Micro-organismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Microorganismo)
Bactéria Escherichia coli aumento de 10 000 num microscópio eletrônico.

Um micro-organismo (pré-AO 1990: microorganismo), microrganismo, ou micróbio (do grego μικρόβιος [micróbios]; de μικρός [micrós], "pequeno", e βίος [bíos], ‘vida’;[1] vida pequena) é um organismo microscópico, que pode existir em sua forma unicelular ou em uma colônia de células.

Desde os tempos antigos já suspeitavam sobre a possibilidade da existência de vida microbiana, como nas escrituras Jain do século VI a.C. no subcontinente indiano. O estudo científico dos microrganismos começou com sua observação com um microscópio na década de 1670 por Antonie van Leeuwenhoek. Na década de 1850, Louis Pasteur descobriu que eram os microrganismos que causavam a deterioração dos alimentos, desmentindo assim a teoria da geração espontânea.[2][3][4][5][6][7]

Os microrganismos incluem todos os organismos unicelulares e, portanto, são extremamente diversos. Dos três domínios da vida — Domínio Bacteria, Domínio Archaea e Domínio Eukaria — identificados por Carl Woese,[8] todas as Archaea e Bacteria são microrganismos. Estes foram agrupados anteriormente nos dois sistemas de domínio como procariontes, sendo o outro os eucariontes. O terceiro domínio Eukaryota inclui todos os organismos multicelulares e muitos protistas e protozoários unicelulares. Alguns protistas estão relacionados a animais e outros a plantas verdes. Muitos dos organismos multicelulares são microscópicos como alguns fungos e algumas algas.

Eles vivem em quase todos os habitats, desde os pólos até a linha do equador, desertos, gêiseres, rochas e nas profundezas do oceano. Alguns são adaptados a extremos, como condições muito quentes ou muito frias, outros a alta pressão e alguns, como Deinococcus radiodurans, a ambientes de alta radiação. Os microrganismos também constituem a microbiota encontrada dentro — como por exemplo, a microbiota intestinal — e sobre todos os organismos multicelulares. Há evidências de que rochas australianas de 3,45 bilhões de anos continham microrganismos, essa é a evidência direta de vida na Terra mais antiga já encontrada.[9][10]

Os micróbios são importantes na cultura e na saúde humana[11] de várias maneiras, servindo para fermentar alimentos, no tratatamento de esgoto, e para produzir combustíveis, enzimas e outros compostos bioativos. Os micróbios são ferramentas essenciais na biologia como organismos-modelo e têm sido usados na guerra biológica e no bioterrorismo. Os micróbios são um componente vital do solo fértil. No corpo humano, os microrganismos constituem a microbiota humana, incluindo a essencial microbiota intestinal. Os patógenos responsáveis por muitas doenças infecciosas são os micróbios e, como tal, são os alvos principais das medidas de higiene.

Descoberta[editar | editar código-fonte]

Como o primeiro microscopista e microbiologista reconhecido da história, Antonie van Leeuwenhoek foi o primeiro a estudar organismos microscópicos (incluindo bactérias, que ele chamou de “animálculos”), usando microscópios simples de sua própria autoria.
Lazzaro Spallanzani mostrou que ferver um caldo impedia que ele se deteriorasse.

Precursores ancestrais[editar | editar código-fonte]

A possível existência de organismos microscópicos foi discutida por muitos séculos antes de sua descoberta no século XVII. Por volta do século V a.C. os jainistas da atual Índia postularam a existência de minúsculos organismos chamados de nigodas.[12] Dizia-se que esses nigodas nascem em grupos; eles vivem em toda parte, incluindo corpos de plantas, animais e pessoas; e sua vida dura apenas uma fração de segundo.[13] De acordo com o líder jainista Mahavira, os humanos destroem esses nigodas em grande escala, quando comem, respiram, sentam e se movem.[12] Muitos jainistas modernos afirmam que os ensinamentos de Mahavira foram o presságio da existência de microrganismos descobertos pela ciência moderna.[14] A ideia mais antiga conhecida para indicar a possibilidade de doenças se espalhando por organismos ainda não vistos foi a do estudioso romano Marco Terêncio Varrão em um livro do século I a.C. com o título Das Coisas do Campo, no qual ele chamava as criaturas invisíveis de animálculos e adverte contra a localização de uma casa próxima um pântano:[15]

… e porque existem certas criaturas minúsculas que não podem ser vistas pelos olhos, que flutuam no ar e entram no corpo pela boca e nariz e causam doenças graves.[15]

No livro, O Canône da Medicina (1020), Avicena sugere que a tuberculose e outras doenças podem ser contagiosas.[16][17]

Início da era moderna[editar | editar código-fonte]

Akshamsaddin, um (cientista turco) mencionou o micróbio em seu trabalho Maddat ul-Hayat (O Material da Vida) cerca de dois séculos antes da descoberta de Anton van Leeuwenhoek através da experimentação:

É incorreto presumir que as doenças aparecem uma a uma nos humanos. A doença infecta propagando-se de uma pessoa para outra. Esta infecção ocorre por meio de sementes que são tão pequenas que não podem ser vistas, mas estão vivas.[21][22]

Em 1546, Girolamo Fracastoro propôs que as doenças epidêmicas eram causadas por entidades semelhantes a sementes que podiam transmitir a infecção por contato direto ou indireto, ou mesmo sem contato por longas distâncias.[23]

Antonie Van Leeuwenhoek é considerado o pai da microbiologia. Ele foi o primeiro em 1673 a descobrir e conduzir experimentos científicos com microrganismos, usando microscópios de lente única simples de seu próprio projeto.[24][25][19][26] Robert Hooke, um contemporâneo de Leeuwenhoek, também utilizou microscópios para observar a vida microbiana nos bolores das frutas. Em seu livro Micrographia de 1665, ele fez desenhos de estudos e cunhou o termo célula.[27]

Século XIX[editar | editar código-fonte]

Louis Pasteur mostrou que as descobertas de Spallanzani se mantinham mesmo que o ar pudesse entrar por um filtro que impedia a entrada de partículas.

Louis Pasteur (1822-1895) expôs caldos fervidos ao ar atmosférico, em recipientes que continham um filtro para evitar que as partículas entrassem em contato com o caldo, e também em recipientes sem filtro, mas permitindo o ar passar através de um tubo curvo, assim a poeira e as partículas se assentariam e não entrariam em contato com o caldo. Ao ferver o caldo de antemão, Pasteur garantiu que nenhum microrganismo sobrevivesse dentro dos caldos no início de seu experimento. Nada cresceu nos caldos durante o experimento de Pasteur. Isso significava que os microrganismos vivos que cresciam nesses caldos vinham de fora, como esporos na poeira, em vez de serem gerados espontaneamente no caldo. Assim, Pasteur refutou a teoria da geração espontânea e apoiou a teoria microbiana das doenças.[2]

Em 1876, Robert Koch (1843–1910) estabeleceu que alguns microrganismos podem causar doenças. Ele descobriu que o sangue de gado infectado com antraz sempre continha um grande número de Bacillus anthracis. Koch descobriu que podia transmitir o antraz de um animal para outro ao colher uma pequena amostra de sangue do animal infectado e injetá-la em um animal saudável, o que fazia com que o animal saudável adoecesse. Ele também descobriu que poderia cultivar a bactéria em um caldo nutritivo, injetá-la em um animal saudável e causar doenças. Com base nesses experimentos, ele elaborou critérios para estabelecer uma ligação causal entre um microrganismo e uma doença, que agora são conhecidos como Postulados de Koch.[28] Embora esses postulados não possam ser aplicados em todos os casos, eles retêm importância histórica para o desenvolvimento do pensamento científico e ainda estão sendo usados hoje.[29]

Robert Koch mostrou que alguns microrganismos causam doenças.[30]

