Michele Sindona

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Michele Sindona
Nascimento 8 de maio de 1920 (99 anos)
Patti, Itália
Morte 22 de março de 1986 (65 anos)
Voghera, Itália
Nacionalidade Italiano
Ocupação Banqueiro

Michele Sindona (8 de maio de 1920 - 22 de março de 1986) foi um banqueiro italiano e criminoso condenado. Conhecido nos círculos bancários como "Tubarão", Sindona era um membro da loja maçônica P2 (Propaganda Due),[1] dirigida por Licio Gelli,[2] e ve relações claras com a máfia siciliana e a mafiosa "família Gambino" nos EUA.

Sindona foi nomeado pelo Papa Paulo VI como assessor financeiro do Vaticano e membro do Conselho de Administração do Instituto para as Obras de Religião. Um levantamento do juiz italiano Ferdinando Imposimato mostra que Michele Sindona atuava desde 1957 como banqueiro para a máfia siciliana, a Cosa Nostra, e servia ao Vaticano, que reconhece mais tarde "ter sido enganado por este impostor." [3][4] Sindona também esteve envolvido no assassinato do advogado Giorgio Ambrosoli em 1979; sendo condenado em 1986 à prisão perpétua como mandante do assassinato.

Encarcerado em uma prisão de alta segurança de Voghera, Sindona prometeu fazer revelações. Morreu em sua cela, ao ingerir café contendo cianeto de potássio.[5] O inquérito sobre a morte de Sindona concluiu que se tratara de suicídio. [6]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Yallop, David (1984). In God's Name: An Investigation Into The Murder of Pope John Paul I. [S.l.]: Jonathan Cape 
  • Tosches, Nick (1986). Power on Earth. [S.l.]: Arbor House 
  • DiFonzo, Luigi (1983). St. Peter's Banker. [S.l.]: Franklin Watts .

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]