Mico-leão-de-cara-dourada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaMico-leão-de-cara-dourada[1][2]
Leontopithecus chrysomelas (in tree).jpg
Exemplar do Zoológico de Chester, próximo de Chester, no Reino Unido
Exemplar do Zoológico de Chester, próximo de Chester, no Reino Unido
Estado de conservação
Espécie em perigo
Em perigo (IUCN 3.1) [3]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Primates
Subordem: Haplorrhini
Infraordem: Simiiformes
Parvordem: Platyrrhini
Família: Cebidae
Subfamília: Callitrichinae
Género: Leontopithecus
Espécie: L. chrysomelas
Nome binomial
Leontopithecus chrysomelas
(Kuhl, 1820)
Distribuição geográfica
Leontopithecus chrysomelas distribution.svg
Sinónimos
  • chrysurus I. Geoffroy, 1827

O mico-leão-de-cara-dourada[4] ou mico-leão-da-cara-dourada[5] (nome científico: Leontopithecus chrysomelas), também referido genericamente como sagui, saguiúna ou sauim-una,[6] é um primata endêmico do Brasil pertencente à família dos cebídeos (Cebidae) e à subfamília dos calitriquíneos (Callitrichinae). Ocorre no sul da Bahia e extremo nordeste de Minas Gerais, ocupando uma área de aproximadamente 20 000 quilômetros quadrados. Entretanto, a única unidade de conservação nessa região é a Reserva Biológica de Una. Foi a primeira espécie de mico-leão a se diversificar, e portanto, é o táxon basal do gênero leontopiteco (Leontopithecus). Assim como as outras espécies de micos-leões, já foi considerado uma subespécie, sendo atualmente uma espécie distinta.

Possui um padrão de coloração da pelagem bem característica. O corpo é todo negro, com as mãos, pelos da face e ponta da cauda de cor dourada, o que lhe conferiu seu nome popular. São animais insetívoros e frugívoros e às vezes se associam ao sagui-de-wied quando buscam alimento. É uma espécie que corre considerável risco de extinção por causa de sua distribuição geográfica restrita. Entretanto, das quatro espécies de mico-leões, é a que corre menor risco de extinção e que possui a maior população em liberdade.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Sagui derivam do tupi-guarani sa'gwi ou sa'gwĩ.[7] Saguiúna é a junção de sagui + una,[8] enquanto sauim-una é a junção de saium + una e deriva do tupi-guarani sawin-úna.[9] Por fim, mico originou-se, possivelmente através do espanhol, na extinta língua cumanagota do Caribe e significa "mono de cauda longa".[10]

Taxonomia e Evolução[editar | editar código-fonte]

O mico-leão-de-cara-dourada pertence ao gênero leontopiteco (Leontopithecus), grupo monofilético da família dos cebídeos (Cebidae) e subfamília dos calitriquíneos (Callitrichinae).[2] Foi descrito e classificado por Heinrich Kuhl, em 1820.[11][1] Já houve dúvida se era de fato um mico-leão, por alguns autores do início do século XX, como Elliot (1913) e Thomas (1922).[11] O gênero leontopiteco foi proposto por Hershkovitz (1977) como monotípico, sendo o mico-leão-dourado (Leontopithecus rosalia) a única espécie: o mico-leão-de-cara-dourada era uma subespécie (L. r. chrysomelas), junto com o mico-leão-dourado (L. r. rosalia) e com o mico-leão-preto (L. r. chrysopygus).[2][12] Essa classificação foi revisada e atualmente é considerado uma espécie distinta, como as outras espécies de micos-leões.[1][2][3][13]

Evidências genéticas apontam para um período muito recente de diversificação dos micos-leões, a partir de refúgios de floresta no Pleistoceno.[14] Estudos filogenéticos corroboram com a hipótese de que o mico-leão-de-cara-dourada foi a primeira espécie a se separar das demais, sendo o taxon basal do clado do gênero leontopiteco.[15][16][17][18] No entanto, ainda não foi encontrado nenhum fóssil da linhagem do mico-leão-de-cara-dourada.[19]

Distribuição Geográfica e Hábitat[editar | editar código-fonte]