A descoberta de microrganismos como o Euglena, que não se enquadravam nos reinos animalia e plantae, por serem fotossintéticos como as plantas, mas móveis como os animais, levou à denominação de um terceiro reino na década de 1860. Em 1860, John Hogg chamou isso de Protoctista, e em 1866 Ernst Haeckel nomeou-o de Protista.[31][32][33]

O trabalho de Pasteur e Koch não refletia com precisão a verdadeira diversidade do mundo microbiano por causa de seu foco exclusivo em microrganismos com relevância médica. Só então, com o trabalho de Martinus Beijerinck e Sergei Winogradsky no final do século XIX que a verdadeira amplitude da microbiologia foi revelada.[34] Beijerinck fez duas contribuições importantes para a microbiologia: a descoberta do vírus e o desenvolvimento de técnicas de cultura enriquecidas.[35] Embora seu trabalho com o vírus do mosaico do tabaco tenha estabelecido os princípios básicos da virologia, foi seu desenvolvimento do meio de cultura enriquecido que teve o impacto mais imediato na microbiologia, permitindo o cultivo de uma ampla gama de micróbios com fisiologias totalmente diferentes. Winogradsky foi o primeiro a desenvolver o conceito de quimiolitotrofia e, assim, revelar o papel essencial desempenhado pelos microrganismos nos processos geoquímicos.[36] Ele foi responsável pelo primeiro isolamento e descrição de bactérias nitrificantes e fixadoras de nitrogênio.[34] O microbiologista franco-canadense Felix d'Herelle co-descobriu os bacteriófagos e foi um dos primeiros microbiologistas aplicados.[37]

Classificação e estrutura[editar | editar código-fonte]

Os microrganismos podem ser encontrados quase em qualquer lugar da Terra. Bactérias e arqueas são quase sempre microscópicas, enquanto vários eucariontes também são microscópicos, incluindo a maioria dos protistas, alguns fungos e plantas. Os vírus não são feitos de células, eles não podem se manter em um estado estável, não crescem e não podem produzir sua própria energia. Mesmo que eles se repliquem e se adaptem ao seu ambiente, os vírus são mais parecidos com andróides do que organismos vivos reais. Portanto, não são considerados microrganismos, embora um subcampo da microbiologia seja a virologia, a especialidade biológica e médica que estuda os vírus e suas propriedades.[38][39][40][41]

Evolução[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Evolução
A árvore filogenética de Carl Woese de 1990 com base em dados de rRNA mostra os domínios de Bacteria, Archaea e Eukaryota. Todos são microrganismos, exceto alguns grupos de eucariontes.[42]

Microrganismos unicelulares foram as primeiras formas de vida a se desenvolver na Terra, há aproximadamente 3,5 bilhões de anos.[43][44][45] A evolução posterior foi lenta e,[46] por cerca de 3 bilhões de anos no éon pré-cambriano (grande parte da história da vida na Terra), todos os organismos eram microrganismos.[47][48] Bactérias, algas e fungos foram identificados em um âmbar com 220 milhões de anos, o que mostra que a morfologia dos microrganismos mudou pouco desde pelo menos o período Triássico.[49] O recém-descoberto papel biológico desempenhado pelo níquel, entretanto - especialmente aquele provocado por erupções vulcânicas dos Trapps siberianos - pode ter acelerado a evolução dos metanógenos no final do evento de extinção Permiano-Triássico.[50] Os microrganismos tendem a ter uma taxa de evolução relativamente rápida. A maioria dos microrganismos pode se reproduzir rapidamente e as bactérias também são capazes de trocar genes livremente por meio de conjugação, transformação e transdução, mesmo entre espécies amplamente divergentes.[51] Essa transferência horizontal de genes, associada a uma alta taxa de mutação e outros meios de transformação, permite que os microrganismos evoluam rapidamente (por meio da seleção natural) para sobreviver em novos ambientes e responder aos estresses ambientais. Essa rápida evolução é importante na medicina, pois levou ao desenvolvimento de bactérias patogênicas multirresistentes, as superbactérias, que são resistentes aos antibióticos.[52]

Uma possível forma de transição de microorganismo entre um procarionte e um eucarionte foi descoberta em 2012 por cientistas japoneses. O Parakaryon myojinensis é um microorganismo único, maior do que um procarionte típico, mas com material nuclear encerrado em uma membrana como em um eucarionte, e a presença de endossimbiontes. Esta é vista como a primeira forma evolutiva plausível de microrganismo, mostrando um estágio de desenvolvimento do procarionte ao eucarionte.[53][54]

Archaea[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Archaea

Archaea são organismos unicelulares procarióticos e formam o primeiro domínio da vida, no sistema de três domínios de Carl Woese. Um procarionte é definido como anucleado ou por não conter outra organela ligada à membrana. As Archaea compartilham essa característica definidora com as bactérias com as quais foram agrupadas. Em 1990, o microbiologista Woese propôs o sistema de três domínios que dividia os seres vivos em bactérias, arquéias e eucariontes e,[55] assim, dividia o domínio procarionte.

As Archaea diferem das bactérias tanto em sua genética quanto em sua bioquímica. Por exemplo, enquanto as membranas celulares bacterianas são feitas de fosfoglicerídeos com ligações de éster, as membranas arqueanas são feitas de éter lipídico.[56] Archaea foram originalmente descritos como extremófilos que vivem em ambientes extremos, como fontes termais, mas desde então foram encontrados em todos os tipos de habitats.[57] Só agora os cientistas estão começando a perceber o quão comuns são as archaea no meio ambiente, com o Crenarchaeota sendo a forma de vida mais comum no oceano, dominando ecossistemas abaixo de 150 m de profundidade.[58][59] Esses organismos também são comuns no solo e desempenham um papel vital na oxidação da amônia.[60]

Os domínios combinados de arquéias e bactérias constituem o grupo de organismos mais diverso e abundante da Terra e habitam praticamente todos os ambientes onde a temperatura está abaixo de 140 °C. Eles são encontrados na água, solo, ar, como o microbioma de um organismo, fontes termais e até mesmo nas profundezas da crosta terrestre nas rochas.[61] O número de procariontes é estimado em cerca de cinco nonilhões, ou 5×1030, representando pelo menos metade da biomassa da Terra.[62]

A biodiversidade dos procariontes é desconhecida, mas pode ser muito grande. Uma estimativa de maio de 2016, baseada em leis de escala de números conhecidos de espécies contra o tamanho do organismo, dá uma estimativa de talvez 1 trilhão de espécies no planeta, das quais a maioria seriam microrganismos. Atualmente, apenas um milésimo de um por cento desse total foi descrito.[63] Células arqueias de algumas espécies agregam e transferem DNA de uma célula para outra por meio do contato direto, especialmente sob condições ambientais estressantes que causam danos ao DNA.[64][65]

Bacteria[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Bacteria
Bactéria Staphylococcus aureus ampliada em cerca de 10.000 vezes.

Bactérias como as arqueas são procarióticas - unicelulares e não têm núcleo celular ou outra organela ligada à membrana. As bactérias são microscópicas, com algumas exceções extremamente raras, como Thiomargarita namibiensis.[66] As bactérias funcionam e se reproduzem como células individuais, mas muitas vezes podem se agregar em colônias multicelulares.[67] Algumas espécies, como as mixobactérias, podem se agregar em estruturas complexas, operando como grupos multicelulares como parte de seu ciclo de vida,[68] ou formar aglomerados em colônias bacterianas como a E.coli.

