGER, Max (novembro de 2005). Os campeões. Placar: A Saga da Jules Rimet, fascículo 3 - 1938 França. Editora Abril, p.p 42-43
  4. a b c MOURA, Anderson (outubro de 2014). «Os 10 maiores uruguaios do futebol italiano». Calciopédia. Consultado em 10 de setembro de 2017 
  5. a b c d e f g h i j k BASSORELLI, Gerardo (2012). El Chivo Andreolo. Héroes de Nacional. Montevidéu: Editorial Fin de Siglo, p. 81
  6. a b Placar Mundial (22 fev. 1980). Placar n. 512. São Paulo: Editora Abril, p. 82
  7. a b DI MAGGIO, Roberto (2 de fevereiro de 2017). «Uruguayans in the Italian National Team». RSSSF. Consultado em 15 de setembro de 2017 
  8. a b ABBINK, Dinant; TABEIRA, Martín (11 de fevereiro de 2006). «Uruguay - List of Final Tables 1900-2000». RSSSF. Consultado em 15 de setembro de 2017 
  9. a b c d MELOS PRIETO, Juan José (2012). 1933 - El Año de la Máquina. El Campeonato más largo de la historia. El Padre de la Gloria. Montevidéu: Ediciones El Galeón, pp. 68-73
  10. a b MELOS PRIETO, Juan José (2012). 1934. El Padre de la Gloria. Montevidéu: Ediciones El Galeón, pp. 74-77
  11. a b DI MAGGIO, Roberto (21 de abril de 2011). «Michele Andreolo - International Appearances». RSSSF. Consultado em 15 de setembro de 2017 
  12. a b KARPATI, Tamas; KRAMARSIC, Igor (31 de agosto de 2017). «Italy - List of Champions». RSSSF. Consultado em 15 de setembro de 2017 
  13. a b CASTRO, Robert (2014). Capítulo IV - Francia 1938. Historia de los Mundiales. Montevidéu: Editorial Fín de Siglo, pp. 56-78
  14. GEHRINGER, Max (nov. 2005). Fascistas. Placar Especial "A Saga da Jules Rimet fascículo 3 - 1938 França". São Paulo: Editora Abril, p. 36
  15. GEHRINGER, Max. Dívida de honra (nov. 2005). Placar Especial "A Saga da Jules Rimet fascículo 3 - 1938 França". São Paulo: Editora Abril, pp. 6-8
  16. ANTONELLI, Rodrigo (setembro de 2015). «Os 10 maiores jogadores da história do Bologna». Calciopédia. Consultado em 15 de setembro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]