O mico-leão-de-cara-dourada é endêmico da Mata Atlântica do sul da Bahia, tendo o rio das Contas como limite norte de sua distribuição o rio Pardo como limite sul.[20][21] Há supostas ocorrências da espécie mais ao sul, perto do limite com o Espírito Santo, ao sul do rio Mucuri.[22] Estudos posteriores mostraram que tal hipótese não era válida.[21] Outrora, pareciam abundantes na região de Ilhéus.[22] Sua área de ocorrência chega a quase 20 000 quilômetros quadrados, mas parece que já se extinguiu de sua distribuição mais ao norte, entre o rio das Contas e o rio Ilhéus.[3] Sua ocorrência a oeste chega até a 150 quilômetros do litoral, já não ocorrendo mais à medida que aumenta a altitude, nas proximidades do planalto de Vitória da Conquista, se distribuindo ao longo do rio Gongoji no noroeste. Pode ser encontrado também no extremo nordeste de Minas Gerais, ao sul do rio Jequitinhonha.[20]

Habita principalmente a floresta ombrófila de terras baixas, sendo também encontrados nas restingas e florestas secundárias.[23] Na área de ocorrência da espécie, não existe sazonalidade no regime de chuvas, que ocorrem de forma relativamente constante o ano todo.[23] Nota-se que o mico-leão-de-cara-dourada, ao contrário do mico-leão-dourado, evita áreas pantanosas, principalmente para dormir.[23] A cabruca, floresta alterada onde é feito o plantio de cacau, eventualmente é utilizada pelo mico-leão-de-cara-dourada desde que persistam altas árvores nativas.[23] Aparentemente, o mico-leão-de-cara-dourada ocorre em quase todos os ambientes florestados de sua distribuição geográfica.[23] Habita principalmente os estratos mais altos da floresta, entre 12 m e 19 m de altura, onde há grande abundância e diversidade de bromélias.[24]

É a espécie de mico-leão que teve sua distribuição geográfica menos reduzida quando comparada às outras espécies do gênero, ocorrendo em quase toda a sua distribuição geográfica original.[25] Foi registrada a sua presença em cerca de 94 localidades nos estados da Bahia e de Minas Gerais. Entretanto, a única unidade de conservação dentro de sua área de distribuição geográfica é a Reserva Biológica de Una. Além disso, seu habitat se encontra cada vez mais fragmentado, o que causa preocupações em relação à sobrevivência da espécie.[20][11]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Possui toda a pelagem de cor negra e brilhante, exceto ao redor da face, membros anteriores e posteriores, que são douradas, o que conferiu o nome popular da espécie.[26] Possui um crânio com conformação única dentre os mico-leões. A face é mais alongada em comparação com as outras três espécies e também é mais robusta.[27] Pesam entre 534 g (fêmeas) e 620 g (machos), com até 25 centímetros de comprimento, sem a cauda, que não é preênsil.[28]

Ecologia[editar | editar código-fonte]

Mico-leão-de-cara-dourada atropelado na BA-262, entre Ilhéus e Uruçuca

Os micos-leões são animais frugívoros e insetívoros que apesar de seu pequeno tamanho ocupam áreas de vida relativamente grandes.[29] Micos-leões-de-cara-dourada estudados em Una ocuparam uma área de vida média de 123 hectares. Esta área é muito maior do que a ocupada por grupos de micos-leões-dourados. Entretanto, a maior parte do tempo os animais ocupam 11% de todo esse território.[29] Sua área de distribuição é simpátrica com a de sagui-de-wied (''Callithrix kuhlii), do qual se diferencia ecologicamente. O mico-leão-de-cara-dourada possui maior território, forrageia nos níveis mais altos da floresta e usa buracos em troncos de árvore como dormitórios.[24] Foram reportadas associações mistas entre essas espécie, embora elas não sejam muito frequentes.[26][19] Sua dieta constitui-se predominantemente de frutos maduros, néctar, insetos e pequenos vertebrados. O néctar tem menor importância na sua dieta, em relação às outras espécies de micos-leões.[29]

Conservação[editar | editar código-fonte]