Seu genoma é geralmente um cromossomo bacteriano circular - uma única alça de DNA, embora também possam abrigar pequenos pedaços de DNA chamados plasmídeos. Esses plasmídeos podem ser transferidos entre células por meio de conjugação bacteriana. As bactérias são envoltas por uma parede celular, que fornece força e rigidez às suas células. Eles se reproduzem por fissão ou às vezes por gemulação, mas não sofrem reprodução sexual meiótica. No entanto, muitas espécies bacterianas podem transferir DNA entre células individuais por um processo de transferência horizontal de genes conhecido como transformação natural.[69] Algumas espécies formam esporos extraordinariamente resistentes, mas para as bactérias esse é um mecanismo de sobrevivência, não de reprodução. Em condições ideais, as bactérias podem crescer extremamente rapidamente e seu número pode dobrar a cada 20 minutos.[70]

Eucariotas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Eukaryota

A maioria dos seres vivos visíveis a olho nu em sua forma adulta são eucariontes, incluindo humanos. No entanto, muitos eucariontes também são microrganismos. Ao contrário das bactérias e arqueas, os eucariontes contêm organelas como o núcleo da célula, o complexo de Golgi e as mitocôndrias em suas células. O núcleo é uma organela que abriga o DNA que compõe o genoma de uma célula. O próprio DNA (ácido desoxirribonucléico) é organizado em cromossomos complexos.[71] As mitocôndrias são organelas vitais no metabolismo, pois são o local do Ciclo de Krebs e da fosforilação oxidativa. Eles evoluíram de bactérias simbióticas e retêm um genoma remanescente.[72] Como as bactérias, as células vegetais têm paredes celulares e contêm organelas como os cloroplastos, além das organelas de outros eucariontes. Os cloroplastos produzem energia da luz por fotossíntese e também eram bactérias simbióticas originalmente.[72]

Os eucariontes unicelulares consistem em uma única célula ao longo de seu ciclo de vida. Essa qualificação é significativa, pois a maioria dos eucariontes multicelulares consiste em uma única célula chamada zigoto apenas no início de seus ciclos de vida. Os eucariontes microbianos podem ser haplóides ou diplóides e alguns organismos têm múltiplos núcleos celulares.[73]

Os eucariontes unicelulares geralmente se reproduzem assexuadamente por mitose em condições favoráveis. No entanto, sob condições estressantes, como limitações de nutrientes e outras condições associadas a danos ao DNA, eles tendem a se reproduzir sexualmente por meiose e singamia.[74]

Protistas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Protista

Dos grupos eucarióticos, os protistas são mais comumente unicelulares e microscópicos. Este é um grupo altamente diverso de organismos que não são fáceis de classificar.[75][76] Várias espécies de algas são protistas multicelulares e os fungos viscosos têm ciclos de vida únicos que envolvem a alternância entre as formas unicelulares, coloniais e multicelulares.[77] O número de espécies de protistas é desconhecido, uma vez que apenas uma pequena proporção foi identificada. A diversidade protista é alta nos oceanos, profundas aberturas do mar, sedimentos de rios e um rio ácido, sugerindo que muitas comunidades microbianas eucarióticas ainda podem ser descobertas.[78][79]

Fungi[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Fungi

Os fungos apresentam várias espécies unicelulares, como a levedura de padeiro (Saccharomyces cerevisiae) e a levedura de fissão (Schizosaccharomyces pombe). Alguns fungos, como a levedura patogênica Candida albicans, podem sofrer mutações genéticas e crescer como células únicas em alguns ambientes e hifas filamentosas em outros.[80]

Plantae[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Plantae

As algas verdes são um grande grupo de eucariontes fotossintéticos que incluem muitos organismos microscópicos. Embora algumas algas verdes sejam classificadas como protistas, outras, como charophyta, são classificadas com plantas embriófitas, que são o grupo mais familiar de plantas terrestres. As algas podem crescer como células únicas ou em longas cadeias de células. As algas verdes incluem flagelados unicelulares e coloniais, geralmente, mas nem sempre, com dois flagelos por célula, bem como várias formas coloniais, cocóides e filamentosas. Nos Charales, que são as algas mais estreitamente relacionadas às plantas superiores, as células se diferenciam em vários tecidos distintos dentro do organismo. Existem cerca de 6.000 espécies de algas verdes.[81]

Ecologia[editar | editar código-fonte]

Os microrganismos são encontrados em quase todos os habitats presentes na natureza, incluindo ambientes hostis como os pólos Norte e Sul, desertos, gêiseres e rochas. Eles também incluem todos os microrganismos marinhos dos oceanos e do fundo do mar. Alguns tipos de microrganismos se adaptaram a ambientes extremos e colônias sustentadas; esses organismos são conhecidos como extremófilos. Extremófilos têm sido isolados em rochas de até 7 quilômetros abaixo da superfície da Terra,[82] e foi sugerido que a quantidade de organismos que vivem abaixo da superfície da Terra é comparável à quantidade de vida na superfície ou acima dela.[61] Os extremófilos são conhecidos por sobreviver por um tempo prolongado no vácuo e podem ser altamente resistentes à radiação, o que pode até permitir que sobrevivam no espaço.[83] Muitos tipos de microrganismos têm relações simbióticas íntimas com outros organismos maiores; alguns dos quais são mutuamente benéficos (mutualismo), enquanto outros podem ser prejudiciais ao organismo hospedeiro (parasitismo). Se os microrganismos podem causar doenças em um hospedeiro, eles são conhecidos como patógenos e, às vezes, chamados de micróbios. Os microrganismos desempenham papéis críticos nos ciclos biogeoquímicos da Terra, pois são responsáveis ​​pela decomposição e fixação de nitrogênio.[84]

As bactérias usam redes regulatórias que lhes permitem se adaptar a quase todos os nichos ambientais do planeta.[85][86] Uma rede de interações entre diversos tipos de moléculas, incluindo DNA, RNA, proteínas e metabólitos, é utilizada pelas bactérias para atingir a regulação da expressão genétca. Em bactérias, a principal função das redes regulatórias é controlar a resposta às mudanças ambientais, por exemplo, estado nutricional e estresse ambiental.[87] Uma complexa organização de redes permite que o microrganismo coordene e integre vários sinais ambientais.[85]

Extremófilos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Extremófilo
Uma tétrade de Deinococcus radiodurans, uma bactéria extremófila radiorresistente .

Extremófilos são microrganismos que se adaptaram para poder sobreviver e até prosperar em ambientes extremos que normalmente são fatais para a maioria das formas de vida. Termófilos e hipertermófilos prosperam em altas temperaturas. Os psicrófilos prosperam em temperaturas extremamente baixas. - Temperaturas tão altas quanto 130 °C,[88] tão baixas quanto −17 °C.[89] Halófilos como Halobacterium salinarum (um arqueano) prosperam em condições altamente salinas, até a saturação.[90] Os alcalifílicos prosperam em um pH alcalino de cerca de 8,5-11.[91] Os acidófilos podem prosperar em um pH de 2,0 ou menos.[92] Os piezófilos prosperam em pressões muito altas: até 1.000-2.000 atm, até 0 atm como no vácuo do espaço.[93] Alguns extremófilos, como Deinococcus radiodurans, são radiorresistentes,[94] resistindo à exposição à radiação de até 5k Gy. Os extremófilos são importantes de maneiras diferentes. Eles estendem a vida terrestre a grande parte da hidrosfera, crosta e atmosfera da Terra, seus mecanismos específicos de adaptação evolutiva a seu ambiente extremo podem ser explorados em biotecnologia, e sua própria existência sob tais condições extremas aumenta o potencial para vida extraterrestre.[95]

No solo[editar | editar código-fonte]

O ciclo do nitrogênio nos solos depende da fixação do nitrogênio atmosférico. Isso é conseguido por vários diazotróficos. Uma das maneiras pelas quais isso pode ocorrer é nos nódulos das raízes de leguminosas que contêm bactérias simbióticas dos gêneros Rhizobium, Mesorhizobium, Sinorhizobium, Bradyrhizobium e Azorhizobium.[96]

As raízes das plantas criam uma região estreita conhecida como rizosfera que suporta muitos microrganismos conhecidos como microbioma da raiz.[97]

Simbiose[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Simbiose
A cianobactéria fotossintética Hyella caespitosa (formas redondas) com hifas fúngicas (fios translúcidos) no líquen Pyrenocollema halodytes

Um líquen é uma simbiose de um fungo macroscópico com algas microbianas fotossintéticas ou cianobactérias.[98][99]

Aplicações[editar | editar código-fonte]

Os microrganismos são úteis na produção de alimentos, no tratamento de águas residuais, na criação de biocombustíveis e em uma ampla gama de produtos químicos e enzimas. Eles são inestimáveis na pesquisa como organismos-modelo. Eles foram transformados em armas e às vezes usados na guerra e no bioterrorismo. Eles são vitais para a agricultura por meio de seus papéis na manutenção da fertilidade do solo e na decomposição da matéria orgânica.

