Microrregião de Ilhéus-Itabuna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde janeiro de 2017).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Ilhéus-Itabuna
Unidade federativa Bahia Bahia
Microrregiões limítrofes Itapetinga, Jequié, Porto Seguro , Valença, Vitória da Conquista
Área 21.308,944 km²
População 1.081.347 hab. est. IBGE/2007 [1]
Densidade 50,5 hab/km²

A microrregião de Ilhéus-Itabuna, também conhecida como Região Cacaueira,[2] é uma das microrregiões do estado brasileiro da Bahia pertencente à mesorregião Sul Baiano. Sua população foi estimada em 2007 pelo IBGE em 1.081.347 habitantes e está dividida em 41 municípios. Possui uma área total de 21.308,944 km². É a microrregião com maior número de cidades do estado da Bahia.

Municípios[editar | editar código-fonte]

Biodiversidade endêmica[editar | editar código-fonte]

Anfíbios[editar | editar código-fonte]

Aves[editar | editar código-fonte]

Mamíferos[editar | editar código-fonte]

Peixes[editar | editar código-fonte]

Répteis[editar | editar código-fonte]

Plantas[editar | editar código-fonte]

Microrganismos[editar | editar código-fonte]

Áreas protegidas[editar | editar código-fonte]

História[editar | editar código-fonte]

Geografia e urbanismo[editar | editar código-fonte]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Pessoas[editar | editar código-fonte]

Lugares[editar | editar código-fonte]

Economia[editar | editar código-fonte]

Esportes[editar | editar código-fonte]

Povos indígenas[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

Religião[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Estimativas - Contagem da População 2007». IBGE. Consultado em 14 de Novembro de 2007 
  2. Rocha, p. 16
  3. Trindade, Gilmar Alves (2015). Aglomeração Itabuna – Ilhéus: rede urbana regional e interações espaciais. Ilhéus: Editus. ISBN 978-85-7455-356-6 
  4. Wickizer, Vernon Dale (1951). Coffee, Tea, and Cocoa: An Economic and Political Analysis. [S.l.]: Stanford University Press. ISBN 978-0-8047-0420-5 
  5. Zoettl, Peter Anton (2016). «Film as Comrade-in-Arms: Image, Drama, and Identity in the Hã-Hã-Hãe Struggle for Recognition». Latin American Research Review. 51 (1): 3–21. doi:10.1353/lar.2016.0004. ISSN 1542-4278. Consultado em 28 de novembro de 2016 
  6. Zoettl, Peter Anton (1 de fevereiro de 2016). «The (Il)legal Indian The Tupinambá and the Juridification of Indigenous Rights and Lives in North-Eastern Brazil» (requer pagamento). Social & Legal Studies (em inglês). 25 (1): 3–21. doi:10.1177/0964663915593412. ISSN 0964-6639 
  7. Paraiso, Maria Hilda Baqueiro (2009). «Marcelino José Alves: de índio a caboclo, de "Lampião Mirim" a comunista, uma trajetória de resistência e luta no sul da Bahia» (PDF). SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA. 26. 11 páginas. Consultado em 28 de novembro de 2016 
  8. Paraiso, Maria Hilda Baqueiro (1987). «Os Índios de Olivença e a zona de veraneio dos coronéis de cacau da Bahia». Revista de Antropologia: 79–109. JSTOR 41825750. Consultado em 28 de novembro de 2016 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]