O mico-leão-de-cara-dourada encontra-se em em perigo de extinção segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).[3][5][30] A Reserva Biológica de Una é a principal unidade de conservação em que a espécie ocorre. Entretanto a população é tamanho reduzido para se manter viável a longo prazo. Além disso, houve uma extrema redução da cobertura vegetal e fragmentação de habitats ao longo de toda sua distribuição geográfica. Ainda assim, é a espécie do gênero leontopiteco que possui a maior população na natureza, com estimativas variando entre 6 000 e 15 000 indivíduos.[20]

Referências

  1. a b c Groves, C. P. (2005). «Leontopithecus chrysomelas». In: Wilson, D. E.; Reeder, D. M. Mammal Species of the World: A Taxonomic and Geographic Reference 3.ª ed. Baltimore, Marilândia: Imprensa da Universidade Johns Hopkins. p. 133. ISBN 0-801-88221-4. OCLC 62265494 
  2. a b c d Rylands AB; Mittermeier RA (2009). «The Diversity of the New World Primates (Platyrrhini): An Annotated Taxonomy». In: Garber PA; Estrada A; Bicca-Marques JC; Heymann EW; Strier KB. South American Primates: Comparative Perspectives in the Study of Behavior, Ecology, and Conservation 3ª ed. Nova Iorque: Springer. pp. 23–54. ISBN 978-0-387-78704-6 
  3. a b c d Oliveira, L. C.; Neves, L. G.; Kierulff, M. C. M.; Jerusalinsky, L.; Mittermeier, R. A.; Rylands, Anthony B. (2021). «Golden-headed Lion Tamarin - Leontopithecus chrysomelas». Lista Vermelha da IUCN. União Internacional para Conservação da Natureza (UICN). p. e.T40643A192327573. doi:10.2305/IUCN.UK.2021-1.RLTS.T40643A192327573.en. Consultado em 17 de julho de 2021 
  4. «Mico-leão-de-cara-dourada (Leontopithecus chrysomelas)». Fundação jardim Zoológico de Brasília 
  5. a b Oliveira, Leonardo de Carvalho. «Mamíferos - Leontopithecus chrysomelas - Mico-leão-da-cara-dourada - Avaliação do Risco de Extinção de Leontopithecus chrysomelas (Kuhl, 1820) no Brasil». Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ministério do Meio Ambiente. Consultado em 17 de julho de 2021 
  6. «Mico-leão-de-cara-dourada». Michaelis. Consultado em 17 de julho de 2021 
  7. Houaiss, verbete sagui
  8. Houaiss, verbete saguiúna
  9. «Sauim-una». Michaelis. Consultado em 17 de julho de 2021 
  10. Houaiss, verbete mico
  11. a b c Rylands, A. B.; Mallinson, J. J.; Kleiman, D. G.; Coimbra-Filho, A. F.; Mittermeier, R. A.; Câmara, I. G.; Valladares-Pádua, C. B.; Bampi, M.I. (2008). «História da pesquisa e da conservação do mico-leão». In: Kleiman, D. G.; Rylands, A. B. Mico-leões: Biologia e conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente (Brasil). pp. 23–69. OCLC 319218717 
  12. Seuánez, H. N.; Di Fiore, A.; Moreira, M. A.; Almeida, C. A. S.; Canavez, F. C. (2008). «Genética e Evolução dos mico-leões». In: Kleiman, D. G.; Rylands, A. B. Mico-leões: Biologia e conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente (Brasil). pp. 165–186. OCLC 319218717 
  13. Horovitz, I.; Meyer, A. (1995). «Systematics of New World Monkeys (Platyrrhini, Primates) Based on 16S Mitochondrial DNA Sequences: A Comparative Analysis of Different Weighting Methods in Cladistic Analysis» (PDF). Molecular Phylogenetics and Evolution. 4 (4): 448-456 
  14. Forman, L.; Kleiman, D. G.; Bush, R. M.; Dietz, J. M.; Ballou, J. D.; Phullips, L. G.; et al. (1986). «Genetic variation within and among Lion Tamarins». American Journal of Physical Anthropology. 71: 1-11. doi:10.1002/ajpa.1330710102 
  15. Mundy, N.; Kelly, J. (2001). «Phylogeny of lion tamarins (Leontopithecus spp) based on interphotoreceptor retinol binding protein intron sequences». American Journal of Primatology. 54 (1): 33-40. doi:10.1002/ajp.1010 