Produção de alimentos[editar | editar código-fonte]

Os microrganismos são usados em um processo de fermentação para fazer iogurte, queijo, requeijão, kefir, ayran e outros tipos de alimentos. As culturas de fermentação fornecem sabor e aroma e inibem microrganismos indesejáveis.[100] Eles são usados para fermentar o pão e para converter açúcares em álcool no vinho e na cerveja. Os microrganismos são usados na fabricação de cerveja, vinho, panificação, decapagem e outros processos de fabricação de alimentos.[101]

Alguns usos industriais de microrganismos:

Produto Contribuição de Microorganismos
Queijo O crescimento de microrganismos contribui para o amadurecimento e o sabor. O sabor e a aparência de um determinado queijo devem-se em grande parte aos microrganismos a ele associados. Lactobacillus Bulgaricus é um dos micróbios usados na produção de Lacticínios.
Bebidas alcoólicas O fermento é usado para converter açúcar, suco de uva ou grãos tratados com malte em álcool. Outros microrganismos também podem ser usados; um molde converte amido em açúcar para fazer o vinho de arroz japonês, saquê. Acetobacter Aceti é uma espécie de bactéria usada na produção de bebidas alcoólicas.
Vinagre Certas bactérias são usadas para converter o álcool em ácido acético, que dá ao vinagre seu sabor ácido. O Acetobacter Aceti é usado na produção de vinagre, que dá ao vinagre odor de álcool e sabor alcoólico.
Ácido Cítrico Certos fungos são usados ​​para fazer ácido cítrico, um ingrediente comum em refrigerantes e outros alimentos.
Vitaminas Microrganismos são usados para fazer vitaminas, como a vitamina C, B2 , B12.
Antibióticos Alguns microrganismos são usados ​​para fazer antibióticos, como a Penicilina, Amoxicilina, Tetraciclina e Eritromicina.

Tratamento de água[editar | editar código-fonte]

As estações de tratamento de águas residuais dependem amplamente de microrganismos para oxidar a matéria orgânica.

Estes dependem de sua capacidade de limpar a água contaminada com matéria orgânica em microrganismos que podem respirar substâncias dissolvidas. A respiração pode ser aeróbica, com um leito de filtro bem oxigenado, como um filtro de areia lento.[102] A digestão anaeróbica por metanógenos gera gás metano útil como subproduto.[103]

Energia[editar | editar código-fonte]

Os microrganismos são usados na fermentação para produzir etanol[104] e em reatores de biogás para produzir metano.[105] Os cientistas estão pesquisando o uso de algas para produzir combustíveis líquidos[106] e bactérias para converter várias formas de resíduos agrícolas e urbanos em combustíveis utilizáveis.[107]

Produtos químicos e enzimas[editar | editar código-fonte]

Os microrganismos são usados para produzir muitos produtos químicos comerciais e industriais, enzimas e outras moléculas bioativas. Os ácidos orgânicos produzidos em grande escala industrial por fermentação microbiana incluem ácido acético produzido por bactérias de ácido acético, como Acetobacter aceti, ácido butírico feito pela bactéria Clostridium butyricum, ácido láctico feito por Lactobacillus e outras bactérias lácticas.[108]

Microorganismos são usados ​​para preparar moléculas bioativas, como estreptoquinase da bactéria Streptococcus,[109] Ciclosporina A do fungo ascomiceto Tolypocladium inflatum,[110] e estatinas produzidas pela levedura Monascus purpureus.[111]

Ciência[editar | editar código-fonte]

Um tanque de fermentação de laboratório

Os microrganismos são ferramentas essenciais em biotecnologia, bioquímica, genética e na biologia molecular. As leveduras Saccharomyces cerevisiae e Schizosaccharomyces pombe são importantes organismos-modelo na ciência, uma vez que são eucariontes simples que podem crescer rapidamente em grande número e são facilmente manipulados.[112] Eles são particularmente valiosos em genética, genômica e proteômica.[113][114] Os microrganismos podem ser aproveitados para usos como a criação de esteróides e o tratamento de doenças de pele. Os cientistas também estão considerando o uso de microrganismos para células de combustível vivas[115] e como uma solução para a poluição.[116]

Guerra[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Guerra biológica e Bioterrorismo

Na Idade Média, como um dos primeiros exemplos de guerra biológica, cadáveres doentes eram jogados em castelos durante cercos usando catapultas ou outras armas de cerco. Indivíduos próximos aos cadáveres eram expostos ao patógeno e espalhavam esse patógeno para outras pessoas.[117]

Nos tempos modernos, o bioterrorismo incluiu o ataque bioterrorista de Rajneeshee em 1984[118] e a liberação de antraz em 1993 por Aum Shinrikyo em Tóquio.[119]

No Terreno[editar | editar código-fonte]

Os micróbios podem disponibilizar nutrientes e minerais do solo para as plantas, produzir hormônios que estimulam o crescimento, estimulam o sistema imunológico da planta e desencadeiam ou amenizam as respostas ao estresse. Em geral, um conjunto mais diversificado de micróbios do solo resulta em menos doenças nas plantas e maior produtividade.[120]

Saúde humana[editar | editar código-fonte]

Microbiota intestinal[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Microbiota intestinal

Os microrganismos podem formar uma relação endossimbiótica com outros organismos maiores. Por exemplo, a simbiose microbiana desempenha um papel crucial no sistema imunológico. Os microrganismos que constituem a flora intestinal no trato gastrointestinal contribuem para a imunidade intestinal, sintetizam vitaminas como ácido fólico e biotina e fermentam carboidratos não digeríveis complexos(fibras).[121] Alguns microrganismos considerados benéficos à saúde são denominados probióticos e estão disponíveis como suplementos alimentares ou aditivos alimentares.[11][122]

Probióticos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Probiótico

Os probióticos são bactérias benéficas que vivem no intestino e melhoram a saúde geral do organismo, trazendo benefícios como facilitar a digestão e a absorção de nutrientes, e fortalecer o sistema imunológico.[124]

Quando a flora intestinal está em desequilíbrio, o que acontece após o uso de antibióticos ou quando não se tem uma alimentação saudável e equilibrada, o intestino acaba sendo povoado por bactérias ruins, que não ajudam o sistema imunológico e deixam o organismo susceptível a várias doenças, também como a problemas intestinais, baixa imunidade, obesidade, periodontite, colesterol, pressão alta, candidíase, vaginose, irritações de pele, estresse, ansiedade e até mesmo câncer.[124][125][126]

A ingestão de probióticos também foi associada com redução mais rápida da área da ferida em ratos, provavelmente pela redução da fase inflamatória, acelerando assim o processo de fibrose e a deposição de colágeno.[127]

Doenças[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Patógeno e Teoria microbiana das doenças
O parasita eucariótico Plasmodium falciparum (formas azuis pontiagudas), é um agente causador da malária.

Os microrganismos são os agentes causadores (patógenos) em muitas doenças infecciosas. Os organismos envolvidos incluem bactérias patogênicas, causando doenças como peste, tuberculose e antraz; parasitas protozoários, causando doenças como malária, doença do sono, disenteria e toxoplasmose; e também fungos que causam doenças como micose, candidíase ou histoplasmose. No entanto, outras doenças como gripe, febre amarela ou AIDS são causadas por vírus patogênicos, que geralmente não são classificados como organismos vivos e, portanto, não são microrganismos pela definição estrita. Não são conhecidos exemplos claros de patógenos arqueanos,[128] embora uma relação tenha sido proposta entre a presença de alguns metanógenos arqueanos e a doença periodontal humana.[129] Numerosos patógenos microbianos são capazes de processos reprodutivos que parecem facilitar sua sobrevivência no hospedeiro infectado.[130]

Higiene[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Higiene e Microbiologia de alimentos

A higiene é um conjunto de práticas para evitar infecções ou o vencimento dos alimentos, eliminando microrganismos do ambiente. Como os microrganismos, em particular as bactérias, são encontrados virtualmente em todos os lugares, os microrganismos prejudiciais podem ser reduzidos a níveis aceitáveis em vez de realmente eliminados. Na preparação de alimentos, os microrganismos são reduzidos por métodos de preservação como o cozimento, a limpeza de utensílios ou por baixas temperaturas. Se a esterilidade completa for necessária, como acontece com o equipamento cirúrgico, uma autoclave é usada para matar os microrganismos com calor e pressão.[131][132]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Origem da palavra MICRóBIO - Etimologia». Dicionário Etimológico. Consultado em 10 de junho de 2021 
  2. a b Bordenave, G. (2003). «Louis Pasteur (1822–1895)». Microbes Infect. 5. pp. 553–60. PMID 12758285. doi:10.1016/S1286-4579(03)00075-3 
  3. Tyndall, John; Fragments of Science, Vol 2, chapters IV, XII (1876), XIII(1878); Pub. P. F. Collier, New York 1905; (Available at: https://archive.org/details/fragmenoscien02tyndrich )
  4. Levine, Russell; Evers, Chris. «The Slow Death of Spontaneous Generation (1668-1859)». North Carolina State University. National Health Museum 
  5. Bernal, J. D. (1967) [Reprinted work by A. I. Oparin originally published 1924; Moscow: The Moscow Worker]. The Origin of Life. Col: The Weidenfeld and Nicolson Natural History. London: Weidenfeld & Nicolson. LCCN 67098482 
  6. Zubay, Geoffrey. Origins of Life, Second Edition: On Earth and in the Cosmos. Academic Press 2000. ISBN 978-0127819105
  7. Smith, John Maynard; Szathmary, Eors (1997). The Major Transitions in Evolution. Oxford Oxfordshire: Oxford University Press. ISBN 9780198502944 
  8. «Três domínios». Biologia Net. Consultado em 8 de junho de 2021 
  9. Tyrell, Kelly April (18 de dezembro de 2017). «Os fósseis mais antigos já encontrados mostram que a vida na Terra começou antes de 3,5 bilhões de anos atrás.» (em inglês). Universidade de Wisconsin. Consultado em 8 de junho de 2021 
  10. Schopf, J. William; Kitajima, Kouki; Spicuzza, Michael J.; Kudryavtsev, Anatolly B.; Valley, John W. (2017). «SIMS analyses of the oldest known assemblage of microfossils document their taxon-correlated carbon isotope compositions». PNAS. 115. pp. 53–58. Bibcode:2018PNAS..115...53S. PMC 5776830Acessível livremente. PMID 29255053. doi:10.1073/pnas.1718063115 
  11. a b Cheriyedath, Susha (16 de maio de 2019). «Alimentos fermentados e saúde do intestino». News-Medical.net. Consultado em 8 de junho de 2021 
  12. a b Jeffery D Long (2013). Jainism: An Introduction. [S.l.]: I.B.Tauris. p. 100. ISBN 978-0-85771-392-6 
  13. Upinder Singh (2008). A History of Ancient and Early Medieval India: From the Stone Age to the 12th Century. [S.l.]: Pearson Education India. p. 315. ISBN 978-81-317-1677-9 
  14. Paul Dundas (2003). The Jains. [S.l.]: Routledge. 106 páginas. ISBN 978-1-134-50165-6 
  15. a b Varro on Agriculture 1, xii Loeb
  16. Tschanz, David W. «Arab Roots of European Medicine». Heart Views. 4. Cópia arquivada em 3 de maio de 2011 
  17. Colgan, Richard (2009). Advice to the Young Physician: On the Art of Medicine. [S.l.]: Springer. p. 33. ISBN 978-1-4419-1033-2 
  18. Kelly, Kate: The Scientific Revolution and Medicine: 1450–1700. (Facts on File, 2009, ISBN 978-0-8160-7207-1, p. 81)
  19. a b c Lane, Nick (2015). «The Unseen World: Reflections on Leeuwenhoek (1677) 'Concerning Little Animal'». Philos Trans R Soc Lond B Biol Sci. 370 666. 20140344 páginas. PMC 4360124Acessível livremente. PMID 25750239. doi:10.1098/rstb.2014.0344 
  20. Ford, Brian J. (1992). «From Dilettante to Diligent Experimenter: a Reappraisal of Leeuwenhoek as microscopist and investigator». Biology History. 5 
  21. Taşköprülüzâde: Shaqaiq-e Numaniya, v. 1, p. 48
  22. Osman Şevki Uludağ: Beş Buçuk Asırlık Türk Tabâbet Tarihi (Five and a Half Centuries of Turkish Medical History). Istanbul, 1969, pp. 35–36
  23. Nutton, Vivian (1990). «The Reception of Fracastoro's Theory of Contagion: The Seed That Fell among Thorns?». Osiris. 2nd Series, Vol. 6, Renaissance Medical Learning: Evolution of a Tradition. pp. 196–234. JSTOR 301787. PMID 11612689. doi:10.1086/368701 
  24. Leeuwenhoek, A. (1753). «Part of a Letter from Mr Antony van Leeuwenhoek, concerning the Worms in Sheeps Livers, Gnats, and Animalcula in the Excrements of Frogs». Philosophical Transactions 60–276. 22. pp. 509–18. Bibcode:1700RSPT...22..509V. doi:10.1098/rstl.1700.0013 
  25. Leeuwenhoek, A. (1753). «Part of a Letter from Mr Antony van Leeuwenhoek, F. R. S. concerning Green Weeds Growing in Water, and Some Animalcula Found about Them». Philosophical Transactions 77–288. 23. pp. 1304–11. Bibcode:1702RSPT...23.1304V. doi:10.1098/rstl.1702.0042 
  26. Payne, A.S. The Cleere Observer: A Biography of Antoni Van Leeuwenhoek, p. 13, Macmillan, 1970
  27. Gest, H. (2005). «The remarkable vision of Robert Hooke (1635–1703): first observer of the microbial world». Perspect. Biol. Med. 48. pp. 266–72. PMID 15834198. doi:10.1353/pbm.2005.0053 
  28. The Nobel Prize in Physiology or Medicine 1905 Nobelprize.org Accessed 22 November 2006.
  29. O'Brien, S.; Goedert, J. (1996). «HIV causes AIDS: Koch's postulates fulfilled». Curr Opin Immunol. 8. pp. 613–18. PMID 8902385. doi:10.1016/S0952-7915(96)80075-6 
  30. «Biblioteca Virtual Adolpho Lutz». www.bvsalutz.coc.fiocruz.br. Consultado em 8 de junho de 2021 