  16. Perez-Sweeney, B.M. (2002). The molecular systematics of Leontopithecus, population genetics of L. chrysopygus and the contribution of these two sub-fields to the conservation of L. chrysopygus. PhD Thesis. Nova Iorque: Universidade de Colúmbia 
  17. Chaterjee, H. J.; Ho, S. Y.; Barnes, I.; Groves, C. (2009). «Estimating the phylogeny and divergence times of primates using a supermatrix approach». BMC Evolutionary Biology. 9: 1-19. doi:10.1186/1471-2148-9-259 
  18. Perez-Sweeney, B.M.; et al. (2008). «Examination of the Taxonomy and Diversification of Leontopithecus using the Mitochondrial Control Region». International Journal of Primatology. 29 (1): 245-263. ISSN 1573-8604. doi:10.1007/s10764-007-9224-7 
  19. a b Kleiman, D. G. (1981). «Leontopithecus rosalia» (PDF). Mammalian Species. 148: 1-7 
  20. a b c d Pinto, L. P. S.; Rylands, A. (1997). «Geographic Distribution of the Golden-Headed Lion Tamarin, Leontopithecus chrysomelas: Implications for Its Management and Conservation». Folia Primatologica. 68: 161-180. doi:10.1159/000157244 
  21. a b Rylands, A. B.; Santos, I.B.; Mittermeier, R.A. (1991). «Distribution and Status of Golden Lion Tamarin, Leontopithecus chrysomelas, in the Atlantic forest of Southern Bahia, Brazil» (PDF). Primate Conservation. 12-13: 15-24 
  22. a b Coimbra-Filho, A.C.; Mittermeier, R.A. (1973). «Distribution and Ecology of the Genus Leontopithecus Lesson, 1840 in Brazil.» (PDF). Primates. 14 (1): 47-66. Consultado em 1 de outubro de 2012. Arquivado do original (PDF) em 27 de setembro de 2013 
  23. a b c d e Raboy, B. E.; Christman, M. C.; Dietz, J. M. (2004). «The use of degraded and shade cocoa forests by Endangered golden-headed lion tamarins Leontopithecus chrysomelas». Oryx. 38 (1): 75-83. doi:10.1017/S0030605304000122 
  24. a b Rylands, A. B. (1989). «Sympatric Brazilian callitrichids: The Black Tufted-Ear Marmoset, Callithrix kuhli, and the Golden-headed Lion Tamarin, Leontopithecus chrysomelas». Journal of Human Evolution. 18 (7): 679-695. doi:10.1016/0047-2484(89)90100-0 
  25. Rylands, A. B.; Kierulff, M. C. M.; Pinto, L. P.S . (2008). «Distribuição e status dos mico-leões». In: Kleiman, D. G.; Rylands, A. B. Mico-leões: Biologia e conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente (Brasil). pp. 69–105. OCLC 319218717 
  26. a b Auricchio, P. (1995). «Gênero Leontopithecus». Primatas do Brasil. São Paulo - Brasil: Terra Brasilis Comércio de Material didático e Editora LTda - ME. 168 páginas. ISBN 85-85712-01-5 
  27. Rosenberger, A. L.; Coimbra-Filho, A. F. (1984). «Morphology, Taxonomic Status and Affinities of the Lion Tamarins, Leontopithecus (Callitrichinae, Cebidae)». Folia Primatologica. 42: 3-4. doi:10.1159/000156159 
  28. Cawthon, Lang K. A. (2005). «Primate Factsheets: Golden-headed lion tamarin (Leontopithecus chrysomelas) Taxonomy, Morphology, & Ecology .». Primate Info Net. Consultado em 1 de outubro de 2012 
  29. a b c Raboy, B. E.; Dietz, J. M. (2004). «Diet, Foraging, and Use of Space in Wild Golden-Headed Lion Tamarins». American Journal of Primatology. 63 (1): 1-15. doi:10.1002/ajp.20032 
  30. Costa, L.; et al. (2005). «Conservação de Mamíferos no Brasil» (PDF). Megadiversidade. 1 (1): 103-112. Consultado em 1 de outubro de 2012. Arquivado do original (PDF) em 9 de novembro de 2013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Mico-leão-de-cara-dourada
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Mico-leão-de-cara-dourada