  31. Scamardella, J. M. (1999). «Not plants or animals: a brief history of the origin of Kingdoms Protozoa, Protista and Protoctista» (PDF). International Microbiology. 2. pp. 207–221. PMID 10943416 
  32. Rothschild, L. J. (1989). «Protozoa, Protista, Protoctista: what's in a name?». J Hist Biol. 22. pp. 277–305. PMID 11542176. doi:10.1007/BF00139515 
  33. Solomon, Eldra Pearl; Berg, Linda R.; Martin, Diana W. (2005). «Kingdoms or Domains?». Biology 7th ed. [S.l.]: Brooks/Cole Thompson Learning. pp. 421–7. ISBN 978-0-534-49276-2 
  34. a b Madigan, M.; Martinko, J., eds. (2006). Brock Biology of Microorganisms 13th ed. [S.l.]: Pearson Education. p. 1096. ISBN 978-0-321-73551-5 
  35. Johnson, J. (2001) [1998]. «Martinus Willem Beijerinck». APSnet. American Phytopathological Society. Consultado em 2 de maio de 2010. Cópia arquivada em 20 de junho de 2010  Retrieved from Internet Archive 12 January 2014.
  36. Paustian, T.; Roberts, G. (2009). «Beijerinck and Winogradsky Initiate the Field of Environmental Microbiology». Through the Microscope: A Look at All Things Small 3rd ed. [S.l.]: Textbook Consortia. § 1–14 
  37. Keen, E. C. (2012). «Felix d'Herelle and Our Microbial Future». Future Microbiology. 7 2. pp. 1337–1339. PMID 23231482. doi:10.2217/fmb.12.115 
  38. Lim, Daniel V. (2001). «Microbiology». eLS. [S.l.]: John Wiley. ISBN 978-0-470-01590-2. doi:10.1038/npg.els.0000459 
  39. «What is Microbiology?». highveld.com. Consultado em 2 de junho de 2017 
  40. Cann, Alan (2011). Principles of Molecular Virology 5 ed. [S.l.]: Academic Press. ISBN 978-0-12-384939-7 
  41. «Are viruses dead or alive? (article) | Cells». Khan Academy (em inglês). Consultado em 8 de junho de 2021 
  42. «O que é uma árvore filogenética. Como interpretar árvores filogenéticas e determinar quais espécies estão mais relacionadas.». Khan Academy. Consultado em 8 de junho de 2021 
  43. Schopf, J. (2006). «Fossil evidence of Archaean life». Philos Trans R Soc Lond B Biol Sci. 361 470. pp. 869–885. PMC 1578735Acessível livremente. PMID 16754604. doi:10.1098/rstb.2006.1834 
  44. Altermann, W.; Kazmierczak, J. (2003). «Archean microfossils: a reappraisal of early life on Earth». Res Microbiol. 154. pp. 611–7. PMID 14596897. doi:10.1016/j.resmic.2003.08.006 
  45. Cavalier-Smith, T. (2006). «Cell evolution and Earth history: stasis and revolution». Philos Trans R Soc Lond B Biol Sci. 361 470. pp. 969–1006. PMC 1578732Acessível livremente. PMID 16754610. doi:10.1098/rstb.2006.1842 
  46. Schopf, J. (1994). «Disparate rates, differing fates: tempo and mode of evolution changed from the Precambrian to the Phanerozoic». PNAS. 91. pp. 6735–6742. Bibcode:1994PNAS...91.6735S. PMC 44277Acessível livremente. PMID 8041691. doi:10.1073/pnas.91.15.6735 
  47. Stanley, S. (maio de 1973). «An Ecological Theory for the Sudden Origin of Multicellular Life in the Late Precambrian». PNAS. 70. pp. 1486–1489. Bibcode:1973PNAS...70.1486S. PMC 433525Acessível livremente. PMID 16592084. doi:10.1073/pnas.70.5.1486 
  48. DeLong, E.; Pace, N. (2001). «Environmental diversity of bacteria and archaea». Syst Biol. 50. pp. 470–8. CiteSeerX 10.1.1.321.8828Acessível livremente. PMID 12116647. doi:10.1080/106351501750435040 
  49. Schmidt, A.; Ragazzi, E.; Coppellotti, O.; Roghi, G. (2006). «A microworld in Triassic amber». Nature. 444. p. 835. Bibcode:2006Natur.444..835S. PMID 17167469. doi:10.1038/444835a 
  50. Schirber, Michael (27 de julho de 2014). «Microbe's Innovation May Have Started Largest Extinction Event on Earth». Space.com. Astrobiology Magazine 
  51. Wolska, K. (2003). «Horizontal DNA transfer between bacteria in the environment». Acta Microbiol Pol. 52. pp. 233–243. PMID 14743976 
  52. Enright, M.; Robinson, D. 1; Randle, G.; Feil, E.; Grundmann, H.; Spratt, B. (maio de 2002). «The evolutionary history of methicillin-resistant Staphylococcus aureus (MRSA)». Proc Natl Acad Sci USA. 99. pp. 7687–7692. Bibcode:2002PNAS...99.7687E. PMC 124322Acessível livremente. PMID 12032344. doi:10.1073/pnas.122108599 
  53. «Deep sea microorganisms and the origin of the eukaryotic cell» (PDF). Consultado em 24 de outubro de 2017 
  54. Yamaguchi, Masashi (1 de dezembro de 2012). «Prokaryote or eukaryote? A unique microorganism from the deep sea». Journal of Electron Microscopy. 61. pp. 423–431. PMID 23024290. doi:10.1093/jmicro/dfs062 
  55. Woese, C.; Kandler, O.; Wheelis, M. (1990). «Towards a natural system of organisms: proposal for the domains Archaea, Bacteria, and Eucarya». Proc Natl Acad Sci USA. 87. pp. 4576–9. Bibcode:1990PNAS...87.4576W. PMC 54159Acessível livremente. PMID 2112744. doi:10.1073/pnas.87.12.4576 
  56. De Rosa, M.; Gambacorta, A.; Gliozzi, A. (1 de março de 1986). «Structure, biosynthesis, and physicochemical properties of archaebacterial lipids». Microbiol. Rev. 50. pp. 70–80. PMC 373054Acessível livremente. PMID 3083222. doi:10.1128/mmbr.50.1.70-80.1986 
  57. Robertson, C.; Harris, J.; Spear, J.; Pace, N. (2005). «Phylogenetic diversity and ecology of environmental Archaea». Curr Opin Microbiol. 8. pp. 638–42. PMID 16236543. doi:10.1016/j.mib.2005.10.003 
  58. Karner, M.B.; DeLong, E.F.; Karl, D.M. (2001). «Archaeal dominance in the mesopelagic zone of the Pacific Ocean». Nature 819. 409. pp. 507–10. Bibcode:2001Natur.409..507K. PMID 11206545. doi:10.1038/35054051 
  59. Sinninghe Damsté, J.S.; Rijpstra, W.I.; Hopmans, E.C.; Prahl, F.G.; Wakeham, S.G.; Schouten, S. (junho de 2002). «Distribution of Membrane Lipids of Planktonic Crenarchaeota in the Arabian Sea». Appl. Environ. Microbiol. 68. pp. 2997–3002. PMC 123986Acessível livremente. PMID 12039760. doi:10.1128/AEM.68.6.2997-3002.2002 
  60. Leininger, S.; Urich, T.; Schloter, M.; Schwark, L.; Qi, J.; Nicol, G. W.; Prosser, J. I.; Schuster, S. C.; Schleper, C. (2006). «Archaea predominate among ammonia-oxidizing prokaryotes in soils». Nature. 442. pp. 806–809. Bibcode:2006Natur.442..806L. PMID 16915287. doi:10.1038/nature04983 
  61. a b Gold, T. (1992). «The deep, hot biosphere». Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. 89 3. pp. 6045–9. Bibcode:1992PNAS...89.6045G. PMC 49434Acessível livremente. PMID 1631089. doi:10.1073/pnas.89.13.6045 
  62. Whitman, W.; Coleman, D.; Wiebe, W. (1998). «Prokaryotes: The unseen majority». PNAS. 95. pp. 6578–83. Bibcode:1998PNAS...95.6578W. PMC 33863Acessível livremente. PMID 9618454. doi:10.1073/pnas.95.12.6578 
  63. Staff (2 de maio de 2016). «Researchers find that Earth may be home to 1 trillion species». National Science Foundation. Consultado em 6 de maio de 2016 
  64. van Wolferen M, Wagner A, van der Does C, Albers SV (2016). «The archaeal Ced system imports DNA». Proc Natl Acad Sci U S A. 113. pp. 2496–501. Bibcode:2016PNAS..113.2496V. PMC 4780597Acessível livremente. PMID 26884154. doi:10.1073/pnas.1513740113 
  65. Bernstein H, Bernstein C. Sexual communication in archaea, the precursor to meiosis. pp. 103-117 in Biocommunication of Archaea (Guenther Witzany, ed.) 2017. Springer International Publishing ISBN 978-3-319-65535-2 DOI 10.1007/978-3-319-65536-9
  66. Schulz, H.; Jorgensen, B. (2001). «Big bacteria». Annu Rev Microbiol. 55. pp. 105–37. PMID 11544351. doi:10.1146/annurev.micro.55.1.105 
  67. Shapiro, J.A. (1998). «Thinking about bacterial populations as multicellular organisms» (PDF). Annu. Rev. Microbiol. 52. pp. 81–104. PMID 9891794. doi:10.1146/annurev.micro.52.1.81. Cópia arquivada (PDF) em 17 de julho de 2011 
  68. Muñoz-Dorado, J.; Marcos-Torres, F. J.; García-Bravo, E.; Moraleda-Muñoz, A.; Pérez, J. (2016). «Myxobacteria: Moving, Killing, Feeding, and Surviving Together». Frontiers in Microbiology. 7. 781 páginas. PMC 4880591Acessível livremente. PMID 27303375. doi:10.3389/fmicb.2016.00781 
  69. Johnsbor, O.; Eldholm, V.; Håvarstein, L.S. (dezembro de 2007). «Natural genetic transformation: prevalence, mechanisms and function». Res. Microbiol. 0. 158. pp. 767–78. PMID 17997281. doi:10.1016/j.resmic.2007.09.004 
  70. Eagon, R. (1962). «Pseudomonas Natriegens, a Marine Bacterium With a Generation Time of Less Than 10 Minutes». J Bacteriol. 83. pp. 736–7. PMC 279347Acessível livremente. PMID 13888946. doi:10.1128/JB.83.4.736-737.1962 
  71. Eukaryota: More on Morphology. (Retrieved 10 October 2006)
  72. a b Dyall, S.; Brown, M.; Johnson, P. (2004). «Ancient invasions: from endosymbionts to organelles». Science 668. 304. pp. 253–7. Bibcode:2004Sci...304..253D. PMID 15073369. doi:10.1126/science.1094884 
  73. Veja coanócito.
  74. Kimura, Sakura; Shimizu, Sora; Michod, R.E. (2012). «Chapter 1». DNA repair as the primary adaptive function of sex in bacteria and eukaryotes. DNA Repair: New Research. [S.l.]: Nova Sci. Publ. pp. 1–49. ISBN 978-1-62100-808-8 
  75. Cavalier-Smith T (1 de dezembro de 1993). «Kingdom protozoa and its 18 phyla». Microbiol. Rev. 57. pp. 953–994. PMC 372943Acessível livremente. PMID 8302218. doi:10.1128/mmbr.57.4.953-994.1993 
  76. Corliss JO (1992). «Should there be a separate code of nomenclature for the protists?». BioSystems. 28 –3. pp. 1–14. PMID 1292654. doi:10.1016/0303-2647(92)90003-H 
  77. Devreotes P (1989). «Dictyostelium discoideum: a model system for cell-cell interactions in development». Science. 245 922. pp. 1054–8. Bibcode:1989Sci...245.1054D. PMID 2672337. doi:10.1126/science.2672337 
  78. Slapeta, J; Moreira, D; López-García, P. (2005). «The extent of protist diversity: insights from molecular ecology of freshwater eukaryotes». Proc. Biol. Sci. 272 576. pp. 2073–2081. PMC 1559898Acessível livremente. PMID 16191619. doi:10.1098/rspb.2005.3195 
  79. Moreira, D.; López-García, P. (2002). «The molecular ecology of microbial eukaryotes unveils a hidden world» (PDF). Trends Microbiol. 10. pp. 31–8. PMID 11755083. doi:10.1016/S0966-842X(01)02257-0 
  80. Kumamoto, C.A.; Vinces, M.D. (2005). «Contributions of hyphae and hypha-co-regulated genes to Candida albicans virulence». Cell. Microbiol. 1. 7. pp. 1546–1554. PMID 16207242. doi:10.1111/j.1462-5822.2005.00616.x 
  81. Thomas, David C. (2002). Seaweeds. London: Natural History Museum. ISBN 978-0-565-09175-0 
  82. Szewzyk, U; Szewzyk, R; Stenström, T. (1994). «Thermophilic, anaerobic bacteria isolated from a deep borehole in granite in Sweden». PNAS. 91. pp. 1810–3. Bibcode:1994PNAS...91.1810S. PMC 43253Acessível livremente. PMID 11607462. doi:10.1073/pnas.91.5.1810 
  83. Horneck, G. (1981). «Survival of microorganisms in space: a review». Adv Space Res. 1. pp. 39–48. PMID 11541716. doi:10.1016/0273-1177(81)90241-6 
  84. Rousk, Johannes; Bengtson, Per (2014). «Microbial regulation of global biogeochemical cycles». Frontiers in Microbiology. 5. pp. 210–25. PMC 3954078Acessível livremente. PMID 24672519. doi:10.3389/fmicb.2014.00103 
  85. a b Filloux, A.A.M., ed. (2012). Bacterial Regulatory Networks. [S.l.]: Caister Academic Press. ISBN 978-1-908230-03-4 
  86. Gross, R.; Beier, D., eds. (2012). Two-Component Systems in Bacteria. [S.l.]: Caister Academic Press. ISBN 978-1-908230-08-9 
  87. Requena, J.M., ed. (2012). Stress Response in Microbiology. [S.l.]: Caister Academic Press. ISBN 978-1-908230-04-1 
  88. Strain 121, a hyperthermophilic archaea, has been shown to reproduce at 121 °C (250 °F<), and survive at 130 °C (266 °F<).[1]
  89. Some Psychrophilic bacteria can grow at −17 °C (1,4 °F<)),[2] and can survive near absolute zero).«Earth microbes on the Moon». Consultado em 20 de julho de 2009. Cópia arquivada em 23 de março de 2010 
  90. Dyall-Smith, Mike, HALOARCHAEA, University of Melbourne. Veja também Haloarchaea.
  91. «Bacillus alcalophilus can grow at up to pH 11.5» (PDF) 
  92. Picrófilos podem crescer em pH −0,06.[3]
  93. A bactéria piezofílica Halomonas salaria requer uma pressão de 1.000 atm; nanofios, um organismo especulativo, foram encontrados na crosta terrestre a 2.000 atm.[4]
  94. Anderson, A. W.; Nordan, H. C.; Cain, R. F.; Parrish, G.; Duggan, D. (1956). «Studies on a radio-resistant micrococcus. I. Isolation, morphology, cultural characteristics, and resistance to gamma radiation». Food Technol. 10. pp. 575–577 
  95. Cavicchioli, R. (2002). «Extremophiles and the search for extraterrestrial life» (PDF). Astrobiology. 2. pp. 281–292. Bibcode:2002AsBio...2..281C. CiteSeerX 10.1.1.472.3179Acessível livremente. PMID 12530238. doi:10.1089/153110702762027862 
  96. Barea, J.; Pozo, M.; Azcón, R.; Azcón-Aguilar, C. (2005). «Microbial co-operation in the rhizosphere». J Exp Bot 17. 56. pp. 1761–78. PMID 15911555. doi:10.1093/jxb/eri197 
  97. Doktycz, Mitchel J.; Schadt, Christopher W.; Kerley, Marilyn; Yang, Zamin; Pelletier, Dale A.; Podar, Mircea; Karpinets, Tatiana; Uberbacher, Ed; Tuskan, Gerald A. (2011). «Distinct Microbial Communities within the Endosphere and Rhizosphere of Populus deltoides Roots across Contrasting Soil Types». Applied and Environmental Microbiology. 777. pp. 5934–5944. PMC 3165402Acessível livremente. PMID 21764952. doi:10.1128/AEM.05255-11 
  98. «O que é um líquen?». Australian National Botanic Gardens. Consultado em 30 de setembro de 2017 
  99. «Introduction to Lichens – An Alliance between Kingdoms». University of California Museum of Paleontology. Consultado em 30 de setembro de 2017 
  100. «Dairy Microbiology». University of Guelph. Consultado em 8 de junho de 2021 
  101. Hui, Y.H.; Meunier-Goddik, L.; Josephsen, J.; Nip, W.K.; Stanfield, P.S. (2004). Handbook of Food and Beverage Fermentation Technology. [S.l.]: CRC Press. pp. 27 and passim. ISBN 978-0-8247-5122-7 
  102. Gray, N.F. (2004). Biology of Wastewater Treatment. [S.l.]: Imperial College Press. p. 1164. ISBN 978-1-86094-332-4 
  103. Tabatabaei, Meisam (2010). «Importance of the methanogenic archaea populations in anaerobic wastewater treatments» (PDF). Process Biochemistry. 45. pp. 1214–1225. doi:10.1016/j.procbio.2010.05.017 
  104. Kitani, Osumu; Carl W. Hall (1989). Biomass Handbook. [S.l.]: Taylor & Francis US. p. 256. ISBN 978-2-88124-269-4 
  105. Pimental, David (2007). Food, Energy, and Society. [S.l.]: CRC Press. p. 289. ISBN 978-1-4200-4667-0 
  106. Tickell, Joshua (2000). From the Fryer to the Fuel Tank: The Complete Guide to Using Vegetable Oil as an Alternative Fuel. [S.l.]: Biodiesel America. p. 53. ISBN 978-0-9707227-0-6 
  107. Inslee, Jay (2008). Apollo's Fire: Igniting America's Clean Energy Economy. [S.l.]: Island Press. p. 157. ISBN 978-1-59726-175-3 
  108. Sauer, Michael; Porro, Danilo (2008). «Microbial production of organic acids: expanding the markets» (PDF). Trends in Biotechnology. 26. pp. 100–8. PMID 18191255. doi:10.1016/j.tibtech.2007.11.006 
  109. Babashamsi, Mohammed (2009). «Production and Purification of Streptokinase by Protected Affinity Chromatography». Avicenna Journal of Medical Biotechnology. 1. pp. 47–51. PMC 3558118Acessível livremente. PMID 23407807 
  110. Borel, J.F.; Kis, Z.L.; Beveridge, T. (1995). «The history of the discovery and development of Cyclosporin». In: Merluzzi, V.J.; Adams, J. The search for anti-inflammatory drugs case histories from concept to clinic. Boston: Birkhäuser. pp. 27–63. ISBN 978-1-4615-9846-6 
  111. Biology textbook for class XII. [S.l.]: National council of educational research and training. 2006. p. 183. ISBN 978-81-7450-639-9 
  112. Castrillo, J.I.; Oliver, S.G. (2004). «Yeast as a touchstone in post-genomic research: strategies for integrative analysis in functional genomics». J. Biochem. Mol. Biol. 37. pp. 93–106. PMID 14761307. doi:10.5483/BMBRep.2004.37.1.093 
  113. Suter, B.; Auerbach, D.; Stagljar, I. (2006). «Yeast-based functional genomics and proteomics technologies: the first 15 years and beyond». BioTechniques. 40. pp. 625–44. PMID 16708762. doi:10.2144/000112151 
  114. Sunnerhagen, P. (2002). «Prospects for functional genomics in Schizosaccharomyces pombe». Curr. Genet. 42. pp. 73–84. PMID 12478386. doi:10.1007/s00294-002-0335-6 
  115. Soni, S.K. (2007). Microbes: A Source of Energy for 21st Century. [S.l.]: New India Publishing. ISBN 978-81-89422-14-1 
  116. Moses, Vivian (1999). Biotechnology: The Science and the Business. [S.l.]: CRC Press. p. 563. ISBN 978-90-5702-407-8 
  117. Langford, Roland E. (2004). Introduction to Weapons of Mass Destruction: Radiological, Chemical, and Biological. [S.l.]: Wiley-IEEE. p. 140. ISBN 978-0-471-46560-7 
  118. Novak, Matt (3 de novembro de 2016). «The Largest Bioterrorism Attack in US History Was An Attempt To Swing An Election». Gizmodo 
  119. Takahashi, Hiroshi; Keim, Paul; Kaufmann, Arnold F.; Keys, Christine; Smith, Kimothy L.; Taniguchi, Kiyosu; Inouye, Sakae; Kurata, Takeshi (2004). «Bacillus anthracis Bioterrorism Incident, Kameido, Tokyo, 1993». Emerging Infectious Diseases. 10. pp. 117–20. PMC 3322761Acessível livremente. PMID 15112666. doi:10.3201/eid1001.030238 
  120. Vrieze, Jop de (14 de agosto de 2015). «The littlest farmhands». Science. 349 249. pp. 680–683. Bibcode:2015Sci...349..680D. PMID 26273035. doi:10.1126/science.349.6249.680 
  121. O'Hara, A.; Shanahan, F. (2006). «The gut flora as a forgotten organ». EMBO Rep. 7. pp. 688–93. PMC 1500832Acessível livremente. PMID 16819463. doi:10.1038/sj.embor.7400731 
  122. Schlundt, Jorgen. «Health and Nutritional Properties of Probiotics in Food including Powder Milk with Live Lactic Acid Bacteria» (PDF). Relatório de uma consulta conjunta de especialistas da FAO/OMS sobre a avaliação das propriedades nutricionais e de saúde de probióticos em alimentos, incluindo leite em pó com bactérias de ácido láctico vivas. FAO / OMS. Consultado em 8 de junho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 22 de outubro de 2012 
  123. Bueno, Rua Monsenhor Amador; 334; Itália, Tremembé/SP Fone:3672 1112 Avenida; 473; Fone:3424-3002, Taubaté/SP Fone:3424-2002 (5 de agosto de 2016). «Lactobacilos Vivos: O que são e por que fazem bem?». Laboratório SACE. Consultado em 8 de junho de 2021 
  124. a b «Probióticos: o que são, para que servem e como tomar». Tua Saúde. Consultado em 8 de junho de 2021 
  125. «Probióticos ajudam a combater 9 problemas sérios de saúde». Veja Saúde. Consultado em 8 de junho de 2021 
  126. Sepich-Poore, Gregory D.; Zitvogel, Laurence; Straussman, Ravid; Hasty, Jeff; Wargo, Jennifer A.; Knight, Rob (26 de março de 2021). «The microbiome and human cancer». Science (em inglês) (6536). ISSN 0036-8075. doi:10.1126/science.abc4552. Consultado em 8 de junho de 2021 
  127. TAGLIARI, Eliane; Fuganti CAMPOS, Leticia; Carlos CAMPOS, Antonio; Andrade COSTA-CASAGRANDE, Thaís; NORONHA, Lúcia (dezembro de 2019). «EFEITO DA ADMINISTRAÇÃO ORAL DE PROBIÓTICOS NA CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS EM RATOS». Consultado em 8 de junho de 2021 
  128. Eckburg, P.; Lepp, P.; Relman, D. (2003). «Archaea and Their Potential Role in Human Disease». Infect Immun. 71. pp. 591–6. PMC 145348Acessível livremente. PMID 12540534. doi:10.1128/IAI.71.2.591-596.2003 
  129. Lepp, P.; Brinig, M.; Ouverney, C.; Palm, K.; Armitage, G.; Relman, D. (2004). «Methanogenic Archaea and human periodontal disease». Proc Natl Acad Sci USA. 101 6. pp. 6176–81. Bibcode:2004PNAS..101.6176L. PMC 395942Acessível livremente. PMID 15067114. doi:10.1073/pnas.0308766101 
  130. Bernstein H, Bernstein C, Michod RE (janeiro de 2018). «Sex in microbial pathogens». Infect Genet Evol. 57. pp. 8–25. PMID 29111273. doi:10.1016/j.meegid.2017.10.024 
  131. «Hygiene». Organização Mundial da Saúde (OMS). Consultado em 8 de junho de 2021 
  132. «The Five Keys to Safer Food Programme». Organização Mundial da Saúde. Consultado em 8 de junho de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]